136 – Imigrantes e a Hospedaria Jacareacanga

 

Na última edição o Trem de História se referiu ao engenheiro Eugenio Jordan como contratante de imigrantes na hospedaria de Juiz de Fora, informando como destino a localidade de Vista Alegre, no município de Leopoldina.

Este engenheiro, em 1896, recebeu ordem do presidente da província tratar da construção de um ramal férreo entre a estação Mariano Procópio e a hospedaria dos imigrantes, em Juiz de Fora. Neste mesmo ano ele fazia parte, do Corpo Consultivo das Estradas de Ferro e ainda em 1896, Jordan apresentou, Memória sobre as vantagens da tração elétrica em Minas e no ano seguinte foi dispensado do cargo de encarregado das obras das hospedarias do Estado. Registre-se que em 1896 a hospedaria de Leopoldina, na estação de Vista Alegre, posteriormente denominada Jacareacanga, estava em construção, segundo a mensagem do presidente Bias Fortes.

Segundo os registros da hospedaria de Juiz de Fora, o engenheiro Eugenio Jordan contratou, entre agosto e setembro de 1896, 29 famílias e, talvez até outras mais, provavelmente para as obras de organização da hospedaria Jacareacanga, em Leopoldina.

Alguns membros dessas famílias são mencionados, posteriormente, em assentos de batismos e casamentos nos livros paroquiais de Leopoldina, o que comprova que viveram no município.

Dentre elas estariam:

1) Calogero Sbrazzato, nascido em 1857 em Grotte, Agrigento, Sicilia, que chegou em agosto de 1896 com a esposa Michela Infantino, nascida em 1858 e os filhos Angela (1879), Lorenza (1881), Mario (1882), Gaetana (1884) e Francesco (1889). Em julho de 1897 a filha mais velha, Angela, casou-se em Leopoldina com Michele de Vito, natural de Fóggia, na Puglia, que havia chegado em julho de 1896 e fora trabalhar em fazenda do distrito de Providência. Em 1905, Calogero e Michela foram padrinhos de batismo de Maria, filha de Daniele Congiu e Teresa Fanni, casal procedente de San Vito, Cagliari, Sardegna, que havia chegado em abril de 1897 e fora trabalhar em Providência, mas já havia se transferido para o arraial de São Lourenço, onde foi realizado o batismo. Calogero Sbrazzato e outros imigrantes que vieram de Grotte para Leopoldina, eram profissionalmente identificados como ‘zalfataro’, grafia siciliana para ‘salfataro’, que significa mina de enxofre. A extração de enxofre era a principal atividade econômica na província de Agrigento, que atualmente é importante ponto turístico.

2) Calogero Arnone e a esposa Maria Antonia Bellavia foram padrinhos de batismo de Concettina, filha de Domenico Bonnano e provavelmente pais de criança batizada em Leopoldina mas com os nomes muito alterados que impedem afirmação;

3) Domenico Bonanno e Palma Gaetana Ruggeri tiveram pelo menos a filha Concettina nascida em Leopoldina;

4) Calogero Busuito e a esposa Pietra Arnone, que chegou grávida do filho Antonino que nasceu e foi batizado em Leopoldina;

5) Calogero Nicolini e Calogera Caltigirone, que tiveram, pelo menos, o filho Jeronimo nascido em Leopoldina.

Além das acima citadas, foram identificadas nos livros paroquiais duas outras contratadas por Eugenio Jordan. A primeira era composta por

6) Gaetano Armaroli que chegou com a esposa Giuseppina e os filhos Enrico e Ercole. Provavelmente trata-se de família proveniente da província de Modena, Emilia-Romagna, que se transferiu para o estado de São Paulo por volta de 1910.

A outra família era chefiada por

7) Luigi Zannini que chegou acompanhado pelo filho Nazzareno Zannini com a esposa Albina e os filhos Giovanni e Guerino. Segundo informação de descendente, Luigi faleceu no distrito de Abaíba em data desconhecida.

Na mesma época chegou um provável parente de Luigi Zannini,

8) Celso ou Cesare Zannini e a esposa Maria que foram trabalhar em São Martinho. Procediam de Marzabotto, província de Bologna, Emilia-Romagna.

Há, também, nos livros paroquiais, menção ao sobrenome Brucculeri e variadas grafias, mas que não foi possível identificar uma vez que todos adotaram o Calogero como prenome, sendo que o nome e o sobrenome eram muito frequentes no Agrigento no período pesquisado.

Um registro importante a ser feito é o de que o número de imigrantes que chegou a Leopoldina a partir de 1900, vindo diretamente da Europa, é bem pequeno. O último livro da hospedaria Horta Barbosa que foi preservado confirma a informação de Norma de Góes Monteiro a respeito de só se encontrarem na instituição pessoas procedentes do Rio Grande do Norte, da Paraíba e de Pernambuco.

Como curiosidade vale registrar algumas situações encontráveis em alguns grupos que viveram em Leopoldina. A primeira delas, é o fato de mudarem de trabalho com certa frequência, como é o caso dos Sbrazzato, que inicialmente estiveram em Vista Alegre, em seguida teriam se transferido para Providência, onde a filha Angela conheceu e se casou com Michele, um imigrante de outra região da Itália que ali chegara no mesmo ano de 1896. Angela e Michele não viajaram no mesmo vapor, não chegaram juntos a Leopoldina nem se estabeleceram na mesma localidade. Um exemplo de que, ao contrário do que o senso comum acredita, os casamentos entre imigrantes não significavam que fossem do mesmo lugar nem que tivessem viajado juntos. Da mesma forma, o apadrinhamento em 1905 se dá entre famílias que não procediam da mesma localidade, não viajaram juntas nem se estabeleceram inicialmente no mesmo lugar.

A carga de hoje do Trem de História termina aqui. Na próxima viagem, seguirá por outro rumo. Aguardem!


Fontes de referência:

Correio de Minas, Juiz de Fora, 07.06.1896, p. 1; Estado de Minas Geraes, 5 jul 1896, ed. 468, p. 1 e 6 maio 1897, ed. 484, p. 4; La Rivitalizzazione di alcune comunità della valle del fiume Alcantara in Sicilia, Italia. Projeto da Vitaurbis, abril 2005, por Robero Ruschel; Livros da Hospedaria Horta Barbosa (Arquivo Público Mineiro), SA-910 p.7 e seguintes; Mensagem do presidente do estado Chrispim Jacques Bias Fortes, 15.07.1896. p. 31; MONTEIRO, Norma de Góes. Imigração e Colonização em Minas 1889-1930. Belo Horizonte: Itatiaia, 1994. p.111 e Revista Industrial de Minas Gerais, edição nº 18, de 1896, p. 40.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 389 no jornal Leopoldinense de 1 de outubro de 2019

 

Guidotti, Mattiuzzi e Ferreti

Republicamos postagem com estes sobrenomes italianos, de famílias que viviam em Leopoldina na última década dos oitocentos. Segundo informações orais, teriam se transferido para o norte da zona da mata mineira na década de 1910. Agradecemos a quem puder nos fornecer informações a respeito.

1-Pietro Guidotti, filho de Vincenzo Guidotti e Rosina, nasceu por volta de 1864 na Italia.

Chegou ao Brasil pelo Vapor Attività a 27 Ago 1897, acompanhado pela mulher e os filhos Alfredo, Silvio e Emilio. Saiu da hospedaria a 31 Ago 1897 sob contrato com José Werneck de Araújo Junqueira, para a estação Campestre, atual São Martinho, distrito de Providência, Leopoldina, MG.

Pietro era casado com Ida Mattiuzzi, filha de Inocente Mattiuzzi e Rosina. Ida nasceu por volta de 1870 na Italia.  Em alguns registros o sobrenome de Ida aparece como Mateucci ou Montecci. Talvez fosse parente de Luigi Mateazzi que chegou a Leopoldina em 1888, tendo vindo da Italia pelo Valor Cachar. Não encontramos indicação da província de origem de Ida e Luigi.

Filhos de Pietro e Ida:

1.1-Alfredo Guidotti nasceu por volta de 1893 na Italia.

1.2-Silvio Guidotti nasceu por volta de 1895 na Italia e faleceu em 1897 em Providência, Leopoldina, MG.

1.3-Emilio Guidotti nasceu por volta de 1897 na Italia.

1.4-Vicente Guidotti nasceu a 18 Jun 1899 em Providência, Leopoldina, MG.

1.5-Silvio Guidotti nasceu a 24 Abr 1902 em Leopoldina, MG. Foi batizado a 25 Jun 1902 tendo por padrinhos Giuseppe Ferreti e sua filha Maria Ferreti.

Segundo os dados da imigração de Giuseppe Ferreti, ele procedia de Marzabotto, Bologna, Emilia Romagna e viajou para o Brasil pelo mesmo vapor em que veio a família de Pietro, sendo contratado para trabalhar na mesma propriedade que recebeu os Guidotti. Não se sabe o destino que tomaram as duas famílias. Informações orais indicam que teriam saído de Leopoldina por volta de 1910.

 

Minelli: atualização do estudo sobre esta família italiana

Segundo notícia do Jornal do Commercio de 27 de agosto, edição número 237 página 6, às 20 horas do dia 26 de agosto de 1897 chegou à Ilha Grande (Rio de Janeiro) o paquete italiano Attività, procedente de Genova e escalas, com 788 italianos na 3ª classe. Com 27 dias de duração, a viagem trouxe imigrantes que se destinavam a Minas Gerais, os quais não passaram pela Hospedaria da Ilha das Flores, conforme se verifica no respectivo livro número 89. No dia 27, foram registrados na Hospedaria Horta Barbosa, em Juiz de Fora e quatro dias depois começaram a sair com destino a diversas cidades da zona da mata mineira. Para o município de Leopoldina vieram 270 pessoas dos seguintes sobrenomes:

Bardino, Beccari, Borghi, Casu, Conti, Facchini, Faedela, Ferretti, Gigli, Guidotti, Laffi, Lenzi, Lipparini, Loi, Lolli, Manca, Manella, Marchi, Marongiu, Mazotti, Mazzanti, Minelli, Mocci, Orati, Pazzaglia, Pedrini, Porcu, Rosa, Rubini, Sabbi, Scala, Soldati, Tassi, Tibaldi, Tonello, Tonioni, Toro, Vecchi, Ventura, Zannini, Zappoti, Zecchini, Zoncheddu e Zucca.

A maioria era proveniente da Emilia Romagna. Os demais eram da Sardegna. Nem todos ficaram em Leopoldina. Há relatos de fuga por tratamento inadequado em fazendas. Alguns ficaram pouco tempo trabalhando para o primeiro contratante e se transferiram para outros municípios. Da mesma forma, imigrantes destinados a localidades vizinhas vieram a se estabelecer definitivamente em Leopoldina alguns anos depois.

Entre os passageiros desta viagem do Attività, estavam os Minelli. O genearca do grupo foi Giacomo Emilio Minelli, nascido por volta de 1855 em Malfolle, localidade do comune de Marzabotto, província de Bologna. Era filho de Angelo Minelli e Maria Angela Caroli. Pelo que nos foi possível apurar, Giacomo teve pelo menos quatro irmãos: Saturno, Giuseppe, Gaetano e Federico, alguns nascidos em Malfolle e outros em Montasico, também Marzabotto. Na década de 1880, todos viviam em Marzabotto e eram colonos agricultores, ou seja, trabalhavam sob contrato com proprietários de terras.

Aos 24 de novembro de 1884, Giacomo Minelli casou-se com Albina Bruni, com quem teve a filha Clelia Adalgisa Maria Minelli, nascida no dia 15 de janeiro daquele ano. Albina estava com 22 anos, era natural de Grizzana Morandi, também na Bologna, sendo filha de Carlo Bruni e Catterina Mondassi.

O segundo filho do casal foi Antonio Alfonso Giuseppe Minelli, nascido no dia 22 de outubro de 1886 em San Martino. Dois anos depois, aos 19 de dezembro de 1888, nasceu o terceiro filho: Arnoldo Ponziano Alessandro Minelli.

Os leitores poderão estranhar os nomes porque em Leopoldina passaram a ser conhecidos como Adalgisa, Antonino e Ernesto. Os outros filhos do casal foram registrados com nome único:

– Giulio Minelli, nascido no dia 23 de novembro de 1891 em Montasico;

– Alfonso Minelli, nascido aos 28 de abril de 1894, também em Montasico.

Deste último não tivemos outras notícias após a saída da Hospedaria, no dia 31 de agosto de 1897. Por outro lado, encontramos o casamento de uma filha do casal nascida no Brasil, como se verá adiante.

1 – Clelia Adalgisa Maria Minelli, conhecida como Adalgisa, casou-se em Leopoldina no dia 30 de abril de 1910 com Alipio Ribeiro Macieira Filho, filho de Alipio Ribeiro Macieira e Angela da Costa. Adalgisa e Alipio tiveram, pelo menos, seis filhos nascidos no município de Leopoldina: Augusto, Angela, Carmen, Leonira, Marina e Omar Macieira. Alipio morreu em maio de 1935 e Adalgisa em janeiro de 1979.

2 – Antonio Alfonso Giuseppe Minelli, conhecido como Antonino, casou-se em Leopoldina aos 16 de janeiro de 1909 com Marina Fontanella, nascida no Piemonte, Italia, aos 22 de julho de 1889. Ela era filha de Francesco Fontanella e Verginia Gronda que passaram ao Brasil em 1899 com cinco filhos pequenos. Foram contratados para trabalhar em fazenda no mesmo distrito de Abaíba onde os Minelli viviam há um ano e meio.

Segundo informações de familiares, Antonino e Marina tiveram 8 filhos nascidos em Leopoldina. Entretanto, só encontramos nascimento de cinco e uma das filhas era desconhecida dos parentes. Até o momento temos os seguintes nomes: Maria, Acirema, Maria Francisca, Emilia, Helena, José, Ida, Nair e Geraldo Minelli.

3 – Arnoldo Ponziano Alessandro Minelli, conhecido como Ernesto, casou-se em Leopoldina no dia 10 de julho de 1916, com Djanira Ismenia de Jesus, filha de Ismeria Ignacia de Jesus. Não localizamos nascimentos de filhos do casal. Ernesto faleceu aos 12 de junho de 1963 em Leopoldina.

4 – Giulio Minelli, conhecido como Julio, casou-se em Leopoldina no dia 8 de dezembro de 1917, com Maria da Conceição Lopes de Barros. Ela era natural de Leopoldina, filha de Manoel Lopes de Barros e Alice da Costa Ribeiro que era filha de Alipio Ribeiro Macieira e Angela da Costa. Ou seja, a esposa de Julio Minelli era irmã do marido de Adalgisa Minelli. Embora tenhamos encontrado nascimento de apenas três filhos, segundo familiares o casal Julio e Maria da Conceição gerou nove filhos: Antonio, Alice, Lourenço, Moacir, Alcidio, Elia, Maria, Helida e Zelia. Julio faleceu em Leopoldina no dia 1 de junho de 1981.

5 – Alfonso Minelli pode ter falecido na infância e, conforme já dissemos, dele não encontramos referências.

6 – Angelina Minelli foi a filha brasileira de Giacomo e Albina. Segundo o registro de seu casamento, teria nascido em março de 1901 em Cachoeira Alegre que, na época, fazia parte do município de Muriaé mas logo depois se tornou distrito de Palma. Com a criação do município de Barão de Monte Alto em 1962, Cachoeira Alegre lhe foi incorporada.

Caso se confirme o nascimento de Angelina em Cachoeira Alegre, Giacomo Minelli teria ficado menos de quatro anos em Abaíba, repetindo trajetória de outros imigrantes que chegaram pelo vapor Attività em 1897 e foram contratados para trabalhar naquele distrito de Leopoldina. Informações orais dão conta de que três famílias que vieram pelo Attività e foram para Abaíba, antes de 1900 estavam em Morro Alto, hoje Barão de Monte Alto. Duas outras saíram de Abaíba na mesma época e se estabeleceram em Astolfo Dutra.

Angelina Minelli se casou em Leopoldina, no dia 27 de abril de 1918, com José da Cruz Cabral, natural de Ubá, filho de Manoel da Cruz Cabral Júnior e Luiza de Aguiar Cabral.

Manoel da Cruz Cabral Júnior era natural de Diamantina, filho de Manoel da Cruz Silva e de Ana Inocência da Cruz. Casou-se em Leopoldina aos 6 de outubro de 1895 com Luiza de Aguiar Cabral, natural de Leopoldina, filha de Antonio Tomaz de Aquino Cabral e Rosa Vitalina. Antonio Tomaz era filho de José Tomaz de Aquino Cabral, fazendeiro de café em Ribeiro Junqueira.

Angelina e José foram pais Leonidio, Maria das Neves e Amelia que se casou com Walter Fontanella, sobrinho da Marina Fontanella esposa de Antonino Minelli.

Esta atualização tem por objetivo corrigir informações divergentes prestadas por colaboradores sobre a primeira geração descendente de Giacomo Minelli e Albina Bruni. Posteriormente poderão ser feitas novas buscas com vistas a confirmar ou corrigir dados da segunda geração, razão pela qual não a incluímos neste estudo.