184 – Fazenda Boa Vista dos Barbosas

Denominada inicialmente Fazenda Boa Vista, a pesquisa sobre esta propriedade apresentou dificuldades a partir do próprio nome. Enquanto nos registros de terras de 1856 constam três propriedades com o mesmo nome no território da então Vila Leopoldina, nos processos de divisão de propriedades e partilha de bens inventariados, entre 1847 e 1901 foram encontradas treze fazendas Boa Vista, muitas delas sem localização precisa.

Para distingui-las foi fundamental o conjunto de dados coletados pelos autores desta coluna ao longo das pesquisas sobre a história de Leopoldina. Pois conforme ensina a antropologia, a família ou parentesco constituem o elemento fundador da vida social. E só conhecendo minimamente os grupos sociais que habitam uma localidade é possível compreender suas escolhas e decisões. Foi importante, também, lembrar Ruth Cardoso ao discutir armadilhas da pesquisa em antropologia, quando destacou que coletar material não é apenas acumular informações, mas oportunidade para reformular hipóteses de pesquisa. Isto aconteceu, diversas vezes, na pesquisa sobre a ocupação territorial do Feijão Cru e, especialmente, com a Fazenda Boa Vista dos Barbosas.

Ao prestar informações sobre sua propriedade, Francisco da Silva Barbosa declarou que vinte e cinco anos antes (por volta de 1831) havia comprado 250 alqueires de terras, sem indicar o vendedor. Mencionou confrontações com José Thomaz de Aguiar Cabral (fazenda Santa Cruz), Marianna Teresa Pereira Duarte (faz. Recreio), Processo José Corrêa de Lacerda (faz. Tabuleiro), Manoel Jose de Novaes (faz. Saudades, depois Campo Limpo), Manoel Ferreira Brito (faz. São Manoel da Bocaina) e João Baptista de Paula Almeida (faz. Monte Alegre). Outros proprietários citaram divisas com a faz. Boa Vista, com Antonio Carlos da Silva Teles Faião (faz. da Barra das Laranjeiras), além de Joaquim José da Costa Cruz e Joaquim Dias Neto com propriedades à margem do Rio Pomba.

Francisco da Silva Barbosa faleceu no dia 20.09.1860 e seu inventário, em conjunto com o processo de partilha e posteriores tombamentos em 1884 e 1885 trouxeram esclarecimentos importantes. A constituição do grupo familiar foi possível pela análise comparativa do inventário e da partilha de bens, já que alguns membros não foram identificados num ou noutro documento, por terem falecido ou por terem transferido sua legítima para terceiros. Como já mencionado nesta série, a instituição do dote permanecia até o final do século XIX e, muitas vezes, só depois do inventário dos pais é que os bens prometidos aos filhos eram oficialmente transferidos para eles. Por isto, nem sempre todos os filhos vivos eram mencionados no formal de partilha.

No caso da Fazenda Boa Vista, o processo de divisão judicial da propriedade foi requerido por João Gualberto Damasceno Ferreira em duas etapas, sendo a primeira em 06.10.1884 e a segunda, em 06.08.1885, indicou que após a morte de Francisco da Silva Barbosa a propriedade pertencia a oito condôminos:

  • 1) Antonio Francisco Barbosa Neto, filho de Francisco da Silva Barbosa;
  • 2) Domiciano Rodrigues Leite, neto, filho de Ana Francisca;
  • 3) Elias Carlos da Paixão, marido da neta Carolina, filha de Ana Francisca;
  • 4) Francisco da Costa Muniz, marido da neta Vicencia, filha de Ana Francisca;
  • 5) Joaquim Luiz de Santana ou Medeiros, genro, marido de Maria do Rosário Neto;
  • 6) José Francisco Neto, filho;
  • 7) Rita Francisca da Silva, filha; e,
  • 8) Severino José de Santana, genro, marido de Joaquina Francisca de Jesus.

Nos vinte anos seguintes à morte do formador da fazenda, ocorreram muitas subdivisões e vendas. Ao final do processo de medição, em 1885, foram encontrados 72 condôminos e entre eles estão alguns imigrantes que a memória popular informa terem vivido na “Colônia da Serra dos Netos”. Na conferência das operações de compra e venda, o total de condôminos foi ampliado para 81 por dois motivos principais: herança ou compra e venda.

Após a morte do pioneiro, em 1860, a propriedade passou a ser conhecida como fazenda “dos Barbosa” e as escrituras de compra e venda demonstram que nela foram formadas diversas “situações” que, em linguagem atual, significa vários pequenos sítios numa fazenda indivisa.

No alvorecer do século XX a região da Fazenda Boa Vista passou a ser conhecida por Serra dos Netos, numa referência ao sobrenome da família da esposa de Francisco da Silva Barbosa, de descendentes dele ou do formador da fazenda Residência, também de sobrenome Gonçalves Neto.

O requerente da divisão judicial, João Gualberto Damasceno Ferreira, era filho do pioneiro João Gualberto Ferreira Brito de quem herdou a fazenda Fortaleza também próxima da Boa Vista e que foi ampliando seus domínios através de compras diretas ou de Arrematação em Praça dos bens de seus vizinhos, em especial de terras das fazendas Desengano e Boa Vista.

Uma das “situações” adquiridas por João Gualberto Damasceno Ferreira pertencia a João José Rodrigues das Virgens que chegou ao Feijão Cru por volta de 1864 e provavelmente foi um dos primeiros adquirentes de pedaços da Fazenda Boa Vista que teriam sido vendidos depois da morte de Francisco da Silva Barbosa. O comprador instalou a sede de sua propriedade no então sítio das Virgens, referência ao nome de devoção usado como sobrenome pelo antigo proprietário, falecido em 1881. Esta é, pois, a origem do topônimo Serra das Virgens para o qual a imaginação popular inventou mais uma das lendas mirabolantes que povoam a história pátria.

João José Rodrigues das Virgens, casado com Francisca Maria de Paula, teve três filhos:

  • 1) Ezequiel, nascido em 1867;
  • 2) Custódia Maria de Jesus, casada aos 07.01.1893 com Joaquim Honório de Almeida, filho de Francisco Honório de Oliveira e Maria Izabel de São José; e,
  • 3) Vitalina Maria das Virgens, nascida a 08.07.1880, casou-se no dia 14.10.1906 com José Galdino Eugenio, natural de Cataguases.

Aqui o Trem de História faz uma parada. No próximo Jornal a viagem segue com a família do pioneiro Francisco da Silva Barbosa. Até lá.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 436 no jornal Leopoldinense, setembro de 2022

Fontes Consultadas: 
Arquivo da Diocese de Leopoldina, lv 01 bat fls 198 termo 954; lv 02 bat fls 29 termo 264; lv 2 cas fls 79 termo 3 e lv 3 cas fls 346 termo 77. 
Divisão judicial da fazenda dos Barbosa, parte 1, Processo 38404284, 1884 COARPE/TJMG 
Inventário de Francisco da Silva Barbosa, processo 38403431 COARPE - TJMG 
Partilha amigável do espólio requerida por Ana Josefa da Silva, processo 38402712 COARPE/TJMG 
CARDOSO, Ruth C. L. (org.) Aventuras de Antropólogos em campo ou como escapar das armadilhas do método. In: A aventura antropológica. Teoria e pesquisa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986. p.101

183 – Famílias de Manoel Ferreira Brito e Antônio Luiz de Moraes

Hoje o Trem de História aborda as famílias de Manoel Ferreira Brito e Antônio Luiz de Moraes, que viveram na fazenda São Manoel da Bocaina. Manoel era filho de José Ferreira Brito e Maria João Rodrigues. Casou-se[i] na matriz de Bom Jardim de Minas no primeiro dia de junho de 1813 com Maria Josefa da Silva, filha de José Gonçalves Neto e Ana Custódia da Cunha.

