Há 100 anos

Em maio de 1919, nasceram em Leopoldina

Dia 3 mai:

Maria das Dores

Dia 8 mai:

Zina Zamagna

Dia 18 mai:

Dinorah Tavares Machado e Sebastião Bolzoni

Dia 24 mai:

Francisca Bartoli

Dia 25 mai:

Abigail Dutra

Dia 26 mai:

Elza

Dia 27 mai:

Dalvina

Dia 30 mai:

Augusto Fontanella

99 – Costa Cruz – Raimundo, Armando e Antônio Martins da Costa Cruz

Para encerrar a apresentação da família de Joaquim José da Costa Cruz e Ana Joaquina Martins da Costa, o Trem de História aborda os dois últimos filhos do casal.

Raimundo Martins da Costa Cruz é o nono filho do casal Joaquim José e Ana Joaquina. Nasceu[1] em Leopoldina em 1864. Casou-se com Tereza de Souza Lima, filha de João José de Souza Lima e Carlota Raquel de Souza Barroso, em 09.05.1885, em Cataguarino, Cataguases[2].

Em novembro de 1888 Raimundo aparece como proprietário do Engenho Central Raymundo Cruz & Comp. em Leopoldina[3]. Com as pesquisas realizadas até agora não foi possível apurar se tal empresa seria uma das fornecedoras do Engenho Central Aracaty, cujos sócios majoritários eram seu irmão Custódio José e seu cunhado Teófilo Ribeiro.

Raimundo era eleitor em Leopoldina em 1892 e na ata de qualificação é mencionado como lavrador. Em 1897 foi nomeado[4] Capitão da 2ª Cia do 70º Batalhão de Infantaria da Guarda Nacional.

Segundo o pesquisador Luiz Hisse, Raimundo Martins da Costa Cruz teve uma filha de nome Maria Delfim Cruz que foi a segunda esposa de Fernando de Freitas Pacheco, filho de Honório de Freitas Pacheco e Candida Josefina de Avila Meireles. Do casamento de Maria Delfim com Fernando de Freitas Pacheco são os filhos: Jaime, Vicente, Cândida, Teresinha e Eugênia da Cruz Pacheco.

 Em nossas buscas foram encontrados os seguintes filhos de Raimundo Martins da Costa Cruz e Tereza de Souza Lima, todos eles nascidos em Leopoldina: 1 – Guiomar (n.1886)[5], casou-se com seu primo Artur Martins da Costa Cruz. Segundo Joana Capella, o Cel. Arthur era proprietário da fazenda Retiro, em Cataguarino. Arthur era filho de Antonio Martins da Costa Cruz (irmão de Raymundo) e Barbara Rodrigues, filha de Manoel Affonso Rodrigues Junior. Manoel Affonso era de Leopoldina e foi para Cataguarino com o pai e irmãos. Foi dono da fazenda Cachoeira do Funil; 2 – José (n.1888)[6]. Casou-se com Augusta de Souza Pinto. O casal teve pelo menos a filha Josefina, nascida[7] em 1925, em Leopoldina; 3 – Maria José (n.1892)[8]; 4 – Silvio (n.1894) [9[; e, 5 – Custódio (n.1896)[10].

Armando Martins da Costa Cruz é o décimo filho do casal Joaquim José e Ana Joaquina. Nasceu em Leopoldina em janeiro de 1865. Dele não se tem mais notícias.

Antônio Martins da Costa Cruz é o filho caçula do casal Joaquim José e Ana Joaquina. Casou-se com Rita e, em segundas núpcias, com Carlota Rodrigues com quem teve os filhos: 1 – Cornélia, nascida em Cataguases, casou-se [11] com seu primo Joaquim Martins Guerra, filho de João Batista Martins Guerra e Teresa Martins da Costa Cruz, já citados nesta série; 2 – Manoel Olímpio casou-se com Laudelina Martins Guerra, irmã de seu cunhado João Batista. Tiveram dois filhos: Eduardo e Joaquim Martins da Costa Cruz, este nascido em 1898, casado com Lúcia Santos e, conforme Pedro Maciel Vidigal foi prefeito de Cataguases; e, 3 – Artur, casado com sua prima Guiomar de Lima da Costa Cruz, primeira das filhas de seus tios Raimundo Martins da Costa Cruz e Tereza de Souza Lima, citados anteriormente.

