135 – Hospedaria Jacareacanga

O Trem de História já citou uma hospedaria que permanece meio encoberta pela poeira do descaso. É a Hospedaria Jacareacanga, que parece ter funcionado às margens do ribeirão que lhe empresta o nome, nas proximidades da estação ferroviária de Vista Alegre.

Para ela foram encaminhados imigrantes que se destinavam a Leopoldina.  Mas antes de tratar da Hospedaria Jacareacanga, dois pontos importantes a respeito da imigração para Minas Gerais merecem ser lembrados.

O primeiro deles é o fato de que, segundo o Decreto nº 644, de 09 de setembro de 1893, o governo mineiro teria firmado convênio com o estado do Espírito Santo para que os imigrantes que chegassem naquele período, com viagem subvencionada por Minas Gerais, fossem recebidos na hospedaria da capital daquele estado.

O segundo ponto que merece registro se refere ao fato pouco conhecido de que alguns dos imigrantes que se instalaram em Leopoldina não vieram diretamente do país de origem. Um bom número esteve em outros núcleos de colonização, da mesma forma que colonos ‘leopoldinenses’ foram tentar a vida noutras localidades, num deslocamento que terminou por provocar, inclusive, a separação e o distanciamento de ramos familiares. O que não desautoriza a afirmação de que a regra geral era passarem por uma hospedaria e de lá saírem contratados por fazendeiros ou, estimulados por alguma razão especial, partirem para um endereço certo.

Sobre a Jacareacanga, especificamente, pouco se sabe e raros são os documentos preservados referentes a ela, acessíveis ao público. Dentre estes poucos está a mensagem de Bias Fortes, de julho de 1896, declarando que:

“Inutil seria todo nosso esforço em bem do desenvolvimento da corrente immigratoria, si o recebimento de immigrantes no Estado não fosse feito com todo o cuidado e com a maior somma de conforto para elles. Convicto disso, o governo tem procurado fazer cercar de todo o agasalho e conforto o immigrante recem-chegado. Para esse fim, mandou executar diversas obras na hospedaria de Juiz de Fora, de modo a dotar este edificio de todos os melhoramentos indispensaveis á commodidade do immigrante e ao serviço de hyginene da hospedaria. Providenciou tambem para que sejam estabelecidas diversas hospedarias nos centros das mais importantes zonas agricolas, o que facilitará a localisação e a distribuição dos immigrantes.”

Nesta mesma mensagem o Presidente do Estado informa que estava em construção uma hospedaria na nova capital, Belo Horizonte e tinham sido iniciados os trabalhos para instalação de duas outras: uma em Leopoldina, na Estação de Vista Alegre, e outra na Estrada Sapucahy, em Soledade, hoje município de Pouso Alegre (MG).

Vale lembrar que o Decreto nº 406, de 1891, criou

um distrito de paz na povoação denominada – Vista Alegre – município de Leopoldina, cujas divisas serão: pela ponte do Rio Pomba, em Vista Alegre, descendo rio abaixo até a fazenda de Carlos Augusto de Aquino Cabral (divisa com Campo Limpo); daí subindo o ribeirão do Recreio até a fazenda do mesmo nome, pertencente à d. Maria Antonina Dutra, passando pela fazenda de José Dutra da Silveira, voltando depois, em linha reta, apanhando as fazendas dos Srs. Custódio Ferreira de Lacerda, herdeiros de Antônio Ferreira Netto, João Rodrigues Martins, João Evangelista de Castro Gama, capitão Francisco de Paula e Silva Santa Maria, Dr. Custódio José da Costa Cruz, fazenda do Aracati Velho; voltando, passará, em linha reta, pela fazenda dos Brittos, chegando ao Rio Pomba, apanhando a fazenda do capitão Caetano José de Almeida Gama, desce rio abaixo até a ponte da Vista Alegre, de onde partiu o primeiro ponto.”

É fato documentado que em meados da década de 1890 o engenheiro Eugenio Jordan constou como contratante de imigrantes na hospedaria de Juiz de Fora, informando como destino a localidade de Vista Alegre, no município de Leopoldina, que tanto pode ser o distrito criado pelo decreto nº 406 quanto referir-se à estação ferroviária de Vista Alegre.

