Arquivo da tag: Pesquisa

Processo sistemático de construção do conhecimento para gerar novos conhecimentos e/ou corroborar ou refutar algum conhecimento pré-existente. Compõe-se de um conjunto de atividades regulares, orientadas e planejados pela busca de saber.

Primeiros momentos do IV Encontro de Pesquisadores do Caminho Novo

Abertura dos trabalhos do IV Encontro de Pesquisadores do Caminho Novo by nilzacantoni

  • Share on Tumblr

Inventários na reconstrução das Minas Gerais colonial

Com o título Inventários post-mortem na (re)construção das Minas Gerais na época Colonial, Josimar Faria Duarte publicou artigo na última edição da Revista Histórica.

“…lançar luz sobre os bens descritos nos processos de inventários post-mortem nos possibilita analisar as relações de poder, os aspectos econômicos e sociais de uma sociedade do passado. São importantes materiais de pesquisa, passíveis de seriação e quantificação, nos possibilitando evidenciar as ações dos sujeitos individuais e em grupos, assim como perceber estas ações se desenrolando no tempo e no espaço.”

Leia matéria completa.

 

  • Share on Tumblr

I Fórum Nacional de Pesquisadores em Arte Sequencial

Leopoldina sedia fórum de Arte SequencialLeopoldina receberá grandes nomes da Arte Sequencial. Inscreva-se!

  • Share on Tumblr

Jornais mineiros do século XIX: um projeto de digitalização

Marina Camisasca e Renato Venâncio

Resumo
O presente artigo tem por objetivo apresentar o projeto Jornais Mineiros do Século XIX: digitalização, indexação e acesso, desenvolvido pelo Arquivo Público Mineiro, em parceria com a Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa/Hemeroteca Histórica. O texto retrata as peculiaridades da formação e da guarda desse acervo, além de apontar possibilidades de pesquisa a partir dos jornais veiculados em Minas Gerais no século XIX. Procura-se também fazer uma reflexão sobre a importância do jornal como fonte para a pesquisa histórica.

Leia mais.

  • Share on Tumblr

Itapiruçu

No século XIX o município de Leopoldina se estendia por território bem mais amplo do que o atual, incluindo distritos como o de Itapiruçu. Hoje estamos relembrando um texto publicado sobre a localidade.

Segundo Joaquim Ribeiro Costa, em Toponímia de Minas Gerais (Editora Itatiaia Ltda, 1993, Belo Horizonte, MG, página 262), Itapiruçu significa “a grande pedra elevada ou empinada”, resultado da aglutinação de “itá-apira”, ou pedra empinada e “açu”, grande. O “distrito policial de Tapirussú” conforme consta em sua lei de criação pertencia ao município de Leopoldina e permaneceria com as “actuaes divisas”. Ou seja, em 1883 já existia um povoado com o nome de Tapirussú.

Leia mais…

  • Share on Tumblr

Novo Caminho Novo

Os Anais do 1º Encontro de Pesquisadores de História e Geografia do Caminho Novo da Estrada Real estão disponíveis no blog. 
  • Share on Tumblr

XI – Números

Números são sempre perguntados por alguns leitores. Ao longo destes anos chegamos a alguns deles. O primeiro refere-se aos personagens nascidos na Itália que, segundo as fontes consultadas, somaram 1.867 (um mil, oitocentos e sessenta e sete) pessoas. Ao finalizar o estudo, obtivemos a uma lista de 597 (quinhentos e noventa e sete) sobrenomes de imigrantes italianos em Leopoldina.
Reiteramos que estes dois números sofreram modificações entre a data em que o levantamento foi concluído – maio de 2003, e a finalização do trabalho em junho de 2009. Conforme já foi dito, nomes foram excluídos ou acrescentados por diversas razões. As exclusões ocorreram por variações no nome de um mesmo imigrante, por descobrir posteriormente que o personagem não residiu no município ou por só ter sido mencionado em uma única fonte. Os acréscimos ao total inicial foram, basicamente, consequência de correção de falhas não observadas na primeira análise.
Do universo final de sobrenomes, 406 (quatrocentos e seis) pertencem a imigrantes sobre os quais reunimos um maior número de informações. Em sua maioria são de famílias que ainda vivem em Leopoldina, muito embora nem todas o preservem na forma original. Além do que, habitualmente o italiano não transmitia ao descendente o sobrenome materno.
  • Share on Tumblr