Maria Josefa era irmã de Ana Josefa, mulher de Francisco da Silva Barbosa, formador da fazenda Boa Vista dos Barbosa que será abordada nessa série. E, também, irmã de Brígida Joaquina Custódia da Silva, mulher de José Ferreira Brito Júnior, formador[ii] da fazenda Dois Irmãos e irmão de Manoel Ferreira Brito.

Nascido por volta de 1792, Manoel chegou[iii] ao Feijão Cru antes de 1831 e faleceu dia 9 de junho de 1856[iv] e sua esposa passou a administrar[v] a fazenda.

Manoel Ferreira Brito foi o primeiro Juiz de Paz do Feijão Cru, tendo assinado um dos mapas do conjunto denominado Mapa da População do Feijão Cru em 1835.

O casal Manoel-Maria Josefa teve, pelo menos, treze filhos:

  • 1 – Ana Maria de Brito cc Luiz Ignacio de Moraes que pode ter sido irmão de Antonio Luiz de Moraes, condômino da São Manoel da Bocaina que será citado no parágrafo seguinte. Luiz Ignacio foi um dos doadores para a construção da Capela de Nossa Senhora da Soledade, em Leopoldina;
  • 2 – João Damasceno Ferreira cc Rita Joaquina de Jesus, condôminos da fazenda Santa Clara, em Recreio;
  • 3 – José Rodrigues Carneiro Ferreira cc Mariana Esméria de Sene, filha do capitão João Gualberto Ferreira Brito. O casal residiu em Itapiruçu;
  • 4 – Domingos Ferreira Neto cc Rita Firmina de Sene, também filha de João Gualberto Ferreira Brito. Este casal adquiriu partes dos herdeiros da fazenda Fortaleza e formou a fazenda Córrego do Feijão;
  • 5 – Joaquim Ferreira;
  • 6 – Manoel Custódio Ferreira;
  • 7 – Mariana Flausina da Silva cc Ezaú Ferreira Brito, filho de José Ferreira Brito Júnior e Brígida Joaquina Custódia da Silva. Este casal foi condômino da fazenda Santa Clara, em Recreio;
  • 8 – Maria Venância de Gouvêa cc Francisco Ferreira Brito, também filho de José Ferreira Brito Júnior e Brígida Joaquina Custódia da Silva. Este casal foi proprietário de quinhão nas fazendas Sossego, Córrego São Lourenço e Ladeira, todas no arraial de São Lourenço;
  • 9 – Emerenciana, falecida na infância;
  • 10 – Ignacio Ferreira Brito cc Mariana Ozoria de Almeida, filha de Joaquim Cesário de Almeida e Luciana Esméria formadores da fazenda Tesouro. Com autorização do Banco do Brasil, de quem era devedor, Ignacio aforou parte de sua fazenda Laranjeiras para a formação do arraial de Recreio;
  • 11 – Maximiana Custódia da Silva cc Julião Antonio de Moraes, filho de Antonio Luiz de Moraes e Rita de Cássia de Almeida, viveram na fazenda São Manoel da Bocaina;
  • 12 – Francisco Ferreira Neto cc Messias Rodrigues Gomes, filha de Antonio Rodrigues Gomes e Rita Esméria de Almeida, formadores da fazenda Cachoeira do Bagre. Requereu a divisão da fazenda São Manoel da Bocaina, era condômino da fazenda Santa Clara, foi juiz de paz em Conceição da Boa Vista, membro do Club da Lavoura de Conceição da Boa Vista, vereador de Leopoldina, presidente do Conselho Distrital de Recreio, primeiro diretor do Banco de Leopoldina; e,
  • 13 – Antonio Ferreira.

Sobre o pioneiro Antônio Luiz de Moraes pouco ainda se sabe. Provavelmente trata-se do filho de Luiz Francisco de Oliveira e Luiza Ignacia da Conceição batizado aos 25 de agosto de 1802 em Conceição de Ibitipoca. Seria irmão de Luiz Ignacio de Moraes, casado com Ana Maria de Brito, filha mais velha de Manoel Ferreira Brito acima citado. Antônio Luiz morava na fazenda São Manoel da Bocaina quando faleceu, em 1865. E na partilha de seus bens[vi] foi citada a fazenda, embora não se saiba, até o momento, quando e quanto da propriedade original ele adquiriu.

Antonio Luiz era casado com Rita de Cassia de Almeida, nome frequente na família Almeida Ramos procedente da mesma região de onde vieram os Ferreira Brito. O casal teve 11 filhos:

  • 1 – Carlos José de Moraes cc Luiza Ignacia de Jesus filha de Joaquim Ignacio de Moraes e Maria Angela de Jesus. Joaquim Ignacio era filho de Luiz Gonçalves de Moraes e Luiza Ignacia da Conceição que podem ter sido avós paternos de Carlos;
  • 2 – Carlota Balbina de Almeida cc Manoel Inacio de Moraes, irmão de Luiza Ignacia de Jesus;
  • 3 – José Amancio de Moraes cc Ana Umbelina de Almeida que pode ser filha de Francisco de Sales Montes;
  • 4 – Maria Antonia de Jesus cc Severino José Machado, filho de Bernardino José Machado e Maria Rosa de Almeida;
  • 5 – Julião Antonio de Moraes cc Maximiana Custódia da Silva filha de Manoel Ferreira Brito e Maria Josefa da Silva;
  • 6 – José Antonio de Moraes cc Sebastiana Apolinária da Silva filha de Francisco José de Freitas Lima da fazenda Água Limpa e segunda vez com Luiza Marcelina de Freitas Lima ainda não identificada;
  • 7 – Rita Balbina de São José cc Joaquim Antonio Machado. Em 1890 a Fazenda São Manoel da Bocaina era propriedade de Joaquim Antônio por cabeça do casal, já que sua esposa Rita Balbina a herdara na partilha amigável dos bens de seu pai, realizada[vii] em 1866. Joaquim Antonio morreu em Vista Alegre em 1914;
  • 8 – João, que pode ter falecido na infância;
  • 9 – Delfina Ignacia de Moraes cc Ignacio Rodrigues Gomes filho de Antonio Rodrigues Gomes e Rita Esméria de Almeida, formadores da fazenda Cachoeira do Bagre;
  • 10 – Antonio Augusto de Moraes cc Maria Januaria do Espírito Santo, filha de João Gomes de Souza Santos e Maria Venancia da Conceição;
  • 11 – Leopoldino José de Moraes que se casou a primeira vez com Mariana Jesuina da Conceição, filha de Laureano José de Carvalho e Ana Marta de São Joaquim, casal que foi proprietário e/ou residiu nas fazendas Bom Retiro do pai de Ana Marta e, Degredo, ambas em Angaturama. Ana Marta era filha do Felicíssimo Vital de Moraes. Leopoldino casou-se uma segunda vez com Umbelina Candida Rodrigues de quem não se conhece ainda a família.

A próxima viagem do Trem de História trará outro pioneiro de Leopoldina que, com a sua história, contribuirá para trazer à luz mais um pouco do início da ocupação das terras do Feijão Cru. Aguardem!

