Memória histórica revisitada: Angaturama

Durante muitos anos foram sendo acumulados fragmentos de informações originadas de antigas fontes documentais de Leopoldina. No início dos anos 2000, a leitura do livro A História em Migalhas, de François Dosse, desencadeou um turbilhão de confusos pensamentos. Logo no capítulo 2 o autor lembra as palavras de Marc Bloch sobre “sair das fronteiras artificiais que fundamentam a pesquisa [e] transgredir os compartimentos topográficos” (p.84). Embora a passagem se refira à sugestão de Bloch de não separar os elementos da história francesa dos elementos da história da Europa, naquele momento soou como um alerta de que as informações até então coletadas não eram fragmentárias, mas faziam parte de um conjunto mais amplo que poderia servir a um futuro estudo comparativo.

Como não havia perspectiva de tal estudo a curto prazo, surgiu a ideia de divulgação daqueles fragmentos em virtude da constatação das dificuldades com que se deparam os pesquisadores ao procurar fontes em pequenas cidades que não contam com um arquivo histórico organizado. O objetivo era, então, levar ao conhecimento de outros interessados o que havia sido apurado até então.

Era necessário estabelecer critérios para a divulgação. E, mesmo sabendo que as divisas são artificiais e nem sempre se preocupam com a personalidade histórica ou as práticas dos habitantes de uma localidade, o primeiro critério adotado foi distribuir os fragmentos pelos atuais nomes das localidades a que se referem. Assim surgiu, entre outras, a série de postagens sobre Recreio. Iniciada em 2006, foi posteriormente reorganizada e republicada. Em pouco tempo se tornou uma pequena Memória Histórica, consultada com bastante frequência até os dias atuais.

Agora se inicia uma nova fase. Com o recolhimento do acervo de antigos processos das Comarcas mineiras pela Coordenação de Arquivos Permanentes do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, tornou-se mais fácil consultá-los. A partir de fevereiro de 2019 foi iniciado um projeto de revisão dos processos que haviam sido consultados localmente na década de 1990. Ao longo destes dois anos, a análise foi ampliada para novos processos, na medida em que foram identificados proprietários e propriedades existentes no território que passou a compor a Vila Leopoldina a partir da Lei nº 666 de 27 de abril de 1854.

Em abril de 2020, para marcar os 166 anos da emancipação administrativa de Leopoldina, foi iniciada a publicação da série “Pioneiros de Leopoldina” no jornal Leopoldinense. A meta era concluí-la até outubro de 2021 quando se completam 190 anos da mais antiga fonte documental a citar os primeiros moradores dos Sertões do Feijão Cru, denominação que surgiu em duas Cartas de Sesmarias datadas de 13 e 14 de outubro e 1817. Entretanto, os efeitos da pandemia que atingiu o planeta este ano atrasou o cronograma e não se sabe se será possível concluí-lo a tempo.

Por outro lado, em 2020 completaram-se algumas idades redondas relativas à história de Recreio e estava planejado revisitar sua trajetória. Um dos capítulos previstos para divulgação seria sobre Angaturama é o que se publica a seguir.

Fazenda São Joaquim

A mais antiga representação cartográfica de que se tem notícia sobre a região de Leopoldina é a Carta Topográfica dos Termos do Presídio, Pomba e São João Nepomuceno, de João José da Silva Teodoro, datada de 1847.

Figura 1- Carta Topográfica de João José da Silva Teodoro com marcações em cores para este trabalho

O Termo de São João Nepomuceno, colorido em amarelo para este trabalho, inclui as seguintes localidades:

  • Bom Jesus do Rio Pardo, atual Argirita
  • Conceição da Boa Vista
  • Conceição do Rio Novo, atual Rio Novo
  • Dores do Rabicho, atual Taruaçu,
  • Madre de Deus do Angu, atual Angustura
  • Mercês do Kágado, atual Mar de Espanha
  • Piedade, como Natividade, atual Piacatuba
  • Porto de Santo Antônio, atual Astolfo Dutra
  • Santíssima Trindade do Descoberto, atual Descoberto
  • Santo Antônio do Aventureiro
  • São João Nepomuceno
  • São José do Paraíba, atual Além Paraíba
  • São Sebastião do Feijão Cru, atual Leopoldina

Na representação topográfica estão marcados 41 nomes de proprietários na área do então Curato de Conceição da Boa Vista. Entre os que foram identificados está o chefe de uma das grandes famílias ali residentes desde 1835 e é justamente aquela cuja propriedade deu origem ao distrito de São Joaquim, atual Angaturama. O povoador Felicíssimo Vital de Moraes procedia da Serra da Ibitipoca como tantos outros pioneiros da região. Teve parentes próximos entre os primeiros entrantes e mesmo os que viveram em outro distrito de Leopoldina serão citados para que se entenda mais facilmente os casamentos endogâmicos.

No final da década de 1830, Felicissimo morava no então denominado 3º quarteirão do Feijão Cru. Com o crescimento populacional, o território foi redividido e em 1851 sua localização fazia parte do 4º quarteirão. Naquele ano, pela Lei nr 533 de 10 de outubro, foi criado o Distrito de Conceição da Boa Vista que incluía a área da propriedade de Felicíssimo, sobre a qual ele pagou impostos em 1855 e 1858.

Como pode ser observado em documentos posteriores, foi dado o nome de São Joaquim à fazenda que a família formou às margens do rio Pomba e que mais tarde nomeou o distrito ali criado. A devoção a São Joaquim é também indicada pelo nome de uma das filhas do casal: Ana Marta de São Joaquim.

Em 1875 Felicíssimo foi listado entre os produtores de café de Conceição da Boa Vista e já teria formado outra propriedade, de nome Bom Retiro, que seria um desmembramento da original São Joaquim, assim como foi desmembrada a fazenda do Barreiro. Entre 1869 e 1871 foram realizadas diversas vendas de partes da original fazenda São Joaquim, conforme se verifica no 3º livro do Cartório de Notas de Conceição da Boa Vista. Entre os compradores estavam o filho José Felicíssimo Gonçalves de Moraes além de Antonio Augusto Monteiro de Barros Galvão de São Martinho, Camilo José Sulpreito, Francisco Augusto de Freitas, João Antonio Pereira, João Federico Maia, José Antonio dos Prazeres, José Lemos da Silva, Luiz Antonio de Souza Melo, Manoel de Cristo da Silva, Manoel José de Oliveira Serandi. Alguns dos compradores haviam sido agregados da propriedade, como foi o caso de João Antonio Pereira que ocupou terras no lugar denominado Água Comprida, perto da nascente do córrego de mesmo nome, divisa com José Lemos da Silva.

No Decreto número 241, de 21 de novembro de 1890, que criou o distrito de São Joaquim, observa-se que algumas marcações coincidem com as que faziam parte da fazenda São Joaquim cerca de 30 anos antes. No Art. 2º § 1º, a descrição das divisas do novo distrito são indicadas a partir da margem direita do Rio Pomba no lugar denominado Poço da Onça, seguindo por propriedades que foram compradas de Felicíssimo ou de seus herdeiros. Cita, ainda, “a cabeceira da Água Limpa, abrangendo a fazenda do finado Felicíssimo, tomando-se o espigão em frente à casa da fazenda e por este acima até virar para o córrego do Barreiro”. Este córrego deu nome à fazenda do Barreiro, da qual um filho de Felicíssimo vendeu parte em 1878 para João Francisco de Puga Garcia.

Em 1864, na abertura do processo de Divisão Amigável da Fazenda Bom Retiro, Felicíssimo Vital de Moraes e seus filhos eram os condôminos. O agrimensor encarregado da medição da propriedade encontrou 611,5 alqueires e dela foram feitas vendas de pequenas áreas para Francisco Barbosa da Silva, Francisco da Silva Dias e José Lemos, entre outros. Em redivisão da mesma propriedade em 1887, alguns descendentes de Felicíssimo eram condôminos.

Figura 2 – Planta da Fazenda Bom Retiro em 1887

No Auto de Partilha dos bens inventariados de Felicíssimo Vital de Moraes, em 1876, os louvados avaliaram o monte mor em 106:634$302 (cento e seis contos seiscentos e trinta e quatro mil trezentos e dois reis).

Além das propriedades acima citadas, os filhos de Felicíssimo tiveram vínculos com as seguintes: Água Limpa, Areias, Boa Sorte, Boa Vista, Bocaina, Bonsucesso, Degredo, Lealdade, Posse e Província.

A seguir, genealogia da família Moraes, com as fontes consultadas para este trabalho e índice onomástico.

Emancipação de Recreio

O Decreto-Lei 148 de 17 de dezembro de 1938. fixou a divisão territorial do Estado de Minas Gerais. Entre outras providências, este normativo emancipou de Leopoldina o então distrito de Recreio, que havia sido criado pelo Decreto nº 123 de 27 de junho de 1890. Além da sede, o novo município passou a contar com dois distritos, desmembrados de Leopoldina: São Joaquim (Angaturama) e Conceição da Boa Vista.

Efemérides Leopoldinenses: Novembro

Memorial diário da história de Leopoldina, com acontecimentos do mês de novembro.

1 de novembro

1860

O ocaso da carreira política de Antonio José Monteiro de Barros.

Campanha política.

1899

A música em Leopoldina: Lyceu Musical Santa Cecília. Veja.


5 de novembro

1866

Assembleia Legislativa Provincial aprova a reforma das Posturas Municipais de Leopoldina que foram adotadas por Cataguases quando de sua emancipação.

Lei que aprova as posturas da Câmara Municipal de Leopoldina

Cataguases pede para adotar as Posturas de Leopoldina

Autorização para Cataguases adotar as Posturas de Leopoldina


6 de novembro

1869

A povoação do “Empossado” (mais tarde Empoçado), na época pertencente ao termo da Leopoldina, torna-se Distrito de Paz. Trata-se do atual distrito de Cataguarino, pertencente a Cataguases.


7 de novembro

1855

Criação do cargo de Juiz Municipal e de Órfãos em Leopoldina.


12 de novembro

1878

Criado o distrito de Campo Limpo, atual Ribeiro Junqueira.

Criação do distrito de Campo Limpo


18 de novembro

1857

Segundo o Decreto nº 2031 de 18 de novembro de 1857, o carcereiro de Leopoldina receberia sessenta mil réis anuais. Dentro da estrutura administrativa da época, a remuneração era um atrativo do cargo.


19 de novembro

1875

A Lei nº 2161 autoriza a Companhia Estrada de Ferro Leopoldina a estender-se até Santa Rita do Meia Pataca. Até então a concessão era para o trajeto Porto Novo a Leopoldina.


21 de novembro

1890

A Lei nº 241 cria os distritos de Santa Izabel, atual Abaíba e São Joaquim, atual Angaturama.

24 de novembro

1813

Concedidas duas sesmarias a Antônia Rodrigues Chaves e seu marido Domingos Gonçalves de Carvalho, irmão de Felisberto da Silva Gonçalves mencionado abaixo, dia 29 de novembro. Localização indicada na época da concessão: Mata geral do Sertão do Pomba, no Córrego da Fortaleza, Termo de Barbacena, onde se acha abrindo a estrada para o Porto de São Fidélis. Segundo estudos realizados nos livros paroquiais, as sesmarias de Antônia e Domingos ficavam localizadas em território que viria a constituir São João Nepomuceno, provavelmente no atual distrito de Taruaçu.

Fonte: Códice SC 352 fls 76v e fls 73v respectivamente, Arquivo Público Mineiro.


25 de novembro

1875

O distrito do Meia Pataca emancipa-se de Leopoldina com o nome de Cataguases. Em consequência, Leopoldina perde também os distritos do Empoçado e Conceição do Laranjal, além de parte do território do distrito da Piedade.

Fonte: Lei 2180, Coleção de Leis Mineiras do Arquivo Público Mineiro.


26 de novembro

1813

Concedida a Anna Bernarda da Silveira, uma sesmaria com limite no Córrego da Fortaleza, Mata Geral do Sertão do Pomba, Termo de Barbacena. Este córrego corresponde ao que mais tarde era conhecido como São Bento. Segundo registros do primeiro livro do Cartório de Notas de Bom Jesus do Rio Pardo, esta sesmaria ficava a sudoeste da sede do município de Leopoldina, na divisa com o atual município de Argirita. Esta informação é confirmada no Registro de Terras de 1856.

Fonte: Códice SC 352 fls 81, Arquivo Público Mineiro.

1835

O Juiz de Paz Manoel Ferreira Brito conclui o levantamento populacional do Curato de São Sebastião do Tesouro do Feijão Cru. Foram computados 135 fogos com 1.274 habitantes.


29 de novembro

1813

Concedida a Felisberto da Silva Gonçalves, marido de Anna Bernarda da Silveira citada no dia 26 de novembro acima, uma sesmaria também com limite no Córrego da Fortaleza, Sertão do Pomba, Termo de Barbacena.

Carta de Sesmaria de Felisberto da Silva Gonçalves


30 de novembro

1880

A povoação de Thebas é elevada à categoria de Distrito de Paz e continua fazendo parte da Freguesia da Piedade.

O distrito de São Joaquim

Por ser parte integrante do município de Recreio, o distrito de São Joaquim, atual Angaturama, tem sido mencionado freqüentemente neste blog. No comentário de hoje abordamos os moradores e fazendas que já pudemos identificar. Lembremos que as primeiras referências ao arraial foram encontradas nos registros de compra e venda de bens de raiz da década de 1860. Entretanto, sabemos que a corrente de povoamento chegou ao local por volta de 1831.

Para auxiliar os leitores que não conheçam a região, iniciamos pelo desenho que montamos para nossos estudos.

À esquerda, o número 1 marca a região da divisa com o distrito de Ribeiro Junqueira, pertencente ao município de Leopoldina. Basicamente todas as propriedades próximas desta divisa seriam desmembramentos da fazenda São Manoel da Bocaina que, como visto no post sobre aquele distrito, foi formada por Manoel Ferreira Brito, pai de Francisco e Ignacio Ferreira Brito.

Utilizamos o número 2 para indicar a linha pontilhada, na metade esquerda da figura, que marca a divisa de Angaturama com o distrito sede de Recreio. Esta linha divisória, logo depois de passar pelas terras desmembradas da fazenda São Manoel da Bocaina, entra pelas propriedades que tiveram origem na fazenda Recreio, também citada no post sobre Ribeiro Junqueira. Depois da mudança de curso, direcionando-se para o lado direito, os limites entre Recreio e Angaturama passam por pequenas propriedades ainda não totalmente identificadas.

No alto, à direita, o número 3 indica propriedades de herdeiros de Antônio Rodrigues Gomes citados no post sobre Itapiruçu. O número 4 indica propriedades que tiveram origem em terras de Felicíssimo Vital de Moraes. Finalmente, marcamos com o número 5 a região onde viveram descendentes de Lauriano José de Carvalho.

O curso do ribeirão dos Monos, que praticamente divide o distrito de Angaturama em duas partes, é referência para divisas de muitas propriedades organizadas no século XIX. Isto nos leva a crer que os habitantes pioneiros de Conceição da Boa Vista compraram terras às margens do ribeirão e depois expandiram suas propriedades. No sentido sul-norte, as primeiras referências que encontramos indicam que Francisco Barbosa da Silva ocupou as terras da margem esquerda, ali formando a fazenda Boa Vista. Na margem direita estariam as terras onde Lauriano José de Carvalho formou a fazenda Buraco Quente, vizinha das terras ocupadas por seu sogro Felicíssimo Vital de Moraes, formador das fazendas Barreiros e Bom Retiro.

A parte norte do distrito de Angaturama teria sido ocupada, do lado esquerdo do Monos, por familiares de Manoel José de Novaes, Processo José Correia de Lacerda, Lauriano José de Carvalho e alguns Ferreira Brito. Por ali estariam as fazendas Água Limpa da Boa Vista, Bom Jardim, Cachoeirinha da Serra, Córrego do Ouro, Duas Barras e Entre Monos. Encontramos muitas referências a Domingos Ferreira Brito, Domingos Ferreira Neto, Domingos Custódio e Domingos Custódio Neto. Suspeitamos que todos estes nomes refiram-se ao Domingos irmão de Francisco e Ignacio Ferreira Brito. Mas até o momento nada podemos afirmar a respeito.

Desmembramento para formação do distrito de Itapiruçu

Conforme informamos em nosso post de 05 de maio, Itapiruçu é distrito de Palma atualmente. Mas foi criado pela Lei nº 3171 de 18 de outubro de 1883, pertencendo ao município de Leopoldina, com território desmembrado de Conceição da Boa Vista. Posteriormente, com o Decreto nº 374 de 13 de dezembro de 1891, foi incorporado a Palma.

A origem do povoado remonta aos anos de 1850, quando descendentes dos pioneiros teriam construído a Capela das Dores do Monte Alegre do Pomba, alguns anos mais tarde referida como Nossa Senhora das Dores do Tapirussu ou Dores do Tapirussu.

Os documentos que analisamos indicam um movimento dos pioneiros de Conceição da Boa Vista em direção ao rio Pomba, com o objetivo de escoar a produção. Assim é que surgem localidades denominadas Porto das Madeiras e Porto de Antônio José, este último referindo-se a um serviço de barqueiros.

Na década de 1880, registros de compra e venda de bens de raiz informam que uma das propriedades divisava com a “lavra”, provavelmente referência a algum ponto onde se praticou a mineração. Esta atividade deu origem ao nome de um curso d’água ainda hoje conhecido como Córrego do Ouro, pertencente ao distrito de Angaturama.

A imagem imagem acima é do território do distrito no século XX, a partir do qual fizemos um estudo para localização dos pontos referidos na documentação do século anterior.

Os números 1 e 3 marcam os locais que, por volta de 1880, eram citados como Volta do Pomba. O primeiro deles também aparece como “águas vertentes da volta do Pomba”.

Entre as antigas fazendas de Itapiruçu encontramos aquela que se chamou São Luiz, tendo sido formada pelo paulista José Gomes dos Santos por volta de 1850 e vendida por seu neto a Francisco Celidônio Gomes dos Reis em 1874. A fazenda divisava com as propriedades de Francisco Joaquim dos Reis, José Francisco do Amorim, Nicolau Antonio Lombardo e com o rio Pomba. Por outro lado, diversos pequenos proprietários declararam, nos registros, serem vizinhos das mesmas pessoas e terem comprado suas terras de herdeiros das fazendas Província, Bom Retiro e Cachoeira Alegre. O número 2 no desenho acima indica a provável localização da fazenda São Luiz, que passou a ser chamada de Catadupa depois que foi adquirida por Francisco Celidônio Gomes dos Reis.

Já a fazenda Bom Retiro estaria localizada a alguma distância do Pomba, tendo sido formada por Felicíssimo Vital de Moraes por volta de 1830. Uma pequena parte dela foi vendida a Antônio Augusto Monteiro de Barros Galvão de São Martinho e, com sua morte, dividida em muitas pequenas propriedades, todas pertencentes a Itapiruçu. A parte maior da fazenda Bom Retiro permaneceu com os descendentes de Felicíssimo Vital de Moraes e ficou para o distrito de Angaturama.

Marcamos com o número 4 a provável localização da Fazenda da Pedra, composta de quatro porções de terras vendidas por Francisco Antonio Dias, Domiciano José da Silva, João Francisco de Azevedo e Aniceto Rodrigues Vicente a Querino Ribeiro de Avelar Rezende entre 1869 e 1871, totalizando 82 alqueires. Uma dúvida sobre a Fazenda da Pedra surgiu com a declaração de Querino Ribeiro de Avelar Rezende de que suas terras divisavam com a Fazenda Soledade, que recebeu do sogro como dote pelo casamento com Maria da Purificação Monteiro de Barros Galvão de São Martinho. Ocorre que o pai de Maria da Purificação, Manoel José Monteiro de Barros (filho), informou no Registro de Terras de 1856 que a Fazenda Soledade estaria localizada bem mais ao sul, mais precisamente em território que ao final do século veio a pertencer ao distrito de Providência. Permanece, portanto, a dúvida sobre a localização destas terras.

A outra indicação, marcada no mapa/estudo com o número 5, refere-se a uma região que sofreu alterações entre 1890 e 1891. Em 1890, a divisa com Conceição da Boa Vista seria um pouco mais à esquerda. Já em 1891, uma revisão dos limites do distrito de Recreio modificou a linha divisória para a que se vê no mapa utilizado neste estudo.

Segundo apuramos nos livros do Cartório de Notas de Itapiruçu, entre 1883 e 1890 a jurisdição do cartório chegava até bem perto do arraial de São Joaquim, futuro distrito de Angaturama, atuando também sobre uma parte ao sul do Laranjal.

Como exemplo da área de jurisdição, temos diversos registros relativos à fazenda Baraúna, na margem esquerda do rio Pomba, realizados pelo cartório de Itapiruçu. Consta que esta propriedade teria sido formada pela família de Manoel José de Novaes e posteriormente uma parte foi vendida a Manoel José de Oliveira. Na década de 1880, herdeiros deste último venderam diversas “sortes de terras” da fazenda Baraúnas, cada uma de medida variando entre 2 e 8 alqueires. Na mesma fonte observamos que, antes do falecimento de Manoel José de Oliveira, descendentes de Ezaú e Processo Correia de Lacerda estavam entre os herdeiros da mesma fazenda.

Verificamos ainda que propriedades indicadas como vizinhas do córrego do Ouro e da fazenda Província, mais tarde incluídas em Angaturama, tiveram registro de compra e venda em Itapiruçu. No caso da fazenda Província, os antigos registros dão conta de ter sido formada por Lauriano José de Carvalho, genro do já citado Felicíssimo Vital de Moraes.

A partir do ponto número 5, e até encontrar o primeiro marco, temos referências aos proprietários Benjamin Monteiro de Barros, Domingos Custódio Neto, Felicíssimo Vital de Moraes, Francisco das Chagas Ferreira, José Gomes dos Santos e Manoel José Ferreira, todos pertencentes a São Joaquim, hoje Angaturama. Esclarecemos que o penúltimo, José Gomes dos Santos, era neto do formador da fazenda São Luiz, vendida a Francisco Celidônio Gomes dos Reis em 1874. Já o Manoel José Ferreira parece ser um irmão de Francisco e Ignacio Ferreira Brito.

Concluímos este comentário repetindo o que dissemos em post anterior: não consideramos definitivo este estudo. Muito pelo contrário, nosso objetivo é apresentar a versão extraída da análise dos registros de compra e venda de bens de raiz e comparada ao conteúdo dos demais documentos do século XIX, com vistas a discutí-la com estudiosos do assunto.

Recreio

Criado como distrito do município de Leopoldina pelo Decreto nº 123 de 27 de junho de 1890, Recreio foi elevado a município e cidade pelo Decreto-Lei nº 148 de 17 de dezembro de 1938, compreendendo os distritos da sede, de Conceição da Boa Vista e de São Joaquim.

Angaturama, Recreio, Minas Gerais

Complementando nosso comentário de 21 de abril, este último território desmembrado de Conceição da Boa Vista recebeu oficialmente o nome de São Joaquim em 1890. Segundo alguns registros, seria o santo invocado por capela existente na Fazenda Monte Alegre. Com este nome encontramos uma propriedade dos descendentes de Manoel Ferreira Brito que divisava com Francisco José de Freitas Lima, João Baptista de Paula Almeida e Pedro Teixeira de Carvalho.

O distrito recebeu o nome atual em 1943, na esteira de várias modificações de topônimos que excluíam referências ao calendário cristão. Segundo Ribeiro Costa emToponímia de Minas Gerais, trata-se da junção anga + catú + rama, significando alma bondosa na língua tupi. Entretanto, um dinossauro que viveu na Chapada do Araripe, no Ceará, recebeu este nome e podemos encontrar referências ao distrito de Angaturama como sendo nome de um grande animal que vivia na região. A nós não nos parece, entretanto, adequada esta interpretação.

Sua história confunde-se com a de Itapiruçu, sendo possível que os dois locais formassem um “subdistrito” de Conceição da Boa Vista desde o início da ocupação. Quando aquele distrito foi criado, em 1883, incorporou parte do território de Conceição da Boa Vista, incluindo algumas fazendas que viriam, mais tarde, a pertencerem ao distrito de São Joaquim.

Por ocasião da criação do distrito, as divisas de São Joaquim foram marcadas pelas propriedades das famílias de Benjamin Monteiro de Barros, Domingos Custódio Neto, Felicíssimo Vital de Moraes, Francisco das Chagas Ferreira, José Gomes dos Santos e Manoel José Ferreira. O primeiro destes fazendeiros havia comprado, em 1884, uma propriedade na “localidade do Tapirussu”. Quando desmembrado o território para formar São Joaquim, a fazenda de Benjamin Monteiro de Barros passou a pertencer a este último distrito.

Em futuros comentários pretendemos abordar outras propriedades compreendidas entre as divisas citadas. Por hoje queremos apenas registrarque a arrecadação tributária de 1858 nos faz crer que Angaturama nasceu como centro de convergência das fazendas dos filhos de Manoel Ferreira Brito. Sabemos que a Francisco e Ignacio couberam terras na área de Recreio. Mas os outros filhos podem ter vivido em São Joaquim, que Domingos e Manoel aparecem em livros do Cartório de Conceição da Boa Vista como vizinhos de moradores de . Além disso, descendentes de outros irmãos ali se encontravam nos primeiros anos do século XX.

Pelos registros sabemos que a região próxima à divisa com Itapiruçu pertencia a José Gomes dos Santos que ali formou, antes de 1858, a Fazenda São Luiz. Também informamos que Felicíssimo Vital de Mores fundou a Fazenda Bom Retiro nas proximidades do córrego Água Comprida, onde seus descendentes viviam quando da criação de São Joaquim. Resta-nos pesquisar os nomes de outras fazendas constantes da documentação em análise.

Outra fazenda de Angaturama chamava-se Córrego do Ouro, e fazia divisa, em 1885, com a Estação São Joaquim. Segundo registros de compra e venda de bens de raiz, nesta época o local pertencia ao distrito de “Tapirussu” e a Córrego do Ouro pertencia a várias pessoas, entre as quais são citados Felipe Ignacio de Santiago, João Francisco de Azevedo Júnior e João Augusto do Carmo.

Significados e Mudanças de Nomes das Localidades

Hoje trazemos algumas informações sobre as denominações dos antigos povoados. Nossa fonte principal é a obra Toponímia de Minas Gerais, de Joaquim Ribeiro Costa, edição de 1993 pela Itatiaia, de Belo Horizonte.

Ao mencionar os topônimos representados por nomes do calendário cristão, o autor lembra ser este um atestado do sentimento religioso daqueles que desbravaram o território e fundaram os antigos povoados. De modo geral, a formação do arraial iniciava-se em torno de uma igreja erguida em homenagem ao santo de devoção, cujo nome estendia-se para toda a localidade. Assim é que Leopoldina, por exemplo, chamou-se Tesouro de São Sebastião do Feijão Cru.

Obedecendo ao “Esquema Genealógico” constante na página 93 da obra de Ribeiro Costa, temos que de Leopoldina foram desmembrados os seguintes atuais municípios: Argirita, Astolfo Dutra, Barão do Monte Alto, Cataguases, Dona Eusébia, Itamarati de Minas, Laranjal, Miraí, Palma, Recreio e Santana de Cataguases. Para os objetivos deste comentário, vamos nos referir a Laranjal, Palma e Recreio.

PALMA – O Curato de São Francisco de Assis da Capivara foi incorporado a Leopoldina em 1854, transferido para São Paulo do Muriaé em 1871, depois para Cataguases em 1875 e elevado a município em 1890, compreendendo os distritos de Laranjal e Aliança (hoje Cisneiros). Em 1891 incorporou os distritos de Itapiruçu e São Sebastião da Cachoeira Alegre.

LARANJAL – A Paróquia de Nossa Senhora da Conceição do Laranjal foi incorporada ao município de Leopoldina em 1871, transferida para São Francisco de Assis da Capivara (Palma) em 1890, para Cataguases em 1891 e elevada a município em 1938, compreendendo o distrito sede e o de São João da Sapucaia. Até onde pudemos apurar, a mudança de nomes foi apenas pela supressão do santo invocado na denominação original.

RECREIO – Nome da fazenda onde foi construída a estação da estrada de ferro, conforme já mencionado nos primeiros posts deste blog. Distrito criado em território de Conceição da Boa Vista em 1890, elevado a município em 1938 com os distritos de Conceição da Boa Vista e São Joaquim (atual Angaturama).

Nos próximos comentários vamos tratar dos distritos.

Autoridades em São Joaquim

Autoridades distritais de São Joaquim, atual distrito de Angaturama, município de Recreio, MG.

SÃO JOAQUIM, atual distrito de Angaturama, município de Recreio
Agostinho Teixeira da Mota Bastos 3º Juiz de Paz 23.01.1892
Antonio José de Menezes 1º Juiz de Paz 11.09.1891
Jacinto Luiz Machado Escrivão de Paz 24.09.1891

Autoridades de São Joaquim

FONTE: Arquivo da Câmara Municipal de Leopoldina, antigos códices 32 e 146