Memória histórica revisitada: Angaturama

Durante muitos anos foram sendo acumulados fragmentos de informações originadas de antigas fontes documentais de Leopoldina. No início dos anos 2000, a leitura do livro A História em Migalhas, de François Dosse, desencadeou um turbilhão de confusos pensamentos. Logo no capítulo 2 o autor lembra as palavras de Marc Bloch sobre “sair das fronteiras artificiais que fundamentam a pesquisa [e] transgredir os compartimentos topográficos” (p.84). Embora a passagem se refira à sugestão de Bloch de não separar os elementos da história francesa dos elementos da história da Europa, naquele momento soou como um alerta de que as informações até então coletadas não eram fragmentárias, mas faziam parte de um conjunto mais amplo que poderia servir a um futuro estudo comparativo.

Como não havia perspectiva de tal estudo a curto prazo, surgiu a ideia de divulgação daqueles fragmentos em virtude da constatação das dificuldades com que se deparam os pesquisadores ao procurar fontes em pequenas cidades que não contam com um arquivo histórico organizado. O objetivo era, então, levar ao conhecimento de outros interessados o que havia sido apurado até então.

Era necessário estabelecer critérios para a divulgação. E, mesmo sabendo que as divisas são artificiais e nem sempre se preocupam com a personalidade histórica ou as práticas dos habitantes de uma localidade, o primeiro critério adotado foi distribuir os fragmentos pelos atuais nomes das localidades a que se referem. Assim surgiu, entre outras, a série de postagens sobre Recreio. Iniciada em 2006, foi posteriormente reorganizada e republicada. Em pouco tempo se tornou uma pequena Memória Histórica, consultada com bastante frequência até os dias atuais.

Agora se inicia uma nova fase. Com o recolhimento do acervo de antigos processos das Comarcas mineiras pela Coordenação de Arquivos Permanentes do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, tornou-se mais fácil consultá-los. A partir de fevereiro de 2019 foi iniciado um projeto de revisão dos processos que haviam sido consultados localmente na década de 1990. Ao longo destes dois anos, a análise foi ampliada para novos processos, na medida em que foram identificados proprietários e propriedades existentes no território que passou a compor a Vila Leopoldina a partir da Lei nº 666 de 27 de abril de 1854.

Em abril de 2020, para marcar os 166 anos da emancipação administrativa de Leopoldina, foi iniciada a publicação da série “Pioneiros de Leopoldina” no jornal Leopoldinense. A meta era concluí-la até outubro de 2021 quando se completam 190 anos da mais antiga fonte documental a citar os primeiros moradores dos Sertões do Feijão Cru, denominação que surgiu em duas Cartas de Sesmarias datadas de 13 e 14 de outubro e 1817. Entretanto, os efeitos da pandemia que atingiu o planeta este ano atrasou o cronograma e não se sabe se será possível concluí-lo a tempo.

Por outro lado, em 2020 completaram-se algumas idades redondas relativas à história de Recreio e estava planejado revisitar sua trajetória. Um dos capítulos previstos para divulgação seria sobre Angaturama é o que se publica a seguir.

Fazenda São Joaquim

A mais antiga representação cartográfica de que se tem notícia sobre a região de Leopoldina é a Carta Topográfica dos Termos do Presídio, Pomba e São João Nepomuceno, de João José da Silva Teodoro, datada de 1847.

Figura 1- Carta Topográfica de João José da Silva Teodoro com marcações em cores para este trabalho

O Termo de São João Nepomuceno, colorido em amarelo para este trabalho, inclui as seguintes localidades:

  • Bom Jesus do Rio Pardo, atual Argirita
  • Conceição da Boa Vista
  • Conceição do Rio Novo, atual Rio Novo
  • Dores do Rabicho, atual Taruaçu,
  • Madre de Deus do Angu, atual Angustura
  • Mercês do Kágado, atual Mar de Espanha
  • Piedade, como Natividade, atual Piacatuba
  • Porto de Santo Antônio, atual Astolfo Dutra
  • Santíssima Trindade do Descoberto, atual Descoberto
  • Santo Antônio do Aventureiro
  • São João Nepomuceno
  • São José do Paraíba, atual Além Paraíba
  • São Sebastião do Feijão Cru, atual Leopoldina

Na representação topográfica estão marcados 41 nomes de proprietários na área do então Curato de Conceição da Boa Vista. Entre os que foram identificados está o chefe de uma das grandes famílias ali residentes desde 1835 e é justamente aquela cuja propriedade deu origem ao distrito de São Joaquim, atual Angaturama. O povoador Felicíssimo Vital de Moraes procedia da Serra da Ibitipoca como tantos outros pioneiros da região. Teve parentes próximos entre os primeiros entrantes e mesmo os que viveram em outro distrito de Leopoldina serão citados para que se entenda mais facilmente os casamentos endogâmicos.

