Personagens Leopoldinenses: Barroso Júnior

Na edição de 16 de agosto de 2016 do jornal Leopoldinense, concluímos a publicação de nossa pesquisa sobre João Barroso Pereira Júnior, antigo historiador de Leopoldina.

Personagens Leopoldinenses - Barroso Junior

Jornalista, Professor, organizador e primeiro Diretor da Biblioteca Municipal de Leopoldina, Barroso Júnior foi por nós abordado em três etapas:

  • Barroso Júnior: o Cidadão
  • A família e as atividades
  • O Escritor

Juiz Municipal em 1866

Há 150 anos, no dia 23 de agosto de 1866, tomava posse no cargo de Juiz Municipal e de Órfãos de Leopoldina o bacharel Martiniano de Souza Lintz, formado pela Faculdade de Direito de São Paulo.Posse de Martiniano de Souza Lintz

Sua nomeação ocorrera no dia 18 de maio do mesmo ano, conforme se vê no recorte abaixo.

Nomeação de Martiniano de Souza Lintz

Martiniano de Souza Lintz atuou, também, como advogado e professor em Leopoldina. Em 1881 dava aulas de Latim no Liceu Leopoldinense. Em agosto de 1886 foi eleito 2º Juiz de Paz, tomando posse em janeiro de 1887.

Embora tenha saído de Leopoldina por volta de 1898, deixou descendentes que ali continuam residindo neste século XXI.

56 – Barroso Júnior na visão de terceiros

O último vagão com informações sobre João Barroso Pereira Júnior traz opiniões e comentários de pessoas que conhecem a sua obra.

E começa com o material de José Barroso Junqueira(1), citando o tabloide “Leopoldina – 155 anos de História”, jornal publicado em comemoração aos 155 anos da cidade, em 27 de abril de 2009. Para José Barroso, em função de seu tio ter sido “educado desde criança, em colégios de padres, adquiriu sentimentos de moral e religiosidade cristã, desfrutando de estima e consideração de todos que o conheciam.” Segundo a mesma fonte, “sua vida e sua dedicação às causas sociais não ficaram, entretanto, restritas exclusivamente aos preceitos da religião católica. No seio da família, nas reuniões sociais, nos meios literários, sempre baseado na moral teológica, fazia-se admirado pela sua jovialidade, pela sua inteligência, quer palestrando, quer através de produções literárias e históricas.” E acrescenta que, “como jornalista e historiador, o passado o envolvia” e “era evocado em todos os seus acontecimentos dignos de registro”.

Sobre a sua principal obra publicada, “Leopoldina – Os seus primórdios”, José Barroso Junqueira assim se manifesta:

“Uma obra pioneira. Levantamento histórico de episódios relacionados com a nossa cidade, seus vultos, suas vidas e realizações. Esse trabalho, de investigação, levantamento e interpretação de sua significação na vida leopoldinense e publicado em 1943 é, até hoje, leitura e consulta obrigatória de pesquisadores para conhecimento de coisas, fatos e pessoas ligadas à nossa História. Foi escrito com primor e com palavras poéticas, que evidenciam o amor do autor pela cidade que adotou como sua para viver e morrer.”

Mário de Freitas(2), que a ele se refere chamando-o carinhosamente de “Barrosinho”, relaciona-o como professor, bibliotecário, historiador e jornalista.

Sérgio Otávio Bassetti(3), ao historiar a política de educação especial em Santa Catarina, ressalta que as ideias precursoras de educação especial naquele estado organizaram-se em 1954, quando da visita a Florianópolis do Professor Barroso Júnior, que ali esteve para divulgar a novidade do Instituto Nacional de Educação de Surdos – INES, do Rio de Janeiro (RJ). Nessa ocasião o INES havia criado um curso para formação de professores do ensino primário voltado para alunos com deficiência auditiva. Como foi dito no primeiro artigo da série, durante seis meses Barroso Junior prestou apoio à Fundação Catarinense de Educação Especial(4) e ao Instituto de Surdos Mudos de Florianópolis (SC).

Destacamos, ainda, que no discurso de inauguração da Biblioteca Municipal de Leopoldina, proferido em 29 de setembro de 1960, declarou Barroso Júnior:

“Singular solenidade marca hoje a inauguração dessa instituição municipal. Congregamo-nos neste recinto para marcar o início das solenidades culturais da Biblioteca Pública. Aspiração de longos anos, hoje, para gáudio de todos, o novo instituto abre suas portas para o povo”.

