128 – Colônia Agrícola da Constança

Desde 1998, quando os autores começaram a publicar seus estudos, vez por outra tem sido destacada a fundação da Colônia Agrícola da Constança. Isto porque entende-se que estudar sua história implica buscar conhecimento sobre os intervenientes que moldaram a sociedade e foram por ela moldados naquele momento. E é por isto que a ela se volta agora.

Como objeto de pesquisa, a Colônia sempre foi estudada a partir do seguinte normativo legal[1]:

DECRETO nº 280 de 12 de abril de 1910

Crea uma colonia agricola no districto da cidade de Leopoldina, com a denominação de Colonia Agricola da Constança.O Presidente do Estado de Minas Geraes, usando da attribuição que lhe confere o artigo 57 da Constituição Mineira e na conformidade do disposto no artigo I parágrafo I da Lei n. 438 de 24 de setembro de 1906, resolve crear uma colonia agricola no districto da cidade de Leopoldina, com a denominação de “Colonia Agricola da Constança”.

Palacio da Presidencia do Estado de Minas Geraes, em Bello Horizonte, 12 de abril de 1910.

WENCESLAU BRAZ PEREIRA GOMES

Estevão Leite de Magalhães Pinto

A organização de colônias agrícolas em Minas Gerais foi determinada pela necessidade de oferecer atrativos que fixassem os imigrantes em seu território. Exemplo desta preocupação manifestou o Presidente da Província, em 1895, ao declarar que as dificuldades de manter os trabalhadores.[2]

“poderiam ser dominadas si o immigrante fosse obrigado a tomar o destino que se lhe designasse; mas assim não succede, pois que a livre escolha de destino está consagrada em lei, como uma das mais salutares regalias da immigração”.

Assim é que foram organizadas colônias em diversas cidades. No caso de Leopoldina, seu povoamento inicial foi constituído principalmente por imigrantes chegados antes da fundação.

A localização certamente ocorreu em função da disponibilidade de terras a preço adequado. O Relatório assinado por Guilherme Prates a 20 de março de 1910, informa que a Colônia

“Acha-se situada no districto da cidade de Leopoldina, a quatro kilometros da estação da estrada de ferro. Fundada em terras das fazendas annexadas e denominadas Constança, Sobradinho, Boa Sorte, Onça e o sitio Puris, que o Estado adquiriu, tem a área de 17.437.500,00 metros quadrados, dividida em 60 lotes, com cerca de 25 hectares cada um e um logradoiro publico com a extensão de 1.317.500,00 metros quadrados.”

A medida dos lotes apresentava pequenas variações, em função das condições do terreno. Segundo o administrador,

“Está esta colonia sendo fundada no municipio de Leopoldina, no districto da sede, distando da mais proxima estação da estrada de ferro “Leopoldina Railway” cerca de 9 kiloms., distancia que varia para 10, 5 e 4 kil., conforme o ponto de partida.”

O Relatório de 1911 apresenta mudanças ocorridas no primeiro ano de efetiva existência daquele núcleo agrícola. Em 1910 a Colônia ocupara uma área de 18.797.500 metros quadrados, dividida em 65 lotes e 2 logradouros públicos. Logo em seu primeiro ano, o Estado concluiu pela mudança da destinação dos espaços públicos e os incorporou à área agricultável, na forma de três novos lotes.

Ainda com o propósito de aumento do número de lotes, foi também adquirida uma “situação” da fazenda Palmeiras. Com redivisões e acréscimos, o núcleo agrícola passou a contar com 73 lotes. Ao final do exercício de 1912, apenas 64 estavam ocupados, sendo que apenas um por título definitivo.

Segundo o Relatório da Colônia para o ano de 1919, o núcleo contava com 75 lotes ocupados por colonos, 1 vago e 1 destinado à administração do núcleo.

Sem a precisão de localização por instrumentos sofisticados, pode-se informar que as terras da Colônia seriam as que contornam por todos os lados o chamado “trevo de Juiz de Fora”, no km 773 da BR 116, Rio – Bahia. A partir dali, do entroncamento da rodovia Rio – Bahia com a BR-267, pelas duas margens desta última estrada e até as proximidades do distrito de Tebas. Os lotes da margem esquerda da BR-267 teriam seus fundos ou divisas no alto da serra da Vileta. Pela margem direita, no sentido Leopoldina – Juiz de Fora, o loteamento se aprofundava até próximo das propriedades denominadas Bonfim e Taquaril, localizados a sudoeste da sede do município. Deste ponto, e numa linha mais ou menos paralela à BR-267, seguia até encontrar novamente a BR-116 nas proximidades da Igreja de Santo Antônio, no bairro rural da Onça, no limite do atual perímetro urbano de Leopoldina. Dentro desse quadrilátero, quase todas as terras pertenceram à Colônia.

O Trem de História faz mais uma pausa. A próxima edição trará mais história da imigração italiana em Leopoldina e da Colônia Agrícola da Constança. Até lá!

Fontes de referência:

1 - Disponível no Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, coleção Secretaria de Agricultura.

