Conceição da Boa Vista, Recreio, MG

Atendendo ao pedido de um visitante do blog, interrompemos os comentários sobre os antigos moradores do território onde foi fundada a cidade de Recreio para ajudá-lo a localizar a região que estamos mencionando. Começamos pela imagem atual da área urbana de Conceição da Boa Vista, obtida com o Google Earth.

Por volta de 1830 a região foi ocupada por famílias provenientes, em sua maioria, da Serra da Ibitipoca. A Lei nº 533, de 10 de Outubro de 1851, em seu artigo primeiro determinou:
Art. 1º Ficão elevados da Districtos de Paz: […] Art. 6º O novo Districto de Nossa Senhora da Conceição da Boa Vista do Município do Mar de Hespanha divide com o do Feijão Crú defronte da barra do Ribeirão de S. João no Rio Pomba, seguindo pelo espigão acima entre as fazendas de Manoel de Novaes, e da Bocaina, a ganhar a serra, seguindo por esta até a diviza do Alferes João Baptista com Manoel Ferreira no Cemiterio, e d’ahi a encontrar o rumo da sesmaria dos Mendes, que dividem com o mesmo Manoel Ferreira; e seguindo pelo mesmo atravessando a serra, a encontrar com o rumo da sesmaria de Joaquim Cezario, que divide com os Valins; e no fim do referido rumo em direcção às fazendas da Soledade, e Santa Ursula, ficando estas pertencendo ao Districto do Feijão Crú; e com o Districto da Madre de Deos, fica dividido pela serra da Pedra Branca até embocar no Parahyba, e por este abaixo até a Barra da Parapetinga Grande, ficando as mais divizas taes quaes actualmente se achão estabelecidas.
Já a Lei nº 1902, de 19 de Julho de 1872, declarou
Que eleva à cathegoria de Parochia o curato de N. S. da Conceição da Bôa Vista do municipio da Leopoldina. […] Art. unico. Fica elevado à cathegoria de parochia o curato de N. S. da Conceição da Bôa Vista do municipio da Leopoldina, e conservará as mesmas divisas; revogadas as disposições em contrario.
Posteriormente, com a dificuldade de levar a Estrada de Ferro Leopoldina até o distrito, por conta de problemas com proprietários de terras localizadas entre a estação de Abaíba e o distrito de Conceição da Boa Vista, o traçado foi revisto e criou-se a Estação do Recreio, conforme já explicado neste blog.
O decreto nº 123, de 27 de junho de 1890, criou o distrito de Recreio, que foi elevado a município e cidade pelo Decreto-Lei nº 148 de 17 de dezembro de 1938. A partir desta data, Conceição da Boa Vista deixou de ser subordinada administrativamente a Leopoldina, passando a fazer parte do novo município.
A seguir pode-se observar cartografia publicada na Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, nos anos de 1950, contendo o traçado da ferrovia.

 

Empregados da Estrada de Ferro

Como não podia deixar de ser, entre os ocupantes dos terrenos próximos à Estação do Recreio encontravam-se alguns empregados da empresa concessionária. Entre eles, CANDIDO NEVES foi o primeiro a assinar a escritura de aforamento de 191 metros quadrados. Era o dia 8 de abril de 1885, mesma data em que outras escrituras de aforamento estavam sendo registradas pelo escrivão do Cartório de Notas de Conceição da Boa Vista.O terreno ocupado por Candido Neves, com autorização dos proprietários-outorgantes, tinha “19 metros e um decimetro de frente” e nele existia uma casa assoalhada e coberta de telhas, com duas portas e uma janela para os fundos, confrontando pela direita e esquerda com outras casas dos outorgantes, e na frente com uma pequena rua junto da Estação da Estrada de Ferro da Leopoldina. Nos fundos da casa ocupada por Candido Neves passavam os trilhos da linha férrea Alto Muriahé.

A estrada de ferro Alto-Muriaé

Outro fator a acelerar a urbanização do então Arraial Novo foi a estrada de Ferro Alto-Muriaé. Segundo o relatório da Presidência da Província de Minas Gerais, de 4 de maio de 1881 o presidente da Companhia Estrada de Ferro Alto Muriaé, Dr. Custódio José da Costa Cruz, informou que no dia 5 de janeiro daquele ano a Companhia foi instalada, com o fim de executar o contrato assinado com a Província em 11 de agosto de 1879. Trata-se do contrato para construção de uma linha férrea entre a Estação do Recreio e o povoado de São Francisco do Glória.

Observa-se que decorreram dois anos entre a assinatura do contrato de concessão e a organização da companhia construtora. A partir de então, e segundo o mesmo documento, entre janeiro e abril de 1881 foram “explorados e estudados 6 (seis) quilômetros da nova estrada, entre a Estação do Recreio e o Capivara”. Parece claro que construção da estrada só teria sido iniciada posteriormente, já que no relatório seguinte, de 12 de dezembro de 1881, o presidente da Província informa que aprovou os estudos sobre os primeiros 29 quilômetros da ferrovia Alto-Muriaé.

