182 – A Bocaina e os distritos criados na região

Na parte leste da área então conhecida como Sertões do Feijão Cru, em outubro de 1851 foi criado[1] o distrito de Conceição da Boa Vista e determinado que a linha divisória com o então distrito do Feijão Cru começava defronte à barra do ribeirão São João no rio Pomba, local onde hoje se encontra a ponte da BR 116, a 3,5 km ao sul de Laranjal. Seguia pela serra entre as fazendas de Manoel José de Novaes e da Bocaina. Ou seja, entre a fazenda que mais tarde se chamou Campo Limpo e a propriedade de José Ignacio de Souza (Fazenda Bocaina). Depois, a linha alcançava a divisa entre as propriedades de João Batista de Paula Almeida (fazenda Monte Alegre) e de Manoel Ferreira Brito, na altura do Cemitério. Esta última indicação parece ser de um cemitério que teria existido na fazenda São Manoel da Bocaina.

Fonte: Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, volume 7

O próximo ponto destacado na lei de criação do distrito de Conceição da Boa Vista foi a propriedade de Joaquim Cesário de Almeida (fazenda Tesouro do Feijão Cru) que divisava com a “Sesmaria dos Vales”, ou seja, com a propriedade formada pelos irmãos Joaquim, Francisco e Salvador Mendes do Vale. Os marcos posteriores do território de Conceição da Boa Vista foram as fazendas Saudade e Santa Úrsula, que permaneceram no Feijão Cru, e o distrito de Madre de Deus do Angu, atual Angustura, com o qual divisava pela “serra da Pedra Branca até embocar no Paraíba e por este abaixo até a barra do Pirapetinga Grande”. Destaque-se, portanto, que o distrito de Conceição da Boa Vista fazia divisa com Santo Antônio de Pádua, província do Rio de Janeiro.

E aqui se abre parênteses para lembrar que esta divisa é uma das causas de propriedades de Conceição da Boa Vista terem sido registradas, em 1856, em livros da Freguesia de Santo Antônio de Pádua, como foi o caso de Jean Claude Robert[2], em cuja fazenda Lealdade passava um córrego da Serra dos Monos e que divisava com um filho de Felicíssimo Vital de Moraes.

Como se sabe, menos de três anos depois o distrito de Conceição da Boa Vista foi novamente incorporado ao Feijão Cru, então como distrito[3] da Vila Leopoldina. E nas décadas seguintes a área que atualmente marca aquela divisa do município de Leopoldina sofreu novas alterações.

No final de 1878 foi criado[4] o distrito de Campo Limpo, atual Ribeiro Junqueira, mantendo a divisa com o distrito de Conceição da Boa Vista cuja área veio a sofrer redução em 1890 com a criação de três novos distritos: Recreio, São Joaquim e Santa Izabel.

O distrito de Recreio, criado[5] em junho daquele ano, teve as divisas determinadas[6] no mês seguinte. Começavam no já então denominado ribeirão de São Manoel da Bocaina onde se localizava a fazenda de mesmo nome que então era propriedade de Joaquim Antônio Machado por cabeça do casal, já que sua esposa Rita Balbina de São José era filha do pioneiro Antonio Luiz de Moraes, cuja partilha amigável dos bens fora realizada[7] em 1866. Seguindo pelo citado ribeirão até sua foz no rio Pomba e daí até a estação de São Joaquim que meses depois se tornaria a sede do distrito de mesmo nome. Os próximos limites do distrito de Recreio eram as propriedades de sucessores nas fazendas São Manoel da Bocaina e Bom Retiro, além da Bom Sucesso, Aurora, Laranjeiras e Serrote. Depois buscava-se o ponto inicial passando pelas fazendas Santa Catarina e Canadá que ficaram para Conceição da Boa Vista, e Passa Tempo que meses depois passou a compor o distrito de Santa Izabel; a fazenda Monte Alegre ficou em Recreio e, seguindo pela serra, iria findar-se nas cabeceiras do ribeirão São Manoel da Bocaina.

O distrito de São Joaquim, atual Angaturama, e o distrito de Santa Izabel, atual Abaíba, foram criados[8] em novembro do mesmo ano.

No estabelecimento das divisas de São Joaquim foram citados sucessores das fazendas Bom Retiro, formada por Felicíssimo Vital de Moraes, e São Manoel da Bocaina, de Manoel Ferreira Brito.

Quanto às divisas de Santa Izabel, importa destacar a parte norte, pelas confrontações com o distrito de Conceição da Boa Vista. No caso, pelas propriedades dos Mendes do Vale, sucessores da fazenda Sesmaria e dos Freitas Lima, sucessores da Água Limpa.

Na próxima viagem virão as famílias dos pioneiros Manoel Ferreira Brito e Antônio Luiz de Moraes. Ambos foram moradores da Fazenda São Manoel da Bocaina e contribuíram para o desenvolvimento da área e pela consolidação do que viria a ser a Vila Leopoldina.

Por hoje o Trem de História fica por aqui!

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 434 no jornal Leopoldinense, julho de 2022


Fontes utilizadas: 
[1] Lei nº 533 de 10/10/1851 
[2] Registro de Terras de Santo Antônio de Pádua, RJ (Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro), livro 80 fls 19 termo 80 D.1236 
[3] Lei nº 666 de 27 de abril de 1854 
[4] Lei nº 2500 de 12 de novembro de 1878 
[5] Decreto nº 123 de 27 de junho de 1890 
[6] Decreto nº 157 de 30 de julho de 1890 
[7] Partilha Amigável dos bens deixados por Antonio Luiz de Moraes, processo 38401880 COARPE/TJMG 
[8] Decreto nº 241 de 21 de novembro de 1890

Um pensamento em “182 – A Bocaina e os distritos criados na região”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s