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 435 no jornal Leopoldinense, agosto de 2022


Fontes consultadas: 
[i] Igreja N. S. da Piedade, Barbacena, MG, lv cas 1808-1826 fls 56 
[ii] Registro de Terras de Leopoldina (Arquivo Público Mineiro, Seção Colonial, TP 114), nº 46 
[iii] Arquivo Público Mineiro: CX 07 DOC 07, Termo de Barbacena, Comarca do Rio das Mortes, Mapa da População do Curato de São José do Paraíba - 1831, fam. 86 
[iv] Inventário de Manoel Ferreira Brito, processo 38405636 COARPE/TJMG 
[v] Livro de Arrecadação de Impostos em Conceição da Boa Vista 1858, fls 11verso 
[vi] Partilha Amigável dos bens deixados por Antonio Luiz de Moraes, processo 38401880 COARPE/TJMG 
[vii] Partilha Amigável dos bens deixados por Antonio Luiz de Moraes, processo 38401880 COARPE/TJMG

182 – A Bocaina e os distritos criados na região

Na parte leste da área então conhecida como Sertões do Feijão Cru, em outubro de 1851 foi criado[1] o distrito de Conceição da Boa Vista e determinado que a linha divisória com o então distrito do Feijão Cru começava defronte à barra do ribeirão São João no rio Pomba, local onde hoje se encontra a ponte da BR 116, a 3,5 km ao sul de Laranjal. Seguia pela serra entre as fazendas de Manoel José de Novaes e da Bocaina. Ou seja, entre a fazenda que mais tarde se chamou Campo Limpo e a propriedade de José Ignacio de Souza (Fazenda Bocaina). Depois, a linha alcançava a divisa entre as propriedades de João Batista de Paula Almeida (fazenda Monte Alegre) e de Manoel Ferreira Brito, na altura do Cemitério. Esta última indicação parece ser de um cemitério que teria existido na fazenda São Manoel da Bocaina.

Fonte: Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, volume 7

O próximo ponto destacado na lei de criação do distrito de Conceição da Boa Vista foi a propriedade de Joaquim Cesário de Almeida (fazenda Tesouro do Feijão Cru) que divisava com a “Sesmaria dos Vales”, ou seja, com a propriedade formada pelos irmãos Joaquim, Francisco e Salvador Mendes do Vale. Os marcos posteriores do território de Conceição da Boa Vista foram as fazendas Saudade e Santa Úrsula, que permaneceram no Feijão Cru, e o distrito de Madre de Deus do Angu, atual Angustura, com o qual divisava pela “serra da Pedra Branca até embocar no Paraíba e por este abaixo até a barra do Pirapetinga Grande”. Destaque-se, portanto, que o distrito de Conceição da Boa Vista fazia divisa com Santo Antônio de Pádua, província do Rio de Janeiro.

E aqui se abre parênteses para lembrar que esta divisa é uma das causas de propriedades de Conceição da Boa Vista terem sido registradas, em 1856, em livros da Freguesia de Santo Antônio de Pádua, como foi o caso de Jean Claude Robert[2], em cuja fazenda Lealdade passava um córrego da Serra dos Monos e que divisava com um filho de Felicíssimo Vital de Moraes.

Como se sabe, menos de três anos depois o distrito de Conceição da Boa Vista foi novamente incorporado ao Feijão Cru, então como distrito[3] da Vila Leopoldina. E nas décadas seguintes a área que atualmente marca aquela divisa do município de Leopoldina sofreu novas alterações.

No final de 1878 foi criado[4] o distrito de Campo Limpo, atual Ribeiro Junqueira, mantendo a divisa com o distrito de Conceição da Boa Vista cuja área veio a sofrer redução em 1890 com a criação de três novos distritos: Recreio, São Joaquim e Santa Izabel.

O distrito de Recreio, criado[5] em junho daquele ano, teve as divisas determinadas[6] no mês seguinte. Começavam no já então denominado ribeirão de São Manoel da Bocaina onde se localizava a fazenda de mesmo nome que então era propriedade de Joaquim Antônio Machado por cabeça do casal, já que sua esposa Rita Balbina de São José era filha do pioneiro Antonio Luiz de Moraes, cuja partilha amigável dos bens fora realizada[7] em 1866. Seguindo pelo citado ribeirão até sua foz no rio Pomba e daí até a estação de São Joaquim que meses depois se tornaria a sede do distrito de mesmo nome. Os próximos limites do distrito de Recreio eram as propriedades de sucessores nas fazendas São Manoel da Bocaina e Bom Retiro, além da Bom Sucesso, Aurora, Laranjeiras e Serrote. Depois buscava-se o ponto inicial passando pelas fazendas Santa Catarina e Canadá que ficaram para Conceição da Boa Vista, e Passa Tempo que meses depois passou a compor o distrito de Santa Izabel; a fazenda Monte Alegre ficou em Recreio e, seguindo pela serra, iria findar-se nas cabeceiras do ribeirão São Manoel da Bocaina.

O distrito de São Joaquim, atual Angaturama, e o distrito de Santa Izabel, atual Abaíba, foram criados[8] em novembro do mesmo ano.

No estabelecimento das divisas de São Joaquim foram citados sucessores das fazendas Bom Retiro, formada por Felicíssimo Vital de Moraes, e São Manoel da Bocaina, de Manoel Ferreira Brito.

Quanto às divisas de Santa Izabel, importa destacar a parte norte, pelas confrontações com o distrito de Conceição da Boa Vista. No caso, pelas propriedades dos Mendes do Vale, sucessores da fazenda Sesmaria e dos Freitas Lima, sucessores da Água Limpa.

Na próxima viagem virão as famílias dos pioneiros Manoel Ferreira Brito e Antônio Luiz de Moraes. Ambos foram moradores da Fazenda São Manoel da Bocaina e contribuíram para o desenvolvimento da área e pela consolidação do que viria a ser a Vila Leopoldina.

Por hoje o Trem de História fica por aqui!

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 434 no jornal Leopoldinense, julho de 2022


Fontes utilizadas: 
[1] Lei nº 533 de 10/10/1851 
[2] Registro de Terras de Santo Antônio de Pádua, RJ (Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro), livro 80 fls 19 termo 80 D.1236 
[3] Lei nº 666 de 27 de abril de 1854 
[4] Lei nº 2500 de 12 de novembro de 1878 
[5] Decreto nº 123 de 27 de junho de 1890 
[6] Decreto nº 157 de 30 de julho de 1890 
[7] Partilha Amigável dos bens deixados por Antonio Luiz de Moraes, processo 38401880 COARPE/TJMG 
[8] Decreto nº 241 de 21 de novembro de 1890

181 – Fazendas Bocaina e São Manoel da Bocaina

Depois de muitas tentativas infrutíferas, a pesquisa sobre as fazendas Bocaina e São Manoel da Bocaina trouxe à memória um conceito mencionado pelo historiador Carlo Ginzburg [1] ao citar a “fábula ou conto oriental de três irmãos que, interpretando uma série de indícios, conseguem descrever o aspecto de um animal que nunca viram”. O conto é conhecido pelo título “Peregrinação dos três jovens filhos do rei de Serendip” e fez tanto sucesso que o inglês Horace Walpole cunhou o neologismo “serendipity” para designar as descobertas imprevistas.

Em história, serendipidade corresponde ao paradigma indiciário. Ao interpretar indícios, é possível suprir lacunas através de uma interpretação criteriosa, conjectural. O processo “leva do conhecido ao desconhecido” nas palavras de José Carlos Reis[2] interpretando Ginzburg.

O ofício do pesquisador envolve a coleta de indícios que não necessariamente são compreendidos de imediato. Muitas vezes esses fragmentos ficam guardados até servirem a outro projeto, confirmando o paradigma indiciário.

Foi o que aconteceu no estudo comparativo entre o processo de divisão das terras que compuseram a fazenda de São Manoel da Bocaina, de Manoel Ferreira Brito, com as partilhas de bens de sucessores do primeiro proprietário e o inventário do formador da fazenda Bocaina, José Ignacio de Souza.

