Arquivo da tag: Sellani

Sobrenome de família imigrante que viveu em Leopoldina.

Colônia Agrícola da Constança: 108 anos

Lotes da Colônia Agrícola da Constança
  • Share on Tumblr

Há 100 anos

Em fevereiro de 1914 nasceram em Leopoldina:

Dia 2

Iraci, filha de José Vital de Oliveira e de Mariana Custódia de Moraes

Manoel, filho de Silvano Barbosa da Rocha e de Ana de Melo Gouvêa

Dia 4

Antonia, filha de Joaquim Vargas Corrêa e de Maria Francisca Vargas

Dia 6

Maria Luiza Piccoli, filha de Elias Piccoli e de Corina Meneghelli

João Gottardo, filho de Domenico Giuseppe Gottardo e de Avelina Carolina de Jesus

Dia 7

Yolanda Iennaco, filha de Lorenzo Iennaco e de Emma Sparanno

Dia 9

Alfredo Sellani, filho de Sante Sellani e de Ana Bisciaio

Dia 10

Dagmar, filha de Romulo de M Pacheco e de Olga Fialho

José, filho de Pedro José Pacheco e de Dorcelina Amélia de Jesus

Dia 14

Emilia Minelli, filha de Antonino Minelli e de Marina Fontanella

José, filho de Antonio Vargas de Moraes e de Mercedes de Almeida Lacerda

Dia 16

Juracy, filha de Luiz Botelho Falcão e de Ernestina Antunes Barbosa

Dia 18

Mario, filho de Constantino Ribeiro Lima e de Cecilia Antunes Barbosa

Dia 24

Ilda, filha de Ricardo dos Reis Coutinho e de Maria Cândida

Sebastião, filho de Waldemar Tavares Lacerda e de Jovenila Lisboa

Dia 27

Deolinda Maimeri, filha de Luigi Maimeri e de Carolina Rancan

Erundy Carneiro, filha de Juvenal Lúcio de Andrade Carneiro e de Honorina Antunes Vieira

Dia 28

Luiz Lammoglia, filho de Francisco Alves Lammoglia e de Luiza Guersoni

  • Share on Tumblr

Colônia Agrícola da Constança: primeira posse

No primeiro dia do mês de julho de 1909, João Baptista de Almeida Paula tomou posse do lote número 1 da Colônia. Mas somente no dia 12 de abril do ano seguinte seria assinado o Decreto nº 2801, criando o núcleo e dando-lhe a denominação de Colônia Agrícola da Constança.

A Lei nº 438, de setembro de 1906, em seu parágrafo I estabelecia normas para fundar instituições agrícolas que acolheriam colonos nacionais e estrangeiros, com o objetivo de desenvolver a agricultura. No caso de Leopoldina, observa-se que foram adquiridas partes de fazendas vizinhas à Colônia Santo Antônio, de âmbito municipal, no decorrer da primeira década do século XX.

Segundo notícias publicadas no jornal Gazeta de Leopoldina da época, o primeiro administrador foi o italiano Ferdinando Sellani, que permaneceu no posto até outubro de 1909, quando o governo nomeou Guilherme Prates, que permaneceu no cargo até 16 de maio de 1911.

Sabemos que muitos imigrantes, que chegaram ao Brasil no final dos anos oitocentos, trabalharam na implantação da Colônia Agrícola da Constança. Provavelmente viviam na Santo Antônio e foram absorvidos pelo Estado para os trabalhos de demarcação dos lotes, construção das casas e preparo das áreas agricultáveis. E João Baptista de Almeida Paula foi o primeiro colono a assinar o contrato de compra.

  • Share on Tumblr

Um diretor nascido na Umbria

Com a ajuda de nosso amigo Romulo Sellani, descobrimos a origem de uma família ligada à Colônia de um modo especial. É que Ferdinando Sellani foi seu primeiro diretor de obras, tendo sido também proprietário de um lote da Fazenda das Palmeiras que foi adquirido pelo estado para ampliação do território do núcleo. E Sante Sellani foi proprietário do lote de número 60 da Constança, dele tomando posse em junho de 1910. Segundo a lista de passageiros do vapor Città di Milano, a família passou ao Brasil em 1898 e instalou-se inicialmente em Juiz de Fora.

Outra família radicada em Leopoldina, com origem na Umbria, foi a De Angelis.

  • Share on Tumblr

Os proprietários dos lotes da Colônia Agrícola da Constança

No momento em que os moradores de Leopoldina se movimentam para comemorar o Centenário da Colônia Agrícola da Constança, estamos recebendo diversas consultas sobre os proprietários dos lotes.

