Arquivo da tag: Thier

Sobrenome de família imigrante que viveu em Leopoldina.

Colônia Agrícola da Constança: 108 anos

Lotes da Colônia Agrícola da Constança
  • Share on Tumblr

Os primeiros moradores da Colônia Agrícola da Constança

Conforme temos dito em várias oportunidades, a Colônia Constança não acolheu apenas imigrantes italianos. Ao transferimos para este novo endereço os textos publicados no final da década passada, voltamos a receber consultas sobre a presença de outras nacionalidades naquele núcleo colonial. Por esta razão, republicamos algumas informações que obtivemos nos Relatórios da Diretoria de Terras e Colonização de Minas Gerais.

No decorrer do ano de 1909, iniciaram-se os trabalhos de preparo dos lotes do núcleo que acolheria imigrantes em Leopoldina. A 12 de abril de 1910 foi assinado o Decreto 280 criando a Colônia Agrícola da Constança. O primeiro morador foi o Sr. João Baptista de Almeida Paula, que passou a residir naquele núcleo a 01.07.1909. Nos meses de novembro e dezembro de 1909, a Colônia recebeu as famílias de Mathias Hensul, Franz Ketterer, August Krauger, August Schill, Wilhelm Zessin, Augusto Mesquita, Franz Negedlo, Karl Thier e Fritz Zessin, mencionados nesta ordem de chegada no relatório do administrador da Colônia. Em janeiro de 1910, foram instaladas as famílias de Herman Krause, Ernest Lang, Franz Schaden, Bruno Troche e Manoel da Cruz Cartacho.

  • Share on Tumblr

A evolução da Colônia nos primeiros anos

Inicialmente foram demarcados 60 lotes. No ano seguinte contavam-se 65 e, em 1911, o número aumentou para 68. Com a aquisição da fazenda Palmeiras, a colônia passou a somar 73 lotes. Destes, ao final do exercício de 1912, apenas 64 estavam ocupados, sendo apenas um por título definitivo.
Devidamente cercados e com uma casa de morada coberta de telhas, os lotes foram vendidos principalmente aos imigrantes que ali passaram a cultivar toda sorte de produtos, a maioria deles para serem vendidos na cidade ou, na “venda de secos e molhados”, que ficava na entrada da Boa Sorte e que se transformou num verdadeiro entreposto comercial para uma vasta região.
As casas da Colônia tiveram como modelo (planta) as da Colônia Vargem Grande, uma colônia que já existia nas proximidades de Belo Horizonte.
Sabemos que entre novembro e dezembro de 1909, com 15 lotes preparados, foram instaladas na Constança onze famílias, sendo 8 alemãs (38 pessoas), 1 austríaca (7), 1 portuguesa (3) e 1 brasileira (8 pessoas). Essa população era formada por 31 pessoas do sexo masculino e 25 do feminino.
A Gazeta de 17.04.1910 informa que no mesmo mês da criação da Colônia foram deferidos os pedidos de lotes dos colonos Friederich (Fritz) Zessin, August Kraucher (Krauger), Karl Thiers, Franz Havier, August Schill, João Gerhim, Hermann Richter, Bruno Troche, Hermann Kunse (Krause) e Erust (Ernest) Lang. Informa ainda que o lote nº 41 foi cedido a Augusto Mesquita, que João Carminatti pretendia os de números 58 e 59 e que o lote 64 havia sido adquirido por Manoel Gomes Pardal.
Dos 16 colonos assentados no primeiro ano, 7 a abandonaram, tendo sido inscritos como devedores. Outros dois abandonaram a Colônia no ano seguinte.
  • Share on Tumblr

População da Colônia Agrícola da Constança em 1910-1911

O RELATÓRIO DA DIRETORIA DA AGRICULTURA, TERRAS E COLONIZAÇÃO, ano de 1911, permite analisar os dados populacionais da Colônia Constança no seu primeiro ano de efetiva existência.
A sua população era então de 386 indivíduos, sendo 183 do sexo masculino e 203 do feminino, distribuídos pelas seguintes nacionalidades: brasileira 53, italiana 164, portugueza 58, alemã 49, espanhola 2, austríaca 6 e turca 4. Ressaltamos que nem todos os habitantes da colônia eram proprietários de lotes. Pelo contrário, um número expressivo era composto de agregados às famílias dos colonos, imigrantes que não haviam se adaptado ao regime de trabalho imposto pelos fazendeiros da região e que, em alguns casos, estavam há quase vinte anos morando provisoriamente nos mais diferentes lugares. Muitas vezes também, o proprietário do lote era apenas aquele que conseguira aprovação ao seu projeto de financiamento. Mas o trabalho era realizado por diversas famílias que seriam meeiras do colono registrado.
Segundo o Relatório acima citado, no exercício de 1911 estavam localizadas no núcleo 18 famílias, com o total de 93 indivíduos, mas uma a abandonou no mesmo ano. No entanto, é preciso observar que o relatório não se refere ao ano civil, mas ao ano decorrido desde o relatório anterior, baseado em mapas de janeiro de 1910.
Quanto aos que abandonaram a colônia, foram 9 famílias com 50 indivíduos, chefiadas por: Angelo Bucciol, August Krauger, August Schill, Bruno Troche, Franz Negedlo, Franz Schaden, Herman Krause, Karl Thier e Demetrio de Lorenzi. Este último instalou-se na Colônia no dia 26.02.1911 e três meses depois a abandonou, tendo sua saída sido registrada a 30.05.1911. O montante da dívida destes colonos era então de 2:821$398.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Share on Tumblr