Inicialmente acreditava-se que teria existido apenas uma fazenda denominada pelo topônimo bocaina. Como se sabe, bocaina é depressão numa serra, servindo de passagem entre duas partes elevadas, ou passagens estreitas entre duas ilhas ou entre uma ilha e o continente. Uma das conhecidas bocainas, nas divisas em São Paulo e Rio de Janeiro, deu nome à Serra da Bocaina mencionada por Saint-Hilaire[3]. É a serra que batizou o município de Bocaina de Minas onde nasceu Manoel Ferreira Brito quando o lugar ainda era um pequeno arraial pertencente a Aiuruoca que, por sua vez, é terra de origem de várias famílias que migraram para Leopoldina. Daí ser lícito imaginar a existência inicial de apenas uma fazenda do nome e que essa tenha sido a de Manoel Ferreira Brito que a formou ao chegar ao Feijão Cru.

Até então tinha-se como certo que os dois nomes, Fazenda de São Manoel da Bocaina e Fazenda Bocaina, se referiam a uma só propriedade. No entanto, a partir dos estudos comparativos acima citados, observou-se que tal interpretação não se sustenta. As primeiras referências a tais propriedades vieram de registros dos confrontantes, no caso da São Manoel da Bocaina e, em transações de compra e venda de bens de raiz constantes dos primeiros livros do Cartório de Notas de Conceição da Boa Vista envolvendo os proprietários das duas Bocainas e as propriedades de Antonio Luiz e de Felicíssimo de Moraes.

Para a fazenda São Manoel da Bocaina partiu-se de referências indiretas que foram confrontadas com outras fontes, como compra e venda de bens de raiz envolvendo descendentes do primeiro proprietário, além dos vínculos que se formaram com descendentes das fazendas confrontantes, testamentos e inventários dos nomes envolvidos. Chamou a atenção o fato de que, diferentemente da maior parte das fazendas formadas no Feijão Cru, as duas propriedades com o nome de Bocaina não foram registradas em 1856, o que não chegou a ser tratado como problema, visto que as propriedades de Antonio Luiz de Moraes e Felicíssimo Vital de Moraes também não o foram.

Conforme o já citado Reis[4], “o trabalho do historiador se aproxima do trabalho do policial e do juiz. A necessidade da prova não é uma ilusão positivista. O processamento da documentação é capaz de distinguir o falso.” E assim trabalhando, os autores desta série chegaram ao que se verá a respeito na próxima edição. Antes, porém é necessário situar a região aqui mencionada.

Trata-se da divisa entre o distrito de Ribeiro Junqueira e o município de Recreio, a partir da margem do Rio Pomba até o local onde a estrada de ferro cruza o ponto hoje denominado Alto da Bocaina como se verifica na Carta Topográfica do Município de Leopoldina produzida em 1981.

Até a próxima edição!

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 433 no jornal Leopoldinense, junho de 2022

Fontes consultadas:


[1] GINSBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1989. p.168 
[2] REIS, José Carlos. Teoria & História: tempo histórico história do pensamento histórico ocidental e pensamento brasileiro. Rio de Janeiro: FGV, 2012. p.101 
[3]  SAINT-HILAIRE, Auguste de. Segunda viagem do Rio de Janeiro a Minas Gerais e a São Paulo. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974 
[4] REIS, José Carlos. Obra citada,2012. p.100-101

Arte de Curar em Leopoldina

Para marcar o 168º Aniversário de Emancipação da Cidade o Trem de História faz hoje uma viagem especial pelo antigo Feijão Cru para apresentar aos leitores o cidadão

ANTONIO PEREIRA VALVERDE,

um pioneiro que deve ser visto de forma diferenciada por ter sido, como indicam os seus pertences inventariados, uma pessoa com algum gosto pela leitura e preocupada em conhecer a arte de curar, o que era pouco comum na época.

Isto porque a análise de inventários e testamentos diz muito não apenas sobre a pessoa em si, mas sobre a sociedade da época. E a Descrição de Bens do inventário desse fazendeiro de Leopoldina, aberto em 1849, traz registros interessantes. Nele, além dos objetos em ouro, prata, animais, escravos e bens de raiz, há alguns itens significativos tais como: estojo de navalhas, pedra de afiar, três livros de Chernoviz, dois volumes do Manual do Fazendeiro e um “livro da arte de curar a si mesmo”. Itens que, listados na ordem aqui informada, indicam que eram entendidos pelos avaliadores como pertencentes à mesma classificação ou, seja, eram bens da mesma importância.

A busca de informações sobre esses livros mencionados levou à leitura da dissertação de mestrado[1] de Maria Regina Cotrim Guimarães que descortinou alguns saberes bastante esclarecedores. De modo geral, é comum imaginar que naquela altura do século XIX os moradores do interior não tivessem acesso a médicos nem tampouco ao conhecimento científico da arte de curar. Embora a primeira afirmativa seja correta, já que os profissionais se concentravam nos grandes centros, havia o que Maria Regina chamou de “literatura auto-instrutiva” representada por variada gama de manuais. Ressalta a autora que eram obras sofisticadas, em grossos volumes, dedicadas a informar o público leigo. Tinham grande aceitação e larga difusão entre leigos letrados como boticários, fazendeiros e suas esposas que utilizavam as técnicas ensinadas nos manuais em seu ambiente social.

A mencionada autora destaca o cunho civilizador de tais obras, pois informavam e introduziam noções de medicina que estimulavam os leitores contra o charlatanismo, além de grandes benefícios que resultavam das orientações a respeito da higiene.

CHERNOVIZ

Entre os autores de tais manuais surge, então, o talvez mais popular entre eles: Piotr Czerniewicz, polonês, que se tornou conhecido pelo nome abrasileirado de Pedro Napoleão Chernoviz. Médico chegado ao Brasil em 1840 e que já no ano seguinte publicava artigo na Revista Médica Fluminense. Em 1842 publicou a primeira edição de sua obra mais difundida: Dicionário de Medicina Popular, em dois volumes com uma tirarem de três mil exemplares, o que era inimaginável para a época.

Figura 1- Diccionario de Medicina Popular, de Pedro Luiz Napoleão Chernoviz

Guimarães ressalta, ainda, ser uma obra de grande utilidade doméstica pelo formato de dicionário que facilita a busca pelos termos, como também pelos assuntos escolhidos. Além da descrição dos males e seu tratamento, trazia também indicações de fórmulas para tingir cabelos, para tirar nódoas e tinta para escrever, entre outras.

Chernoviz aconselhava a formação de uma “botica” doméstica, ou seja, uma farmácia, e ensinou a melhor forma de conservação dos elementos que ela deveria conter e que chegavam a 67 diferentes substâncias na terceira edição. Em edições posteriores, a obra passou a ser vendida junto com uma botica portátil. Acredita-se que desde a primeira edição era também sugerido o uso de determinados tipos de navalhas, o que justificaria o ‘estojo de navalhas’ listado entre os bens do fazendeiro leopoldinense inventariado em 1849.

Vale registrar que a obra teve diversas edições, inclusive após o retorno do autor para a Europa com mulher e filhos brasileiros.

ANTONIO PEREIRA VALVERDE, O PROPRIETÁRIO DAS OBRAS

O dono das obras mencionadas foi Antonio Pereira Valverde, cuja mais antiga referência de localização é a Sesmaria do Piau, então pertencente à Freguesia do Engenho da Mata, atual Paula Lima, distrito de Juiz de Fora. Lá ele se casou com Ana Angélica procedente de Remédios. Mais tarde estabeleceu-se na Fazenda Boa Vista da Independência, no território do atual distrito de Piacatuba, onde sua esposa vivia com os filhos até 1877, quando fez testamento[2].