2 - Relatório da Diretoria de Agricultura,Terras e Colonização de Minas Gerais, 1909, disponível no Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 381 no jornal Leopoldinense de 01 de junho de 2019

Colônia Agrícola da Constança e Igrejinha da Onça

No artigo anterior o Trem de História falou de opinião e política e terminou prometendo mudar o rumo da viagem no vagão de hoje. A razão para a mudança foi o cansaço. Para quem não é do ramo, política é um tema pesado e cansativo.

Cumprindo o prometido, o Trem de hoje segue por outros trilhos e recolhe cargas da Colônia Agrícola da Constança que completa neste mês de abril seus 105 anos de criação. Já a Capela da Onça comemora o Centenário de inauguração em 2015.

De início é bom lembrar que a Colônia surgiu da combinação de diversos fatores como os econômicos e políticos. Não nos parece possível eleger um deles como proeminente, embora a proibição do tráfico de escravos, que estimulou a busca de alternativas para o aumento da produção agrícola, possa ser tida como importante para o surgimento do núcleo. Principalmente se considerado que a economia da região dependia de um número cada vez maior de trabalhadores e estes não existiam no território nacional.

Começaram a chegar os imigrantes, antes mesmo do fim do regime escravocrata. Algumas fazendas, segundo consta, passaram a contar com escravos e trabalhadores livres em suas terras, até que os primeiros migraram para a periferia da cidade.

Aos poucos surgiram e se propagaram os sistemas de parceria e colonato como reguladores da nova relação de trabalho. E a experiência do Senador Vergueiro, em São Paulo, deve ser considerada como elemento difusor do sistema.

Agregando experiências diversas surgiram, então, as primeiras colônias destinadas a imigrantes estrangeiros, que foram sendo aperfeiçoadas. É evidente que uma instituição, como uma Colônia, não provém de causa isolada. Ela surge, na maioria das vezes, como resultado de diversos fatores que perpassam a vida do grupo social na qual é criada. E as razões que levaram à criação da Colônia Agrícola da Constança não são muito diferentes das demais coirmãs. O estudo sobre ela ainda carece de mais pesquisas, uma vez que os trabalhos realizados até aqui sempre estiveram focados na vida dos colonos que nela se instalaram, motivados pela vontade de conhecer homens e mulheres comuns que viveram na Colônia e nos seus arredores. Gente que tinha muita história para contar e, como sugeriu o filósofo alemão Walter Benjamin, relatadas na medida certa possibilitou “escovar o passado” recoberto com a poeira do tempo e trazer para a luz do sol, a importância da Colônia Agrícola da Constança e dos italianos que constituíram o seu núcleo mais ativo e permanente. De importância tal que fez a cidade contar, em 1911, com um Agente Consular Italiano, o Sr. Angelo Maciello, representante de Sua Majestade Vittorio Emanuelle III, Rei da Itália na época.

Uma Colônia que não era pequena. Pois contava, segundo os relatórios anuais encaminhados pelo Administrador à Secretaria Estadual de Agricultura, inicialmente com 60 lotes demarcados. No ano seguinte, eram 65 e, em 1911, este número aumentou para 68. Lotes devidamente cercados e com uma casa de morada coberta de telhas, vendidos principalmente aos imigrantes que ali passaram a cultivar toda sorte de produtos, a maioria deles para serem comercializados na cidade ou na “venda de secos e molhados”, Casa Timbiras, que ficava na entrada do Bairro Boa Sorte e que se transformou num verdadeiro entreposto comercial para uma vasta região.

E quando se recorda a Colônia e a Venda do Timbiras é forçoso tomar o “Caminho do Imigrante” e chegar à Igrejinha da Onça. “Caminho do Imigrante”, um sonho que ainda persiste de dar este nome à via secundária que liga a Igrejinha à entrada do Bairro Boa Sorte.

Capela de Santo Antônio de Pádua

Igreja de Santo Antonio de Pádua que comemora 100 anos e foi escolhida como símbolo dos estudos sobre o Centenário da Colônia por ser a imagem a que sempre se referiam os entrevistados no curso daquelas pesquisas, quando abordados sobre a vida dos mais antigos. Símbolo a que todos se referiam com um misto de saudade e orgulho.

A capela foi construída com a participação e o trabalho dos habitantes da Colônia e das propriedades das imediações. A escritura pública de compra e venda de uma quarta de terra (12.100 m2), lavrada pelo 2º Ofício de Notas de Leopoldina em 21.08.1912, é testemunha inconteste da influência italiana, pelos sobrenomes dos vendedores e compradores: Jesus Salvador Lomba e sua mulher Maria Magdalena Lomba (Proprietários do lote nº 04 da Colônia). Luciano Borella, Otavio de Angelis, Luigi Giuseppe Farinazzo, Ferdinando Zaninello, Agostino Meneghetti e Fausto Lorenzetto. A compra teve a destinação registrada no livro do Cartório: – “imóvel para nele ser edificada uma Capela consagrada a Santo Antonio de Pádua”.