Para a coluna Trem de História, ao organizar a Biblioteca Municipal, Barroso Júnior solidificou sua imagem de cidadão preocupado com o acesso de todos aos bens culturais. Por tudo o que fez, foi e escreveu, é personalidade que merece respeito e admiração de todos os leopoldinenses. Suas contribuições para a área cultural leopoldinense, por ações próprias ou, delegadas, pelas peças jornalísticas ou literárias que divulgaram a cidade e, acima de tudo, pelos registros históricos que ainda hoje são base segura para pesquisa de quantos se preocupam com a história de Leopoldina, João Pereira Barroso Júnior está entre os que mais lutaram pelo desenvolvimento cultural da cidade.

Na próxima edição o Trem de História abordará outra personalidade. Aguardem!


Fontes consultadas:

(1)Discurso de posse na Academia Leopoldinense de Letras e Artes, em maio de 2009, sobre seu patrono.

(2) FREITAS, Mário de. Leopoldina do Meu Tempo. Belo Horizonte: Página, 1985. p.236 e 244

(3) BASSOTI, Sérgio Otavio. Política de Educação Especial do Estado de Santa Catarina: proposta. 2006. p.8. Disponível em <http://zip.net/bws76t&gt;. Acesso em 18.11.14.

(4) DESTRI, Débora Silva (Org.) Caderno Técnico do Centro de Avaliação e Encaminhamento – 2008. p.13. Disponível em < http://zip.net/bns7MZ&gt;. Acesso em 01.12.14.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado no jornal Leopoldinense de 26 de agosto de 2016

55 – Barroso Júnior: o escritor

Logomarca da coluna Trem de História

João Barroso Pereira Júnior foi professor, empresário, funcionário público, bibliotecário, jornalista, historiador e memorialista.

Nos textos anteriores já se falou sobre algumas de suas funções. Neste serão abordadas as atividades ligadas à escrita. A começar pela notícia de que ele é patrono da cadeira nº 8 da Academia Leopoldinense de Letras e Artes, ocupada por seu sobrinho José Barroso Junqueira e que sua atividade como memorialista o credenciou para ser considerado um dos mais destacados da cidade de Leopoldina.

Como jornalista, Barroso Junior escreveu, dentre muitos outros, um artigo especial para a revista Dom Casmurro, de 01 de novembro de 1941, sob o título “Nirvana da Leopoldina” sobre Augusto dos Anjos onde afirma que o poeta “procurou nas montanhas mineiras novos ares à saúde combalida”. E contou como foram os últimos dias de vida do poeta paraibano em Leopoldina, reproduzindo informações de jornal da cidade. Registrou que “Nos primeiros dias de novembro (1914) o Dr. Augusto não apareceu na diretoria do Grupo Escolar. Mandara dizer à Dona Maria Brígida de Medeiros Castanheira, sua auxiliar de administração, que estava doente. E encerra dizendo que “Desse moço que publicara – um livro amargo – doloroso, extremamente triste, em 1912, ocupou-se toda a imprensa do país, ao ensejo de sua morte”. Para assistir aos funerais do poeta paraibano, toda a Leopoldina saiu de casa.”

Em 1932 escreveu um artigo especial publicado na revista Eu Sei Tudo(1), por conta dos 100 anos do início do povoado que se transformou na cidade de Leopoldina. Aí, em seis páginas, encimada a primeira pelo brasão da cidade, dentre outros fatos, registrou a missa realizada para marcar este centenário, na subida dos Pirineus.

Traslado do Cruzeiro, 1931

No mesmo artigo, publicou um soneto sobre “o alpestre da Pedra do Cruzeiro, na Serra dos Puris”:

Para a Revista Acaiaca(2), edição comemorativa do Centenário de Leopoldina, escreveu longo artigo sobre a história de Leopoldina desde o nascimento do povoado em 1831, num excelente registro de fatos ocorridos e pessoas que viveram no antigo Feijão Cru. E são desse trabalho as informações importantes que até hoje são repetidas por vários historiadores da cidade.

“Chegamos à Praça do Rosário. Foi aqui que a cidade nasceu […]. Em 1831, eleva-se aí a Casa do Rosário. O primeiro centenário achou nesse mesmo local a Igreja da mesma invocação. Buena Flor, que deixou em tantas obras o testemunho de sua arte, fez também o altar-mor, púlpitos e florões ornamentais desse gracioso templo. […] Hoje tem foros de Matriz e nela se sagrou com grande pompa S. Ex. Revma. Dom Aristides de Araújo Porto, seu antigo vigário.”

Em 1943, publicou a sua principal obra, o livro “Leopoldina e seus Primórdios” que na página 10 traz o local onde foi concluída: “Ginásio Rio Branco, Outubro de 1943”.

É desta obra, inclusive, a informação de que Joaquim Antônio de Almeida Gama, estudado nos artigos anteriores do Trem de História, foi o primeiro historiador-memorialista de Leopoldina, sendo provavelmente a fonte para o artigo A Cidade de Leopoldina, publicado(3) em 1886. Uma obra onde beberam e ainda bem, muitos conterrâneos que se dedicaram e se dedicam a remover o pó que recobre o passado da “Cidade Menina”, cantada pelo poeta Átila da Cruz Machado em poema publicado em 1961.

O Trem de História de hoje fica por aqui. Mas voltará no próximo número ainda falando de Barroso Júnior e sua obra, na visão de terceiros. Até lá.


Fontes consultadas:

(1) BARROSO JR. Nossa Terra: O centenário da Cidade de Leopoldina, em Minas Geraes. Revista Eu Sei Tudo, Rio de Janeiro, Cia Editora Americana, nº 179, abril de 1932, 11º do anno XV, p. 11-14.

(2) LEOPOLDINA. Prefeitura Municipal. Revista Acaiaca: Primeiro Centenário de Leopoldina. Belo Horizonte: s.n., 1954., p. 13-36

(3) A Cidade de Leopoldina in: Almanaque de Leopoldina, Leopoldina: s.n., 1886. p.71-81

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado no jornal Leopoldinense de 16 de agosto de 2016

6 – Literatura, Jornalismo e Política

Logomarca da coluna Trem de História no jornal Leopoldinense

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA
Publicado no jornal Leopoldinense de 1 de setembro de 2014

Continuação do trabalho A Imprensa em Leopoldina (MG) entre 1879 e 1899

Ficou dito na coluna anterior que as últimas décadas do século XIX não foram apenas uma grande época política, mas também literária. E é Nelson Werneck Sodré, no livro “A História da Imprensa no Brasil”, quem lembra que, para Silvio Romero, “no Brasil […] a literatura conduz ao jornalismo e este à política”. O mesmo autor declara que “os homens de letras faziam imprensa e faziam teatro” e menciona a trajetória de literatos como José de Alencar e Machado de Assis.

O Trem de História de hoje lembra que em Leopoldina existiram dois exemplos clássicos de literatos que seguiram este caminho.

O primeiro foi o poeta Dilermando Martins da Costa Cruz, aqui nascido aos 15.09.1879. Tipógrafo dos primeiros anos da Gazeta de Leopoldina publicou vários de seus poemas neste jornal de cujas oficinas saiu também, em 1899, seu segundo livro de poesias – Diaphanas. Em janeiro daquele ano fundou um externato na cidade, conforme a Gazeta de Leopoldina de 22.01.1899. Em 1902 lançou o jornal Folha do Leste, em Leopoldina, do qual era o redator, conforme nota de O Pharol, de Juiz de Fora, 15.11.1904. Segundo ainda O Pharol, (edição de 13.09.1901, pag. 2), em 1901 era promotor de justiça da Comarca de Leopoldina e permanecia como redator da Folha do Leste em março de 1905, conforme noticiou o periódico juizforano na edição de 28 daquele mês. Na edição de 10.06.1905 o mesmo jornal informou que Dilermando Cruz atuava no Echo de Leopoldina. Em 16.05.1906, na primeira página d’O Pharol saiu a notícia de que Dilermando  estava cuidando da fundação de um diário na cidade de Juiz de Fora, o qual estaria nas ruas no final daquele mês, notícia confirmada na edição de 14 de junho seguinte já com o nome do periódico: Correio da Tarde. Tendo, então, transferido residência para Juiz de Fora, no ano seguinte ali nasceu o filho homônimo do poeta que viria a ser prefeito daquela cidade. Em junho de 1907, segundo O Pharol, estava concluído o terceiro livro do poeta Dilermando que seria enviado aos editores Garnier, de Paris. Informação que encontra maior relevância na declaração de Nelson Sodré para quem a Garnier “enobrecia os autores que lançava”.

