O quê representa o dia 27 de abril de 1854 para Leopoldina?

Quando aceitei abrir o Ciclo de Palestras da ALLA eu não sabia que tema escolher. Resolvi conversar com algumas pessoas e descobri que é comum acreditarem que Leopoldina nasceu no dia 27 de abril de 1854. Como assim? Está lá, no caput da Lei nº 666: Lei elevando à categoria de Freguesia e de Vila o Distrito de São Sebastião do Feijão Cru com a denominação de Vila Leopoldina.

Pronto! Aí estava a questão: o quê representa o dia 27 de abril de 1854 na história de Leopoldina?

Voltando no tempo, temos que o marco de fundação de um povoado era representado pelo momento em que a Igreja atendia ao requerimento de um grupo de moradores que desejasse erigir uma Capela, facilitando o cumprimento de suas obrigações religiosas sem ter que se deslocar por distâncias muito grandes. Considerando que não foi encontrado o documento desta natureza sobre o Curato do Feijão Cru, foi necessário elaborar um documento de pesquisa para preencher as lacunas. Para tanto, realizei um percurso controlado sobre o acervo documental existente, tarefa que só foi possível a partir de um estudo prosopográfico, vale dizer, a escrita da história de uma localidade a partir de esboços biográficos de seus antigos moradores.

Deste estudo resultou a apresentação abaixo, na qual procuro demonstrar que até 2 de novembro de 1831 não havia sido criado o Curato do Feijão Cru que vai aparecer somente na Lei número 202, de 1 de abril de 1841, da primeira emancipação administrativa de São João Nepomuceno, revogada dez anos depois.

Contudo, em 1838 fora encaminhada ao governo provincial uma relação de moradores de São Sebastião do Feijão Cru, acompanhada de uma declaração do Juiz de Paz Manoel Ferreira Brito assinada em 30 de setembro de 1835. Portanto, podemos considerar o ano de 1835 como o de “nascimento” do Curato de São Sebastião do Feijão Cru.

A conclusão é de que em 1835 havia moradores no lugar denominado Feijão Cru, os quais ali já estavam em 1831, como demonstra o censo de São José do Paraíba. Sendo assim, no dia 27 de abril nós comemoramos a Emancipação Administrativa e a adoção do nome da segunda filha de D. Pedro II em 1854. Mas não podemos considerá-lo como data de nascimento.

Visita do Imperador

Trecho do Diário de Dom Pedro II relativo à rápida visita feita a Leopoldina.

30 de abril de 1881 (Sábado) – 5 e meia já tomei banho de queda d’água -muito agradável. Arranjei papéis. Saio às 5 e três quartos. Partida pouco depois das 6h no trem que chega daí a pouco a Ubá. Cidade menor que o arraial do Inficionado. Igreja vasta. Casa da Câmara e cadeia grande, mas está só com o livro de entradas mal escriturado; padrões métricos para um lado e no chão do quarto das testemunhas. Mandei tirar a galhardeira a 2 presos.

Busto dos Imperadores Pedro II e Tereza Cristina

Colégio de meninas 31. Não me pareceu mau. Aula pública de meninas. Péssima casa. A professora, mulher do agente do correio, apronta sala em casa própria porque tem internos que lhe pagam. Ela recebe os vencimentos de 80$000 mensais e nada para casa.

O irmão do Lynch disse-me que o engenho do irmão, que trabalha no presídio, é provisório. Foi aquele Lynch que estudou a passagem da serra de S.Geraldo, onde disse-me que são precisos 2 túneis pequenos, sendo a despesa total dessa passagem de 2 a 3.000 contos. Falei ao antigo deputado João Carlos Moreira, presidente da Câmara Municipal e ao deputado Carlos Peixoto.

A Imperatriz descansou depois da oração na igreja, em casa do médico Esteves Brás. De trole à estação de onde parti às 8h. Parou-se minutos na estação do Diamante, por causa do Daniel que cultiva perto daí e prepara o conhecido fumo em rolo. Falei-lhe assim como ao sogro do filho dele, Antônio Gomes Pereira que ofereceu excelente café.

Na estação de Vista Alegre (10h 35′) tomou-se o ramal da Leopoldina. Aí cheguei às 11 e meia à casa de um amigo de Gervásio Monteiro de Barros, sobrinho neto do Congonhas. [esclarecimento: O Barão e Visconde de Congonhas do Campo foi Lucas Antônio Monteiro de Barros, falecido em 1851]

Almoço que interrompi às 12.

Câmara e Cadeia – idem (sic). A casa não é má. Aula primária de meninos que não me desagradou. A sala é muito pequena. Colégio de meninas que não me pareceu mau, tendo a mestra fisionomia inteligente. Aula primeira de meninos do grau superior. Sofrível. A aula primeira de meninas não tem agora professora. O cura não explica doutrina aos meninos na igreja, como quase nenhum faz.

Oração na igreja de onde se goza de boa vista; subida íngreme; fomos de trole e de lá por boa ladeira para a estação.

Partida à 1h e três quartos. Chegada às 2h 10′ a Vista Alegre. O estacionário é casado com uma filha do Gadele. Vi belos retratos do Freese aos 30 anos e da mãe dele que era uma linda italiana. Seguimos cerca das 2h e um quarto .

4h 40′ chegamos ao Pântano. Pequeno povoado. Café etc entre as senhoras do Pântano.

5 h – S. José de Além Paraíba – A igreja está ficando bonita.

11h 40′. Chegada com chuva à estação da Quinta. [esclarecimento: trata-se da Quinta da Boa Vista – Rio]. O Buarque entrou no trem na estação de Porto Novo do Cunha.