Capítulos da história de Leopoldina

TREM DE HISTÓRIA
Imprensa em Leopoldina Coluna do jornal Leopoldinense, por Luja Machado e Nilza Cantoni. Expedicionários Leopoldinenses

 

Imigrantes Italianos Personagens Leopoldinenses
ESTUDOS CONSOLIDADOS
Assentos paroquiais de matrimônios de Leopoldina. Família Ferreira Brito: um estudo. Gonçalves Neto: uma das famílias pioneiras de Leopoldina.
Família Dietz: Trajetória e Genealogia.
LIVROS PUBLICADOS
Os Almeidas, os Britos e os Netos em Leopoldina – 1ª edição eletrônica. Os Almeidas, os Britos e os Netos em Leopoldina – 2ª edição eletrônica. Nossas Ruas, Nossa Gente.
Cacos de História e Memória. Imigração em Leopoldina: História da Colônia Agrícola da Constança.
Catedral de São Sebastião  

MEMÓRIA LEOPOLDINA

Igreja e Largo do Rosário

 

Cemitério Nossa Senhora do Carmo Grupo Escolar Ribeiro Junqueira
Loja Raphael Domingues Praça General Osório e Banco Ribeiro Junqueira
O olhar do visitante O Teatro em Leopoldina
Belezas naturais de Leopoldina: Alto de Santa Úrsula
FAMÍLIA ALMEIDA RAMOS
Cap. 1 – Maria Antonia de Almeida c/c José Antonio Machado Esta é a 4ª edição do estudo “Descendentes de Antonio de Almeida Ramos”. Cap. 6 – Antonio de Almeida Ramos II e Manoel
Cap. 2 – Ana Teodora Almeida c/c Francisco Gonçalves Pereira Cap. 7 – José de Almeida Ramos c/c Rita Maria de Santo Inácio
Cap. 3 – Antonia Maria de Almeida c/c Inácio José do Bem Cap. 8 – Miguel de Almeida Ramos c/c Mariana Tereza de Jesus
Cap 4. – Francisco de Almeida Ramos c/c Micaela Maria do Espírito Santo Cap. 9 – Antonio de Almeida Ramos III c/1ªc Francisca Maria de Jesus e c/2ªc Iria Joaquina de Albuquerque
Cap. 5 – João de Almeida Ramos c/c Teresa Maria de Jesus Cap. 10 – Manoel Antonio de Almeida c/c Rita Esméria de Jesus

 

46 opiniões sobre “Capítulos da história de Leopoldina”

  1. Prezados(as),

    Parabéns pelo excelente trabalho.
    Ainda irei ver todo o conteúdo do seu site, muito rico em informações.
    Vi também uma reportagem no YouTube sobre a Colônia Constança.

    Solicito seu apoio para entrar em contato com a historiadora Rosalina Pinto Moreira, ou uma forma de adquirir seu livro.
    Ela é autora do livro Imigrantes…reverência : italianos na Colônia “Santa Maria” – Astolfo Dutra, Minas Gerais
    Minha família viveu nesta Colônia: meu bisavô Onório Parisi, sua esposa Maria Scalfi e seus filhos, dentre eles meu avô, Tullio Parisi
    Gostaria de adquirir um volume de seu livro, caso possível.
    Poderiam me ajudar?

    Joel Parizi
    (63) 992170609
    Vivo atualmente em Palmas, Tocantins

    Gostar

  2. Muito Obrigado pelo Retorno! Tento também encontrar os meus antepassados: Deocleciano Antonio da Silva de Toledo (Nascido em 17/05/1863) e Eulalia Maria de Toledo (Nascida em 29/07/1876). Desculpe o transtorno… Moro no Rio de Janeiro e não tem a possibilidade de ir na cidade de Guarani para pesquisar os documentos. Obrigado!

    Gostar

    1. Os nomes mencionados não constam de nosso banco de dados, Anderson. Como vc tem a data de nascimento deles, revise a fonte das datas para saber onde viveram. E entre em contato com as localidades por telefone. Algumas atendem pedidos de busca à distância.

      Gostar

      1. A minha fonte é a certidão de casamento da minha bisavó. Não faço ideia para onde recorrer… Mas enfim, muito obrigado pela resposta!