Registre-se que no livro de matrículas do Colégio Caraça de 1900 consta um Joaquim Martins da Costa Cruz, filho de Antonio Martins da Costa Cruz, matriculado no dia 09 de fevereiro sob nº 3163, que poderia ser, então, o quarto filho do casal Antonio e Rita. Mas surge uma dúvida porque tal aluno residiria na Estação Dona Euzébia e, segundo o pesquisador Luiz Hisse, já citado noutro ponto deste trabalho sobre a família Costa Cruz, teria existido um outro Arthur Martins da Costa Cruz. Este, filho de Dino Costa Cruz, proprietário da fazenda Retiro, na serra da Onça, localizada entre Dona Euzébia e Guidoval, MG.

Diante disto torna-se necessário o aprofundamento das pesquisas para que se esclareça em definitivo a verdadeira paternidade do aluno do Colégio Caraça. Mas esta missão de deslindar o “mistério” ficará para outra oportunidade ou, para outro pesquisador. Porque, com este artigo, o Trem de História encerrará a série sobre a família Costa Cruz.

Em Leopoldina, a família foi iniciada com Joaquim José da Costa Cruz, nascido por volta de 1816 e falecido em 24.06.1881, em Leopoldina. Casado com Ana Joaquina Martins da Costa, filha de Manoel Martins da Costa Neto e Teresa Maria de Jesus. Neta paterna de Manoel Martins da Costa Filho e Maria do Carmo Ferreira Cabral.

A família Costa Cruz deu origem ao notável jornalista, escritor e poeta brilhante, Dilermando Martins da Costa Cruz, nascido em Leopoldina em 1879 e falecido em Juiz de Fora em 1935. Dilermando foi um dos fundadores da Academia Mineira de Letras e é patrono da cadeira nº 15 da Academia Leopoldinense de Letras e Artes – ALLA, hoje ocupada por Natania Nogueira.

No próximo Jornal outro assunto ou personagem será içado do passado para os dias atuais. Até lá!


Fontes Consultadas:

[1] Arquivo da Diocese de Leopoldina, lv 01 bat fls 118 termo 628.

[2] Pesquisa de Joana Capella nos livros paroquiais da Igreja de Santa Rita, Cataguases.

[3] Irradiação (Leopoldina, MG, 14 nov 1888, ed 39 p 4.

[4] Diário Oficial da União, 10 dez 1897 seção 1 p 4.

[5] Arquivo da Diocese de Leopoldina, lv 02 bat fls 157v termo 1501.

[6] idem, lv 03 bat fls 58 termo ordem 555.

[7] idem, lv 21 bat fls 71v termo 278

[8] idem, lv 04 bat fls 79v termo 938

[9] idem, lv 05 bat fls 43 termo 106

[10] idem, lv 06 bat fls 100 termo 37

[11] Gazeta de Leopoldina, 6 nov 1898 ed 60 p 1

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 352 no jornal Leopoldinense de 01 de abril de 2018

96 – Rita, Manoel e Custódio Martins da Costa Cruz

Como se viu no artigo anterior e se verá nos subsequentes, a família Costa Cruz, embora tenha ficado esquecida pelos historiadores, teve destacada participação no desenvolvimento de Leopoldina. Em função disto, continua sendo o assunto deste Trem de História. Agora, trazendo mais alguns filhos do patriarca Joaquim José da Costa Cruz.

Rita Martins da Costa Cruz foi a terceira filha de Joaquim José e Ana Joaquina. Casou-se com Teófilo Domingos Alves Ribeiro, nascido em Aracati-CE em 1843), filho de Domingos Teófilo Alves Ribeiro e Maria Joaquina Mendes.

Teófilo Domingos foi um dos nomes de destaque da família Costa Cruz. Empreendedor, em 1879 foi autorizado a fundar um Engenho Central de Açúcar, na margem do Rio Pomba, em Leopoldina, na situação denominada Aracaty, em sociedade com seu cunhado Custódio José. No ano seguinte era professor do Lyceu Leopoldinense e em 1883 aparece cobrando indenização do Governo Imperial referente à passagens de imigrantes contratados em 1882, que possivelmente passaram pela Hospedaria Jacareacanga, vizinha do Engenho.

