Eleitores do Feijão Cru em 1851

Segundo a Lista Geral de Votantes, disponível no Arquivo Público Mineiro, códice PP 11 caixa 44 pacote 30, foram alistados 355 cidadãos no distrito do Feijão Cru.

NOME

IDADE

Alberto Rodrigues da Silva

40

Alvaro Casemiro da Fonseca

37

Alvaro de Souza Werneck

30

Alvaro José Antonio

30

Ambrosio José de Souza

38

Angelo Lopes da Silva

47

Antonio Alves

28

Antonio Alves dos Santos

38

Antonio Alvim de Souza

27

Antonio Augusto Monteiro de Barros

32

Antonio Bento Peixoto

35

Antonio Bernardes da Rocha

54

Antonio Bernardino Machado

30

Antonio Carlos da Silva Teles Faião

50

Antonio da Silva Dias

50

Antonio da Silva Monteiro

34

Antonio de Almeida Ramos

40

Antonio de Sá Rocha

40

Antonio de Souza Chagas

28

Antonio Dias da Silva

40

Antonio Dias Pereira

29

Antonio dos Reis

40

Antonio Felisberto

25

Antonio Ferreira Pinheiro

34

Antonio Francisco Neto

28

Antonio Garcia de Novaes

28

Antonio Gomes Moreira

44

Antonio Joaquim

40

Antonio Joaquim Cordeiro

29

Antonio José de Almeida e Gama

27

Antonio José de Menezes

32

Antonio José de Miranda

47

Antonio José de Souza

35

Antonio José Monteiro de Barros

49

Antonio Luiz da Silva

50

Antonio Luiz de Moraes

50

Antonio Martins dos Santos

50

Antonio Nicolao

38

Antonio Nunes de Oliveira

70

Antonio Pedro do Nascimento

50

Antonio Pereira Duarte

29

Antonio Pontes

40

Antonio Prudente de Almeida

52

Antonio Rabelo Ferreira

35

Antonio Rodrigues de Faria Filho

39

Antonio Rodrigues de Faria Senior

59

Antonio Rodrigues de Oliveira

42

Antonio Rodrigues Gomes

54

Antonio Rodrigues Montes

31

Antonio Severino Ferreira

58

Antonio Xavier Monteiro

27

Bento Rodrigues Gomes

60

Bernardino Rodrigues da Silva

30

Bernardo José da Fonseca

70

Bernardo José Gonçalves Montes

64

Bernardo Rodrigues Montes

27

Caetano José de Almeida Gama

33

Camilo José de Carvalho

34

Camilo José Gomes

40

Candido José de Carvalho

34

Candido Portes

29

Carlos José Luiz

36

Carlos Mendes do Vale

37

Casemiro de Souza Werneck

25

Cesário José dos Reis

31

Claudino Vieira da Silva

38

Cláudio José de Miranda

27

Custódio de Vargas Corrêa

26

Domiciano Ferreira Monteiro

26

Domiciano José de Souza

29

Domiciano José Ferreira

31

Domiciano Lemos da Silva

50

Domingos da Silva Gomes

28

Domingos Esteves de Moraes

34

Domingos Ferreira Brito

26

Domingos Ferreira Neto

30

Domingos Henrique de São Nicácio

26

Domingos José da Neiva

34

Domingos José de Miranda

34

Domingos Lauriano Dias

40

Domingos Lemos da Silva

39

Domingos Rodrigues Carneiro

50

Elias José da Fonseca

37

Emerenciano José de Almeida

56

Eufrazio Ferreira de Melo

30

Ezaú Antonio Corrêa de Lacerda

40

Ezaú Ferreira Brito

32

Ezequiel Antonio de Almeida

37

Ezequiel Henriques Pereira Brandão

25

Faustino José

48

Feliciano Rodrigues Moreira

70

Felicissimo Vital de Moraes

60

Fidelis da Costa Coutinho

42

Fidelis Rodrigues Ferreira

29

Fidelis Vieira Cordeiro

34

Flavio Rodrigues da Silva

29

Fortunato Ferreira de Melo

28

Fortunato Lopes da Rocha

34

Francisco Antonio da Silva

50

Francisco Antonio da Silva

39

Francisco Antonio de Almeida

37

Francisco Antonio de Almeida Gama

60

Francisco Antonio Dias

40

Francisco Barbosa da Silva

70

Francisco da Costa Motta

40

Francisco da Silva Dias

34

Francisco da Silva Pereira

44

Francisco das Chagas Ferreira

32

Francisco de Sales Marques

29

Francisco de Vargas Corrêa

28

Francisco Dias da Rosa

34

Francisco Fernandes Pena

40

Francisco Ferreira

40

Francisco Ferreira Brito

25

Francisco Gomes da Silva Veado