Antonio nasceu por volta de 1794, filho do português José Pereira Valverde e Luiza Francisca da Assunção.  Luiza era natural de Itaverava e falecera na Sesmaria do Piau no dia 16 de junho de 1816, deixando mais dois filhos além de Antonio: Maria Rosa, casada com Manoel Fernandes de Oliveira e Leonardo Pereira Valverde do qual não se tem outras informações.

O pai de Antonio se casou novamente com Aniceta Francisca de Almeida de cujo matrimônio não havia herdeiros vivos quando ele faleceu.

E pela terceira vez José Pereira Valverde se casou com Maria Constança de Jesus, filha de Luiz Coelho Machado e Francisca. Deste consórcio foram os filhos Bárbara casada com Laurindo Pereira da Cunha, Ana Rita casada com Bento José de Matos, outra Maria Rosa casada com Custório Ernesto da Silva e, Clara Maria de Jesus.

José faleceu na Sesmaria do Piau aos 22 de outubro de 1847. Maria Constança, após enviuvar-se casou com Casimino Antonio de Faria, filho de Francisco Antonio de Faria.

Até o momento não há notícia de que os irmãos de Antonio tenham migrado para o Feijão Cru.

Antonio Pereira Valverde e Ana Angélica tiveram 9 filhos, sendo que pelo menos dois deles se casaram com descendentes dos formadores de propriedades vizinhas.

ANTONIO PEREIRA VALVERDE E SEUS VIZINHOS

Na mais antiga representação cartográfica[3] da nossa região estão os nomes dos proprietários aqui estabelecidos em 1847. Embora o desenho seja sofrível, justificável até mesmo pelo tempo decorrido, é possível identificar alguns aspectos.

Transpostos para uma cartografia[4] de 1938, estes aspectos auxiliaram a coleta dos nomes dos três proprietários marcados nas proximidades do Ribeirão Samambaia. Os nomes das propriedades confrontantes, conforme os processos de Divisão Judicial e inventários dos envolvidos entre 1877 e 1904, ajudaram a definir o local provável de cada sede. E assim chegou-se aos pioneiros que se estabeleceram entre o Rio Pardo e o Ribeirão Samambaia:

1 – Francisco Luiz Pereira, fazenda Ribeirão Samambaia, próxima da foz do ribeirão no rio Pardo, depois se chamou fazenda Francisco Luiz e, mais tarde, fazenda Indaiá.

2 – Antonio Pereira Valverde, fazenda Boa Vista da Independência, divisas ao norte com Francisco Luiz e ao sul com os Vitais.

3 – Vital Antônio de Oliveira, fazenda Fortuna, cuja marcação de 1847 não está bem definida, podendo ser na margem direita do Rio Pardo. Esta indefinição ainda carece de mais estudos visto que a localização da fazenda dos Vitais, em 1904, aparece como sendo na margem esquerda.

Um fato curioso a respeito destes três pioneiros é que as propriedades não foram lançadas no Registro de suas Terras, em 1856, em Leopoldina. Mas os três proprietários foram citados nos registros feitos pelos confrontantes.

Muito ainda se tem para contar, inclusive, sobre a descendência de Antonio Pereira Valverde. Mas por hoje esta parte da história de Leopoldina fica por aqui. Até breve!

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 432 no jornal Leopoldinense, maio de 2022

Fontes consultadas:


[1] GUIMARÃES, Maria Regina Cotrim. Civilizando as artes de curar: Chernoviz e os manuais de medicina popular no império. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-graduação em História das Ciências da Saúde, Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2003. Atualmente disponível em <https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/6128> 
[2] Inventário e testamento de Ana Angélica da Conceição, processo 38405056. 
[3] TEODORO, João José da Silva, Carta Topográfica dos Termos do Presídio, Pomba e São João Nepomuceno (Acervo da Biblioteca Nacional: 1847) 
[4] Mapa do Município de Leopoldina produzido em obediência ao Decreto Lei nº 311 de 2 de março de 1938, com base em: Commissão Geographica e Geologica de Minas Geraes, Carta Geográfica de Cataguases Folha nº 20 S2 E3 (São Paulo, Cayeiras e Rio: Secção Cartographica da Companhia Melhoramentos (Weisflog Irmãos incorporada), 1926.)

179 – Fazenda Pedro Velho, de Pedro de Oliveira e Silva

O Trem de História de hoje tem como destino a antiga Fazenda Córrego de São Pedro, formada por Pedro de Oliveira e Silva em cerca de 80 alqueires de terras compradas de Francisco José da Silva, conforme registro[1] de 1856.

Tal fazenda confrontava com: 1) Manoel José de Novaes, proprietário do Sítio Saudades / Fazenda Campo Limpo, de quem se falou no  artigo anterior; 2) Francisco Martins de Andrade, que já habitava o território do Feijão Cru desde pelo menos 1843, conforme o censo[2] em que consta como chefe de um fogo onde morava com a esposa Luiza Maria e os filhos Gabriela e Joaquim; 3) Manoel José Pacheco, que pode ser o filho de Mariano José Pacheco listado como contribuinte[3] em Conceição da Boa Vista em 1858; 4) José Casemiro da Costa, casado com Maria Carolina de Jesus, filha de José Ignacio de Souza; 5) Ponciano Rodrigues de Andrade, de quem não se tem informações; e, 6) Manoel Francisco Malta, que registrou[4] duas propriedades em Leopoldina ainda não identificadas.

Pouco se conseguiu apurar sobre Pedro de Oliveira e Silva e sua família. Sabe-se que em 1852 uma filha dele se casou[5] em Piacatuba com Antonio de Sá Rocha. As fontes não esclarecem se nesse ano os pais da noiva já viviam nas margens do Córrego São Pedro onde formaram a fazenda cujo primeiro nome era o do curso d’água.

Além dessa informação, o que mais se tem sobre a fazenda está no processo de divisão[6] requerida quase dez anos depois da morte de Pedro de Oliveira e Silva e no mesmo ano em que faleceu sua esposa. O requerimento foi iniciativa de Antonio José Dias da Paixão, que em algumas fontes é citado como Antonio José Machado Dias da Paixão, e que seria parente de Maria Catarina da Paixão, um dos nomes utilizados pela mulher de Joaquim Dias Neto de quem Antonio José comprou[7] a propriedade em abril de 1871.

Ressalte-se que o objeto dessa compra foi uma morada de casas no arraial de Santana da Mata, em terreno de sessenta palmos com fundos até o rio Pomba, e bem assim uma situação denominada Floresta, de 16 alqueires com benfeitorias, em terras do finado Pedro de Oliveira e Silva conhecidas por Fazenda do Pedro Velho.

Aqui vale o registro de que existiu uma capela de Santana da Mata ao norte da Fazenda Pedro Velho, da qual não foram encontradas referências nos arquivos da Diocese de Leopoldina.

Segundo fontes literárias, no lugar onde se localizava a capela funcionou a Escola Francisco Machado, bem próxima da Fazenda Cachoeira do Pomba que pertenceu a Custódio Machado. O homenageado com o nome da escola seria Francisco Machado Dias Neto nascido[8] a 09 de março de 1860, filho de Joaquim Dias Neto e Maria Catarina, proprietário de 40 alqueires registrados[9] em 1856 sem indicação de nome da propriedade. Custódio Machado, proprietário da Cachoeira do Pomba, era neto de Francisco Machado Dias Neto.