Pessoa ativa, Teófilo Domingos foi, ainda, vereador em Leopoldina em 1886 e em 1889 e no ano de 1888 era redator do jornal Irradiação, na mesma cidade, propriedade de suas filhas. Em 1890 ele aparece vendendo o jornal Irradiação e se despedindo dos leitores, dizendo que iria para a capital do estado e nesse mesmo ano, em Ouro Preto, foi eleito presidente da Companhia Vila Rica. Mesmo com a transferência para a capital, permaneceu como Oficial da Guarda Nacional e em 1893 participou da Assembleia de Instalação da Sociedade Anonyma Arcádia Leopoldinense, da qual foi sócio. Mais tarde, em abril de 1907, era Secretário de Finanças do Estado de Minas Gerais.

Rita e Teófilo Ribeiro tiveram, pelo menos, os seguintes filhos:

1 – Teófilo, nascido por volta de 1877 em Leopoldina onde faleceu em 1897; 2 – Ester, (n.1880); 3 – Adalgisa c.c. Ismael Franzen; 4 – Maria Rita c.c. José Pedro Drumond; 5 – Guiomar c.c. Antonio Gomes Monteiro Júnior e segunda vez com Manoel Martins da Costa Cruz, promotor em Leopoldina em 1898, filho de Custódio José e Gabriela Augusta.

Manoel Martins da Costa Cruz, o quinto filho de Joaquim José e Ana Joaquina, foi batizado em Leopoldina em 1858 e dele não se tem outras notícias.

Custódio José Martins da Costa Cruz, o sexto e o mais conhecido dos filhos do casal, foi sócio do seu cunhado Teófilo Domingos no Engenho Central Aracaty, autorizado pelo Decreto nº 7.508, de 27.09.1879, que estabelecia:

“Fica concedida á companhia que Theophilo Domingos Alves Ribeiro e Custodio José da Costa Cruz organizarem para o estabelecimento de um engenho central, destinado ao fabrico de assucar de canna, mediante o emprego de apparelhos e processos modernos os mais aperfeiçoados, á margem do rio Pomba, no municipio de Leopoldina, Provincia de Minas Geraes, na zona comprehendida pela situação denominada Aracaty”.

Custódio José nasceu em Nova Era, MG. Casou-se com Gabriela Augusta de Souza Lima, filha de João José de Souza Lima e Carlota Raquel de Souza Barroso, conforme apurado pela pesquisadora Joana Capella.

Em 1875, assinou como Irmão em ata da Irmandade do Santíssimo Sacramento da Paróquia de São Sebastião da Leopoldina. Três anos depois foi nomeado Delegado de Polícia da cidade e no mesmo ano obteve privilégio para construção de uma ferrovia entre Recreio e São Francisco do Glória. Em dezembro de 1890 requereu ao estado uma autorização para exploração de cobre e outros minerais em Conceição do Serro e Itabira. Em abril de 1891, no Rio de Janeiro, RJ, lançou a Cia. Minas Industrial, com atividades agrícolas, de colonização e construção. Nesta época ele vivia no distrito de Ribeiro Junqueira, Leopoldina, na Fazenda Aracati Velho, divisa do Distrito de Paz Vista Alegre.

Custódio José e Gabriela Augusta tiveram, pelo menos, os seguintes filhos: 1 – Manoel Martins da Costa Cruz, casado com sua prima Guiomar Ribeiro, filha de Teófilo Domingos e Rita; 2 – Henrique c/c Francisca Delfim Silva, filha de Camilo Delfim e Silva e Euzébia de Souza Lima; 3 – Maria Carmen c/c João José Vieira Júnior, filho de João José Vieira e Clara Pereira Nunes; 4 – Dilermando Martins da Costa Cruz, do qual se vai falar na próxima edição; 5 – Custódio Filho, nascido em 1880, editor do Correio da Tarde de Juiz de Fora; 6 – Carlos, nascido em 1881 e em 1928 era médico em Leopoldina, c.c Mercedes Paranhos de Souza com quem teve os filhos Carlos, Haroldo, Caio e Áureo; 7 – Afonso c.c. Alzira Neto;  8 – Tereza, conhecida como Zizinha Cruz, c.c. Emilio Gonçalves Júnior, editor do jornal Cidade de Barbacena; e, 9 – Cecília, citada por Pedro Maciel Vidigal, de quem não se tem outras notícias.