29

Francisco Gonçalves Ferreira

34

Francisco Isidoro Ferreira

32

Francisco João Rodrigues

29

Francisco Joaquim de Almeida Gama

38

Francisco Joaquim dos Reis

35

Francisco José

31

Francisco José Caetano

31

Francisco José da Silva

34

Francisco José de Almeida Ramos

54

Francisco José de Faria Coutinho

35

Francisco José de Freitas Lima

48

Francisco José de Miranda

54

Francisco José dos Reis

27

Francisco Luiz Pereira

60

Francisco Manoel de Assis

29

Francisco Manoel de Souza

34

Francisco Martins de Andrade

40

Francisco Mendes do Vale

29

Francisco Muniz

25

Francisco Neres da Silva

60

Francisco Nunes de Moraes

30

Francisco Pereira Pontes

37

Francisco Procópio da Paixão

29

Francisco Rodrigues das Chagas

36

Francisco Rodrigues de Almeida

28

Francisco Xavier de Souza

26

Gelazio Bernardes da Rocha

30

Germano José

37

Gervasio José de Santana

29

Henrique Delfim Silva

28

Hermenegildo Rodrigues da Silva

38

Hipólito Pereira da Silva

38

Honorio Gonçalves Cortes

58

Inacio Barbosa de Souza

40

Inocêncio Gomes da Silva

50

Jacinto Manoel Monteiro

47

João Alves de Melo

27

João Antonio de Oliveira

68

João Antonio Ribeiro

44

João Batista de Almeida

39

João Batista Ribeiro

28

João da Costa Brito

50

João Damasceno Ferreira

40

João de Souza dos Santos

50

João Ferreira Neto

28

João Francisco de Almeida Gama

28

João Francisco de Azevedo

34

João Francisco de Oliveira

47

João Francisco de Oliveira

34

João Francisco Pereira

25

João Gomes de Oliveira

28

João Gomes dos Santos

31

João Gonçalves

54

João Gonçalves Neto

46

João Gualberto Ferreira

51

João Ides de Nazareth

54

João Inacio de Melo

28

João José Pereira de Andrade

49

João Mendes do Vale

26

João Mendes Ribeiro

30

João Patrício de Moura

34

João Paulo da Costa

60

João Paulo da Silva Coutinho

28

João Pedro de Souza Filho

30

João Pedro de Souza Senior

60

João Porceno Ferreira

25

João Processo Ferreira da Silva

25

João Ramos Martins

37

João Rodrigues Ferreira

31

João Roiz Ferreira Gomes

29

João Vidal Leite Ribeiro

26

Joaquim Albino

42

Joaquim Antonio da Rocha

42

Joaquim Antonio de Almeida

29

Joaquim Antonio de Almeida Gama

36

Joaquim Antonio de Gouvêa

26

Joaquim Antonio Machado

30

Joaquim Cesario de Almeida

47

Joaquim da Costa Motta

39

Joaquim Dias Neto

28

Joaquim Dias Neto

31

Joaquim Ferreira de Lacerda

46

Joaquim Firmino de Almeida

34

Joaquim Garcia de Oliveira

34

Joaquim Gomes de Oliveira

54

Joaquim Inacio de Moraes

40

Joaquim José Chica

29

Joaquim José Cordeiro

37

Joaquim José Monteiro

29

Joaquim Lopes da Rocha

32

Joaquim Lourenço da Silva

37

Joaquim Machado Neto

50

Joaquim Marques da Costa

60

Joaquim Martins

31

Joaquim Martins de Andrade

38

Joaquim Mendes do Vale

40

Joaquim Nunes de Moraes

44

Joaquim Pereira de Souza Lima

25

Joaquim Pereira dos Santos

50

Joaquim Tomaz da Silva

54

Joaquim Xavier Soares

34

José Alexandre da Rosa

38

José Alves da Silva

31

José Antonio da Silva

36

José Antonio de Almeida

26

José Antonio de Oliveira

41

José Antonio Marrier

50

José Augusto Monteiro de Barros

26

José Bernardes da Rocha

30

José Bernardes de Andrade

37

José Bernardino Machado

42

José Cardoso

42

José Casemiro de Souza

40

José Cesario de Miranda Gouvêa

27

José Coutinho da Silva

28

José da Costa Brito

25

José Dias da Silva

44

José Dias Pereira

54

José do Egito de Souza

42

José Feliciano dos Reis

34

José Felicissimo de Moraes

26

José Ferreira Brito

50

José Ferreira de Macedo

42

José Ferreira de Melo

27

José Francisco Gonçalves Neto