        Gostar

  3. Boa noite! Parabéns pelo conteúdo exposto! Excelente qualidade. Pesquisando sobre os meus antepassados achei este site. Na pesquisa de Giovanni Cantoni e Maria Alpi, no estudo de genealogia deles, no ponto “8” que trata do João Cantoni, aparece os meus antepassados: Rodolfo Braz Ribeiro e Felisbina Guilhermina.
    Você possui mais informações deles? Sabe como posso conseguir?
    Muito obrigado!
    Anderson

    Gostar

    1. Agradecemos pelas gentis palavras, Anderson. Quanto ao casal Felisbina-Rodolfo Braz Ribeiro, não tivemos sucesso nos pedidos de buscas ao arquivo paroquial de Guarani onde teria nascido a filha Jandira. Seria necessário ir pessoalmente até lá, bem como a Piraúba, para mapear a família.

      Gostar

  4. Boa tarde Nilza, tempos atrás trocamos algumas informações e agora quando retornei as buscas pelo meu bisavô, percebi que mudaram o site. Eu busco informações de registro do meu bisavô Giovanni Primo Campana, pai de meu avô Angelo Campana. Descobri recentemente que ele veio com sua esposa Pasqua Angela Macchina e seu filho Giuseppe Campana no vapor Bormida, encontrei no Arquivo Público Mineiro.
    Eu precisava encontrar certidão de óbito ou de nascimento dele, onde conste os nomes dos pais. Teria alguma sugestão?

    Gostar

    1. Olá Fernanda: não localizei sua msg antiga. O site mudou apenas de aparência. O conteúdo continua o mesmo, com acréscimos que surgem das novas buscas. Excluí as antigas listas de passageiros, onde constava a chegada do seu antepassado, quando foram publicadas pelos sites das instituições detentoras.
      De todo modo, se vc fez contato depois de 1999, a origem do Campana já estava no site, na postagem de 1 de junho daquele ano. Veja: https://cantoni.pro.br/1999/06/01/italianos-em-leopoldina-2/
      Mais tarde, em 14 de julho de 2009, postei novamente a informação. Veja: https://cantoni.pro.br/2009/07/14/campana-e-campagna-sao-familias-distintas/
      E no livro publicado em abril de 2010 descrevemos a trajetória dos imigrantes que está agora sendo revisada para nova edição.
      Os ancestrais de Giovanni Primo Campana ainda permanecem pendentes.

      Gostar

  5. Sra Nilza,

    Existe algum registro de José Gregório, nascido entre 1915 e 1920, falecido em 1976 filho de Antonio Gregório, segundo consta que passaram pela região de Piacatuba? José Gregorio foi casado com Luzia de Oliveira nascida entre 1920 e 1925, falecida em 1947. Antônio Gregorio teve como esposa Maria Sebastiana de Jesus ( ambos com data de nascimento desconhecida bem como origem e nacionalidade). O descendente deles é José Gregório de Oliveira nascido em 10/10/1947 em Piacatuba. Obrigado.

    Gostar

  6. Sra Nilza, primeiramente venho trazer meus elogios ao seu brilhante trabalho que muito contribui para a memória e valorização das origens e de todo o processo de imigração em nossa região.

    Estou a fazer uma busca dos antepassados de minha esposa e deparei-me com o bisavô dela de nome Laudelino Antônio Valverde, nascido em 1891 e falecido em 17.01.1925 em Piacatuba. Consta que seria filho de Francisco Antônio Valverde e Maria Purcina Valverde. Indagando a poucos parentes ainda vivos foi obtida informação de que foi de Tebas para Piacatuba, onde faleceu. Em pesquisa realizada tanto em Leopoldina quanto em Piacatuba, não constam os dados de naturalidade dele ou mesmo data de nascimento ( não existem certidão de nascimento ou óbito, somente registro no livro do Cemitério de Piacatuba). Há algum indício desse Valverde em específico em seu trabalho?

    Ficaria muito grato se pudesse me ajudar a elucidar essa lacuna.

    Gostar

    1. Obrigada pelo apoio, Carlos Alberto.
      Talvez Laudelino não tenha sido registrado na época em que nasceu. Era comum que os pais cuidassem apenas do batismo. Muitos se registraram bem mais tarde, como parte das exigências para a realização do casamento civil.
      Procurei pelos nomes dos pais dele e não encontrei casamento religioso nem batismo de filhos. Talvez tenham se casado antes de migrarem para Leopoldina.
      O sobrenome Valverde não está entre os imigrantes identificados no projeto Imigração em Leopoldina.
      Segundo um pesquisador que entrou em contato em 2009, os Valverde estariam radicados no Termo do Pomba desde meados do século XVIII e de lá migraram para a zona da mata sul. No município de Leopoldina teriam chegado na década de 1870 e viveram nas proximidades da estrada que liga Piacatuba a Tebas, região hoje conhecida como “Valverdes”. Antes da criação do distrito de Tebas, o território marcava a divisa entre o distrito de Bom Jesus do Rio Pardo, hoje município de Argirita, e o distrito da Piedade, hoje Piacatuba.