Registre-se que por ocasião da divisão da Fazenda Pedro Velho foram convocados 44 condôminos e mais de 20 confrontantes, incluindo a Câmara Municipal que teria recebido doação do formador da propriedade para constituição do patrimônio de Santana da Mata, no povoado do mesmo nome, à beira do Rio Pomba.

Quanto à família do pioneiro Pedro de Oliveira e Silva, sabe-se que ele e sua esposa Antonia Maria de Jesus foram pais de: 1) Flausina Maria de Jesus casada com Manoel Antonio Martins; 2) Francisco Domingues da Costa; 3) Joaquim Antonio de Oliveira; 4) Manoel Bernardes da Silva que se casou com Maria Joaquina de Jesus e com ela teve filhos nascidos em Piacatuba; 5) Maria Quintiliana de Jesus; e, 6) Rita Maria de Jesus, falecida em Piacatuba em maio de 1854, que foi casada com Antônio de Sá Rocha, filho de Manoel de Sá Rocha e Joana Luzia.

No processo de divisão da fazenda Pedro Velho, há requerimento ao juiz para convocar o interessado Manoel Bernardes da Silva que residia nas Matas do Itabapoana, província do Espírito Santo. Entretanto, na escritura de venda de sua legítima paterna o local de residência[10] de Manoel foi indicado como Batatal, Vila Benevente, que é o atual município capixaba de Anchieta. Não se pode afirmar que dois outros filhos de Pedro de Oliveira e Silva, Francisco e Joaquim, sejam os homônimos referidos em fontes do mesmo município espírito-santense.

O Trem de História fica por aqui. Na próxima edição do Jornal, outro pioneiro de Leopoldina ocupará este espaço. Até lá!

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 431 no jornal Leopoldinense, abril de 2022

Fontes Consultadas:


[1] Registro de Terras de Leopoldina. Arquivo Público Mineiro, Seção Colonial, TP 114, nº 77 
[2] Arquivo Público Mineiro CX 03 DOC 04, Termo da Vila de São João Nepomuceno, Mapa da População do Feijão Cru, 1843 fls 15 fam 140 
[3] Livro de Arrecadação de Impostos em Conceição da Boa Vista 1858, fls 11 v 
[4] Registro de Terras de Leopoldina (Arquivo Público Mineiro, Seção Colonial, TP 114), s 92 e 93 
[5] Igreja N. S. da Piedade, Piacatuba, Leopoldina, MG, lv 1 cas termo 20 
[6] Divisão da Fazenda Pedro Velho processo 38404535 COARPE/TJMG 
[7] Divisão da Fazenda Pedro Velho processo 38404535 img 365. 
[8] Arquivo da Diocese de Leopoldina, lv 01 bat fls 57 termo 301 
[9] Registro de Terras de Leopoldina (Arquivo Público Mineiro, Seção Colonial, TP 114), nº 42 
[10] Divisão da Fazenda Pedro Velho processo 38404535 fls 20 e 23.

178 – Centenário da Semana de Arte Moderna: origens do modernista leopoldinense

Francisco Martins de Almeida, o modernista leopoldinense, nasceu[1] em Leopoldina, na fazenda Araribá, em 07 de janeiro de 1903 e faleceu[2] no Rio de Janeiro (RJ) no dia 29 de julho 1983, possivelmente solteiro. Sobre ele o Trem de História, nas edições de números 322 a 328 do Jornal Leopoldinense, que circularam entre janeiro e abril de 2017, publicou sete artigos espanando o pó que recobria a história desse conterrâneo.

Francisco era filho do magistrado Dr. Antonio Francisco de Almeida e de Georgina Martins de Almeida. Georgina era filha de Félix Martins Ferreira [neto], que empresta o nome à praça principal da cidade e, de Heliodora Pinheiro Correia de Lacerda.

Martins de Almeida estudou no Colégio Granbery, em Juiz de Fora e em 1920 já estava em Belo Horizonte onde, segundo o poeta Drummond de Andrade, teria aberto “a caixa com os primeiros livros de Proust a chegarem na cidade”[3]. Na capital mineira era acadêmico de direito[4] em 1923 e participava do Grupo Estrela, com rapazes que “decompunham e recompunham o espetáculo humano e preparavam materiais de cultura”, conforme declarou Drummond[5].

Além dos trabalhos para A Revista, da qual foi diretor juntamente com Carlos Drummond de Andrade, Martins de Almeida publicou o livro Brasil Errado, pela Editora de Augusto Frederico Schmidt, cuja segunda edição[6] saiu em 1953. Colaborou com Terra Roxa, veículo dos modernistas de São Paulo; com a Revista do Brasil e com os jornais A Noite, Correio da Manhã, Diário de Notícias, O País, O Mundo e com o Suplemento Literário do Jornal Estado de Minas[7].

“O Avesso dos Maridos Enganados ou, A Sociedade dos Cornos Livres”, de 1976, é o título de uma peça teatral que chegou a ser traduzida para o francês e da qual companheiros do autor dão notícia, sem, contudo, haver confirmação se foi realmente publicada.

“Às vezes, sou invadido pela dúvida de que não

fiz mais do que sonhar às avessas dos outros.”

Martins de Almeida[8]

Pedro Nava [9] registra que Martins de Almeida escreveu, também, “Amigado com a vida”, uma obra só conhecida dos que receberam do autor suas cópias xerografadas”. E diz considerá-lo um ensaísta de primeira e um dos melhores espíritos críticos da sua geração. “Um conversador admirável, o que justificaria plenamente o apelido que lhe dava Emílio Moura de: o nosso Rivarol”.

Recorde-se que Antoine de Rivarol (1753-1801) foi[10] um escritor e polemista francês. Sua obra encantou Tristão da Cunha, poeta e advogado nascido em Teófilo Otoni, MG que publicou o ensaio No Jardim de Rivarol em 1922. É também de Tristão da Cunha a primeira tradução brasileira de Hamlet, de Shakeaspeare. Não sendo considerado modernista, Cunha estimulou o interesse por frases do escritor francês como “Empreguemos apenas a razão para combater opiniões, pois ninguém mata idéias a tiro.”

Em carta dirigida ao próprio Martins de Almeida, Ribeiro Couto[11] faz elogio dizendo ser ele “um crítico de mão cheia que devia cultivar essa veia”.

Dessa veia destaca-se aqui, pela atualidade de um escrito de quase um século, ao qual intitulou “Estatística[12], que diz o seguinte:

“O Brasil é um país que está todo para ser estudado, numerado e catalogado. Sofremos tanto da falta da ‘palavra justa e do acento justo’ como dos números exatos. …. Precisamos escriturar urgentemente tanto a nossa miséria como a nossa riqueza. A pobreza dos nossos recursos materiais deve, sem demora, ser inventariada na forma de uma escrituração regular. Torna-se indispensável contar, pesar e medir toda a nossa realidade. Não podemos continuar a viver na incerteza do que temos e na ilusão do que não temos…… O Brasil é atualmente um amontoado de coisas disparatadas que necessitam ser somadas, diminuídas, multiplicadas e divididas. Só mesmo os nossos homens públicos, com a sua preocupação absorvente do voto e da frase, não compreendem ou não querem compreender o valor decisivo dos dados estatísticos nos planos administrativos.”

Em artigo publicado na Gazeta de Notícias Agripino Grieco[13] se refere a Martins de Almeida como um “escritor de uma sobriedade elegante, pensador e esteta, inimigo da vulgaridade e sempre desejoso da beleza”.