30

José Francisco Neto

34

José Gomes dos Santos

57

José Gonçalves Barroso

39

José Gonçalves Neto

54

José Gonçalves Valim

32

José Gregorio de Souza

36

José Inacio de Bem

39

José Joaquim Cordeiro Júnior

35

José Joaquim Cordeiro Senior

80

José Joaquim Coutinho

31

José Joaquim dos Reis

27

José Joaquim Ferreira Monteiro

31

José Joaquim Pereira

35

José Joaquim Pereira Garcia

32

José Lopes da Rocha

37

José Lopes da Rocha Júnior

26

José Machado Manso da Costa

40

José Martins de Andrade

35

José Martins dos Santos

29

José Moreira de Assunção

34

José Nunes de Moraes

78

José Patrício

29

José Pedro Borges

48

José Pereira da Silva

27

José Ribeiro de Almeida

50

José Rodrigues de Miranda

25

José Rodrigues de Sá

24

José Roiz Carneiro

32

José Soares

30

José Tavares Pinheiro

35

José Teixeira Cardoso

30

José Tomaz de Aquino Cabral

54

José Zeferino de Almeida

47

Julião Luiz de Moraes

28

Justino de Azevedo Ramos

38

Justino José Corrêa

29

Justino José da Silveira

50

Ladislao Egidio Ferreira de Toledo

37

Lauriano José de Carvalho

39

Lazaro Antonio da Cruz

30

Lino José Corrêa da Silva

28

Lourenço José Leal

58

Lucindo Antunes Moreira

31

Luiz Antonio da Silva

29

Luiz Cordeiro

50

Luiz Inacio de Moraes

37

Luiz Pereira da Silva

41

Luiz Pinto de Carvalho

34

Luiz Tavares de Oliveira

60

Manoel Antonio da Silva

28

Manoel Antonio de Almeida

66

Manoel Antonio de Oliveira

27

Manoel Barbosa de Souza

70

Manoel Bernardes da Silva

29

Manoel da Silva Miranda

36

Manoel Felicissimo dos Reis

35

Manoel Ferreira Brito

58

Manoel Gabriel do Espírito Santo

29

Manoel Gonçalves Ribeiro

34

Manoel Henrique Porto Maia

27

Manoel Jacinto de Oliveira

39

Manoel Jacinto Nogueira

31

Manoel Joaquim da Silva

27

Manoel Joaquim Pereira

32

Manoel Joaquim Tiburcio

34

Manoel José

39

Manoel José de Novaes

60

Manoel José Monteiro de Barros S.Martinho

32

Manoel José Monteiro da Silva

26

Manoel José Monteiro de Barros

65

Manoel José Monteiro de Castro

47

Manoel José Pereira da Silva

27

Manoel José Pereira da Silva

35

Manoel Lopes da Rocha

40

Manoel Nunes de Moraes

41

Manoel Pereira da Silva

49

Manoel Pereira Valverde

32

Manoel Rodrigues Coelho

47

Manoel Rodrigues da Silva

44

Manoel Rodrigues da Silva

40

Manoel Roiz do Nascimento

32

Manoel Teixeira Cardoso

60

Manoel Zeferino Cardoso

33

Marcelino José

28

Marcolino Dias Neto

26

Mateus Herculano Monteiro

47

Maximiano Francisco da Silveira

31

Miguel Moreira de Sampaio

50

Nicolao Gomes de Oliveira

32

Pedro Moreira de Souza

54

Ponciano Rodrigues de Araujo

39

Processo José Corrêa

39

Querino Ribeiro de Avelar Rezende

34

Romão Pinheiro Corrêa de Lacerda

30

Sabino Gomes da Silva

48

Salvador Dias

27

Severino José Machado

27

Severo Galdino da Fonseca

31

Silverio Luiz Pereira

59

Simplicio Antonio da Paixão

38

Teodoro Antonio de Souza

38

Tristão Policarpo de Oliveira

40

Vasco Ferreira de Melo

68

Venancio José de Almeida Costa

32

Venancio José de Oliveira

37

Venceslau Gonçalves Campos

29

Vicente Alves Ferreira

30

Vicente Antunes Ferreira

31

Vicente Dias da Rosa

37

Vicente Ferreira Monteiro

27

Vicente Gaspar Coutinho

59

Vicente Rodrigues Ferreira

30

Vital Antonio de Mendonça

40

Vital Antonio de Oliveira

74

Vital Inacio de Moraes

28

Zacarias Francisco dos Reis

31

Zeferino Inacio de Souza

34

Origem dos Povoadores de Leopoldina

Um personagem sempre recorrente na história de Minas, quiçá do Brasil, é o Tropeiro. Escolhemos a descrição de Saint-Hilaire por acreditarmos ser a mais abrangente.

