Capela de Santo Antônio, símbolo da Colônia Agrícola da Constança

100 anos da Colônia Agrícola da Constança

OS STEFANI, BOLZONI e TAZZARI 

  

Coluna Publicada n'O Leopoldinense, 31 de outubro de 2007

 

As múltiplas grafias adotadas no Brasil para os sobrenomes italianos dificultam enormemente um trabalho de pesquisa como o nosso. Considerando o elevado número de imigrantes sobre os quais buscamos informações, é impossível mantermos os diferentes formatos que são encontrados. Precisamos de um índice eficiente para reunir as famílias. Por esta razão adotamos o critério de registrar os nomes e sobrenomes conforme os encontramos nos documentos italianos consultados.

Em função disto é que vamos abordar as famílias conhecidas em Leopoldina como Estêvão, Bulsoni e Tassari pelas formas Stefani, Bolzoni e Tazzari respectivamente.

De início devemos dizer que os três grupos não atravessaram o Atlântico no mesmo navio nem tampouco foram contratados pelo mesmo fazendeiro. Mas estão representados em alguns lotes da Colônia Agrícola da Constança e com alguns entrelaçamentos entre eles.

Da família Stefani sabemos que da localidade de Burgio, em Sardes, província de Siracusa, região da Sicília, saiu a família de Vincenzo Stefani. Assim como sua esposa Maria Bedin, Vicenzo faleceu no município de Leopoldina no início do século XX e através dos filhos Amabile, Camila e Eugenio, o casal deixou muitos descendentes em nossa cidade.

Sobre estes filhos de Vicenzo e Maria Bedin sabe-se que Amabile Stefani, muitas vezes referida como Adele ou Amelia Estevam, casou-se na Matriz de Nossa Senhora da Piedade, em Piacatuba, no dia 19 de setembro de 1903, com Carlo Batista Fofano, um italiano do Mogliano Veneto, em Treviso. As testemunhas desse enlace matrimonial foram Antonio e Armando Stefani, provavelmente irmãos de Amabile. Carlo Batista Fofano adquiriu o lote 27 da Colônia Agrícola da Constança. Os filhos de Carlo e Amabile foram: Alberto Carlos casado com Amelia Bedin,  Maria casada com Geraldo Campana, José, Alfredo e Eugenio Fofano.

Camila Stefani, que aparece em alguns documentos como Carmelinda Estêvão, nasceu na Itália em 1894 e casou-se em Leopoldina no dia 27 de junho de 1914 com Agostino Meneghetti, filho de Maria Verona e Luigi Meneghetti. Os descendentes deste casal foram citados em nosso texto publicado neste Jornal na primeira quinzena de julho passado.

Eugenio Stefani, nascido na Itália em 1887, casou-se também na Matriz de Nossa Senhora da Piedade, em Piacatuba, em maio de 1907. Sua esposa, Carolina Catterina Bolzoni, filha de Angela Maria Mancastropa e Luigi Bolzoni, nasceu em Pizzighettone, Cremona, Lombardia. Eugenio Stefani adquiriu o lote 34 da Colônia Agrícola da Constança, no qual se instalou em junho de 1910. Dois meses depois nasceu seu filho Antonio Stefani e, em 6 de abril de 1913, uma filha que recebeu o nome de Ernestina Stefani.

Sabemos que Luigi Bolzoni nasceu no dia 28 de janeiro de 1858, em Pizzighettone. Era filho de Rosa Brambati e Giovanni Bolzoni. No dia 12 de fevereiro de 1888 Luigi casou-se em Grumello Cremonese com Angela, filha de Maria Rondini e Giovanni Maria Mancastropa. Angela Maria teve uma irmã, de nome Grazia Maria Maddalena Mancastropa, nascida em 1867 em Grumello Cremonese. Segundo os registros italianos, Grazia Maddalena também teria saído da Itália. Mas não sabemos se veio junto com a irmã.

Em Pizzetone nasceram os dois primeiros filhos de Angela e Luigi Bolzoni: Pietro em 15 de fevereiro de 1889 e Carolina Catterina no dia 14 de maio de 1890. No dia 13 de abril de 1893 nasceu o filho Angelo Giovanni, em Sesto ed Uniti, outro comune da mesma província de Cremona, região da Lombardia.

E por hoje ficamos neste ponto. No próximo faremos novas referências à família Stefani e diremos dos entrelaçamentos com os Bolzoni e Tazzari.

Luja Machado e Nilza Cantoni

 

HOME

Colunas Anteriores

ENTRE EM CONTATO

Creative Commons License
Este trabalho está sujeito a uma licença de uso: Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 3.0 License.