Ravenna, província de origem

De onde vieram Giuseppe Cantoni e Carolina Vespignani

A Emilia-Romagna é uma região administrativa do norte da Itália, compreendendo duas regiões históricas: Emilia e Romagna. O nome da primeira é uma referência à Via Emilia, uma das principais estradas romanas que percorria o norte da Itália, ligando Rimini, no mar Adriático, a Placência, às margens do rio Pó. A estrada ficou pronta em 187 a.C.

A região foi anexada ao reino da Itália em 18 de março de 1860. O Centro Administrativo localiza-se na província de Bologna. Segundo La Storia del Territorio (1), no início do século XX a Emilia-Romagna ainda era uma região eminentemente agrícola. No século anterior, a turbulência da era napoleônica a despertara de um longo imobilismo econômico e a Restauração de 1815 reformulou a divisão político-administrativa, favorecendo o surgimento de novas atividades produtivas sem, contudo, levar ao desenvolvimento ocorrido no denominado “triângulo industrial” formado por Milano, Torino e Genova.

Ravenna, nome originário do tipo de terreno em que está localizada, já que é uma região fertilizada por aluviões, é uma das mais importantes províncias da Emilia-Romagna. É formada por 18 “comuni”. Um deles tem o mesmo nome da província e foi a terceira capital do Império Romano do Ocidente, entre os anos 402 e 476. É a sede administrativa da província.

A família formada com o casamento de Giuseppe Cantoni e Carolina Vespignani tem vínculos com alguns”comuni” das províncias de Ravenna, Forlì e Firenze, na Toscana.

Lugo, no setor norte-ocidental de ampla panície fértil que cerca Ravenna, tem sua economia derivada basicamente da agricultura e preserva um centro histórico de grande interesse, que testemunha um fluxo permanente do aprimoramento arquitetônico, seja em obras civis ou religiosas. É a terceira maior em número de habitantes da província. Foi a primeira referência para as buscas na Itália pois, ao registrar a filha Emilia, Giuseppe Cantoni declarou ter se casado em Lugo di Ravenna. Entretanto, o casamento foi encontrado em livros de registro de Brisighella.

Modigliana, província de Forlì, dista 12 km de Brisighella. Foi a terra natal de Filippo Vespignani, pai de Carolina. Os pais e um irmão de Filippo residiram em Tredozio, também em Forlì.

Marradi, província de Firenze, região Toscana, foi o local de nascimento de Maria Alpi, mãe de Giuseppe Cantoni, cujo sobrenome pode ter origem no “Alpi di San Benedetto”, cadeia rochosa que marca, na região, a divisa entre as regiões da Emilia-Romagna e da Toscana. Fica a 23 km de Brisighella. Povoação iniciada pelos etruscos, guarda importantes exemplares da arquitetura religiosa e civil dos primeiros séculos da era cristã.

Brisighella, cerca de 40 km a sudoeste de Lugo, é o 12º comune de Ravenna em número de habitantes. Burgo medieval, tem nas águas termais um grande atrativo turístico. Lugar de nascimento de Carolina Vespignani e de sua mãe, provavelmente também de seus avós maternos.

A família Vespignani se estabeleceu em diferentes “frazioni” de Brisighella destacadas na imagem abaixo.

Fornazzano é uma “frazione” de Brisighella(2), 20 km a sudoeste. Local de nascimento de Giuseppe Cantoni, fica na divisa com a  província de Firenze, na região Toscana. É sede do Castelo de Fornazzano, patrimônio cultural da Emilia-Romagna mencionado no livro “Archeologia Medievale, XXXVII, 2010 – Mondi rurali: insediamenti, struttura sociale, economia secoli X-XIII”, de Alessandra Molinari, como testemunho medieval da técnica de construção de muros. Fornazzano fica ao pé do “Alpi di San Benedetto”, acidente geográfico que se estende pelo norte de Firenze, incluindo o “comune” de Marradi.

Fognano fica bem mais próxima do centro de Brisighella. Ali residiam vários parentes de Giuseppe Cantoni e Carolina Vespignani vinculados a famílias de imigrantes que passaram ao Brasil na última década dos oitocentos e se estabeleceram em Leopoldina, Bicas e Piau.

Rontana, a oeste do centro de Brisighella, foi local de moradia dos sogros de Filippo Vespignani e foi citada como endereço de uma espécie de escritório de agentes que encaminhavam imigrantes para trabalharem no Brasil.

San Rufillo, “frazione” onde morou o casal Antonio Piazza e Angela Mercuriali, ela tia materna de Carolina Vespignani e ele parente de imigrantes que se estabeleceram na zona da mata mineira.


Notas:

1 – Projeto de divulgação da Giunta della Regione Emilia-Romagna, publicado em 2013 e atualizado em 2018. Disponível em https://territorio.regione.emilia-romagna.it/paesaggio/la-nascita-del-territorio.

2 – Os nomes das divisões de Brisighella foram consultados no Dizionario corografico dell’Italia, de Amato Amati, publicado em 186* em Milano.

A primeira edição deste trabalho, publicada em 1997, não continha todas as informações ora incluídas. Algumas são oriundas da pesquisa sobre os imigrantes que se estabeleceram em Leopoldina.

SUMÁRIO

Família Cantoni- Introdução
Análise dos Nomes de Família
Genealogia