Dá-se o nome de tropeiros aos homens que conduzem as caravanas de burros destinadas a empreender essas viagens e outras semelhantes. As tropas um pouco consideráveis são divididas em lotes de sete animais, e cada um é confiado à guarda de um negro ou mulato que, caminhando na retaguarda dos cargueiros de que está encarregado, os incita e dirige por meio de gritos ou por um assobio bastante brando. Costuma-se carregar cada besta com oito arrobas (cerca de 120 quilos), e para não ferí-los, iguala-se a carga com o maior cuidado. Cada caravana que chega a um rancho aí toma o seu lugar; os animais são logo descarregados; arruma-se as mercadorias com ordem; cada animal recebe sua ração de milho; levam-nos ao pasto; arranjam-se-lhes as albardas, e se desentortam os cravos destinados a ferrá-los. Enquanto isso o mais jovem da tropa vai buscar água e lenha, acende o fogo, arma em redor três bastões que se unem superiormente, amarra-os, e suspende um caldeirão na tripeça, onde põe a cozinhar o feijão preto destinado ao jantar do dia e ao almoço do seguinte. Os tropeiros das diversas caravanas se aproximam uns dos outros, põem-se a conversar, relatam suas viagens e aventuras amorosas, e, às vezes, um deles encanta o trabalho dos vizinhos tocando guitarra e cantando algumas dessas árias brasileiras que tem tanta graça e doçura. Tudo se passa com ordem; raramente discutem, e falam entre si com uma delicadeza desconhecida na Europa entre homens de classe inferior. No dia seguinte, levantam-se bem cedo; dão aos burros nova ração de milho. Deixando o rancho, saúdam os tropeiros que ainda aí ficam; fazem nova caminhada de três a quatro léguas, e chegam a outra estação pelas duas ou três horas da tarde.[1]

Auguste de Saint-Hilaire, cientista francês que viajou pelo interior do Brasil entre 1816 e 1822, deixou-nos preciosas informações sobre o Brasil do início do século XIX. Mário Guimarães Ferri, na introdução do “Segunda Viagem”, nos diz que “seus relatórios de viagens são um manancial riquíssimo de informações. … Sua obra é, com efeito, de valor perene e interessa ao botânico, ao zoólogo, ao geógrafo, ao historiador, ao etnógrafo; interessa, enfim, a todos quantos desejam conhecer algo sobre o Brasil do início do século XIX, de um Brasil que, em geral, já não mais existe.” [2]

Tropeiros na Serra dos Órgãos, por Rugendas, prancha 15 das paisagens em Viagem Pitoresca através do Brasil
Tropeiros na Serra dos Órgãos, por Rugendas, prancha 15 das paisagens em Viagem Pitoresca através do Brasil

De leitura agradabilíssima, os relatos de viagem de Saint-Hilaire nos trazem informações algumas vezes surpreendentes. Um exemplo é a forma como descreve a Inconfidência Mineira no volume dedicado à primeira viagem a Minas. Usando termos como “pretensa conspiração” ele nos indica que ao tempo de sua estada no Brasil o movimento dos mineiros não era visto com as cores negras como nos acostumamos a ler nos livros de história. Aliás, é ainda Saint-Hilaire quem escreve que o Visconde de Barbacena informou ao Vice-Rei, no Rio de Janeiro, sobre o movimento em Minas, pintando-o como “ato de rebelião mais criminoso e terrível” do que na verdade teria sido.

Na época de sua primeira viagem informa o cientista que o governo mineiro isentava por dez anos de impostos aos que se transferissem para as fronteiras da Província. Portanto, este viajante tem muito a nos dizer sobre as Minas daquele início de século, na época em que se intensificaram as migrações em demanda da região hoje conhecida como zona da mata mineira.