      Gostar

      1. Boa tarde! Cara Sra Nilza, creia que merece toda a minha consideração, por sua gentileza em nos atender e também pelo trabalho que ajuda, e muito, aqueles que procuram suas origens.

        Realmente quanto aos Valverde na região permanece a lacuna.. Conversei com uma Advogada da Família em Leopoldina, a qual informou que, no caso dela, a família fixou-se em Ribeiro Junqueira, sendo o Valverde de origem espanhola. Contudo, não soube dar-me informações quanto a Laudelino ou seu pai Francisco, os quais sigo procurando nos registros da região.

        Outros antepassados de minha esposa, seus trisavôs, seria Vital Cassiano do Carmo e Maria Paulina de Jesus. V. Sa teria alguma informação quanto às origens dos Carmo na região de Piacatuba?

        A Senhora teria algum contato de Pesquisadores que estivessem fazendo algum trabalho de levantamento na região de Ubá – Dores do Turvo – Bras Pires com relação aos imigrantes Italianos. Descobri que meu trisavó, Vicenzo Guerra, nascido em Foggia, faleceu em Dores. Contudo meu outro trisavó José Afonso Severino, casado com Maria Trindade de Paula seria egressos da antiga Rosário da Aliança, atual Braz Pires. Ainda não descobrir registros por lá e preciso contatar pessoas na região para continuar minhas buscas.

        Certo de ser novamente merecedor de sua valiosa atenção, mais uma vez agradeço.

        Atenciosamente,

        Carlos Alberto de Almeida Oliveira
        Leopoldina – MG
        (32) 98857-3940
        email carlos.oficial@yahoo.com.br

        Gostar

      2. De Ubá não tenho referências, Carlos Alberto. Quanto ao Vital Cassiano do Carmo, suspeito que pertença ao grande grupo de Oliveiras. No então distrito da Piedade foram encontrados, no século XIX, 103 usuários do mesmo nome de devoção. Descendiam de José do Carmo de Oliveira, de José Antonio Jacinto de Oliveira e de Vital Antonio de Mendonça. Minha hipótese é que ele seria filho de Cassiano José do Carmo e neto paterno de Vital Antonio de Mendonça. Seria necessário encontrar o casamento para descobrir a filiação.

        Gostar

      3. Ilma Sra Nilza,

        Numa resposta anterior a Sra mencionou que “Segundo um pesquisador que entrou em contato em 2009, os Valverde estariam radicados no Termo do Pomba desde meados do século XVIII e de lá migraram para a zona da mata sul. No município de Leopoldina teriam chegado na década de 1870 e viveram nas proximidades da estrada que liga Piacatuba a Tebas, região hoje conhecida como “Valverdes”. Antes da criação do distrito de Tebas, o território marcava a divisa entre o distrito de Bom Jesus do Rio Pardo, hoje município de Argirita, e o distrito da Piedade, hoje Piacatuba.”

        Pergunto: Quais as localidades que abarcariam o Termo do Pomba?

        Os Valverdes, segundo suas pesquisas, seriam egressos de quais nacionalidades e em que épocas migraram para o Brasil? Chegaram a maioria em um porto somente?

        Haveriam também chegado para os lados de Cataguases?

        Obrigado.

        Gostar

      4. Carlos Alberto: segundo Sinval Santiago, em Município de Rio Pomba Síntese Histórica, considerando a divisão administrativa de Minas Gerais em 1991 eram 73 os municípios com origem no Pomba.O autor informa, ainda, que Rio Pomba é o mais antigo município da Zona da Mata de Minas Gerais.

        Gostar

  7. Olá Nilza. Tudo Bem?

    Vi em sua obra sobre imigrantes italianos na Fazenda Constança em Leopoldina o sobrenome Guerra.
    Poderia me falar os nomes dos imigrantes desta familia que lá estiveram?
    Estou procurando certidão de casamento de Luiz Guerra e Regina Zomar que vieram da Itália.
    São os pais de João Antonio Guerra casado com Amabile Callegari.
    Amabile e seus irmãos passaram por esta fazenda depois de 1891. Inicialmente chegaram no Brasil e foram para Laje do Muriaé.
    Tenho informações que seu irmão Angelo Callegari casou-se com Maria Bellan ,filha de Giovani Battista Napoleone Bellan e trabalharam nesta Fazenda Constança.