VI – Processo de Busca

Inicialmente foram listados os nomes constantes das fontes encontradas, relativos a um espaço de tempo mais amplo do que o recorte temporal especificado. Os livros paroquiais consultados foram os de batismo de 1852 a 1930 e os de casamentos de 1872 a 1930.
Esta coleta permitiu estabelecer o período provável de entrada dos imigrantes entre 1875 a 1910, o qual determinou as buscas nas listas de passageiros e nos livros das hospedarias. Entretanto, só foi possível localizar registros de hospedarias entre 1888 e 1901.
Quanto aos livros de sepultamento, só foram encontrados os do cemitério da sede municipal a partir de 1889. Por não terem sido localizados os livros relativos aos distritos de Leopoldina, seria necessária uma busca pessoal em cada cemitério, correndo-se o risco de inúmeras falhas por não terem sido preservadas todas as lápides. Optamos, então, por registrar apenas os óbitos localizados nas fontes textuais disponíveis.
Da mesma forma, não houve sucesso na tentativa de levantamento intensivo dos registros de compra e venda de imóveis. O Cartório de Registro de Imóveis de Leopoldina permitiu, uma única vez, que se consultasse um arquivo com fichas descritivas. Outras informações do gênero foram obtidas em certidões gentilmente fornecidas por familiares, em processos de inventário, nos Relatórios da Colônia Agrícola da Constança e em notícias de jornais.
  • Share on Tumblr

Uso de Documentos

Eliane Pereira, em longa mensagem sobre passagens que julga fantasiosas na história da imigração, pede nossa opinião sobre quais seriam as fontes mais confiáveis para resgatar a memória. Talvez a decepcionemos, prezada leitora, mas nossa opinião é de que não é possível classificar as fontes aprioristicamente. Acreditamos que cabe a nós, na investigação de cada documento, detectar o que é adequado. Como alerta, escolhemos palavras de dois teóricos.

O documento não é qualquer coisa que fica por conta do passado, é um produto da sociedade que o fabricou segundo as relações de forças que aí detinham o poder. Só a análise do documento enquanto monumento permite à memória coletiva recuperá-lo e ao historiador usá-lo cientificamente, isto é, com pleno conhecimento de causa. (Jacques Le Goff, em História e Memória)

Já Michel Foucault, em Arqueologia do Saber, declara que os problemas da história se resumem numa expressão: o questionar do documento.

  • Share on Tumblr

Escolher um Foco

“Precisamos escolher certos aspectos do que queremos estudar, pois não podemos compreender todos os seus aspectos de uma só vez.”
John Beattie in Introdução à Antropologia Social (1980, p.43)

Neste último mês estamos revendo um dos capítulos do nosso estudo, com vistas a extrair trechos para um resumo que nos foi pedido. O texto aborda os pressupostos que fundamentaram nossa pesquisa. Um dos pensadores consultados foi o inglês John Beattie, pioneiro da Antropologia Social. Assim como qualquer cientista, ele declara que ninguém pode “analisar um material de mente aberta, sendo obrigado a possuir algumas preocupações teóricas”.

No início de nossos estudos, quando buscávamos entender o que representou a Colônia Agrícola da Constança para o município de Leopoldina, entre outras leituras buscamos os conceitos da Antropologia Social para aprendermos um pouco sobre a criação da instituição. Assim, com Beattie vimos que “a existência de uma certa instituição e o fato de contribuir para fins socialmente significativos é devida a uma série de causas: intenção consciente de seus membros, consequência de um comportamento dirigido, difusão proveniente de outro lugar, ou combinação de alguns ou de todos estes fatores”.

Nossa pesquisa demonstrou que a Colônia surgiu da combinação de diversos fatores, não sendo possível eleger um deles como proeminente. A proibição do tráfico de escravos estimulara a busca de soluções porque a produção dependia de número de trabalhadores não disponíveis no território nacional. Os imigrantes começaram a chegar, ainda que timidamente, durante a vigência do regime escravocrata. Sabe-se de fazendas que mantiveram escravos e trabalhadores livres, desde muito cedo. Portanto, é lícito supor que a intenção de aumentar a produção sofria restrições pela falta de braços.

Especialmente na segunda metade do século XIX, as propriedades agrícolas foram administradas segundo um tipo de comportamento dirigido, embora disso nem sempre tenham se dado conta. Aos poucos, surgiram os sistemas de parceria e colonato, por exemplo. A experiência do Senador Vergueiro, em São Paulo, deve ser considerada na conta da difusão externa mencionada por Beattie. E assim, agregando experiências diversas, surgiram as primeiras colônias destinadas a imigrantes estrangeiros. Que foram sendo aperfeiçoadas por conta de numerosos fatores.

Ainda que o objetivo possa ser considerado único, ou seja, o desenvolvimento da agricultura, o mesmo não se pode dizer das causas que determinaram a criação das colônias. Uma instituição, como vimos, não provém de causa isolada. Ela surge como resultado de diversos fatores que perpassam a vida do grupo social na qual é criada.

Mas como alertou Beattie, é impossível estudar todos os aspectos a um só tempo. As causas da criação da Colônia Agrícola da Constança foram apenas ligeiramente abordadas em nossos estudos. Nosso foco foi a vida dos colonos que nela se instalaram.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Share on Tumblr