Um outro personagem importante para o estudo de nossa região e também mencionado por aquele viajante é o guarda-mor. Algumas vezes temos visto sucederem-se informações sobre dois ou mais personagens, contemporâneos e vivendo na mesma região, a quem um mesmo autor dá o título de Guarda-Mor das Minas e por essa razão tornam-se alvo de contestação de alguns menos estudiosos. Cargo criado em 1679, era inicialmente o administrador a quem competia, entre outras atividades, conceder licença a quem quisesse descobrir minas. Nomeado pelo Administrador Geral ou Provedor das Minas, a este substituía em algumas das inúmeras atividades que lhe eram afetas, especialmente com a intensificação das pesquisas mineirais em terras do Brasil. Ao tempo de sua primeira viagem a Minas, assim se manifestou Saint-Hilaire;

O cargo de guarda-mor geral é hereditário na família de um rico cidadão da Província de São Paulo que mandou abrir à sua custa o caminho do Rio de Janeiro a Vila Rica.

O guarda-mor geral tem o direito privativo de conceder o título de mineração; como, porém, não habita ordinariamente a Província das Minas, seu cargo de reduz a um título, e os guardas-mores substitutos preenchem suas funções. Quando o guarda-mor geral se encontra na capitania, é ele quem nomeia os substitutos; em sua ausência esse direito pertence ao governador. De poucos anos para cá multiplicaram-se extraordinariamente os guarda-mores substitutos, que, na linguagem corrente, se designam simplesmente pelo nome de guarda-mores.[3]

Esclarecemos que o Guarda-Mor Geral citado por Saint-Hilaire era Garcia Rodrigues Paes, filho de Fernão Dias Paes Leme, sobre os quais o viajante inseriu nota no rodapé do texto acima.

A Segunda Viagem de Saint-Hilaire começou a 29 de janeiro de 1822, no Rio de Janeiro. No dia 6 de fevereiro ele entrou em território mineiro. Eis parte de seu relato do dia:

Serve o Rio Preto de fronteira às capitanias do Rio de Janeiro e Minas.

À extremidade de uma ponte fica uma cidadezinha encostada à montanha, composta de uma única rua muito larga e paralela ao rio. Tem a cidade o mesmo nome do rio; depende do distrito de Ibitipoca e só conta uma igreja não colada, servida por um capelão.

As casas de Rio Preto, excetuando-se uma ou duas, são térreas, pequenas, mas possuem um jardinzinho plantado de bananeiras, cuja pitoresca folhagem contribui para o embelezamento da paisagem. [4]

Seis dias depois o cientista estava acomodado em uma granja no “Rancho de Manoel Vieira” e seu relato volta a mencionar características da paisagem. Já tendo passado pela “Serra Negra”, informa que todo o percurso é um subir e descer muito cansativo. Sobre o Rio do Peixe que atravessara “um quarto de légua” antes, diz apenas; “passamos, sobre uma ponte de madeira, o pequeno rio chamado Rio do Peixe e pelo percurso vimos várias fazendas”.

Já no relato de sua primeira viagem o cientista declarou-se impressionado com o que chamou de “misto de desordem e regularidade selvagem”, chamando a atenção sobre as montanhas que se misturam no horizonte e fazem pensar que o rio nasce na elevação posterior à que primeiro se avizinha quando, ao passar posteriormente por ela, constatou que as águas vinham de um ponto bem mais distante. Século e meio depois o grande poeta Carlos Drumond de Andrade nos brindou com suas fortes impressões das montanhas de Minas.

Mais 3 dias da segunda viagem e no dia 15 de fevereiro de 1822 o relato de Saint-Hilaire nos traz informações sobre o acidente geográfico que foi determinante na escolha do local de fixação dos antigos moradores da região – a Serra da Ibitipoca.

A Serra da Ibitipoca não é pico isolado e sim contraforte proeminente de cadeia que atravessei desde o Rio de Janeiro até aqui. Pode ter uma légua de comprimento e apresenta partes mais elevadas, outras menos, vales, penedos, picos e pequenas partes planas. As encostas são raramente muito íngremes. Os pontos altos representam, geralmente, cumes arredondados e os rochedos mostram-se bastante raros. O fundo e barrocas estão geralmente cobertos de arbustos, mas poucos capões se vêem de mato encorpado. Quase toda a montanha está coberta de pastos, sempre excelentes.[5]

No dia 16 de fevereiro de 1822 é a vez de citar a Vila de Ibitipoca que ele mal conhecera na viagem anterior e por isso julgava ser “mais insignificante”.

Fica situada numa colina e se compõe de pequena igreja e meia dúzia de casas que a rodeiam, cuja maioria está abandonada, além de algumas outras, igualmente miseráveis, construídas na encosta de outra colina. Não espanta, pois, que inutilmente haja eu procurado, ontem, nesta pobre aldeia, os gêneros mais necessários à vida. [6]

Nesta ocasião Saint-Hilaire faz comentários sobre o interior de uma casa de fazenda que é semelhante a outras que ele conhecera no Brasil. Informa que na sala existe uma única mesa e um banco e nos quartos as camas são simples armações de madeira. A parada seguinte é Santa Rita de Ibitipoca, mencionada no diário de 17 de fevereiro.

Esta aldeia, situada em agradável posição, na encosta de uma colina, não é senão uma sucursal de Ibitipoca, embora importante. Compõe-se de uma única rua, mas ali se vêem algumas bonitas lojas.[7]

No dia seguinte Saint-Hilaire escreve da Fazenda da Cachoeira, onde pousou após o percurso de 5 léguas desde Santa Rita de Ibitipoca. Esta Fazenda é ponto de análise para quantos se dediquem ao estudo dos povoadores da zona da mata mineira. Mencionada por muitos como tendo sido propriedade desta ou daquela família, acreditamos que no início do século dezenove o nome Fazenda da Cachoeira compreendia inúmeras pequenas propriedades, talvez desmembramentos de uma grande fazenda formada no século anterior. Saint-Hilaire não indica o nome do proprietário, apenas informa que estava em viagem para “buscar algodão no Araxá para levar ao Rio de Janeiro”.

Aqui trouxemos recortes de como foram vistos por Saint-Hilaire as terras onde viviam os povoadores dos Sertões do Leste. Antes de prosseguirmos, transcrevemos mais um trecho da primeira viagem.

O primeiro lugar habitado que se encontra depois do Paraibuna é Rocinha da Negra, onde se vê um rancho e uma venda construídas em um vale à margem de um regato. Pouco mais longe, passa-se diante de uma choça denominada Três Irmãos, e em breve se chega à povoação de Vargem, localizada em um amplo vale rodeado de morros. O nome Vargem, sinônimo da palavra portuguesa várzea, se aplica geralmente a essas espécies de planícies úmidas e rodeadas de elevações que são bastante comuns nas partes montanhosas do Brasil, e diferem um pouco do resto do país pela vegetação.[8]

Em nota do próprio autor ao texto acima ficamos sabendo que ele foi recebido de maneira muito cordial em Vargem e que por isso faz questão de denunciar um outro viajante estrangeiro que teria sido tão bem recebido quanto ele e que, no entanto, depois teria “vilipendiado” o hospedeiro.

Encerramos este capítulo que pretendemos seja esclarecedor quanto à anterior localização dos povoadores de São Sebastião do Feijão Cru, de Bom Jesus do Rio Pardo, de São José do Paraíba, de Madre de Deus do Angu e de Nossa Senhora da Piedade. Localidades que nasceram no alvorecer do século dezenove nas antigas “áreas proibidas” da terra mineira.

1 - SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem pelas Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizonte: Itatiaia, 1975. p. 41

2 - SAINT-HILAIRE, Auguste de. Segunda Viagem do Rio de Janeiro a Minas Gerais e a São Paulo. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974. p. 7

3 - Viagem pelas Províncias...(idem nota 1), p. 110

4 - Segunda Viagem...(idem nota 2), p. 24

5 - idem, p. 33

6 - idem, p. 35

7 - idem, p. 36

8 - Viagem pelas Províncias...(idem nota 1), p. 49

Indígenas no Rio Pardo

A identificação das tribos que habitavam a zona da mata mineira antes da chegada do homem livre só pode ser feita através de documentos remanescentes da Junta Militar da Conquista e Civilização dos Índios, cujo Diretor Geral foi Guido Thomaz Marlière.

Entendemos que o trabalho por ele realizado é aval de perfeita confiabilidade para a afirmativa de que os índios que viviam na bacia do rio Pardo eram todos Puris.

De fato, analisando os livros paroquiais das capelas da região, não encontramos uma única referência a indígena de outra nação. Se aqui viveram outros, não restaram indícios de sua presença. E considerando que os puris não eram dados a lutas, entende-se que tenham buscado refúgio num local onde inexistissem tribos guerreiras.

Em nossa região são comuns as lendas familiares sobre índias pegas a laço que se casaram com nobres portugueses, dando origem a tal ou qual família. Essas lendas tiveram grande aceitação em tempos remotos, levando um eclesiástico a criar um documento que já causou dissabores a muitos estudiosos. Trata-se de uma espécie de índice de casamentos em que, após o nome de algumas noivas, consta a palavra “índia”. Mas, à vista de outros documentos, concluímos que aquela listagem não se refere a livros de casamentos de uma única igreja e que a identificação da origem de tais noivas pode ter sido uma suposição do autor.

De igual forma fomos levados a rejeitar a posição de alguns autores segundo os quais havia um modelo para a formação dos nomes de indígenas cristianizados. Se algum padre adotou uma fórmula para dar-lhes um sobrenome, não a pudemos localizar nos livros paroquiais de nossa região. Aqui são encontrados, em todos os livros, um nome cristão acompanhado de “índia”, “índia pury” ou simplesmente “pury”, sempre referindo-se à mãe da criança batizada.

Outra observação que fizemos foi sobre o desaparecimento da identificação dos indígenas nos registros de casamentos. Se contraíram matrimônio segundo as leis da Igreja, os padres podem ter entendido que a partir deste ato ficaram livres do “aposto” discriminatório.

Em seu livro “Minhas Recordações”, Francisco de Paula Ferreira de Resende menciona que já quase não se encontravam indígenas em Leopoldina por volta de 1865. Ainda nos referindo aos livros paroquiais, observamos que o número de batizados de filhos de naturais da terra era mesmo muito pequeno em todas as igrejas pesquisadas. Como exemplo informamos que na Igreja de Bom Jesus do Rio Pardo, entre 1838 e 1860, localizamos apenas sete casos.

Tanto para a ausência de casamento religioso, quanto para o pequeno número de batismos, lembramos que o preço cobrado pelos padres tornava os atos religiosos inacessíveis para grande parte da população. Se os pobres não conseguissem um padrinho que arcasse com os custos, batismos e casamentos não se realizavam. À exceção do missionário Padre Jesus Maria, pacificador do gentio do rio Pomba, parece-nos que os eclesiásticos que atuaram em nossa região no século dezenove não podiam abrir mão de nenhum pagamento. Até porque muitos deles não eram vigários colados, ou seja, não contavam com a remuneração da Mesa. Sendo assim, seus recursos provinham exclusivamente das taxas cobradas pela realização das cerimônias.

Curiosa também é a observação de que alguns padrinhos de crianças indígenas tomavam suas mães como escravas, quer seja de “eito ou de leito”. Lendas impossíveis de terem confirmação documental relatam casos de visitas do padre a determinadas fazendas com o objetivo de chamar a atenção do proprietário sobre seu comportamento pecaminoso. Impedidos de cumprirem as obrigações religiosas da Páscoa por viverem em concubinato, tais fazendeiros remuneravam regiamente o confessor para que ele batizasse o fruto de tal relacionamento e perdoasse os pecados dos adultos envolvidos. Pela natureza própria das naturais da terra, a elas era dispensado um tratamento diferenciado que as considerava livres do pecado por não terem “sangue humano”, ou seja, não poderem entrar na categoria de “gente”. O rebento, no entanto, por trazer sangue de um homem livre, precisava ser batizado.

As lendas que envolvem a vida dos indígenas em nossas terras parecem verossímeis quando se observa a inexistência de batismos de adultos, de sangue puramente selvagem como se dizia então. Até o momento, em nossas buscas encontramos apenas um batismo em que são mencionados o pai e a mãe, ambos indígenas. Nos demais, todas as mães eram solteiras.

Do que foi dito aqui não significa que os indígenas tenham desaparecido completamente da região logo no início da ocupação do território pelo homem livre. Segundo a contagem populacional de 1890, no Curato do Rio Pardo foram encontrados 831 caboclos, termo usual para definir o indígena naquela data. Ou seja, 17% dos moradores eram pessoas naturais da terra.

A Escravidão em Leopoldina

Apesar de ser um assunto frequentemente mencionado em estudos, o escravismo em Leopoldina ainda carece de maiores pesquisas. Segundo Oiliam José[1]

As terras do município de Leopoldina desconheceram as tropelias do ciclo das minas. Foram desbravadas, a partir dos primeiros anos do século XIX, e colonizadas por agricultores e à agricultura continuariam dedicadas até o início da atual centúria, quando, com a queda sofrida pelo café, a pecuária passou a preponderar nelas. Era natural, por isso, que Leopoldina dispusesse, ao longo da época imperial, de numerosa população escrava, por sinal, a maior da Província em certa época.

