O poder da palavra escrita: os jornais católicos e a difusão dos ideais ultramontanos na diocese de Mariana (1844-1876)

Artigo de Daniela Gonçalves Gomes publicado na Revista de História da UEG

Resumo

“Neste artigo tencionamos trabalhar com as estratégias de propagação dos ideais ultramontanos por meio dos jornais confessionais na diocese de Mariana, no prelado de D. Antônio Ferreira Viçoso, entre os anos de 1844 a 1875. Temos como objetivo, demonstrar que as publicações de caráter confessional se estabeleceram como meio eficaz de divulgação dos ideais ultramontanos no prelado viçosiano. Em nossa abordagem, utilizaremos os três periódicos que circularam na diocese de Mariana no período: o Selecta Chatólica, o O Romano e o O Bom Ladrão. Sugerimos, em nossa análise, que estes jornais auxiliaram a diocese a repensar o prelado em moldes ultramontanos e contribuíram para uma integração moral e lógica da ordem social.”

Leia mais…

Natureza e Território: O papel do mundo natural na formação e consolidação territorial do Brasil (1839 – 1845)

Artigo de Luis Fernando Tosta Barbato publicado na Revista de História da UEG

Resumo

“Nesse artigo, pretendemos analisar o papel da natureza brasileira na demarcação e na consolidação do território nacional do Brasil. Para isso, utilizamos os artigos contidos nas revistas do IHGB entre os anos de 1839 e 1845, nos quais podemos observar os temores e anseios de intelectuais envolvidos na árdua tarefa de criar símbolos para um jovem país em vias de fragmentação territorial, além de demarcar as fronteiras de um Brasil cercado de inimigos potenciais.”

Leia mais…

“A riqueza na medida do possível”: bens e atividades econômicas entre os alforriados em Mariana – (1727 a 1838)

Artigo de Rogéria Cristina Alves publicado na Revista de História da UEG, v. q, n. 2, 2012

Resumo

Este trabalho objetiva investigar as formas de ascensão econômica e social experimentadas pelos alforriados no Termo de Mariana, entre 1727 e 1838. Analisam-se, através dos testamentos e inventários post-mortem de homens e mulheres forros as possibilidades encontradas e criadas por eles para se sustentarem, angariarem posses materiais e obter reconhecimento e distinção na sociedade em que viviam. Compreende-se que as formas de ascensão econômica e social disponíveis aos alforriados devem ser vistas sob uma ótica específica: a riqueza disponível a esses indivíduos e a ascensão social deles em um meio que se pensava quase exclusivo de livres e brancos.