No final da década de 1830, Felicissimo morava no então denominado 3º quarteirão do Feijão Cru. Com o crescimento populacional, o território foi redividido e em 1851 sua localização fazia parte do 4º quarteirão. Naquele ano, pela Lei nr 533 de 10 de outubro, foi criado o Distrito de Conceição da Boa Vista que incluía a área da propriedade de Felicíssimo, sobre a qual ele pagou impostos em 1855 e 1858.

Como pode ser observado em documentos posteriores, foi dado o nome de São Joaquim à fazenda que a família formou às margens do rio Pomba e que mais tarde nomeou o distrito ali criado. A devoção a São Joaquim é também indicada pelo nome de uma das filhas do casal: Ana Marta de São Joaquim.

Em 1875 Felicíssimo foi listado entre os produtores de café de Conceição da Boa Vista e já teria formado outra propriedade, de nome Bom Retiro, que seria um desmembramento da original São Joaquim, assim como foi desmembrada a fazenda do Barreiro. Entre 1869 e 1871 foram realizadas diversas vendas de partes da original fazenda São Joaquim, conforme se verifica no 3º livro do Cartório de Notas de Conceição da Boa Vista. Entre os compradores estavam o filho José Felicíssimo Gonçalves de Moraes além de Antonio Augusto Monteiro de Barros Galvão de São Martinho, Camilo José Sulpreito, Francisco Augusto de Freitas, João Antonio Pereira, João Federico Maia, José Antonio dos Prazeres, José Lemos da Silva, Luiz Antonio de Souza Melo, Manoel de Cristo da Silva, Manoel José de Oliveira Serandi. Alguns dos compradores haviam sido agregados da propriedade, como foi o caso de João Antonio Pereira que ocupou terras no lugar denominado Água Comprida, perto da nascente do córrego de mesmo nome, divisa com José Lemos da Silva.

No Decreto número 241, de 21 de novembro de 1890, que criou o distrito de São Joaquim, observa-se que algumas marcações coincidem com as que faziam parte da fazenda São Joaquim cerca de 30 anos antes. No Art. 2º § 1º, a descrição das divisas do novo distrito são indicadas a partir da margem direita do Rio Pomba no lugar denominado Poço da Onça, seguindo por propriedades que foram compradas de Felicíssimo ou de seus herdeiros. Cita, ainda, “a cabeceira da Água Limpa, abrangendo a fazenda do finado Felicíssimo, tomando-se o espigão em frente à casa da fazenda e por este acima até virar para o córrego do Barreiro”. Este córrego deu nome à fazenda do Barreiro, da qual um filho de Felicíssimo vendeu parte em 1878 para João Francisco de Puga Garcia.

Em 1864, na abertura do processo de Divisão Amigável da Fazenda Bom Retiro, Felicíssimo Vital de Moraes e seus filhos eram os condôminos. O agrimensor encarregado da medição da propriedade encontrou 611,5 alqueires e dela foram feitas vendas de pequenas áreas para Francisco Barbosa da Silva, Francisco da Silva Dias e José Lemos, entre outros. Em redivisão da mesma propriedade em 1887, alguns descendentes de Felicíssimo eram condôminos.

Figura 2 – Planta da Fazenda Bom Retiro em 1887

No Auto de Partilha dos bens inventariados de Felicíssimo Vital de Moraes, em 1876, os louvados avaliaram o monte mor em 106:634$302 (cento e seis contos seiscentos e trinta e quatro mil trezentos e dois reis).

Além das propriedades acima citadas, os filhos de Felicíssimo tiveram vínculos com as seguintes: Água Limpa, Areias, Boa Sorte, Boa Vista, Bocaina, Bonsucesso, Degredo, Lealdade, Posse e Província.

A seguir, genealogia da família Moraes, com as fontes consultadas para este trabalho e índice onomástico.

48 – Joaquim Antonio de Almeida Gama: seus antepassados

Como ficou prometido no número anterior, o Trem de História continua falando sobre o autor que, em 1864 publicou as mais antigas informações sobre Leopoldina, o tenente-coronel Joaquim Antonio de Almeida Gama. Hoje, para identificar seus antepassados.

Joaquim Antonio era filho de Antonio Francisco de Almeida e Gama e de Inocencia Claudina da Costa que se casaram em Rio Preto, MG aos 12.07.1812. Ele, natural de São João del Rei onde nascera por volta de 1788, filho de Caetano José de Almeida Gama e de Antonia Maria Custódia Dias.