1876 –    Leopoldina abriga a maior população escrava da Província, com 15.253, para um total de 365.861 em Minas. Em 1883, é a segunda cidade com maior número de escravos da Província, com 16.001, contra 21.808 da primeira colocada, a cidade de Juiz de Fora.

A partir destas referências foi escrito o artigo publicado em 1998, que agora é revisto.

Servidos por tão numerosa escravaria e apoiados na força econômica do café, os fazendeiros leopoldinenses levavam um padrão de vida faustoso e, até certo ponto, aristocrático, copiando, na medida do possível, os usos e costumes da Corte.

Os números mencionados indicam, eloqüentemente, a força econômica e social dos senhores leopoldinenses e fazem compreender o empenho com que lutavam contra as tentativas de emancipação do elemento escravizado. E sabiam colocar em ação o poder de que dispunham! Era conhecida a pressão que os senhores de escravos do município faziam junto aos deputados mineiros à Assembléia Geral do Império para que não apoiassem os projetos emancipacionistas. Para isso, tinham a facilidade de manter constantes comunicações com a Corte, à qual estavam mais ligados que a Ouro Preto.

Entretanto, algumas informações sobre a abolição da escravatura em Leopoldina estão em desacordo com o constante em fontes documentais. Uma destas se refere ao 2º Barão do Bonfim, José Jeronymo de Mesquita, que

em 15 de abril de 1888 teria alforriado seus 182 escravos e, à frente deles, entrou na cidade, indo todos assistir à Missa, na Igreja Matriz. Após o ato, o grupo teria voltado, sob aplausos, até o centro, onde o benemérito proprietário da Fazenda Paraíso foi alvo de entusiástica manifestação dos abolicionistas e do povo leopoldinense, em nome dos quais discursou o Dr. Paula Ramos, Presidente da Câmara Municipal. Solidarizando-se com as homenagens ao Barão do Bonfim, falou o Vigário Padre José Francisco Durães, logo seguido do Juiz Municipal, Dr. Antônio Augusto de Lima, veterano abolicionista desde os bancos acadêmicos de São Paulo e um dos mais dignos mineiros que a República projetou no cenário nacional“.

O trecho sublinhado tem sido repetido em variadas obras, sem que se tenha descoberto qual a fonte original para esta declaração. Ao analisarmos a partilha de bens de Jerônimo José de Mesquita, pertencente à Coleção Kenneth Light, disponível no Arquivo Histórico do Museu Imperial, verificamos que houve alguns enganos por parte do(s) autor(es), bem como em relação à informação encontrada em algumas publicações, dando conta de que o Barão de Bonfim recebeu a Fazenda Paraíso de presente de seu avô.

O Conde de Mesquita era filho de  José Francisco de Mesquita, 1º Barão de Bonfim e depois Visconde, Conde e Marquês de Bonfim. O Conde de Mesquita foi pai do futuro 2º Barão de Bonfim cujo nome era José Jerônimo de Mesquita, ou seja, os pré nomes em ordem invertida. Por volta de 1860, o Conde de Mesquita assumiu a Fazenda Paraíso, no processo de liquidação de dívidas de membros da família Monteiro de Barros, formadora da propriedade. Após sua morte, em 1886, a Fazenda Paraíso coube, na partilha de bens, ao 2º Barão de Bonfim. Portanto, a informação sobre presente de casamento não parece ter fundamento.

Durante o processo de partilha, levantou-se o valor a ser pago como tributo pela transferência de escravos e a filha do Conde de Mesquita e inventariante, Jeronima Elisa de Mesquita, Baronesa de Itacuruçá, decidiu pela libertação de um bom número deles, senão todos. No caso dos cativos da Fazenda Paraíso, resta uma dúvida sobre a quantidade de escravos porque em período anterior a propriedade tinha sido vendida e o comprador não honrou os compromissos, devolvendo-a. Neste intervalo, o número de escravos mencionados na documentação era de “80 peças”.

Segundo antigas publicações, a notícia da promulgação da “Lei Áurea”, divulgada no município no correr do dia 14 de maio, teria provocado geral consternação entre os agricultores e motivado violentos protestos dos proprietários de escravos, inclusive reunião deles para externarem seu formal repúdio à Monarquia que, no entender de todos eles, havia praticado verdadeira espoliação e estava no dever de votar imediata indenização em favor dos que perderam a propriedade escrava.

18


[1] JOSÉ, Oiliam. A Abolição em Minas. Belo Horizonte; Itatiaia, 1962. p.137