Qual a forma correta de escrever meu sobrenome?

Em primeiro lugar, vamos lembrar que, pelas Instruções para a Organização do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, conforme constante no VOLP de 2009 publicado pela editora Global, de São Paulo, temos na página LXXVI:
XI – Nomes Próprios
39. Os nomes próprios personativos, locativos e de qualquer natureza, sendo portugueses ou aportuguesados, serão sujeitos às mesmas regras estabelecidas para os nomes comuns.
Com pequenas variações que não invalidam o conteúdo, as normas em outras línguas são as mesmas. Ou seja:
X – Parônimos e Vocábulos de Grafia Dupla
33. Deve-se registrar a grafia que seja mais conforme à etimologia do vocábulo e à sua história.
Em outra oportunidade já abordamos este tema, especialmente quanto à duplicidade de grafia de vários sobrenomes encontrados em Leopoldina. Se consultarmos os autores italianos, verificaremos que o mesmo ocorre por lá. Traduzimos, a título de exemplo, a declaração de Paola Marongiu na obra Breve Storia della Lingua Italiana Per Parole, publicada em 2000 pela editora Le Monnier, de Firenze: (pag. 111)
usa-se a língua para escrever e o dialeto para falar
Na mesma obra podemos aprender que “língua” é a forma como se referem à forma padrão, também indicada como “o italiano”. A autora esclarece que as variedades regionais continuam sendo adaptadas ao “italiano standard” que é o modelo da língua escrita e foi estabelecido a partir do dialeto da Toscana, mais especificamente da língua falada em Firenze e imediações.
E já que estamos abordando o assunto, não podemos deixar de citar Gramsci, para quem
o caráter elitista da língua italiana [decorre de ter sido] elaborada pela classe dominante, sendo necessário dar acesso a esta língua aos estratos inferiores da sociedade para resgatá-los da condição de inferioridade.
(tradução livre de um trecho do Quaderni del Carcere, publicado em 1950).
Ou seja: nada diferente do que acontece em outras línguas. Em Leopoldina há até uma lenda a respeito de uma grande família na qual existiam pessoas com bom poder aquisitivo e outras que passavam por grandes dificuldades. Contam os antigos que uma pessoa desta família decidiu marcar a diferença entre os seus, que eram mais ricos, e aqueles parentes muito pobres, exigindo que o oficial do Cartório registrasse seus filhos duplicando uma determinada letra do sobrenome.
Independente das lendas, o fato é que encontramos, em diversas famílias italianas, duas grafias diferentes. Num destes casos consultamos o Archivio di Stato di Venezia e recebemos a seguinte resposta:
XXX ma poi individuato come YYY
Sendo assim, reiteramos o que já comentamos em postagem recente: é preciso pesquisar a etimologia do nome e escolher a metodologia de trabalho. No nosso caso, optamos pela grafia encontrada em documento italiano ou, na falta deste, na mais antiga fonte documental brasileira.
Não é possível extrair conclusões em uma busca apressada. Um exemplo envolve Dalsin e Dalassim que um leitor julgou como variações de um mesmo sobrenome. Segundo Ciro Mioranza, no Dicionário dos Sobrenomes Italianos que utilizamos, Dall’Asen é a composição de dall (do em português) com àsen (asno, em latim) e significa o criador ou mercador de asnos, bestas de carga, cavalos. Já o sobrenome Da Lasen é um locativo por referência a uma região nos alpes denominada Làsen, cujo nome tem origem no etrusco Lasinius e atualmente tem a variação Dalsin.
Estes dois sobrenomes aparecem em Leopoldina em Ursula Dalsin, mulher de Giovanni Batista Pradal e em Luigi Dalassim, cuja filha Magdalena casou-se com Domenico Meneghetti. Lembramos que a primeira veio do norte de Treviso e o segundo do sul de Venezia mas não temos elementos para identificar origem remota igual ou diversa para as duas famílias. Sendo assim, optamos por registrar as duas formas.
Caso diferente nos parece ser o de Venturi e Venturini, sobre os quais um outro leitor alegou serem descendentes de um único personagem. Mioranza dá a mesma origem para os dois sobrenomes: Ventura, redução popular e coloquial de Bonaventura, significando pessoa de sorte.
Descobrimos que Carlo Venturi, o genearca do grupo radicado em Santa Isabel (hoje Abaíba) na década de 1890, procedia de Verona. Já o Carlo Venturini vivia na divisa de Piacatuba com Itamarati na mesma época e procedia de Ravenna, na Emilia-Romagna.
Consultamos pesquisadores italianos e fomos informados de que Carlo Venturini era descendente de Francesco Venturini, nascido em Parma, Emilia-Romagna, em 1744, e que esta família ali existia desde dois séculos antes. Através de outro colaborador italiano, soubemos que Carlo Venturi pertence à família de Domenico Venturi, radicada desde 1723 em Catanzaro, na Calabria. Evidentemente não podemos eliminar a hipótese de migração interna de membros desta família. Na falta de comprovação, mantivemos as duas formas.

Em busca dos Togni

Domingos Togni, do sul de Minas, pergunta por familiares que permanecem em Leopoldina. Diz que seu avô falava no primo Pedro e pede aos descendentes para entrarem em contato. Se você, leitor, é desta família, por favor, deixe um comentário aqui no blog e repassarei para o Domingos.