Sabe-se que Inocencia recebeu o sacramento do batismo(1) em Conceição de Ibitipoca em 02.10.1797 e que era filha de João Rodrigues da Costa [filho] e de Vicencia Faria Corrêa de Lacerda. Portanto, neta materna de Antonio Carlos Corrêa de Lacerda e Ana de Souza da Guarda, casal que teve muitos descendentes radicados em Leopoldina e cujos filhos Fernando Afonso e Jerônimo foram beneficiados com duas sesmarias no Feijão Cru. Vicencia nasceu e foi batizada(2) em Bom Jardim de Minas em 07.07.1759 e lá mesmo teria se casado.

Vale lembrar que Conceição de Ibitipoca, onde Inocencia nasceu, é distrito de Lima Duarte e faz divisa com Bom Jardim. Considerando-se o parentesco e a proximidade das localidades de origem, é lícito supor que Joaquim Antonio de Almeida Gama tenha sido atraído para o Feijão Cru pelos sobrinhos de sua mãe, Romão e Francisco Pinheiro Corrêa de Lacerda, que para cá haviam migrado por volta de 1830, com o objetivo de ocupar e vender as sesmarias doadas aos tios acima citados.

A avó paterna de Joaquim Antonio, a senhora Antonia Maria Custódia Dias, era filha do português de Barcelos, Manoel Martins Gomes e de Maria de Siqueira Paes, natural de São Paulo e falecida(3) no dia 28.10.1776. Já o avô paterno, Caetano José de Almeida Gama, era filho de Manoel Gomes Vilas Boas e Inacia Quiteria da Gama, sendo esta, filha de Luiz de Almeida Ramos que, por sua vez, era filho de Manoel de Paiva Muniz e Maria Ramos da Costa. Da mãe de Inacia Quiteria da Gama vem este último sobrenome. Chamava-se Helena Josefa Corrêa da Gama, sendo filha de Leonel da Gama Bellens e de Maria Josefa Corrêa, falecida(4) em 1737.

Registre-se que Joaquim Antonio veio para o Feijão Cru na mesma época de seu tio paterno, Francisco Antonio de Almeida e Gama, casado(5) em Bocaina de Minas, no dia 13.09.1812, com Maria Perpétua de Jesus que já havia falecido em 1843 quando o marido e o filho Caetano José foram recenseados no Feijão Cru. Além deste filho, sabe-se que Francisco Antonio e Maria Perpétua foram pais, também, de Joaquim Firmino que surge nas fontes leopoldinense na década de 1850, casado com Joaquina Francisca de Jesus. Já o Caetano José de Almeida Gama era casado com Carolina Teodora de Castro, com quem teve oito filhos em Leopoldina, entre 1851 e 1868.

Segundo o Registro de Terras de 1856, Francisco Antonio de Almeida Gama tinha duas propriedades. A primeira, em conjunto com seu filho Caetano José de Almeida Gama, com o nome de Fazenda Circuito(6), localizava-se numa ilha do Rio Pardo e media cerca de 220 alqueires. A outra chamava-se Fazenda Bom Retiro(7), media cerca de 70 alqueires e se localizava na margem do Rio Pomba, sendo que uma de suas divisas era com a Fazenda Benevolência, de Albina Joaquina de Lacerda, então viúva de Ignacio de Souza Werneck. Albina era filha de Álvaro Pinheiro de Lacerda e Angela Maria do Livramento, sendo meia-irmã de Romão e Francisco Pinheiro Corrêa de Lacerda e também sobrinha dos beneficiários de sesmarias que foram divididas e vendidas antes da formação do Distrito do Feijão Cru.

Por hoje o Trem de História fica por aqui. Mas voltará no próximo número do Jornal para continuar contando a história desta personalidade que ficou esquecida pelos historiadores leopoldinense. Até lá.


NOTAS:

1 – Microfilme 1.252.363 Barbacena, Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, item 02 bat fls 112-v

2 – Centro de Memória do Seminário Santo Antonio em Juiz de Fora, MG, lv bat 1772-1750 fls 120

3 – SETTE, Bartyra e JUNQUEIRA, Regina Moraes, Projeto Compartilhar (http://www.projetocompartilhar.org/), Inventários de Manoel Martins Gomes e Maria de Siqueira Paes, acesso 26 jun. 2009

4 – ASSIS, João Paulo Ferreira de. Polis 30 Um resgate da história dos municípios. Ressaquinha: s.n., 1998-2003, nr 41 fls 20

5 – Igreja N. S. da Piedade, Barbacena, MG, lv cas 1808-1826 fls 43 verso

6 – Arquivo Público Mineiro, Seção Colonial, TP 114, Registro de Terras de Leopoldina, nr 15

7 – idem, nr 16

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado no jornal Leopoldinense de 16 de maio de 2016