162 – O patrimônio de Santo Antonio do Monte Alegre

Continuando a viagem, o Trem de História chega ao povoado que deu origem ao atual distrito de Tebas, para contar o que ocorreu na sua formação.

No início o nome do arraial era Santo Antonio do Monte Alegre, em homenagem à fazenda que lhe cedeu terras para formar o patrimônio.

O patrimônio de Santo Antônio do Monte Alegre foi instituído por José Antonio Teixeira, a pedido de sua falecida segunda esposa[1], Leocádia Florentina de Assis, em maio de 1868, conforme certidão[2] anexada ao processo de Divisão da fazenda Monte Alegre, também conhecida como Fazenda dos Thebas.[3] Diz o citado documento:

“Escritura de doação que faz José Antonio Teixeira de um terreno na Fazenda do Monte Alegre para patrimonio de Santo Antonio, sendo ele possuidor da meação das terras pro indiviso da Fazenda do Monte Alegre e desejando concorrer com outros fieis para a fundação de uma Igreja para o culto do Glorioso Padre Santo Antonio, pela presente escriptura faz doação […] de um terreno de 2 alqueires em a mencionada fazenda cerca de 100 braças adiante da casa em que reside em um outeiro que fica na encruzilhada que segue para o Rio Pardo e para o Pirapetinga, junto ao local mais adequado a uma povoação; do qual terreno abre mão de hoje para sempre a fim de que fique pertencendo ao patrimonio ora instituido do mesmo Glorioso Santo. E mais desiste em favor do mesmo patrimonio de todo e qualquer direito que porventura lhe assiste sobre mais quatro alqueires de terras na mesma fazenda pertencente a José Joaquim Ferreira Cazeca, cujo valor está sujeito a uma indenisação por perdas e danos pela qual elle outorgante protestou judicialmente e faz a presente dezistencia também de livre e espontanea vontade para que a todo tempo se aumente o terreno doado. […] e por não saber escrever pediu a seu filho Manoel Antonio Teixeira para assinar a seu rogo, o qual assina com as testemunhas Anastacio José da Silva e Coriolano José Francisco de Macedo”.

Não restam dúvidas quanto aos doadores das terras. Mas assim como ocorreu na formação de tantos outros povoados brasileiros e principalmente nos da Zona da Mata, a história de Tebas também precisa ser vista com um pouco mais de atenção para que se faça justiça aos reais pioneiros do lugar.

No caso, é preciso voltar um pouco no tempo, conhecer alguns nomes e contextualizar a época da criação do povoado que deu origem ao atual distrito. É preciso que se recorde o nome de Manoel Joaquim Ferreira, o Manoel Joaquim de Tebas.

Como se viu no artigo anterior, Manoel Joaquim era o proprietário da Fazenda Monte Alegre e em 1839, vinte e nove anos antes da doação para o Patrimônio, morava com sua segunda esposa, Leocádia Florentina de Assis, no Rio Pardo, possivelmente na sua Fazenda do Monte Alegre.

Em 17.09.1847 Manoel faleceu[4]. Em abril de 1856 Leocádia estava casada com José Antonio Teixeira. E em 25.05.1868, conforme se viu anteriormente, foi constituído o patrimônio de Santo Antonio do Monte Alegre.

E como Santo Antonio do Monte Alegre o arraial seguiu os seus dias até 1880, quando foi “elevado[5] à categoria de distrito de paz a povoação de Thebas, da freguesia da Piedade, Termo de Leopoldina” com o nome de Santo Antonio de Tebas.

A história continua. Mas o Trem de História precisa fazer uma pausa. Fica a promessa de que na próxima edição do Jornal a viagem continuará. Aguardem.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 415 no jornal Leopoldinense de 15 a 31 de dezembro de 2020

Fontes consultadas:


[1] José Antonio Teixeira foi casado em primeiras núpcias com Maria Rosa Faustina.

[2] Cartório de Notas do distrito da Piedade. Livro 1, fls 35.

[3] Divisão judicial da Fazenda Monte Alegre. Processo 38404325 COARPE/TJMG.

[4] Inventário de Manoel Joaquim Ferreira, processo 38403704 COARPE – TJMG img 3.

[5] Arquivo Público Mineiro. Lei N. 2675 de 30 de novembro de 1880.

4 opiniões sobre “162 – O patrimônio de Santo Antonio do Monte Alegre”

  1. Preciso de alguma informaçao sobre a família Lancini (lanchini)…Lanchin.
    Procuro por Francisco Lanchini
    Nascido provavelmente nessa Regiao em 1898
    Filho de
    Joao Baptista Lanchini e Carolina Morozina.
    Obrigada

    Gostar

      1. Entendo.
        O nome do Italiano seria Giovanni Battista Lancini,mas no registro de casamento do filho Carlos que foi realizado em Providencia MG no ano de 1916 ,nomes e sobrenomes sofreram alteracoes de Lancini para Lachini.
        Carlos Lachini se casou em 1916 com Maria Marotti em Providencia
        Procuro qualquer relacao com a familia Lachini(Lanchini) que eram residentes nesse distrito na epoca.
        Obrigada

        Gostar

      2. Agora, sim. A família teria vivido num distrito de Leopoldina.
        Tenho referências a eventos em Providência somente até 1900 e não consta o sobrenome de seu interesse. Procurei a entrada de Giovanni Battista Lancini no Arquivo Nacional e encontrei uma família chegada em 1891. Consta um filho de nome Francesco com 3 anos. A família não aparece nos livros da Hospedaria Horta Barbosa.
        Caso você ainda não tenha feito, sugiro pedir buscas sobre Francisco nos cartórios de Providência e Abaíba.

        Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s