Ronald de Carvalho[14] em carta a Carlos Drummond de Andrade, em 01.09.25, escreveu: “Que bonita fogueira estão vocês fazendo com A Revista. Precisamos dessas queimadas para a nossa literatura de gravetos, espetos, paus e palitos de Ovar. Você e Martins de Almeida, que inteligentíssimos diabos para sapecar essas pereiras, pessegueiros e oliveiras do nosso mato acadêmico!”

É este o leopoldinense Martins de Almeida que o Trem de História tira da gaveta dos esquecidos para colocá-lo no seu local de destaque no Movimento Modernista de Minas Gerais.

O Trem de História de hoje fica por aqui. Na próxima viagem trará algo para lembrar os 168 anos de Emancipação de Leopoldina. Até lá!

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 430 no jornal Leopoldinense, março de 2022

Fontes Consultadas:


[1] Cartório de Registro Civil de Pessoas Naturais de Providência, Leopoldina, MG, certidão matrícula nº 0371430155 1903 1 00003 053 0000003 81. 
[2] Anúncio de óbito. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, RJ, 30 jul. 1983, ed. 113 p. 14. 
[3] ANDRADE, Carlos Drummond de. Tribuna da Imprensa, Rio de Janeiro, RJ, 26.10.1977, ed. 8589 p. 9. 
[4] O Pharol, Juiz de Fora, MG, 29.07.1923, ed. 366 p.1. 
[5] Andrade, Carlos Drummond de. Recordação de Aberto Campos. In: Confissões de Minas. São Paulo: Cosac Naify, 2011. p. 50. 
[6] ALMEIDA, Francisco Martins de. Brasil Errado. 2.ed. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1953. 
[7] NAVA, Pedro. Beira Mar Memórias/4. Rio de Janeiro: José Olympio, 1978. p. 218. 
[8] ALMEIDA, Francisco Martins de. Brasil Errado, 2.ed. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1953. p. 144. 
[9] NAVA, Pedro. Galo das Trevas: As Doze Varas Imperfeitas: Memórias, 5. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1981. Nota p. 319. 
[10] VIEIRA, Pedro Luís Sala. O paratexto prefacial de tradução literária: o caso dos hamlets brasileiros.Revista Versalete, , Curitiba, v. 9, nr 16, 244-264, jan.-jun.2021. p. 248 
[11] A Revista. Reimpressão fac-similar de José Mindlin, Patrocínio da Metal Leve S.A., São Paulo, 1978, p. 87. 
[12] Almeida, Francisco Martins de. Brasil Errado. 2.ed. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1953. p. 72. 
[13] A Revista, Reimpressão fac-similar de José Mindlin, Patrocínio da Metal Leve S.A., São Paulo, 1978, p. 86. 
[14]  idem, p. 85.

177 – Centenário da Semana de Arte Moderna e o leopoldinense que fez parte do Movimento

O Trem de História realiza sua 177ª viagem sob a orientação de um historiador mineiro que abordou as relações entre História e Literatura, como se pode verificar em obra publicada postumamente[1]. Ao tratar do Modernismo, Francisco Iglésias declarou que o movimento de 1922 deu início à busca da “superação da consciência ingênua pela consciência crítica” e despertou o desejo de renovação, deixando para trás as fórmulas gastas[2]. Segundo Iglésias, a insatisfação com o comportamento dominante e com práticas retrógradas abriu caminho para um novo pensar. O historiógrafo destaca também que a História se abriu para a[3] “mentalidade polêmica e criadora daquela geração que tinha muito o que dizer”.

Quando se comemora o centenário da Semana de Arte Moderna, realizada no Theatro Municipal de São Paulo entre os dias 11 e 18 de fevereiro de 1922, o Trem de História resgata algumas informações sobre o Movimento Modernista no Brasil e, dentro dele, um pouco da história do leopoldinense Francisco Martins de Almeida ou, Martins de Almeida, ativo participante do grupo de Belo Horizonte.

E começa lembrando Aline Maria Jeronymo[4], para quem

a necessidade de renovação e de formação de um grupo literário-artísticocultural não era, evidentemente, uma característica exclusiva dos intelectuais de São Paulo. Em Belo Horizonte, muitos jovens do interior, vindos de famílias de classe média, realizavam os cursos superiores na capital em crescimento. Foi, desse modo, por meio de estudantes de direito, medicina ou farmácia, que uma agitação intelectual surgiu em meados da década de 1920, em Belo Horizonte, dando início ao grupo modernista mineiro. Nesse primeiro momento, destacavam-se, entre outros, Carlos Drummond de Andrade, Emílio Moura, Pedro Nava, Martins de Almeida[5], Abgar Renault, Mílton Campos, Gustavo Capanema e João Alphonsus.

Na verdade, em Minas Gerais o movimento modernista teve seu maior destaque em Belo Horizonte, com os artistas e literatos que formavam o grupo da “Estrela” ou de “A Revista”. Mas não se pode desconhecer, também, a contribuição da turma de Cataguases, criadores do grupo “Verde”. Nem tampouco se pode deixar de ressaltar que o Movimento marcou outras atividades intelectuais para além da literatura. Ao valorizar as raízes nacionais e a liberdade de escrita fora dos padrões herméticos até então exigidos, influenciou a Pedagogia, a Antropologia, a Sociologia e a História. Não é outro o estímulo para o desenvolvimento de um olhar para dentro, no caso da História, iniciando o processo de reconhecimento dos valores locais.

Ressalte-se que os participantes buscavam encontrar uma expressão artística nacional e valorizar uma literatura calcada em linguagem simples e cotidiana.

De certa forma, o Trem de História é herdeiro do que preconizaram as principais figuras da Semana de 1922, ao buscar no fundo do baú do tempo as informações, as práticas e os personagens que fizeram a História de Leopoldina.

Luciana Francisco[6] afirma que

Se os jovens mineiros já possuíam, como demonstrado, coesão e proximidade, graças à camaradagem em torno das mesas da Confeitaria Estrela e da redação do Diário de Minas, o contato com a caravana paulista ampliou a troca de experiências e apropriação de novas ideias ao modernismo em Belo Horizonte e, paralelamente, o incentivo para que se lançassem à cena nacional com a publicação de A Revista.

É ainda de Luciana a informação,de que “A ideia de criar uma revista modernista em Belo Horizonte foi logo informada a Mário de Andrade juntamente com o pedido contido de colaboração ao final da missiva”. E transcreve Lélia Coelho Frota[7],

“O Francisco de Almeida, mais dois amigos e mais eu, está fazendo uma revista cujo número deve sair em junho. Aqui em Belo Horizonte isso de revista não pega. Em todo caso, vamos fazer ainda uma experiência. É claro que contamos com você, se bem que eu seja o primeiro a não querer sacrificar algum trabalho seu, de fôlego, e que por isso mesmo deve aparecer numa revista de circulação realmente grande, peço que nos mande ao menos duas linhas de prosa ou verso, como entender. Perdoe o papel, a tinta, o estilo, o pedido e a amolação do seu Carlos”[8].

O assunto não termina aqui, mas há a necessidade de uma pausa para reunir outros dados sobre o leopoldinense que dele fez parte. Aguardem!

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 429 no jornal Leopoldinense, fevereiro de 2022

Fontes consultadas:


[1] IGLÉSIAS, Francisco. História e Literatura. São Paulo: Perspectiva, 2010. p.237 
[2] Idem, p. 247 
[3] Idem, p.258 
[4] JERONYMO, Aline Maria. Minas e o Modernismo: a origem de uma poética moderna. Revista Travessia, Universidade Federal de Sergipe, v.5, n.10, 40-51, p.42 
[5] Francisco Martins de Almeida. 
[6] FRANCISCO, Luciana. Modernismos em Revistas: as pluralidades do modernismo mineiro com os periódicos A Revista (Belo Horizonte, 1925-1926) e Verde (Cataguases, 1927-1928;1929). In: 30º Simpósio Nacional de História, 2019, Recife. 
[7] Idem 
[8] Carlos Drummond de Andrade

Famílias Italianas em Leopoldina: Iennaco

Nesta III Festa do Imigrante Italiano em Leopoldina serão homenageados quatro membros da família.