Confirmando tais informações, o relatório da Presidência da Província, de 1 de agosto de 1882, informa que naquele ano foram iniciados os trabalhos de construção dos 29 quilômetros da estrada, a partir da Estação do Recreio. Acrescente-se que somente em 1885, por ocasião da urbanização das terras da Fazenda Laranjeiras no Arraial Novo, surgem referências sobre esta ferrovia nos livros cartoriais de Conceição da Boa Vista.

Escola em Conceição da Boa Vista

Com o título Professores, a postagem do dia 8 de abril de 2007 informava que Antonio Maximiano Oliveira Leite era professor no distrito de Conceição da Boa Vista em 1875 e que em janeiro de 1885 foi nomeado um outro professor para o distrito: João Batista Nunes Júnior.
A análise sobre a educação tinha sido iniciada no dia anterior, quando informamos que a contagem populacional de 1872 indicava que 47% dos moradores livres eram alfabetizados. Mencionamos, também, que a partir de 1906 as então salas de Aulas Públicas foram reunidas em Grupo Escolar.
Ainda não se sabe a localização das Aulas Públicas que funcionaram em Conceição da Boa Vista. Tampouco temos o endereço completo do primeiro Grupo Escolar, cuja fotografia ao acima foi obtida junto ao Arquivo Público Mineiro.

Imigrantes em Recreio

Temos recebido muitas consultas sobre imigrantes que viveram em Recreio, provavelmente em função do projeto que desenvolvemos para recuperar a história da imigração em Leopoldina.
Na época da Grande Imigração, ou seja, entre 1880 e 1900, o território do atual município de Recreio estava subordinado a Leopoldina. Para recordar: o mais antigo distrito, anterior mesmo a Recreio, é Conceição da Boa Vista, criado em 1851. Em 1854, com a autonomia administrativa do antigo Feijão Cru com o nome de Leopoldina, Conceição da Boa Vista passou a subordinar-se a este município. A instalação do distrito de Recreio em 1890 não modificou o vínculo de Conceição da Boa Vista, o que só veio a acontecer em 1938, com a elevação de Recreio a município.
Como estamos falando de período anterior a 1930, quando foram modificadas as normas para registro civil em atraso, pesquisas sobre os imigrantes devem ser realizadas prioritariamente nos livros paroquiais. Por esta razão é importante lembrar que a Capela Menino Deus, atual Matriz de Recreio, foi criada como filial da então Freguesia de Conceição da Boa Vista. O mesmo ocorreu com a criação da capela no antigo distrito de São Joaquim, hoje Angaturama. Ou seja: os registros paroquiais eram realizados nos livros da então Matriz de Conceição da Boa Vista, que atualmente se encontram na secretaria paroquial da Matriz do Menino Deus, em Recreio.
Para os leitores que quiserem pesquisar sobre seus antepassados imigrantes, indicamos os livros paroquiais de Conceição da Boa Vista, hoje sob a guarda da Matriz do Menino Deus, em Recreio.
Já para os registros civis, lembramos que todos os distritos de Leopoldina criados antes de 1889 contavam com Cartório de Notas. Em fevereiro de 1889 foram instalados os Cartórios de Registro Civil, muitos deles simplesmente sucedendo os de Notas. Os documentos anteriores à instalação deveriam ter sido transferidos, naquela data, para o Arquivo da Câmara Municipal de Leopoldina. Entretanto, sabemos que em alguns casos não foi o que aconteceu. Donde será necessária uma busca mais detalhada, consultando as próprias unidades de Registro Civil.
Lembramos ainda que, de modo geral, os imigrantes buscavam a regularização de nascimentos e casamentos junto à Igreja e poucos fizeram o registro civil. Em nossas pesquisas, não foram raros os casos em que encontramos registro de nascimento incompatível com o batismo, bem como casamento civil diferente do religioso. Dois exemplos clássicos: data de batismo anterior à data de nascimento no registro civil; data de casamento civil posterior em muitos anos à do casamento religioso.

