177 – Centenário da Semana de Arte Moderna e o leopoldinense que fez parte do Movimento

O Trem de História realiza sua 177ª viagem sob a orientação de um historiador mineiro que abordou as relações entre História e Literatura, como se pode verificar em obra publicada postumamente[1]. Ao tratar do Modernismo, Francisco Iglésias declarou que o movimento de 1922 deu início à busca da “superação da consciência ingênua pela consciência crítica” e despertou o desejo de renovação, deixando para trás as fórmulas gastas[2]. Segundo Iglésias, a insatisfação com o comportamento dominante e com práticas retrógradas abriu caminho para um novo pensar. O historiógrafo destaca também que a História se abriu para a[3] “mentalidade polêmica e criadora daquela geração que tinha muito o que dizer”.

Quando se comemora o centenário da Semana de Arte Moderna, realizada no Theatro Municipal de São Paulo entre os dias 11 e 18 de fevereiro de 1922, o Trem de História resgata algumas informações sobre o Movimento Modernista no Brasil e, dentro dele, um pouco da história do leopoldinense Francisco Martins de Almeida ou, Martins de Almeida, ativo participante do grupo de Belo Horizonte.

E começa lembrando Aline Maria Jeronymo[4], para quem

a necessidade de renovação e de formação de um grupo literário-artísticocultural não era, evidentemente, uma característica exclusiva dos intelectuais de São Paulo. Em Belo Horizonte, muitos jovens do interior, vindos de famílias de classe média, realizavam os cursos superiores na capital em crescimento. Foi, desse modo, por meio de estudantes de direito, medicina ou farmácia, que uma agitação intelectual surgiu em meados da década de 1920, em Belo Horizonte, dando início ao grupo modernista mineiro. Nesse primeiro momento, destacavam-se, entre outros, Carlos Drummond de Andrade, Emílio Moura, Pedro Nava, Martins de Almeida[5], Abgar Renault, Mílton Campos, Gustavo Capanema e João Alphonsus.

Na verdade, em Minas Gerais o movimento modernista teve seu maior destaque em Belo Horizonte, com os artistas e literatos que formavam o grupo da “Estrela” ou de “A Revista”. Mas não se pode desconhecer, também, a contribuição da turma de Cataguases, criadores do grupo “Verde”. Nem tampouco se pode deixar de ressaltar que o Movimento marcou outras atividades intelectuais para além da literatura. Ao valorizar as raízes nacionais e a liberdade de escrita fora dos padrões herméticos até então exigidos, influenciou a Pedagogia, a Antropologia, a Sociologia e a História. Não é outro o estímulo para o desenvolvimento de um olhar para dentro, no caso da História, iniciando o processo de reconhecimento dos valores locais.

Ressalte-se que os participantes buscavam encontrar uma expressão artística nacional e valorizar uma literatura calcada em linguagem simples e cotidiana.

De certa forma, o Trem de História é herdeiro do que preconizaram as principais figuras da Semana de 1922, ao buscar no fundo do baú do tempo as informações, as práticas e os personagens que fizeram a História de Leopoldina.

Luciana Francisco[6] afirma que

Se os jovens mineiros já possuíam, como demonstrado, coesão e proximidade, graças à camaradagem em torno das mesas da Confeitaria Estrela e da redação do Diário de Minas, o contato com a caravana paulista ampliou a troca de experiências e apropriação de novas ideias ao modernismo em Belo Horizonte e, paralelamente, o incentivo para que se lançassem à cena nacional com a publicação de A Revista.

É ainda de Luciana a informação,de que “A ideia de criar uma revista modernista em Belo Horizonte foi logo informada a Mário de Andrade juntamente com o pedido contido de colaboração ao final da missiva”. E transcreve Lélia Coelho Frota[7],

“O Francisco de Almeida, mais dois amigos e mais eu, está fazendo uma revista cujo número deve sair em junho. Aqui em Belo Horizonte isso de revista não pega. Em todo caso, vamos fazer ainda uma experiência. É claro que contamos com você, se bem que eu seja o primeiro a não querer sacrificar algum trabalho seu, de fôlego, e que por isso mesmo deve aparecer numa revista de circulação realmente grande, peço que nos mande ao menos duas linhas de prosa ou verso, como entender. Perdoe o papel, a tinta, o estilo, o pedido e a amolação do seu Carlos”[8].

O assunto não termina aqui, mas há a necessidade de uma pausa para reunir outros dados sobre o leopoldinense que dele fez parte. Aguardem!

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 429 no jornal Leopoldinense, fevereiro de 2022

Fontes consultadas:


[1] IGLÉSIAS, Francisco. História e Literatura. São Paulo: Perspectiva, 2010. p.237 
[2] Idem, p. 247 
[3] Idem, p.258 
[4] JERONYMO, Aline Maria. Minas e o Modernismo: a origem de uma poética moderna. Revista Travessia, Universidade Federal de Sergipe, v.5, n.10, 40-51, p.42 
[5] Francisco Martins de Almeida. 
[6] FRANCISCO, Luciana. Modernismos em Revistas: as pluralidades do modernismo mineiro com os periódicos A Revista (Belo Horizonte, 1925-1926) e Verde (Cataguases, 1927-1928;1929). In: 30º Simpósio Nacional de História, 2019, Recife. 
[7] Idem 
[8] Carlos Drummond de Andrade