Muito ainda existe sobre a família Costa Cruz. Mas por hoje o Trem de História fica por aqui. No próximo número ele trará vida e obra de Dilermando Martins da Costa Cruz. Até lá.


Fontes Consultadas:

Arquivo da Diocese de Leopoldina, lv 01 bat fls 35 termo 184; lv 02 bat fls 35v termo 329, fls 64v termo 612 e 613.

Cemitério Nossa Senhora do Carmo, Leopoldina, MG, lv 1 1896-1903 fls 13 reg 11583 sep 1333 3º plano.

Diário Oficial da União, 10 out 1898, ed 1266, pag 2.

Lei Mineira nr 2452 de 18 out 1878; Decreto 7808 de 27 de setembro de 1879 e Decreto 406 de 6 março 1891

Jornais: A Actualidade (Ouro Preto), 30 abr 1878, ed 17 pag 3; A Província de Minas (Ouro Preto), 2 out 1880, ed 14 pag 4 e 19 ago 1886, ed 380 p.2; Gazeta de Leopoldina 26 jun1898 ed 11 pag 3; Gazeta de Leste (Leopoldina, MG), 5 out 1890, ed 1 pag 1 e 1 nov 1890 ed 5 pag 2; Irradiação (Leopoldina), 14 nov 1888 ed 39, 11 abr 1889 ed 60 p.1; 21 maio 1890 ed 117 pag 2; Minas Geraes (Belo Horizonte), 5 out 1893, ed 269 fls 5 a 7; O Liberal Mineiro (Ouro Preto), 26 out1883, ed 137, pag 3 e O Pharol (Juiz de Fora), 3 dez 1890 ed 296 pag 2, idem, 14 abril 1891 ed 87 pag 2.10 abril 1907, ed. 84, pag. 1, 17 nov 1907, ed. 273, pag. 1

FREITAS, Mário de. Leopoldina do Meu Tempo. Belo Horizonte: Página, 1985. p.41

VIDIGAL, Pedro Maciel, Os Antepassados. Belo Horizonte, Imprensa Oficial, 1979 e 1980. v 2 tomo 2 1ª parte p 910, 933 e 932.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 349 no jornal Leopoldinense de 16 de fevereiro de 2018

Gonçalves Barroso: uma genealogia

A família de José Gonçalves Barroso está entrelaçada com muitas outras famílias leopoldinenses, sejam pioneiras no povoamento do Feijão Cru ou que chegaram na segunda metade o século XIX. A primeira edição deste estudo foi publicada em novembro de 2013.

28 de janeiro de 1916

Há 100 anos nasciam em Leopoldina:

Antonio Ferreira de Souza Lima

filho de

Francisco de Souza Lima

e de

Ana Ferreira de Almeida

e

Antonia Bonini

filha de

Valentim Bonini

e de

Lucia Mantuani

Há 100 anos

Em março de 1914 nasceram em Leopoldina:

Dia 1

Josefa, filha de Antonio Mauricio da Silva e de Emilia dos Reis Coutinho

Dia 2

Belmira,filha de Manoel Augusto Pires e de Aurora Izabel da Silva

Jovelina, filha de Galdino Rodrigues Gomes e de Silvina Apolinária de Souza Lima

Dia 3

Regina Ana Ceoldo, filha de Rodolfo Domenico Ceoldo e de Tereza Righetto

Dia 5

Helena Maria Farinazzo, filha de Giovanni Farinazzo e de Teresa Pedroni

Margarida, filha de Artur Guimarães Leão e de Iramira Furtado

Dia 11

Abigail Ziller, filha de Giovanni Trentino Ziller e de Luigia Gazzoni

Dia 18

Maria José Lomba, filha de João Francisco Lomba e de Elisa Lorenzetto

Dia 19

Cecilia, filha de José Dias Badaró e de Maria Cândida Badaró

Dia 22

Manoel, filho de Raimundo de Vargas Ferreira Brito e de Horácia Machado da Silva

Dia 28

Sebastião, filho de Alfredo Carlos de Souza e de Maria Ferreira de Lacerda

Dia 30

Norival, filho de Antonio Germano Rodrigues e de Maria Dietz Tavares