Gênio dos Puris

Monolito gigante adormecido

Que desde priscas eras seculares

Jaz ao solo preso, convertido

Em atalaia sagrada d’estes lares.

 

Sobre teu dorso, Pedra, em tempo ido,

Veloz a jacutinga abriu os ares

Rumando além para o sertão perdido.

O Puri arisco os lindos mares.

 

De tuas selvas intérminas e densas

Correu dominador os seus arcanos,

Rei e senhor de florações extensas.

 

Testemunhaste sempre nossa sina

Através das idades e dos anos

Que és hoje o coração de Leopoldina!

 

Soneto de Barroso Júnior dedicado à Pedra do Cruzeiro, Leopoldina, Minas Gerais. Publicado na Revista Eu Sei Tudo de Abril de 1932, ano 15, nr 11, página 14.

 

 

Um pensamento em “Gênio dos Puris”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s