Iphan abre inscrições para curso à distância sobre Patrimônio Imaterial

Matéria publicada no blog de Mary del Priore:

Até o próximo dia 30 de janeiro estão abertas as inscrições para o curso EAD Formação para a Gestão do Patrimônio Cultural Imaterial no âmbito da COOP SUL, uma realização do Centro Lucio Costa (CLC), em parceria com o Centro Regional para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial (Crespial), com apoio da UNESCO e coordenação técnica da Inspire | Gestão Cultural. São 50 vagas para o curso que acontecerá entre os dias 19 de fevereiro e 04 de maio, com aulas ministradas pela internet. O curso tem a coordenação de conteúdo de Lucas dos Santos Roque e o corpo docente é formado por especialistas do Brasil e da América Latina. As inscrições…

Continue lendo:

Iphan abre inscrições para curso à distância sobre Patrimônio Imaterial | História Hoje.

Instituto Agronômico em Leopoldina

Há 120 anos a Revista Industrial de Minas Gerais, em sua edição número 10 assim se manifestava a respeito da criação dos institutos agronômicos e especialmente da regulamentação através do Decreto nr. 737 de 13 de julho:

Entretanto, segundo notícia publicada na primeira página do jornal O Leopoldinense, de 11 de agosto de 1895, a Lei n. 140, de 20 de junho daquele ano, reformou o ensino agrícola no estado e cancelou a instalação de novos Institutos Agrícolas. Como a unidade de Leopoldina fora criada mas ainda não havia sido instalada, seria convertida em “campo prático ou campo de demonstração”. Estaria aí a origem da Fazenda do Estado, na Laginha?

Há outras dúvidas sobre o ensino agrícola em Leopoldina. Foram encontradas referências a uma Escola Agrícola fundada cerca de quinze anos depois, subsidiada pelo governo do estado e administrada pelos proprietários do então Gymnasio Leopoldinense. As referências são nebulosas e alguns intérpretes acreditam tratar-se de uma instituição particular. Na fotografia abaixo o prédio identificado com o nome do colégio particular foi reconhecido por antigos moradores como sendo a sede do Aprendizado Agrícola.

Apontamentos para a História da Educação em Leopoldina

O administrador municipal de 1895 fez publicar, no jornal de sua propriedade, uma série de artigos denominados Governo Local nos quais manifestava opinião sobre variados temas de interesse público. Uma destas colunas, publicada há exatos 119 anos, o tema era o então chamado Ensino Primário e a Escola Noturna.

Posturas Municipais

Na visita que fiz a Leopoldina no final do mês de março, ouvi algumas pessoas reclamando de calçadas interrompidas por mercadorias expostas pelos comerciantes ou por veículos leves estacionados sobre as calçadas. É incrível como uma prática tão absurda permaneça em vigor na cidade há 113 anos! Sim, desde 1891 já se reclamava do mesmo problema. Vejam a nota abaixo.

Aviso do Fiscal de Posturas em 1891

Segundo Reinhart Koselleck no livro Futuro Passado, edição da Contraponto de 2006, o futuro não é simples reprodução do presente, mas o reflexo do desenvolvimento de projetos e tendências. Será que a sociedade leopoldinense e seus dirigentes ainda se encontram no estágio de sociedade tradicional, em que a mudança era mal vista e que caminhar em direção a formas mais complexas de socialização era um pesadelo? Nós estamos batalhando pela modernização da nossa sociedade?

Cada um de nós, que vive ou visita Leopoldina, tem a responsabilidade de contribuir para o aprimoramento das práticas sociais. Não basta reclamar dos administradores municipais. É fundamental nos educarmos e educar os mais jovens para que todos respeitemos as normas de conduta.

Colégio Fraebel

Conforme já mencionamos neste blog, o título de Atenas da Zona da Mata foi dado a Leopoldina pela expressiva quantidade de escolas e alunos existentes na cidade. Confirmando as palavras de Roberto Capri no livro Minas Gerais e seus Municípios [São Paulo: Pocai Weiss & Cia, 1916 p. 248], encontramos inúmeros anúncios de colégios em funcionamento na cidade desde meados do século XIX. Hoje acrescentamos mais um nome de instituição de ensino anunciada há 115 anos, como se vê abaixo.

Colégio Fraebel, Leopoldina, MGImportante recordar que a Rua Primeiro de Março compreendia as atuais ruas Gabriel Magalhães e Luca Augusto e que antes se chamou Rua Direita.

Cuidados com a Infância

Duas notícias publicadas na mesma página do jornal O Leopoldinense, há 132 anos, indicam preocupação com o bem estar das crianças e cobrança de medidas das autoridades.

Notícias do jornal O Leopoldinense

Por um lado, Francisco de Paula Pereira Pinto e Joaquim de Azevedo doavam selos servidos para a campanha de proteção da infância, muito comum naqueles idos de 1882. Por outro, cobrava-se de um político uma solução para a falta de professores de instrução primária.

Estas notícias chamaram a atenção pelo fato de que, naquela época, a concepção de infância não era muito diferente do que ocorria no século XII, conforme defendeu Philippe Ariès em História Social da Infância e da Família (Rio de Janeiro: LCT, 1978). Para este autor, os problemas sociais que afetavam as crianças e adolescentes pobres da Idade Média permaneciam, de alguma forma, no século XIX.