Encontro de descendentes de imigrantes em Leopoldina

Desde 1998, quando Luja Machado e Nilza Cantoni começaram a publicar suas pesquisas sobre os descendentes de imigrantes que viveram na Boa Sorte e na Constança, observou-se um interesse crescente dos leopoldinenses a respeito do assunto. Em 2010, a comunidade organizou um grande evento para comemorar o Centenário da Colônia Agrícola da Constança. Em dois dias de festejos na sede social da Colônia, a capela carinhosamente conhecida como Igrejinha da Onça recebeu não só os descendentes que vivem em Leopoldina como pessoas vindas de municípios vizinhos, ligados ou não a imigrantes.

Dez anos depois, com a pesquisa em outro patamar e os interessados multiplicados, novas ideias surgiram na cidade no sentido de se valorizar o tema “imigração” dando a devida importância aos descendentes e preservando o pouco que ainda resta dos primeiros estrangeiros que chegaram ao município.

Assim surgiu a ideia de uma data para o calendário de eventos da cidade que não atropelasse outras comemorações já instituídas. Uma data para realizar o ENCONTRO DE DESCENDENTES DOS IMIGRANTES DE LEOPOLDINA.

Um momento para lembrar os antepassados de mais de quarenta por cento da população de Leopoldina.

E pensando nela foi proposto o dia 17 (dezessete) de MAIO.

MAIO, por ser um período de temperatura mais amena e agradável, oferecendo mais conforto para reuniões e atos religiosos ou ecumênicos; desfiles e apresentações dos alunos das escolas da cidade e dos distritos; caminhadas; cavalgadas; apresentações dos colecionadores de veículos antigos e dos bonitos carros de bois; partidas de futebol ou malha; comidas típicas e o bom vinho do cardápio italiano.

O dia DEZESSETE, porque foi a 17 de maio de 1882 que o presidente da província recebeu o comunicado de que 203 colonos estrangeiros haviam sido introduzidos em Minas Gerais, 9 (nove) deles, em Leopoldina. Desembarcados do vapor Patagônia no Porto do Rio de Janeiro, aqueles foram os primeiros imigrantes agricultores, inaugurando uma fase que se estenderia até a primeira década do século seguinte e foi muito importante para desenvolvimento de Leopoldina.

Entre os dias 17 e 22 de maio de 2022, acontecerão diversas atividades em Leopoldina, homenageando os imigrantes italianos. Uma delas é a Noite Italiana, conforme convite abaixo.

VENHA PARTICIPAR DA NOITE ITALIANA 🇮🇹
Dia 20/05, sexta-feira a partir das 20h no Clube do Moinho em Leopoldina/MG.
✔ Adesão R$ 25,00, inclui os seguintes pratos:
🍝 Lasanha, Fidelini (espaguete) ao molho a Bolonhesa, Fettuccine ao molho branco, Fusilli (parafuso com salada) e Mhoque
✔ Será servido a parte no bar:
🍷 Vinho, cerveja, refrigerante, água e porções de frios.
✔ Atrações:
Música ao vivo, apresentação do Grupo Tarantolato e homenagens às famílias de descendentes italianos de Leopoldina.
Esperamos por vocês! 🇧🇷🇮🇹
Confirme sua presença, ligue: (32) 3441-2896
🙏🏼 Jantar Beneficente, toda renda será revertida para Apae de Leopoldina.

5 opiniões sobre “Encontro de descendentes de imigrantes em Leopoldina”

  1. Oi Nilza tudo bem? Meu nome é Barbara. Fiz um teste de DNA para entender minha ancestralidade e para minha surpresa deu que sou 58% de origem italiana. Minha família é desse eixo lepoldina/cataguases/ubá. Apesar disso não tenho nada que remeta a essas origens: sobrenome, história de família, etc. Sinceramente não sei por onde começar a procurar quem talvez possa ser meu parente q iniciou a linhagem. Você indica algo? Obrigada!

    Gostar

    1. Olá, Barbara. Sugiro montar sua ascendência com datas e locais de nascimento, casamento e óbito. Conhecida como árvore de costados, nela você caminhará pelas gerações até chegar aos seus quarto ou quinto avós que nasceram no último quartel do século XIX, período conhecido como da Grande Imigração. Procure não se deixar contaminar por certezas em relação a sobrenomes. Além do uso do mesmo sobrenome não significar, necessariamente, que há parentesco entre duas pessoas, tenho exemplos que surpreenderam os próprios descendentes. Cito dois: uma pessoa registrada com o sobrenome Rocha era filho de um italiano de sobrenome Stievano; filhos do italiano Sancio Maiello foram registrados com o sobrenome Ismael.
      Diga-me quem foram seus parentes que nasceram e/ou viveram em Leopoldina antes de 1900 para que eu os procure em meu banco de dados.

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s