Conceição da Boa Vista: 160 anos

Neste mês de outubro foram completados os 160 anos do distrito de Conceição da Boa Vista. Elevado a Distrito de Paz pela Lei nº 533 de 10 de outubro de 1851, ficou então pertencendo a Mar de Espanha que havia tido sua emancipação administrativa no mês anterior.
Naquele momento a divisão de seu território com o então Distrito do Feijão Cru iniciava-se na barra do Ribeirão São João no Rio Pomba, seguia pela fazenda de Manoel de Novaes, em seguida a Fazenda Bocaina e ganhando a serra, ia até a divisa da propriedade de João Batista com Manoel Ferreira Brito. Deste ponto, onde havia um cemitério, o limite entre os dois distritos seguia em direção à fazenda de Joaquim Cesário de Almeida, na divisa com os Valins, e daí buscava as fazendas Soledade e Santa Úrsula, que continuaram pertencendo ao Feijão Cru.
Com o Distrito de Madre de Deus do Angu, hoje Angustura, dividia pela Serra da Pedra Bonita até encontrar o Rio Paraíba do Sul e por este descia até a barra do Rio Pirapetinga no mesmo Paraíba do Sul. Subindo o Rio Pirapetinga até o Ribeirão Bonito ou do Garcia, por onde seguia até sua barra no Rio Pomba, seguindo por este até encontrar o ponto inicial da divisa, na citada barra do Ribeirão São João.
A extensão do território de Conceição da Boa Vista já foi demonstrada aqui neste blog, através da imagem abaixo.
Conceição da Boa Vista ficou subordinada a Mar de Espanha até 27 de abril de 1854 quando, com a emancipação administrativa do Feijão Cru com o nome de Vila Leopoldina, passou a fazer parte do território da nova unidade da província mineira, conforme a Lei nº 666.
Em  3 de junho de 1857 a Lei nº 810 alterou as divisas entre o Curato de Conceição da Boa Vista e a sede da Freguesia – Leopoldina, estabelecendo como limite o Ribeirão Pirapetinga, sendo que as citadas fazendas de Quirino Ribeiro de Avelar Rezende e de Manoel José Monteiro de Castro ficaram em território de Conceição da Boa Vista.
O próximo normativo legal sobre o distrito é a Lei nº 1902, de 10 de julho de 1972, quando foi elevado a Paróquia o Curato de Nossa Senhora da Conceição da Boa Vista.
Festejar o aniversário de Conceição da Boa Vista é lembrar que dali foram desmembrados territórios para formação de outros distritos, inclusive o de Recreio, que mais tarde passou a ser a sede administrativa do município criado em 1938.

Primeiro Livro de Atas das Assembleias Eleitorais de Leopoldina: 1859

Códice 93 – Eleitores presentes à Assembléia de 06.11.1859, do 18º distrito Eleitoral da Província de Minas Gerais, realizada na sede do distrito, a cidade de Leopoldina, Minas Gerais.

Compunham o colégio eleitoral os cidadãos com renda superior a 200$000 anuais, moradores das seguintes localidades: Vilas Leopoldina e Mar de Espanha; Freguesias da Meia Pataca, Conceição da Boa Vista, São José do Paraíba, Santo Antonio do Aventureiro, Rio Novo e São Paulo do Muriaé; Distritos: Espírito Santo, Bom Jesus do Rio Pardo, Madre de Deus do Angu, Nossa Senhora da Piedade, Capivara e Laranjal.

Folha 26 verso

Primeiro Livro de Assembleias Eleitorais de Leopoldina

  • Antonio José Monteiro de Barros
  • Padre Francisco Julio dos Santos
  • José Vieira de Resende Silva
  • Joaquim Antonio de Almeida Gama
  • Lucas Augusto Monteiro de Barros
  • José Antonio Penna
  • Bento José de Freitas
  • Joaquim José da Costa Cruz

Folha 27

Primeiro Livro de Assembleias Eleitorais de Leopoldina

  • João Gualberto Ferreira Brito
  • Anacleto da Costa Cordeiro
  • José Carlos da Fonseca e Silva
  • Severino Ribeiro de Rezende
  • José Carvalho da Costa
  • Jacinto Pereira da Silva
  • Custódio Dias Moreira
  • Antonio José Bastos Pinto
  • Gervasio Antonio da Silva
  • Pedro Rodrigues Xavier da Silva Chaves
  • Francisco Barbosa Valente
  • Candido José de Barros
  • João Vieira da Silva
  • Hipolito Pereira da Silva
  • Joaquim Antonio dos Santos
  • José Garcia de Mattos
  • Francisco de Cerqueira Carvalho
  • Joaquim José da Silva Ribeiro
  • José Antonio Ribeiro Duana
  • José Antonio de Mattos
  • Pedro Marçal da Costa
  • Antonio Teixeira Alves
  • João Rabello Teixeira
  • Miguel Rodrigues Pereira
  • Manoel Coelho Guimarães
  • José Joaquim de Resende
  • Romualdo C.M.de Miranda Ribeiro
  • Fortunato José Pereira de Souza
  • Antonio Bernardes Rocha
  • Antonio Luis de Moraes
  • Domingos Custodio Neto

Folha 27 verso

Primeiro Livro de Assembleias Eleitorais de Leopoldina

  • Antonio José de Menezes
  • José Bernardes Rocha
  • Emidio José de Barros
  • Manoel Jacinto Nogueira da Gama
  • Antonio Prudente de Almeida
  • Valeriano Coelho dos Santos Monteiro
  • Joaquim Vieira da Silva Pinto
  • Manoel Pereira da Silva Torres
  • Pedro Moreira de Souza
  • Domiciano Mateus Monteiro de Castro
  • Luiz Lobo Leite Pereira
  • Francisco Joaquim de Resende