Tour da Tocha Olímpica: Leopoldina

“No dia 16 de maio, numa segunda-feira, ela chegará a Leopoldina. O evento tem previsão de início às 09h:00m, com saída em frente ao Ginásio Poliesportivo Carlota Mendonça Gama, na Avenida Getúlio Vargas.  Segundo informações extra-oficiais, 15 ou mais pessoas poderão conduzir a Tocha Olímpica, entre eles o leopoldinense que disputou os Jogos Olímpicos em 1964, no Japão, o ex-jogador do Botafogo, e da Seleção Brasileira, Othon Valentim Filho.”

Veja matéria do jornal Leopoldinense On Line.

Percurso da Tocha Olímpica pelo centro de Leopoldina, em 16 de maio de 2016
Trajeto da Tocha Olímpica em Leopoldina, por JOÃO GABRIEL B. MENEGHITE

 

Resultados escolares publicados em jornal

No final do século XIX os resultados dos exames escolares eram publicados em jornais.

Neste anúncio do dia 17 de dezembro de 1882 fica-se sabendo que o Colégio de Nossa Senhora do Amparo realizou os exames anuais dois dias antes e publica-se o resultado obtido no dia 9 do mesmo mês pelos alunos do Externato Santo Antônio. Era realizada uma verdadeira festa, com medalhas e a presença das autoridades locais.

Thebas: igreja em construção

No dia 14 de dezembro de 1882 o procurador da Matriz de Santo Antônio de Thebas distribuiu o comunicado abaixo, publicado no jornal O Leopoldinense do dia 22 seguinte.

Segundo familiares de Joaquim Dias de Medeiros, presidente da comissão de obras da Matriz, na década de 1880 estava sendo construída a igreja que substituiu uma antiga capela do povoado. A época da construção é confirmada pelo jornal Liberal Mineiro de 6 de setembro de 1882, quando foi publicada autorização da Assembleia Legislativa Provincial para concessão de verba para as obras.

Não foi possível descobrir a localização ou a data da capela original onde teriam sido batizados todos os filhos de Joaquim Dias de Medeiros e Sophia Marques, bem como os filhos de Juscelino José Tavares e Guilhermina Dietz. Os livros de assentamentos desta antiga capela também não foram encontrados nos arquivos paroquiais de Leopoldina e de Argirita.

Colégio Leopoldina

Na segunda metade do século XIX Leopoldina atraía diversos tipos de atividades, incluindo-se instituições de ensino que se ocupassem da educação dos filhos dos negociantes, fazendeiros, comerciantes e demais interessados. Exemplo foi o Colégio Leopoldina, filial do Colégio Venerando, com sede na capital do Império, cujo anúncio de instalação foi publicado no jornal O Leopoldinense de 10 de dezembro de 1882.

1880: Novo Cemitério em Leopoldina

O atual Cemitério Nossa Senhora do Carmo, em Leopoldina, começou a ser utilizado em agosto de 1880, conforme o Livro de Sepultamentos considerado como número 1 por não terem sido preservados os anteriores, que ficavam a cargo da Igreja. Segundo a notícia do jornal O Leopoldinense, três meses depois a obra ainda não estava totalmente concluída.

Para este campo santo foi trasladado o corpo do povoador Romão Pinheiro Corrêa de Lacerda, falecido em 1872.

Este foi o único caso encontrado de pioneiro de Leopoldina com restos mortais adequadamente preservados. Dos demais, provavelmente sepultados no cemitério que existiu no entorno da Matriz de São Sebastião, não existem registros nem seus ossos foram trasladados.