Sobre a hospedaria sabe-se, também, que em 1898 foi feito um aporte financeiro pela presidência do Estado para conclusão do processo de extinção da Jacareacanga e que, no ano seguinte, foram extintas as hospedarias de Soledade e de Leopoldina.

Os estudos até o momento desenvolvidos levam a pensar na hipótese de que a hospedaria de Leopoldina já existisse desde a época da construção da Estrada de Ferro, na década de 1870. Isto porque, através da Lei nº 32, de 18 de julho de 1892, foi permitido às Câmaras Municipais cuidarem da introdução de trabalhadores, inclusive imigrantes. E por esta época, funcionava a Colônia Santo Antonio, instalada pela Câmara Municipal na fazenda da Onça, de sua propriedade.

Assim, reunindo diversas informações e comparando-as com depoimentos de descendentes de imigrantes, observa-se que pode ter existido um prédio, à margem do ramal que ligava a estação de Vista Alegre à do centro da cidade de Leopoldina, destinado a acolher inicialmente os trabalhadores da ferrovia.

Descendente de imigrante alemão informou que seus antepassados trabalhavam na construção da Estrada de Ferro Pedro II e se transferiram para Leopoldina, para trabalharem nas obras do ramal de Vista Alegre. Acrescentou que a família residiu inicialmente nas proximidades da Estação de Vista Alegre até que a Câmara de Leopoldina promoveu a venda de lotes na fazenda da Onça.

Outra indicação para confirmar a existência da hospedaria Jacareacanga vem de entrevista com descendente de imigrante italiano que trabalhou na fazenda Paraíso. Neste caso, a informação é de que ficaram numa hospedaria perto da Estação de Vista Alegre, até chegar a bagagem e então serem transferidos para a fazenda de destino.

Esta situação se confirma com a leitura da carta de Costa Manso & Cia, do Rio de Janeiro, datada de 28 de agosto de 1889 e enviada para a fazenda Paraíso, na qual se informa que o emissário Frederico Dausckivardt contratara diversos colonos no Porto do Rio.

Pelo que se depreende desse documento, pertencente à coleção de documentos da fazenda Paraíso, os imigrantes haviam seguido viagem com destino à Estação de Vista Alegre e a bagagem não tinha seguido junto porque “o vapor chegou às 3 horas” e não foi possível contratar “a catraia para fazer seguir para o trapiche da Gamboa, onde será despachada amanhã”.

Aqui é preciso fazer mais uma pausa. O Trem de História retorna na próxima edição para falar de imigrantes que estiveram na Jacareacanga. Até lá.


Fontes de referência:

Mensagens dos presidentes do Estado de 1888 e 1899; Mensagem do Presidente Chrispim Jacques Bias Fortes, 15.07.1896, p. 31; Livros da Hospedaria Horta Barbosa (Arquivo Público Mineiro), SA-910 p.7 e seguintes; Documento da Coleção Kenneth Light, disponível no Arquivo Histórico do Museu Imperial, Petrópolis, RJ. Tombo 1954/97.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 388 no jornal Leopoldinense de 16 de setembro de 2019

134 – O Ribeirão Jacareacanga

Em oportunidade anterior, quando se tratou do Ribeirão do Feijão Cru, foi dito que ali não se ocupava tempo e paciência de eventual leitor por ser um grande curso d’água ou, um curso de águas límpidas. Ocupava-se porque ele emprestou o seu nome ao povoado que deu origem à cidade e porque a sua bacia hidrográfica estava integralmente dentro dos limites do município de Leopoldina. Porque o Feijão Cru é da cidade e a sua vida se confunde com a vida dos que aqui vivem.

Recorde-se que o povoado surgiu nas imediações da Igreja do Rosário e cresceu pela margem direita do Feijão Cru, expandindo-se pelas encostas dos Pirineus, Tabocas e pelo vale por onde passam as ruas Cotegipe e Presidente Carlos Luz que margeavam antigo córrego, escoadouro das águas nascidas em mina existente na Praça General Osório que desaguavam no Feijão Cru, nas proximidades do Colégio Estadual Botelho Reis (Ginásio). Com o tempo o casario subiu o morro da Catedral, aproveitou o estreito que formou a Rua do Buraco (das Flores) e foi juntar-se ao Bairro da Grama, que também está na mesma margem direita do Feijão Cru. Muito depois é que os habitantes saltaram o Ribeirão e povoaram a Fábrica, a Praça da Bandeira e subiram o Alto da Ventania.

Mas hoje o que se pretende é falar das águas que vertem ou, correm para o outro lado do morro dos Pirineus, da elevação que forma o bairro da Meia Laranja e do lado norte da Volta da Cobra, onde nasce, do lado sul, o Feijão Cru. São águas que formam outros córregos e outro importante ribeirão por onde escoam as águas de chuva que caem no atual centro da cidade.

O que se quer contar é um pouco da história do Ribeirão Jacareacanga, irmão do Feijão Cru, porque nascem na mesma serra da subida da Volta da Cobra. Um à direita e o outro à esquerda da estrada que segue para o Arraial dos Montes / São Lourenço e Abaíba. O Jacareacanga, na região da Serra dos Netos, nasce no alto do morro e por entre pedras e árvores desce a encosta por um dos vales e vai recolhendo as águas de pequenas nascentes. Quando chega à parte plana, em terras que formavam a antiga fazenda Fortaleza, antes de cruzar a BR-116 recebe pela margem direita o Córrego Fortaleza. Logo depois, na outra margem da rodovia, pelo lado esquerdo recebe a contribuição do Córrego Três Cruzes, que lhe traz as águas das encostas da região do Brasília Country Club. Segue seu curso e, na Fazenda Estrela, recebe o córrego Bela Vista e o Pau Cascado, afluentes da margem esquerda.

O Córrego Bela Vista é o que recolhe as águas do bairro de mesmo nome e as que descem pelos fundos da Rodoviária, do CEFET e pelo lado norte da Meia Laranja. E mais ou menos paralelo à Avenida dos Expedicionários, marca a divisa entre os bairros Bela Vista e São Cristóvão.

É bom que se observe que entre estes dois bairros passa o Córrego Bela Vista, diferentemente do que afirmam algumas pessoas que consideram ser ali o Jacareacanga.

Voltando ao curso do Ribeirão, depois que passa pela Fazenda Estrela ele segue mais ou menos o leito do ramal da antiga linha férrea.

No jornal O Leopoldinense, edição 65, 08.09.1885, p. 3, nota intitulada “Serviço de Immigração” informa que “até 2ª ou 3ª o fiscal adquirirá, por conta do Estado, o Sítio Jacareacanga, onde vai ser montada uma hospedaria com capacidade para receber 1200 imigrantes.” Na folha 20 S2 E3 da cartografia da Comissão Geographica e Geologica de Minas Gerais de 1926, consta que no terço final do Ribeirão localizava-se a Fazenda Jacareacanga.

Registre-se que em 1896 a hospedaria de Leopoldina, na estação de Vista Alegre, posteriormente denominada Hospedaria Jacareacanga, estava em construção, segundo a mensagem do presidente do estado Chrispim Jacques Bias Fortes, de 15.07.1896. p. 31.

Aproximando-se de sua foz, o Ribeirão Jacareacanga recebe o Córrego Santana e a seguir mais dois afluentes, os córregos do Bagre e o São Luiz, todos pela margem esquerda.

Logo depois, deságua no Rio Pomba, bem perto da estação donde partia o TREM que ligava a Estrada de Ferro da Leopoldina ao centro da cidade que lhe emprestou o nome. Um TREM de verdade que fez história transportando imigrantes e riquezas da região. Um TREM que ficou na história e, inspirou este TREM DE HISTÓRIA que hoje conta as muitas histórias que ocuparam e ainda ocuparão este espaço do Jornal. Histórias que não acabam, porque a vida e a viagem deste imaginário TREM continuam na próxima edição. Até lá.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 387 no jornal Leopoldinense de 1 de setembro de 2019