Arlenice Carvalho, filha de Anita Iennaco e Alziro Azevedo de Carvalho, nasceu a 30 Out 1938 em Leopoldina, MG. Anita Iennaco, filha de Lorenzo Iennaco e Emma Sparanno, nasceu a 24 Mai 1916 em Leopoldina, MG, e faleceu a 18 Mai 1982 em Leopoldina, MG. Lorenzo Iennaco, filho de Raffaele Iennaco e Maria Giuseppa Lamarca, nasceu a 1 Mar 1885 em Maratea, Potenza, Basilicata, Italia, e faleceu a 5 Ago 1954 em Leopoldina, MG. Lorenzo casou a primeira vez com com Emma Sparanno, filha de Vincenzo Maria Andrea Stanislao Antonio Sparano e Mariana Giovanna Laghezza, a 15 Out 1906 em Castel San Giorgio, Salerno, Campania, Italia. Emma nasceu a 7 Abr 1880 em Roccapiemonte, Salerno, Campania, Italia, e faleceu a 10 Dez 1922 em Leopoldina, MG.

Lea Maria Lima Iennaco, filha de Vicente Iennaco e Ernestina de Souza Lima, nasceu a 5 Out 1933 em Leopoldina, MG. Vicente Iennaco, filho de Lorenzo Iennaco e Emma Sparanno, nasceu a 4 Fev 1909 em Leopoldina, MG, e faleceu a 19 Nov 1987 em Leopoldina, MG.

Maria de Lourdes Lima Iennaco, filha de Vicente Iennaco e Ernestina de Souza Lima, nasceu a 29 Mai 1935 em Leopoldina, MG. Vicente Iennaco, filho de Lorenzo Iennaco e Emma Sparanno, nasceu a 4 Fev 1909 em Leopoldina, MG, e faleceu a 19 Nov 1987 em Leopoldina, MG.

Artur Bernardes Iennaco, filho de Lorenzo Iennaco e Zulmira Machado, nasceu a 9 Mar 1937 em Leopoldina, MG. Lorenzo Iennaco casou a segunda vez com Zulmira Machado, filha de Carlos José Machado e Maria da Conceição Lima.

Fontes consultadas:

Almanack do Arrebol. Leopoldina: s.n., 1984-1985. 1986 nr 8 fls 13.

Arquivo da Diocese de Leopoldina, lv 12 bat fls 33 termo 70.

Arquivo da Diocese de Leopoldina, lv 16 bat fls 53v termo 434.

Arquivo da Diocese de Leopoldina, lv 7 cas fls 6 termo 26.

Carteira Nacional de Habilitação, Registro 01127642802 DETRAN-MG cópia enviada por Rodrigo Iennaco.

Carteiras de Identidade: RG MG-17.596.703 emitido em 03/07/2008 pela SSP-MG e RG-MG 20.299.015 emitido em 08/05/2013 pela SSP-MG. RG 1.600.765 emitido pelo Instituto Félix Pacheco em 11/04/1969

Cartório de Registro Civil de Leopoldina, MG, certidão mat. 0509480155 1954 4 00011 522 0000186 11.

Cemitério Nossa Senhora do Carmo, Leopoldina, MG. Registro Sintético de Sepultamentos 1963-1983 fls 124v, e 1983-1997 fls 61 e fls 87. Lápides no túmulo da família Iennaco.

RODRIGUES, José Luiz Machado e CANTONI, Nilza. Nossas Ruas, Nossa Gente. Rio de Janeiro: do autor, 2004.

As fontes italianas estão descritas em Cognome Iennaco: registros e reminiscências, livro do descendente Rodrigo Iennaco que será lançado amanhã, dia 21/5/2022, as 20h, no Centro Cultural Mauro de Almeida Pereira.

Agradecemos ao Rodrigo pela prestimosa colaboração no estudo da família.

Ascendência de Neide Lucia Salgueiro

Nesta III Festa do Imigrante Italiano em Leopoldina, será homenageada esta antiga moradora da cidade.

Primeira geração

1.  Neide Lucia Salgarelli, filha de Gregorio José Salgarelli e Veronica Narcisa Piazzi, nasceu a 21 Dez 1941 em Matias Barbosa, MG. Casou com José Salgueiro, filho de Adario Salgueiro e Maria Joana, a 1 Dez 1962 em Matias Barbosa, MG. José nasceu a 26 Mai 1933 em Juiz de Fora, MG.

Segunda geração (Pais)

2.  Gregorio José Salgarelli nasceu a 9 Nov 1903, e faleceu a 25 Jul 1975. Casou com Veronica Narcisa Piazzi.

3.  Veronica Narcisa Piazzi, filha de Giuseppe Piazzi e Maria Romana Civiero, nasceu a 5 Dez 1909, e faleceu a 4 Mai 1992.

Terceira geração (Avós)

6.  Giuseppe Piazzi, filho de Giuseppe Piazzi e Narcisa Fontana, nasceu a 8 Ago 1869 em Palù, Verona, Veneto, Italia, e faleceu a 14 Jun 1947 em Sarandira, Juiz de Fora, MG. Giuseppe também usou o nome Jacinto Piazzi. Giuseppe casou com Maria Romana Civiero a 19 Mar 1890 em Ronco all’Ádige, Isola della Scala, Verona, Veneto, Italia.

7.  Maria Romana Civiero nasceu a 1 Fev 1871 em Ronco all’Ádige, Isola della Scala, Verona, Veneto, Italia, e faleceu em Sarandira, Juiz de Fora, MG.

Quarta geração (Bisavós)

12.  Giuseppe Piazzi, filho de Angelo Piazzi e Luigia Caliari, nasceu a 1 Mar 1830 em Oppeano, Verona, Veneto, Italia. Casou com Narcisa Fontana a 6 Fev 1857 em Oppeano, Verona, Veneto, Italia.

13.  Narcisa Fontana, filha de Girolamo Fontana e Angela Tamora, nasceu a 17 Out 1837 em Roverchiara, Verona, Veneto, Italia.

Quinta geração (Trisavós)

24.  Angelo Piazzi nasceu na Italia onde se casou com Luigia Caliari.

25.  Luigia Caliari nasceu na Italia.

26.  Girolamo Fontana nasceu na Italia onde se casou com Angela Tamora.

27.  Angela Tamora nasceu na Italia.

________________

Fontes consultadas:

Archivio di Stato di Verona

– Lista de Leva classe 1869.

– Matrimonio Ronco All’Adige 1890 parte 1 termo 8.

– Nati 1871 Ronco All’Adgige nr termo ilelgível.

– Registro 2103 da Família Spiazzi em Palù, enviado por descendente de Gaetano Ferrari.

Arquivo Público Mineiro. Livros da Hospedaria Horta Barbosa SA-862 fls 102 e SA-910 fls 222.

Cartório de Registro Civil de Matias Barbosa, MG. lv 18 cas fls 77v termo 3922.

Cartório de Registro Civil de Sarandira, Juiz de Fora, MG. Certidão matrícula 0565070155 1947 4 00002 075 0000749 13.

Informações prestadas por Colaboradores: descendentes de Gaetano Ferrari; Ylebian Salgueiro e Marco Antonio Salgueiro Júnior.