    Gostar

    1. Olá, Rafaelina. Vc se refere a período anterior à existência da Colônia Agrícola da Constança e as pessoas mencionadas não são referidas nas fontes existentes sobre aquela instituição. Temos informação apenas de que Napoleone Bellan saiu da hospedaria, com destino ao distrito de Ribeiro Junqueira, 15 anos antes da fundação da Colônia. Parece ter ficado pouco tempo por lá, só havendo um registro da passagem dele pelo município: o batismo do filho Marco Antonio em 1897. Depois disso, não temos referências sobre a família. Da mesma forma, não temos referência ao casal João Antonio Guerra e Amabile Cagliari.

      Gostar

    2. boa tarde rafaelina. sou eduardo raphael zanotti guerra. tambem procuro por tais informaçoes ,mas e dificil de obter informaçoes.Joao antonio guerra e amabile callegari eram meus bisavos. acho que o sobrenome zomar nao e italiano , talvez seria zambon pois na certidao do meu avo consta gambon.se quiser entrar em contato o meu email e eduardoraphael9@hotmail.com

      Gostar

  8. Também estou a procura de um ancestral chamado Domenico Rossi que se casou com Lodomira Leite Rossi e morava em argirita que na época era distrito de Leopoldina

    Gostar

  9. Boa tarde, Busco informações da Família Rossi que viveu em Leopoldina e distritos, Domenico Rossi se casou com Virginia Maria Pereira em sei Primeiro casamento, gerando o filho Astolfo Francisco Rossi. Preciso da certidão de casamento do Domenico e a certidão de nascimento ou batismo do Astolfo… Se puder me ajudar… Muito Obrigado.

    Gostar

    1. Olá, Alexandre. Conforme respondi ontem, trabalho preferencialmente com assentos paroquiais. Não tenho o primeiro casamento de Domenico nem o batismo do filho Asfolfo. Sugiro que vc consulte os cartórios dos distrito de Leopoldina. Talvez o pai não tenha se casado no civil e o filho pode ter sido registrado civilmente na época em que se casou.

      Gostar

  10. Oi Nilza, procuro registros sobre o meu bisavô José Francisco Lessa e sua esposa, Maria Guilhermina Lessa. Os últimos dados que encontrei foram em Santo Antônio do Aventureiro, que antes pertencia a Mar de Hespanha, mas que agora pertence a Leopldina. Se tiver algum registro de Lessa nessa área poderia me informar? Grata. Ah! em tempo. Belíssimo trabalho de pesquisa. Paula Lessa

    Gostar

    1. Olá Edla: obrigada pelo apoio.
      Antes de mais nada, um esclarecimento: Santo Antonio do Aventureiro não pertence a Leopoldina. Trata-se de município. O distrito foi criado em 1852 e em 1854 passou a compor o território então emancipado com o nome de Vila Leopoldina. Assim permaneceu até 1868 quando foi transferido para Mar de Espanha. Desconheço a existência de fontes documentais de Santo Antonio do Aventureiro nos repositórios de Leopoldina.
      O casal que você procura não consta do meu banco de dados. Que tipo de fonte vc encontrou sobre eles em SAV? De que época?

      Gostar

      1. Nilza boa tarde. Seu trabalho é único e maravilhoso. Não vi nada parecido em Dom Viçoso onde nasci nem aqui em Caçapava onde moro.
        Estou compondo a biografia da minha mãe que contava que meu bisavô Francisco Pereira Barbosa,casado com Adélia de Nogueira Noronha são os pais de Cícero nascido no Distrito de Thebas-Leopoldina, por volta de 1902. Provavelmente Adélia e Francisco tenham se casado aí em Leopoldina, mas não tenho certeza. Migraram para Dom Viçoso e ela foi professora de minha avó que casou-se com Cícero. Meu grande interesse é em Adélia, Não tenho nada sobre ela.
        Obrigada
        Maria Aparecida.

