148 – Imigrantes Italianos em Leopoldina – Trabalho, religião e lazer

Em artigos anteriores do Trem de História já ficou dito que os imigrantes italianos eram afeitos e dedicados ao trabalho. E as entrevistas realizadas com muitos deles permitiram observar, inclusive, uma boa divisão de tarefas, comum na maioria dos lotes.

Eram reservados aos homens principalmente os trabalhos mais pesados e os mais distantes da casa, tais como: a derrubada de árvores para o aproveitamento da madeira, o destocar as áreas a serem cultivadas e o preparo dos brejos e alagados para o plantio do arroz. Aos homens também estavam reservados os trabalhos de confecção de móveis e utensílios e a construção de casas, fazendo surgir no município a oferta de excelentes profissionais marceneiros, carpinteiros, “carapinas”, serradores (hábeis no manejo do golpeão, ou “gurpião”), pedreiros e mestres de obras.

Um dos entrevistados informou que seu avô era um bom artesão em latoaria, fazendo tachas e demais utensílios de uso cotidiano.

Mas se cabia aos homens todas essas tarefas, às mulheres competiam os muitos afazeres da casa e do terreiro, além de cuidar dos filhos. Bordavam pouco, costuravam o necessário para atender a toda a família e cozinhavam muito e, via de regra, bem. Além da cozinha e do cuidado com a casa, eram ainda responsáveis pela horta, jardim, galinheiro, chiqueiro, limpeza do terreiro (em geral com enormes vassouras de ramos ou de galhadas de bambu) e pelo ‘retiro’, ou seja, pela ordenha das vacas. Isto sem falar nos muitos casos de mulheres que dividiam, em igualdade de condições com os seus maridos e filhos, todas as tarefas que surgiam na propriedade.

Cumpridas as rotinas de trabalho e muitas vezes até mesmo durante estas, os imigrantes italianos demonstravam sua religiosidade. Confirmavam que muitos deles trouxeram da Itália uma forte influência religiosa cristã.

E na Colônia Agrícola da Constança este fato materializou-se de forma muito clara quando, dois anos após a criação da Colônia, um grupo de oriundi se organizou para a aquisição do terreno para construção de uma Capela em honra de Santo Antônio de Pádua ou, Padova. Que três anos mais tarde, em 1915, estava concluída, principalmente pelas mãos desses imigrantes, aquela que ainda hoje é mais conhecida pelo carinhoso apelido de “Igrejinha da Onça”.

E além da religiosidade propriamente dita, comum também em outros núcleos de imigrantes italianos formados em fazendas dos distritos de Piacatuba, Providência, Tebas e Ribeiro Junqueira, onde se reuniam frequentemente nas igrejas ou capelas próximas, esta Capela de Santo Antônio, em especial, muito representou na vida dos imigrantes que se instalaram na Colônia Agrícola da Constança e redondezas. Principalmente porque era em torno dela que se realizavam quase todas as festividades das quais participavam esses imigrantes. Era ali que eles se divertiam nas festas religiosas e nos encontros com parentes, vizinhos e conterrâneos. Era ali que participavam da festa do padroeiro, “a Festa de Santo Antônio” também conhecida como a “Festa da Onça” e de eventuais casamentos e batizados.

Aqui vale um comentário sobre um tema que vez por outra ressurge.

Frequentemente encontram-se referências a valores que os imigrantes remetiam para a Itália. E existem diferentes publicações que mencionam os diversos motivos por trás dessas remessas que os imigrantes faziam: desde o pagamento de um empréstimo obtido com a própria família, passando pela promessa que fizeram de continuar ajudando-os, até as doações para a paróquia na qual nasceram.

Em Leopoldina podem ser citados, a título de exemplo, dois casos de colonos da Fazenda Paraíso, que fizeram uma pequena remessa[1] para a Itália alguns meses antes do destinatário vir para o Brasil, o que leva a crer ter sido uma ajuda para a viagem.

Mas outras hipóteses de motivação para estas transferências podem ter existido. Provavelmente a “tenacidade com que os emigrados permanecem ligados às tradições italianas”, citada por Ianni[2] em Relatório de um parlamentar em 1911, tenha sido praticada aqui através das festas religiosas. E é possível, por exemplo, que a devoção dos emigrados tenha se transferido para o padroeiro local, como parece indicar a compra do terreno e a construção da Igreja de Santo Antonio de Pádua, do bairro da Onça.

Passados os compromissos com o trabalho e a religião surgia, então, o tempo para o lazer. E o pouco lazer que tinham, além dos encontros familiares e dos festejos religiosos, se limitava aos jogos de malha, esporte no qual até a bem pouco tempo Leopoldina se destacou; o futebol, praticado nos terreiros e nas várzeas onde se demarcavam campos; e, às chamadas mesas de carteados, montadas nas “vendas” ou, na casa de amigos.

Alguns apreciavam as caçadas ao tatu e à paca, geralmente realizadas nas noites de lua cheia, assim como a apreensão de passarinhos como o canário da terra, o coleiro, o pintassilgo, o melro e o curió, apreciados pela beleza da plumagem e pelo canto.

Quanto ao futebol, há notícias de equipes formadas em diversos núcleos que vez por outra disputavam torneios entre elas. Na Colônia Constança, durante muito tempo existiu o time de futebol denominado Boa Sorte Futebol Clube, que chegou a disputar campeonatos amadores na cidade. Durante muitos anos o Boa Sorte foi mantido e comandado por João Bonin. E ainda hoje seus herdeiros, muitos dos quais ex-jogadores do time, ainda preservam os troféus e objetos do Clube.

O Trem de História precisa fazer mais uma pausa. Até a próxima edição!

Em virtude da pandemia de coronavírus, foram suspensos os preparativos para o ENCONTRO DE DESCENDENTES DOS IMIGRANTES DE LEOPOLDINA que seria realizado no próximo dia 17 de maio de 2020. Nova data será oportunamente informada.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 401 no jornal Leopoldinense de 1 de abril de 2020


Fontes Consultadas:

[1] Comprovantes do Banco Comercial do Porto incluídos na Coleção Kenneth Light, disponível no Arquivo Histórico do Museu Imperial, Petrópolis, RJ. Tombos 1920/97 e 1921/97.

[2] IANNI, Constantino. Homens Sem Paz. São Paulo: Civilização Brasileira, 1972. p. 127.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s