Sabemos que a área de 17.437.500,00 metros quadrados foi inicialmente dividida em 60 lotes, com cerca de 25 hectares cada um, além de um logradouro público. Posteriormente alguns lotes foram redivididos, atingindo um total de 72 unidades produtivas. Conseguimos identificar os proprietários de 64 lotes, sendo que em alguns casos encontramos também o nome do segundo comprador.

A relação a seguir foi organizada pelo número dos lotes que, quando repetidos, indicam os nomes dos primeiro e do segundo proprietários.

Lote Colono
1 Paula, João Baptista de Almeida
2 Passos, Manoel José dos
2 Pardal, Manoel Gomes
3 Macedo, Francisco Carneiro de
4 Lomba, Jesus Salvador
5 Lorenzi, Demetrio de
5 Meccariello, Carlo
6 Campagna, Felice Antonio
7 Carraro, Victorio
8 Fofano, Paschoal Domenico
9 Meneghetti, Felice
10 Santos, Augusto
11 Balbini, Pietro
12 Colle, Francesco
13 Pittano, Giuseppe
14 Sampieri Giovanni
15 Pumpemayer, Modesto
16 Montes, Auriel de Rezende
17 Reiff Júnior,Francisco Antonio
18 Silva, Jeronymo José da
19 Carvalho, João Pacheco de
20 Marcatto, Luigi
21 Bucciol, Angelo
21 Abolis, Francesco
22 Raipp, João Simão
22 Rodrigues, Antonio Augusto
23 Bonini, Fortunato
24 Travain, Eugenio
25 Meneghetti, Viúva de Luiz
26 Gottardo, Giovanni Baptista
27 Fofano, Carlo Batista
28 Abolis, Leopoldo
28 Montagna, Antonio
29 Boller, Giovanni
30 Mihe, Henrique
30 Lupatini, Giovanni
31 Krause, Herman
31 Boller, Luigi
32 Troche, Bruno
32 Boller, Giuseppe
33 Zessin, Fritz
34 Stefani, Eugenio
35 Casadio, Giuseppe
36 Ferreira, Francisco Dias
37 Cartacho, Manoel da Cruz
38 Secanelli, Angelo
39 Lupatini, Giovanni
40 Costa, José Manoel da
41 Mesquita, Augusto
42 Ferrari, Paschoal
44 Schaden, Franz
44 Rottemberg, Rudolf
45 Schill, August
45 Fischer, Gustav
46 Ketterer, Franz
47 Figueiredo, Julio Teixeira
48 Negedlo, Franz
48 Klaiber, João Jorge
49 Zessin, Wilhelm
50 Krauger, August
50 Beatrici, Pietro
51 Lang, Ernest
52 Hensul, Mathias
53 Thier, Karl
53 Beatrici, Felicio
54 Richter, Hermann
55 Anzolin, Giovanni Ottavio
56 Giuliani, Candido
57 Anzolin, Basilio
58 Carminatti, João
59 Carminatti, João
59 Pedroni, Angelo
60 Sellani, Sante
61 Brando, Braz
62 Carvalho, Pedro Pacheco de
63 Pardal, Manoel Gomes
64 Pardal, Manoel Gomes
66 Rodrigues, Antonio Augusto

  • Share on Tumblr

Os Administradores

A Colônia Constança era dirigida por um representante do governo de Minas, nomeado para o cargo de Administrador da Colônia. Este funcionário era responsável pela venda dos lotes, recebimento das prestações e organização geral das atividades. O primeiro deles foi o Sr. Ferdinando Sellani, irmão do colono Santo Sellani, lote 60. Ferdinando permaneceu no posto até outubro de 1909.
O governo nomeou, então, Guilherme Prates que, segundo a Gazeta de 27.05.1911, permaneceu no cargo até 16.05.1911, quando foi transferido para a Colônia Santa Maria, em Sobral Pinto/Astolfo Dutra.
Da Santa Maria, na mesma data, veio o diretor Félix Schmidt, que administrou a Constança por um curto período, pois em 30.06.1911 veio a falecer.
Assumiu o cargo, a partir daí, o Sr. Climério Duarte Godinho, que já exercia a função de auxiliar desde julho de 1909 e que permaneceu até a total quitação dos financiamentos dos lotes e emancipação da colônia.
O Sr. Climério residiu na sede da Colônia, que funcionava na antiga fazenda Boa Sorte, hoje de propriedade da família Bonin (Bonini). Ali funcionava a escola pública que atendia às famílias dos colonos.
Outro nome que esteve ligado à administração da colônia é o de João Ventura Gonçalves Neto, que foi também Juiz de Paz em Leopoldina.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Share on Tumblr