        Gostar

      2. Olá Maria Aparecida: agradecemos pelo apoio.
        Infelizmente não temos como ajudar. Foi encontrado apenas o batismo de Regina, nascida a 31 de dezembro de 1903, filha de Francisco Barbosa e Adelia Noronha do Nascimento. Os padrinhos de batismo foram Liberalino Barbosa Ferraz e Consuelo Vargas. Liberalino se casou em Leopoldina, em 1907, com Tereza Maria de Jesus Costa. Ele era filho de Francisco Ferraz e Francisca Isaura Barbosa. Seriam os pais do seu Francisco Pereira Barbosa?

        Gostar

  11. Boa Noite Nilza,
    Ficaria extremamente feliz de encontrar informações sobre minha família no documento que você publicou: Memória da Imigração em Cataguases – Centenário da Colonia AGricola Major Vieira. No entanto, o documento está sendo oferecido pelo Scrib mediante pagamento de assinatura. Teria como você me enviar este trabalho por e-mail?
    Muito obrigado!

    Gostar

  12. Prezada Nilza

    Sou norte-americano, casado com uma capixaba, Maria do Carmo Espíndula Rabelo. O bis-avô dela, Francisco Alves Rabelo (ou possivelmente Rabello), nasceu em Leopoldina em 1834, segundo duas fontes, e faleceu em Muniz Freire, ES, em 1901.

    Gostaria de encontrar e/ou contratar uma pessoa na localidade de Leopoldina que poderia pesquisar os origens de Francisco e sua esposa Custodia Angelica —- (sobrenome desconhecido), já que seria mais eficiente do que eu tentar pesquisar em Leopoldina. Não sei se os registros de baptismo e/ou casamento de Leopoldina existem, ou onde seriam disponíveis. No livro Velhos Troncos Mineiros, (Raymundo Trindade, 1955) a família Rabelo é mencionada, mas não permitiu a identificação de Francisco Alves Rabelo.

    Agradeço qualquer sugestão que poderia me dar.

    Don Coes

    Gostar

    1. Olá Donald Coes: em 1834 ainda não existia o distrito do Feijão Cru que em 1854 foi emancipado com o nome de Leopoldina. Portanto, se o bisavô de sua esposa nasceu no Feijão Cru, o batismo deve ser procurado em Rio Pomba que naquele momento era a freguesia do território. Em meu banco de dados, não tenho Francisco Alves Rabelo. Minha mais antiga referência ao sobrenome Rabelo, no município de Leopoldina, é de 1863. Trata-se do casamento de Antonio Silverio Rabelo com Ana Honoria da Conceição. Foi realizado no distrito de Piacatuba e no assento não constam os nomes dos pais.

      Gostar

  13. Olá, Nilza, estou procurando os antepassados do meu marido. O sobrenome dele é Sabino, mas fui informada que o patriarca da familia no Brasil que emigrou da Italia era Nicola Savino (com V), para Leopoldina. O nome de familia foi posteriormente adaptado para Sabino.
    Atenciosamente.
    Adriana Sabino

    Gostar

    1. Olá Adriana: de fato houve um Nicola Savino em Leopoldina. Mas houve, também, Nicolau Sabino. Não há parentesco entre eles. Seria necessário saber os nomes dos antepassados de seu marido até Nicola ou Nicolau para identificar a família à qual ele pertence.

      Gostar

  14. Olá! Estou buscando documentos de meus antepassados italianos. Eles chegaram no Vapor Alacrità (1897) e foram para a FAZENDO MACUCO (São Paulo Muriahé). Os nomes são:

    CANOVA CESARE
    CANOVA ERNESTA
    CANOVA GIUSEPPINA
    CANOVA ALFREDO
    CANOVA GAETANO
    CANOVA ETTORE
    CANOVA REMO
    ETC

    A principal é a Giuseppina. Teria alguma informação sobre ela?

    Gostar

  15. Bom dia,

    Estou buscando meus antepassados, e chegamos ao site de você. Também somos descendentes de Guido Princisvale. Se puder, me passe um email ou telefone para entrarmos em contato.

    Gostar

      1. Olá Nilza! Como vai? Estou procurando informações sobre o falecimento de Pasquale Bartoli, nascimento e falecimento do filho dele: João Bartoli. Poderia me ajudar?
        Desde já agradeço e parabenizo pelo excelente trabalho que vem fazendo.

        Gostar

      2. Olá Ana: o registro civil de João foi realizado no distrito de Abaíba no próprio mês de abril de 1896. Já o óbito de pai e filho parece ter ocorrido no distrito de Ribeiro Junqueira, onde eles viviam.

        Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s