O segundo exemplo de literato é o de Estevam José Cardoso de Oliveira, nascido em Piraí, RJ, no dia 28.01.1853. Estevam mudou-se para Cataguases em 1865, onde foi alfabetizado. Mais tarde ele se tornou professor de primeiras letras em Campo Limpo (atual Ribeiro Junqueira) onde fundou o jornal O Povo em 1885. Após residir por quase quinze anos em Leopoldina, retornou a Cataguases para onde transferiu o seu jornal. No mesmo ano lançou-se candidato ao Congresso Mineiro e, em 1894, transferiu-se para Juiz de Fora onde fundou o jornal Correio de Minas. Juntamente com Dilermando Cruz cuidou da organização da Liga Literária, semente da Academia Mineira de Letras, fundada em Juiz de Fora aos 25.12.1909, e de cuja primeira diretoria os dois faziam parte.

Não resta dúvida que a atuação política de Dilermando Cruz transparece desde o início de sua carreira jornalística, em Leopoldina, assim como a de Estevam de Oliveira. E esta atuação teve um ponto alto em julho de 1907, conforme nota na edição 171 d’O Pharol, quando os dois escritores levantaram, em seus respectivos jornais Correio da Tarde e Correio de Minas, a candidatura à reeleição como presidente da Câmara do Dr. Duarte de Abreu, tomando posição contrária ao poder vigente numa clara demonstração da atividade político partidária de dois representantes da imprensa leopoldinense dos primeiros tempos.

Aliás, Estevam de Oliveira publicou “Notas e Epístolas: Páginas Esparsas da Campanha Civilista pela Tipografia Brasil”, de Juiz de Fora, em 1911, obra na qual demonstrou, como já fizera Dilermando Cruz na edição número 258 d’O Pharol, em 29.10.1905, o desprezo que sentia pela atuação política do então Senador Ribeiro Junqueira, também natural de Leopoldina e um dos sócios do primeiro jornal em que trabalhou Dilermando Cruz, a Gazeta de Leopoldina.

A carga do vagão de hoje está completa. Restou na plataforma, um pouco de política e mais uma parte de literatura. Mas isto será embarcado na próxima viagem do Trem de História, no próximo Jornal.

Lino Montes: professor e artista plástico

No dia 5 de novembro de 1899 a Gazeta de Leopoldina publicou a seguinte nota:

Assim tomamos conhecimento de mais um descendente do povoador Bernardo José Gonçalves Montes que se dedicou às artes em Leopoldina. Neste caso trata-se de um neto, filho de João Rodrigues de Rezende Montes.

Além da música, o desenho e a pintura fazem parte das habilidades de vários membros desta numerosa família.

Escola Pública em Tebas

Em 1881, junto com a nota sobre a visita que o delegado literário Antônio Carlos da Costa Carvalho havia feito às escolas do município, o jornal O Leopoldinense informou sobre o pedido de criação de uma escola em Tebas:

Somente em 1895 voltamos a encontrar notícias em jornal sobre o assunto. Na edição d’O Leopoldinense de 12 de maio daquele ano verifica-se que o distrito de Tebas contava com Aulas Públicas a cargo da professora Alda Ramos da Fonseca, esposa de Francisco Fortes de Bustamante Sá Filho, escrivão.

Mas segundo outra notícia do mesmo jornal, em 26 de dezembro daquele ano foi nomeada outra professora para a “cadeira estadual” de Tebas, a senhora Maria da Trindade, esposa do professor Antonino de Moura Freitas:

Tudo indica que estas duas professoras trabalharam nas salas de aulas femininas, sendo que a segunda pode ter dividido a escola com o marido que trabalharia com os meninos.

Além dos nomes acima mencionados, sabe-se que Tebas contou também com professor João Alves de Souza Machado, conforme consta no livro da Escola Distrital de Tebas de Julho de 1896, encontrado no Arquivo da Câmara Municipal de Leopoldina: