124 – Acréscimos e Correções

O Trem de História tem informado que esta série de artigos é uma revisão dos estudos realizados sobre a imigração em Leopoldina e que foram publicados em 2010. O objetivo é trazer os acréscimos descobertos após o fim daquele projeto, bem como corrigir dados à vista de novas fontes encontradas.

Uma destas correções é a que trata da movimentação dos imigrantes.

Entre 1994 e 2009, o acesso às fontes era mais restrito e muitas vezes foi necessário adotar técnica semelhante à dos “mapas conjecturais”, comum em estudos de cartografia histórica. O método consiste em fazer um estudo comparativo entre as fontes disponíveis e, onde houver lacunas, formular hipóteses baseadas nas conclusões possíveis.

A família Camerini foi um desses casos. Dadas as profundas alterações ortográficas nos registros disponíveis, somente com a colaboração de familiares foi possível estabelecer algumas hipóteses que permitiram localizar a entrada da família no Brasil e o casamento de Francesco Camerini com Assunta Antonelli, realizado em 1914 no distrito de Providência.

A colaboração dos leitores foi muito utilizada, não só com o fornecimento de documentos de datas posteriores ao período estudado, como também por relatos obtidos de seus pais e avós. Entretanto, em alguns casos aconteceram conclusões inadequadas.

Um dos pontos que precisam ser esclarecidos se refere à afirmação de colaboradores sobre o local de residência de noivos que se casaram na Paróquia de São Sebastião, mas que não moravam no município. Posteriormente foi verificado que as famílias realmente residiam em Leopoldina na época do casamento e se transferiram mais tarde para outras localidades.

Por outro lado, foram encontrados casamentos realizados em Piacatuba entre noivos que residiam em Itamarati de Minas, mas que antes foram moradores do município de Leopoldina.

Outro ponto surgiu de declarações sobre pessoas constantes nos registros de hospedaria como tendo sido contratados por fazendeiros do município de Leopoldina e que teriam ido para municípios vizinhos. Nesse caso, foram identificados assentos paroquiais de batismo envolvendo tais imigrantes, ficando demonstrado que realmente aqui residiram por algum tempo e depois migraram.

Na maioria desses casos, o problema decorreu do desconhecimento das famílias a respeito da trajetória de seus ancestrais e das profundas alterações na grafia de nomes e sobrenomes em assentos paroquiais, impedindo a imediata identificação.

Também é necessário esclarecer os procedimentos utilizados para identificação do local de nascimento dos imigrantes. Para os que chegaram a partir de meados da década de 1890, muitas vezes a lista de passageiros resolveu a questão por trazer o nome da localidade. Outra fonte foram os assentos paroquiais nos quais algumas vezes constou o local de origem dos noivos ou, dos pais da criança batizada. Quando a família preservou os documentos de seus antepassados, o local de nascimento foi descoberto pelo passaporte. E se o imigrante vivia no Brasil no início da década de 1940, foi chamado a registrar-se segundo normas legais de 1938 e no requerimento teve que declarar a naturalidade.

Observe-se, porém, que não havia um procedimento padronizado por parte dos encarregados dos diversos registros. Razão pela qual, no levantamento concluído em 2003 constavam a localidade de origem de apenas 27% dos imigrantes italianos encontrados e eles estavam distribuídos em 14 regiões da Itália. Das demais nacionalidades, não chegou a 10% o total de identificações de naturalidade.

Atualmente, após consulta a muitas fontes antes indisponíveis, sabe-se que os imigrantes italianos que viviam em Leopoldina procediam de 18 das 20 regiões administrativas em que a Itália está dividida. E o total de identificações chega, agora, a 43%, embora existam diversos casos em que só foi encontrada a província, sem o local exato de nascimento.

Ressalte-se que todos os números aqui apresentados são provisórios, já que a pesquisa não está encerrada e novas informações podem surgir a qualquer momento.

Reitera-se, portanto, o que foi declarado em 2010: se depois de todo este tempo de pesquisa ainda não se sabe tudo sobre todos os imigrantes que aqui viveram antes de 1930, abandonar o material já reunido seria desistir de comunicar aos moradores de Leopoldina o conhecimento adquirido até então.

E assim o Trem de História faz mais uma parada e informa que na próxima estação será embarcado o arquivo da Colônia Agrícola da Constança, instituição que acolheu muitos dos imigrantes que viveram em Leopoldina, cuja fundação ocorreu há 109 anos, no dia 12 de abril de 1910. Aguardem!

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 377 no jornal Leopoldinense de 1 de abril de 2019

As divisas do distrito da Piedade

O distrito da Piedade, atual Piacatuba, teve os seus primeiros limites fixados em 10 de outubro de 1851, através da própria lei de sua criação. Posteriormente, a linha divisória sofreu algumas alterações, ora aumentando, ora diminuindo a área do distrito. Sobre algumas dessas mudanças e outras curiosidades é que vamos falar no decorrer deste texto. Percorrendo os marcos divisórios, é de se observar que o limite começa a ser delineado na região do ribeirão de Tebas, que foi propriedade de Manoel Joaquim de Tebas.

Daí, caminhando em direção ao rio Pomba, a linha divisória atingia a propriedade de João Pedro de Souza. Nessa época, 1851, provavelmente João Pedro era ainda jovem. Somente no ano de 1873, seu nome aparece nos registros paroquiais pelo batismo de seu filho Antônio, havido do casamento com Rita Maria de Jesus. Sabe-se que era filho de José do Egito de Souza, adquirente de seis alqueires de terras então pertencentes a Inácio José de Bem, no lugar denominado “Novo Descoberto do Rio Pardo”. Por estes dados, acreditamos que a região hoje conhecida como “Lajinha” seja uma das mais recentemente povoadas no imenso distrito da Piedade.

Acrescente-se que a primeira localização encontrada, de Inácio José de Bem (filho), a Fazenda da Caridade, fica nas vertentes do rio Pomba, córrego Pirapetinga, no atual limite entre Leopoldina e Cataguases, a oeste da estrada entre os dois municípios. Posteriormente este Inácio desbravou e formou nova fazenda, chamando-a Novo Descoberto do Rio Pardo. Curiosamente, Inácio José de Bem era filho de outro homônimo e de Antônia Maria de Almeida, que, por sua vez, era irmã de Manoel Antônio de Almeida. Inácio José de Bem chegou a Leopoldina entre 1838 e 1843, estabelecendo-se com a família antes da foz do rio Pardo.

A indicação seguinte, “fazenda do capitão David”, referia-se a David Alves Ferreira, provavelmente filho de Joaquim Ferreira Brito e Joana Maria de Macedo, pioneiros e doadores do patrimônio de São Sebastião do Feijão Crú.

O limite, pela serra da Pedra Branca até a fazenda da Graminha, incluía partes dos atuais municípios de Cataguases, Dona Euzébia, Astolfo Dutra e Itamarati de Minas. Vale registrar que esta fazenda da Graminha nada tem a ver com uma outra, de mesmo nome, que aparece nos mapas mais recentes localizada na divisa de São João Nepomuceno.

No que se refere aos limites com Rio Novo, é necessário esclarecer que se trata de São João Nepomuceno que, naquela época, pertencia a Rio Novo. A ressalva é importante porque, com as diversas mudanças de sede ocorridas, uma leitura pouco atenta poderá levar à conclusão de que o Distrito de Piacatuba limitava-se com a Paróquia de Conceição do Rio Novo, o que não é correto.

As fazendas de Antônia Maria da Luz, Francisco Tavares e Francisco Mendes da Silva, estavam localizadas entre os rios Novo e Pardo. Infelizmente ainda não foram encontrados documentos de propriedade destas terras, o que nos impede de estabelecer-lhes a exata localização.

Quanto aos limites do Distrito da Piedade, na região do ribeirão de Tebas, estes merecem um estudo cuidadoso. Isto porque a lei 947 de 8 de junho de 1858, criou a Paróquia de Nossa Senhora das Dores do Monte Alegre, pertencente a Leopoldina. Alguns pesquisadores acreditam ser, esta paróquia, a mesma de que trata uma lei de agosto de 1864, o que não é verdade. A lei de 1864 trata da criação da Paróquia de Nossa Senhora das Dores do Monte Alegre, em Mar de Espanha. E, é fácil esclarecer esta dúvida.

Em 1839, na criação do distrito de Bom Jesus do Rio Pardo (Argirita), que pertencia à comarca de Rio Pomba, é informado que tal distrito “compreende a Aplicação das Dores”. Esta mesma informação consta da lei de elevação de São João Nepomuceno (1841), do documento de transferência para Vila de Mar de Espanha (1851) e do ato de instalação da Vila Leopoldina. Como se vê, bem anterior àquela outra, de 1864. Em verdade, a criação de 1864 refere-se à paróquia que foi elevada a Freguesia em 1872, pertencendo a São João Nepomuceno, e que hoje tem o nome de Taruaçu.

Com isto, será sempre oportuno buscar novos documentos que possam esclarecer, exatamente, quais eram os limites entre os distritos da Piedade, Rio Pardo e Monte Alegre. Especificamente sobre o Distrito do Rio Pardo (Argirita), sabemos que ele limitava-se, pela serra Dourada e vertentes do rio Angu, com o Distrito de Madre de Deus do Angu (Angustura); com o então Curato do Espírito Santo (Maripá), pela serra da Prata e vertentes do ribeirão de mesmo nome; pelas vertentes do rio São João, com São João Nepomuceno e, partindo da serra de Santa Rita, seguia o córrego de São Bento até encontrar, novamente, a serra Dourada, também chamada de serra da Boa Vista.

Lei Mineira nr. 1198 de 9 de agosto de 1864

A lei 2027 de 1º de dezembro de 1873 aborda os limites distritais e indica, como pertencentes ao Distrito de Nossa Senhora da Piedade, as fazendas Graminha, a de Manoel Antônio Dutra e a de José Maria Gonçalves Coelho, que marcavam os limites com São João Nepomuceno. É válido registrar que este José Maria Gonçalves Coelho, freguês da Igreja de Nossa Senhora da Piedade desde 1863, era casado com Constança Maria de Jesus e deixou grande descendência em Piacatuba. Foram seus filhos: Clara nascida em 1863; José nascido em 1865; Custódio nascido em 1868; Maria nascida em 1869 e Honório José Coelho. Honório, por sua vez, foi casado com Antônia Rosa de Jesus e é o ancestral de muitos dos atuais habitantes que assinam Reis, Rodrigues, Nascimento e Coelho.

Ainda nesta lei de 1873, encontramos a primeira menção a Francisco de Paiva Campos como freguês da Piedade, sendo ali esclarecido que, até então, sua fazenda pertencia ao Distrito de Dores do Monte Alegre.

Dois anos depois, com a criação da Vila de Cataguases em novembro de 1875, foram retirados do território de Piacatuba, os terrenos da margem esquerda do rio Novo, na parte que hoje pertence a Dona Eusébia. No entanto, na jurisdição eclesiástica, aqueles terrenos continuaram com a Igreja de Nossa Senhora da Piedade.

Em 1880, nova lei vinha tratar dos limites entre Piacatuba e Cataguases. Agora estabelecendo que, do ponto do Rio Novo, onde é a atual divisa entre Itamarati, Cataguases e Dona Eusébia, seguindo pelo córrego Pirapetinga e até encontrar a foz do Rio Pardo, todos os terrenos ao norte ficariam pertencendo a Cataguases. Mas, esta ainda não seria a divisão definitiva. Em setembro do ano seguinte, o trecho compreendido entre a serra da Pedra Branca, em Astolfo Dutra, e o rio Novo, passaria também para Cataguases. Desta forma, as fazendas de João Antônio de Araújo Porto e de José Henriques da Mata, deixaram de pertencer à Piedade. Pouco depois, em outubro de 1882, foi a vez de passarem para Cataguases as fazendas de David Alves Ferreira e Pedro Antônio Furtado de Mendonça. Finalmente, em 1884, nova transferência acrescenta a Cataguases a fazenda de Cândido da Silva Ladeira.

Lei nr. 2700 de 20 de novembro de 1880

Em virtude de tantas alterações dos limites entre Cataguases e a Piedade, até hoje continuam a ser mal informados os leitores de jornais e livros publicados na própria região. Especialmente no que se refere ao Museu da Eletricidade, é comum ler que a Usina Maurício está localizada naquele município. Acreditamos que caiba ao morador de Piacatuba, assim como a todos aqueles que amam este belo distrito, lutarem para que seja preservada adequadamente a sua história.

Foi no ano de 1880, com a criação do distrito de Santo Antônio de Tebas, no lugar antes denominado Aplicação de Monte Alegre, que começaram as modificações nos limites da Piedade pelo sudoeste. Ali, num primeiro momento, passaram para o novo distrito as fazendas de Francisco José Barbosa de Miranda, Francisco Paulino Ramos e Francisco Xavier Augusto. Na outra margem do rio Pardo, continuaram, na Piedade, as fazendas de Manoel Ferreira de Souza, Francisco Antônio Nogueira, Eleotério Gonçalves Pereira e João Paulino Barbosa.

Dois anos depois, com a elevação de Tebas a Freguesia, em 1882, passou a contar, em seu território, com as seguintes fazendas desmembradas da Piedade: Valverdes, Manoel Lopes de Carvalho, Rafael Teixeira, Pedro José de Novaes, Francisco Antônio Nogueira da Gama, Francisco Paulino Dias de Oliveira, Luiz José Gonzaga de Gouvêa, Paulo José Ribeiro e Joaquim Rodrigues da Silva.

Registre-se, aqui, que entre estes nomes alguns são moradores pioneiros da Piedade, como Francisco José Barbosa de Miranda e Pedro José de Novaes. Este último tendo nascido no lugar.

Quanto às terras dos Valverdes, localizadas na margem do ribeirão Tebas, sabe-se que eram por eles habitadas há mais de dez anos, antes da criação do distrito.

Da enorme descendência de João Pereira Valverde, destacamos dois filhos: Antônio e Manoel Pereira Valverde. O primeiro, casado com Maria José de Jesus, foi pai de João Manoel, nascido em 1872 e Agenor nascido em 1886. O segundo, foi casado com Ana Joaquina de Jesus, com quem teve, pelo menos, 3 filhos: José, João e Manoel. Manoel Pereira Valverde (filho), nascido na Piedade em 1865, casou-se com Anastácia Carolina de Oliveira e foi pai de Maria Pereira de Oliveira, ancestral de muitos dos atuais Rodrigues e Machados que vivem em Leopoldina e Piacatuba.

É interessante observar que a fazenda de João Pereira Valverde voltou para o distrito da Piedade, seis anos depois, na última lei que tratou dos limites do distrito de Tebas.

Outra observação sobre os nomes citados é a respeiro de Francisco Paulino Dias de Oliveira e Luiz José Gonzaga de Gouvêa. O primeiro era filho e o segundo era genro de Vital Inácio de Moraes, que adquiriu a Fazenda Samambaia, em março de 1871. Mas já era residente da Piedade desde 1855, quando ali batizou sua filha Tereza. Natural de Conceição de Ibitipoca, era casado com Umbelina Cassiano do Carmo, com quem teve 12 filhos, a maioria batizada na Igreja de Nossa Senhora da Piedade.

Uma curiosidade desta família, que em muito dificulta sua identificação, é o uso de várias formações de nome.  O patriarca, por exemplo, é muitas vezes citado como José Vital de Moraes. E é com este nome que aparece entre os Fazendeiros de Café da Piedade, no ano de 1875, e como proprietário da Fazenda Palmeiras, em 1890. De José Vital de Moraes e Umbelina Cassiano do Carmo, descendem muitos dos Moraes, Gouvêa, Rodrigues, Oliveira e Silva que residem em Piacatuba, Tebas e Leopoldina.