Terminado este breve passeio pelas lembranças desta parte da zona rural do município, o Trem de História volta ao perímetro urbano para, no próximo número do Jornal, falar de outra data importante para a nossa história, a da emancipação do Feijão Cru como Vila Leopoldina.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA
Publicado no jornal Leopoldinense de 16 de abril de 2015

Proprietários dos Lotes da Colônia Major Vieira

PRIMEIROS PROPRIETÁRIOS DOS LOTES DA COLÔNIA MAJOR VIEIRA

LOTE 1º  PROPRIETÁRIO VARIAÇÃO DO NOME 2º PROPRIETÁRIO
1 Flausino Simões da Silva Nicolas Caler Perez
2 Nicolas Caler Perez Nicolau Caleperes Antenor Furtado Vieira
3 Ernesto Sanguin Ernesto Sanguini Antenor Furtado Vieira
4 Nicolas Caler Perez Nicolau Caleperes Antenor Furtado Vieira
5 Américo Alves de Azevedo Antenor Furtado Vieira
6 Joaquim Alves de Mesquita Geminiano Felipe de Mendonça
7 Santo Eugenio Piccolo Eugenio Picoli Pedro Comello
8 Giuseppe Zardi José Jardi/Jardy Olegário Rocha
9 Alberto Nicolau Wenzel José de Mello Franco
10 Bento Zeferino de Mello José de Mello Franco
11 Agenor Batista de Andrade Bento Ferreira de Souza
12 João José Amaro Antenor Furtado Vieira
13 Francesco Meschitta Francisco Mesquita/Mosquita/Muschitta Manoel dos Santos Loures
14 Adolfo Romagnoli Adolfo Romanhol Geminiano Felipe de Mendonça
15 Adolfo Romagnoli Adolfo Romanhol Geminiano Felipe de Mendonça
16 Agenor Batista de Andrade Bento Ferreira de Souza
17 Angelo Zulato Angelo Zulati/ Juliate/Juliato
18 Alfredo Guazzi Alfredo Guazi/ Guaize José Francisco Nunes
19 José, Francisco, João e Maria Ravaglia
20 Ricardo Zanella Bento Zeferino de Mello
21 Andrea Ravaglia André Ravaglia/Ravalha/Ravale
22 Giuseppe Mendi José Mendes
23 Gaetano Bedendo Caetano Bedendo Ernesto Sanguin
24 José Ferreira da Cunha José Francisco Nunes
25 Francisco Antonio de Oliveira Jacintho Severino Nunes de Moraes
26 Pasquale Possenti Pasqual Pussenti/Pussente/Pucente Ernesto Sanguin
27 Carlo Venturini Carlos Victorini e Vitorino Carlos Alexandre Possenti
28 Antonio Fiorio Ernesto Sanguin
29 Vitorino Paes de Mattos
30 Celeste Donati e outros (herdeiros de Eugenio Bertulli)
31 Eduardo Dutra de Moraes Geminiano Felipe de Mendonça
32 Giuseppe Venturelli
33 Giacinto Carli Jacinto Carli/ Carlos
34 Marco Leasi Marco Leazi/ Lleaze/Lease/Aliazi José Ignacio de Mello
35 Francisco Ignácio de Mello
36 Vitorio Bianchi
37 Ambrogio Meschitta Ambrosio Mesquita/Mosquita/Muschitta
38 Adolfo Romagnoli Adolfo Romanhol Geminiano Felipe de Mendonça
39 Adolfo Romagnoli Adolfo Romanhol Geminiano Felipe de Mendonça
40 Alexandre Possenti
41 Pasquale Zanella Ernesto Sanguin
42 Apolônio Ribeiro dos Santos
43 Apolônio Ribeiro dos Santos
44 Giuseppe Venturelli Oriel Fajardo Campos
45 Alexandre Possenti Alexandre Pussenti/Pussente/Pucente
46 Giuseppe Venturelli José Venturelli Oriel Fajardo Campos
47 Pietro Causin Pedro Causin
48 Pietro Causin Pedro Causin
49 Administração – Sede da Fazenda Boa Vista Oriel Fajardo Campos
50 Joaquim Thomás dos Passos Francisco Xavier Alves de Mattos
Pesquisa de Joana Capella

Memória da Imigração em Cataguases

Centenário da Colônia Agrícola Major Vieira

 Joana Capella e Nilza Cantoni

 

Se tiver dificuldade, leia aqui: Memória da Imigração em Cataguases

O evento na TV

Uma equipe da Band fez a cobertura das comemorações do Centenário da Colônia Agrícola da Constança e dos 130 anos da Imigração Italiana em Leopoldina para o programa Tileoni Show, do próximo sábado, dia 17 de abril.
Para os que moram na região de Leopoldina e sintonizam a Band sem o uso de parabólica: assistam ao programa a partir das 9h30 da manhã e vejam como foi a festa. Será interessante se puderem comentar aqui no blog, já que temos leitores de várias partes que não poderão assisti-lo.

Notícia do primeiro dia do evento

A professora Natânia Nogueira, da Escola Municipal Judith Lintz e do Colégio Imaculada Conceição, participou do evento estimulando seus alunos a pesquisarem suas famílias. Os trabalhos ficaram expostos na sala da antiga Escola Municipal Rural Carlos de Almeida. Vejam notícias da professora Natania: