185 – A família de Francisco da Silva Barbosa

Francisco da Silva Barbosa, proprietário da Fazenda Boa Vista dos Barbosa, nasceu em 1782 em São Mateus do Bunheiro, Porto, Portugal e faleceu no dia 20.09.1860. Casou-se em Bocaina de Minas, em 1812, com Ana Josefa da Silva, filha de José Gonçalves Neto e Ana Custódia da Cunha. Francisco já morava no Feijão Cru em 1831 com a mulher e sete filhos.

Ressalte-se que José Gonçalves Neto se casou com Ana Custódia da Cunha aos 08.11.1790 e o casal teve outros descendentes entre os pioneiros de Leopoldina. José era filho de Manoel Machado Neto e Ana Maria do Espírito Santo e nasceu na Vila Inhomirim, Magé, RJ.

Em 1835 a família de Francisco foi recenseada no 3º quarteirão do Feijão Cru que incluía a área onde formou a fazenda Boa Vista, registrada em 1856.

O casal Francisco e Ana Josefa teve os sete filhos a seguir discriminados.

1 – Ana Francisca, também conhecida por Ana Josefa da Silva, que teve três filhos: Vicência, que foi casada com Francisco da Costa Muniz; Carolina que se casou com Elias Carlos da Paixão; e, Domiciano, que se casou com Balbina Carolina de Jesus, filha de José Casemiro da Costa.

2 – Joaquina Francisca de Jesus se casou com Severino José de Santana com quem teve, pelo menos, os filhos José e Manoel.

3 – Maria do Rosário Neto se casou com Joaquim Luiz de Medeiros ou de Santana, filho de José Luiz de Medeiros e Ana Silvéria de São José. Ela faleceu a 06.08.1863 em Leopoldina. O casal teve dez filhos: Maria Messias do Espírito Santo cc Antônio Silveira Garcia; João Gualberto Luiz de Medeiros cc Maria Flausina de Jesus; José Maria de Medeiros cc Antônia Rita de Jesus; Francisco Luiz de Medeiros cc Ignacia Rosa Lina de Lacerda; Manoel Luiz de Medeiros cc Elidia Carolina de Lacerda; Rita Esméria da Conceição cc o italiano Felicio Bello; Umbelina Emiliana de Jesus casada primeira vez com Vicente Antonio de Rezende e segunda com Bento José Oliveira; Carlos, n. 05.10.1855 e f. 1864; Antonio Luiz de Medeiros cc Senhorinha Luiza da Conceição; e, Júlia Maria da Trindade casada primeira vez com o italiano Sebastiano Tambasco e segunda vez com Manoel Joaquim Soares.

Registra-se, aqui, os agradecimentos aos descendentes Maria José Ribeiro Queiroz e Rodrigo Fidelis Macedo que contribuíram com informações e documentos para o estudo da família.

4 – Rita Francisca ou Josefa da Silva cc Carlos José Luiz de Santana com quem teve nove filhos: Maria Inácia do Nascimento cc Carlos Machado Neto de Aguiar; Mariana Rita do Espirito Santo cc José de Rezende Barbosa; João Carlos Neto cc Porfiria Maria de Jesus; Antonio Carlos Neto cc Rita Romualda da Silva; Matilde Virginia do Rosario cc Manoel Francisco Barbosa Neto; Rita; José Carlos Neto cc Francisca Teodora de Bem; Carlos José Neto cc Maria Prudenciana de Jesus; e, Francisco Carlos Neto cc Laurinda de Souza Neiva.

5 – José Francisco Barbosa Neto cc Maria Antônia de Jesus com quem teve seis filhos: Francisco da Silva Neto cc Brígida Maria da Silva; José Francisco Neto cc Marciana Zeferina de Almeida; Domingos Francisco Neto cc Maria Justina de Jesus; Maria Cândida de Jesus cc José Francisco Ferraz; Barbara Maria de Jesus cc Joaquim Pedro Nolasco; e, Manoel Damasceno Neto cc Mariana Umbelina da Silva.

6 – Antonio Francisco Barbosa Neto casou-se duas vezes. A primeira com Prudenciana Josefa da Silva, filha de José Ferreira Brito Júnior e Brígida Joaquina Custódia da Silva. Ela faleceu em fevereiro de 1865 em Ribeiro Junqueira e Antonio casou segunda vez com Maria Amália de Souza Neiva, filha de Altino José de Souza Neiva e Gertrudes Maria da Conceição. Filhos do primeiro casamento: Manoel Francisco Barbosa Neto cc Matilde Virginia do Rosario; 6.2 – Rita Romualda da Silva cc Antonio Carlos Neto; 6.3 – Francisco Barbosa Neto; José Amaro Neto cc Maria Vidal Ferreira; Antonio José Neto cc Rita Francisca da Conceição; Maria Prudenciana de Jesus cc Carlos José Neto; e, Custódio Ferreira Neto cc Maria Ângela de Jesus. Filhos do segundo casamento: Maria Amélia de Souza Neto cc Alfredo de Souza Neiva; Francisca Amelia Neto cc José Nepomuceno Ferreira; Albino José de Souza Neiva; Gertrudes Maria da Conceição cc Augusto José de Souza Neiva; Laurinda Maria da Conceição cc Sebastião Carlos Neto; José Neiva; Cecilia Neiva; Sebastião; Pedro; Adelaide; e, Ana.

7 – Matilde, a última filha de Francisco da Silva Barbosa e Ana Josefa da Silva, faleceu antes de seu pai.

Uma questão interessante a respeito do grupo em análise adveio do sobrenome dos filhos do casal Francisco e Ana Josefa. Em Leopoldina, é bastante difícil separar as pessoas que usam Neto por sobrenome das que utilizam como partícula para se referir a um avô. Como foi dito, Ana Josefa era filha de José Gonçalves Neto e seus filhos, assim como os descendentes do pioneiro João Gonçalves Neto, adotaram Neto por sobrenome. Houve casamentos entre descendentes de Francisco e Ana Josefa com descendentes dos Ferreira Brito que, por serem homônimos de um avô, usavam Ferreira Neto como sobrenome.

Eventualmente se comenta que existe diferença entre Neto e Netto. No entanto, esta diferença não os distingue pelo simples fato de que até 1911, quando a língua portuguesa teve seu primeiro Vocabulário Ortográfico, usava-se indistintamente letra simples ou dobrada. E considerando o pequeno estoque de nomes próprios aprovados pela igreja, pode-se imaginar a quantidade de Anas ou Annas, Josefas ou Josephas e, Netos ou Nettos em famílias que aqui viveram na mesma época.

Por hoje o Trem de História fica por aqui. Na próxima viagem um novo pioneiro ocupará este espaço. Até lá.

Luja Machado e Nilza Cantoni - Membros da ALLA 
Publicado na edição 437 no jornal Leopoldinense, 26 setembro de 2022

Fontes Consultadas:

Arquivo Distrital do Aveiro, Portugal, lv bat 1768-1783 
Arquivo Público Mineiro - Mapas da População do Curato de São José do Paraíba – 1831 e do Feijão Cru, 1835 
Igreja de Nossa Senhora da Conceição, Aiuruoca, lv cas 1787-1814 fls 41verso 
Igreja N. S. da Piedade, Barbacena, MG, lv cas 1808 -1838 fls 43. 
Inventário de Francisco da Silva Barbosa. 
Registro de Terras de Leopoldina

184 – Fazenda Boa Vista dos Barbosas

Denominada inicialmente Fazenda Boa Vista, a pesquisa sobre esta propriedade apresentou dificuldades a partir do próprio nome. Enquanto nos registros de terras de 1856 constam três propriedades com o mesmo nome no território da então Vila Leopoldina, nos processos de divisão de propriedades e partilha de bens inventariados, entre 1847 e 1901 foram encontradas treze fazendas Boa Vista, muitas delas sem localização precisa.

Para distingui-las foi fundamental o conjunto de dados coletados pelos autores desta coluna ao longo das pesquisas sobre a história de Leopoldina. Pois conforme ensina a antropologia, a família ou parentesco constituem o elemento fundador da vida social. E só conhecendo minimamente os grupos sociais que habitam uma localidade é possível compreender suas escolhas e decisões. Foi importante, também, lembrar Ruth Cardoso ao discutir armadilhas da pesquisa em antropologia, quando destacou que coletar material não é apenas acumular informações, mas oportunidade para reformular hipóteses de pesquisa. Isto aconteceu, diversas vezes, na pesquisa sobre a ocupação territorial do Feijão Cru e, especialmente, com a Fazenda Boa Vista dos Barbosas.

Ao prestar informações sobre sua propriedade, Francisco da Silva Barbosa declarou que vinte e cinco anos antes (por volta de 1831) havia comprado 250 alqueires de terras, sem indicar o vendedor. Mencionou confrontações com José Thomaz de Aguiar Cabral (fazenda Santa Cruz), Marianna Teresa Pereira Duarte (faz. Recreio), Processo José Corrêa de Lacerda (faz. Tabuleiro), Manoel Jose de Novaes (faz. Saudades, depois Campo Limpo), Manoel Ferreira Brito (faz. São Manoel da Bocaina) e João Baptista de Paula Almeida (faz. Monte Alegre). Outros proprietários citaram divisas com a faz. Boa Vista, com Antonio Carlos da Silva Teles Faião (faz. da Barra das Laranjeiras), além de Joaquim José da Costa Cruz e Joaquim Dias Neto com propriedades à margem do Rio Pomba.

Francisco da Silva Barbosa faleceu no dia 20.09.1860 e seu inventário, em conjunto com o processo de partilha e posteriores tombamentos em 1884 e 1885 trouxeram esclarecimentos importantes. A constituição do grupo familiar foi possível pela análise comparativa do inventário e da partilha de bens, já que alguns membros não foram identificados num ou noutro documento, por terem falecido ou por terem transferido sua legítima para terceiros. Como já mencionado nesta série, a instituição do dote permanecia até o final do século XIX e, muitas vezes, só depois do inventário dos pais é que os bens prometidos aos filhos eram oficialmente transferidos para eles. Por isto, nem sempre todos os filhos vivos eram mencionados no formal de partilha.

No caso da Fazenda Boa Vista, o processo de divisão judicial da propriedade foi requerido por João Gualberto Damasceno Ferreira em duas etapas, sendo a primeira em 06.10.1884 e a segunda, em 06.08.1885, indicou que após a morte de Francisco da Silva Barbosa a propriedade pertencia a oito condôminos:

  • 1) Antonio Francisco Barbosa Neto, filho de Francisco da Silva Barbosa;
  • 2) Domiciano Rodrigues Leite, neto, filho de Ana Francisca;
  • 3) Elias Carlos da Paixão, marido da neta Carolina, filha de Ana Francisca;
  • 4) Francisco da Costa Muniz, marido da neta Vicencia, filha de Ana Francisca;
  • 5) Joaquim Luiz de Santana ou Medeiros, genro, marido de Maria do Rosário Neto;
  • 6) José Francisco Neto, filho;
  • 7) Rita Francisca da Silva, filha; e,
  • 8) Severino José de Santana, genro, marido de Joaquina Francisca de Jesus.

Nos vinte anos seguintes à morte do formador da fazenda, ocorreram muitas subdivisões e vendas. Ao final do processo de medição, em 1885, foram encontrados 72 condôminos e entre eles estão alguns imigrantes que a memória popular informa terem vivido na “Colônia da Serra dos Netos”. Na conferência das operações de compra e venda, o total de condôminos foi ampliado para 81 por dois motivos principais: herança ou compra e venda.

Após a morte do pioneiro, em 1860, a propriedade passou a ser conhecida como fazenda “dos Barbosa” e as escrituras de compra e venda demonstram que nela foram formadas diversas “situações” que, em linguagem atual, significa vários pequenos sítios numa fazenda indivisa.

No alvorecer do século XX a região da Fazenda Boa Vista passou a ser conhecida por Serra dos Netos, numa referência ao sobrenome da família da esposa de Francisco da Silva Barbosa, de descendentes dele ou do formador da fazenda Residência, também de sobrenome Gonçalves Neto.

O requerente da divisão judicial, João Gualberto Damasceno Ferreira, era filho do pioneiro João Gualberto Ferreira Brito de quem herdou a fazenda Fortaleza também próxima da Boa Vista e que foi ampliando seus domínios através de compras diretas ou de Arrematação em Praça dos bens de seus vizinhos, em especial de terras das fazendas Desengano e Boa Vista.

Uma das “situações” adquiridas por João Gualberto Damasceno Ferreira pertencia a João José Rodrigues das Virgens que chegou ao Feijão Cru por volta de 1864 e provavelmente foi um dos primeiros adquirentes de pedaços da Fazenda Boa Vista que teriam sido vendidos depois da morte de Francisco da Silva Barbosa. O comprador instalou a sede de sua propriedade no então sítio das Virgens, referência ao nome de devoção usado como sobrenome pelo antigo proprietário, falecido em 1881. Esta é, pois, a origem do topônimo Serra das Virgens para o qual a imaginação popular inventou mais uma das lendas mirabolantes que povoam a história pátria.

João José Rodrigues das Virgens, casado com Francisca Maria de Paula, teve três filhos:

  • 1) Ezequiel, nascido em 1867;
  • 2) Custódia Maria de Jesus, casada aos 07.01.1893 com Joaquim Honório de Almeida, filho de Francisco Honório de Oliveira e Maria Izabel de São José; e,
  • 3) Vitalina Maria das Virgens, nascida a 08.07.1880, casou-se no dia 14.10.1906 com José Galdino Eugenio, natural de Cataguases.

Aqui o Trem de História faz uma parada. No próximo Jornal a viagem segue com a família do pioneiro Francisco da Silva Barbosa. Até lá.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 436 no jornal Leopoldinense, setembro de 2022

Fontes Consultadas: 
Arquivo da Diocese de Leopoldina, lv 01 bat fls 198 termo 954; lv 02 bat fls 29 termo 264; lv 2 cas fls 79 termo 3 e lv 3 cas fls 346 termo 77. 
Divisão judicial da fazenda dos Barbosa, parte 1, Processo 38404284, 1884 COARPE/TJMG 
Inventário de Francisco da Silva Barbosa, processo 38403431 COARPE - TJMG 
Partilha amigável do espólio requerida por Ana Josefa da Silva, processo 38402712 COARPE/TJMG 
CARDOSO, Ruth C. L. (org.) Aventuras de Antropólogos em campo ou como escapar das armadilhas do método. In: A aventura antropológica. Teoria e pesquisa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986. p.101

176 – Fazenda Tabuleiro, de Processo José Corrêa de Lacerda.

Vizinha do Sítio Saudades ou Fazenda Campo Limpo, de Manoel José de Novaes, a Tabuleiro foi fundada por Processo José Corrêa de Lacerda, genro de Manoel José.

Registre-se, de início, que em virtude da homonímia não foi possível estabelecer qual era o vínculo de Processo José com Romão Pinheiro Corrêa de Lacerda, pioneiro que formou a fazenda da Memória[1] nos primeiros tempos do Feijão Cru. Sabe-se, porém, que os Corrêa de Lacerda eram de Bom Jardim de Minas onde moravam também, os Novaes.

Muitos pesquisadores se dedicaram a estudar os vínculos que os casamentos criavam entre as famílias dos noivos. Maria Beatriz Nizza da Silva[2] mencionou o princípio da igualdade social que era estimulado pela Igreja Católica na escolha dos pretendentes, dando surgimento a adágios e provérbios como o de Antonio Delicado: “Se queres casar, casa com teu igual”. A autora citou, também, o padre Manoel Bernardes em sua obra Nova Floresta[3], publicada em 1706, para esclarecer o que se entendia por igualdade entre os noivos. Tratava-se de fazer combinar idades, condições sociais, saúde e a “qualidade” dos pretendentes, ou seja, similaridade etária, social, física e moral. Considerando que os párocos interferiam profundamente nas decisões das famílias e que conheciam bem os seus paroquianos, conclui-se que realizavam casamentos tendo em vista o princípio aqui mencionado. E assim se compreende o casamento de Processo José Corrêa de Lacerda com Maria Vitoria de Novaes pouco tempo antes da transferência para o Feijão Cru.

Processo não declarou de quem comprou os 120 alqueires em que formou a sua fazenda Tabuleiro, registrada[4] em 08.03.1856. Informou divisas com Manoel José de Novaes e Francisco Silva Barboza (fazenda Boa Vista dos Barbosas), e com a fazenda da Bocaina, o que causou mais uma dificuldade no decorrer da pesquisa. Isto porque as fontes consultadas indicam que a propriedade do sogro de Processo estava entre a Tabuleiro e a Bocaina, inviabilizando a indicação de tais divisas.

Conforme mencionado na coluna anterior, Manoel José de Novaes, formador da fazenda Campo Limpo, havia feito a partilha dos bens em vida, passando-os para a administração dos herdeiros, incluindo seu vizinho e genro Processo José Corrêa de Lacerda que faleceu[5] aos 12.05.1888. Daí a partilha dos bens de Processo eventualmente se confundir com a divisão dos bens de seu sogro.

Maria Vitória e seu marido só tomaram posse[6] da integridade dos bens da legítima paterna dela em junho de 1875. Quase dois anos depois, em março de 1877, foi aberto o processo de divisão judicial da fazenda São Pedro, mais tarde conhecida por Pedro Velho, da qual o casal era um dos confrontantes[7] pela parte que lhes coube no inventário de Manoel José de Novaes. Em março de 1882, quando foi julgada a divisão da fazenda Pedro Velho, o casal Processo e Maria Vitória teve regularizada[8] sua posse naquela fazenda, uma área de 7 hectares. Dois meses depois, houve um acréscimo não especificado nesta área porque se descobriu que anos antes, ao vender a parte que julgava possuir na Fazenda Pedro Velho, Manoel José de Novaes informou uma quantidade menor do que realmente possuía. Desta forma, os domínios de Processo José Corrêa de Lacerda passaram a se estender da margem direita do atual Córrego das Virgens até a margem esquerda do Córrego São Pedro que mais tarde passou a se chamar Arizona. A partir desse momento, a propriedade de Processo e Maria Vitória aparece nas fontes como Fazenda Tabuleiro dos Coqueiros.

Com sucessivas vendas e permutas que ocorreram nos anos seguintes, em 1897 as antigas fazendas Tabuleiro e Campo Limpo estavam reduzidas a 317 hectares, sendo que cerca de 65 alqueires sob o nome de Tabuleiro dos Coqueiros que pertencia a 23 condôminos. Boa parte das vendas permitiu a ampliação da área urbana do distrito que então se desenvolvia na esteira do movimento trazido pela Estrada de Ferro.

01) - Generosa Maria de Jesus cc Prudente Balbino de Souza, filho de Candido Balbino de Souza que teria sido vizinho de Manoel José de Novaes; 02) - Manoel Bento de Lacerda cc Laura Maria de Jesus, teria migrado para Laje do Muriaé; 03) - Maria Justina cc Joaquim Izidoro Ferreira, falecida antes de seu pai; 04) - Prudencio Afonso cc Eduviges, sem outras informações; 05) - Gabriel Antonio de Novaes, teria vivido em município vizinho; 06) - Caetano José cc Felizarda Amélia Salustiana, vendeu sua legítima paterna e teria se radicado na sede do distrito; 07) - Porfiria Maria de Jesus cc João Carlos Neto, ele descendente do formador da fazenda Boa Vista dos Barbosa e ela falecida antes do pai; 08) - Gertrudes Maria de Lacerda casou-se com um dos Honórios Ferreira de Lacerda de quem se sabe que fora condômino da fazenda Córrego do Sapateiro, na margem do rio Pomba, e que vendera sua parte a João Gonçalves Neto; 09) - Processo Felix de Novaes cc Maria Carolina de Oliveira, trocou sua legítima na sede do distrito por uma cota da fazenda Tabuleiro dos Coqueiros; 10) - Florisbela Maria de Lacerda cc Francisco José de Oliveira, faleceu em Ribeiro Junqueira no dia 19 de agosto de 1895.

Para completar as informações sobre a parte norte do distrito de Campo Limpo é necessário abordar o antigo Sítio São Pedro que ficou depois conhecido como Fazenda Pedro Velho. Assunto para a próxima viagem do Trem de História.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 428 no jornal Leopoldinense, janeiro de 2022

Fontes Consultadas:[1] Registro de Terras de Leopoldina (Arquivo Público Mineiro, Seção Colonial, TP 114), nº 9

[2] SILVA, Maria Bestriz Nizza da. Sistema de casamento no Brasil Colonial. São Paulo: T.A.Queiroz/USP, 1984. p.66

3] Classificada nas categorias ensaio, estudo e polêmica, Nova Floresta é uma obra em 5 volumes que foi publicada pela editora Oficina de Valentim da Costa Deslandes, Lisboa, Portugal e tem versão digitalizada disponível no site da Universidade Federal de Santa Catarina.

[4] Registro de Terras de Leopoldina (Arquivo Público Mineiro, Seção Colonial, TP 114), nº 4

[5] Inventário de Processo José Corrêa de Lacerda, processo 38402722 COARPE/TJMG img 1

[6] Inventário de Manoel José de Novaes, processo 38405822 COARPE/TJMG img 225

[7] Divisão da Fazenda Pedro Velho, processo 38404535 COARPE/TJMG imgs 2-4.

[8] Divisão da Fazenda Pedro Velho processo 38404535 COARPE/TJMG img 186 e 233.