Arquivo da tag: Ribeiro Junqueira

101 – Pelos 164 anos de emancipação de Leopoldina: as Exportações da Produção do Feijão Cru

O Trem de História mostra hoje um pouco dos diferentes meios e modos de escoamento da produção desde os primórdios do Feijão Cru e da Vila de Leopoldina, passando pelos primeiros tempos da cidade e os dias atuais.

Construção de Ponte sobre o Rio Pomba, entre a estação ferroviária Vista Alegre, município de Leopoldina, e o distrito de Vista Alegre, município de Cataguases.

Quando se pensa em contar a história da exportação de produtos de Leopoldina vem logo a imagem dos vagões de trens abarrotados de café, caminhões pipas transportando leite ou, carrocerias lotadas de cereais e engradados com aves vivas. Se história de um tempo mais recente, com negócios geridos por exportadores versados nos ensinamentos do conterrâneo José Augusto de Castro(1), certamente se imaginarão carretas refrigeradas e caminhões baú.

 Mas houve um tempo no qual a produção partia do Feijão Cru por caminhos bem diferentes. Se a carga era de animais vivos, boiadas principalmente eram tocadas a pé pelas estradas por treinados boiadeiros. Se cargas da lavoura ou dos engenhos, eram geralmente levadas por tropas de muares e carros de bois para o Registro do Porto Novo do Cunha, na atual Além Paraíba ou, para o Registro do Porto da Barra do Pomba, localizado na foz do rio deste nome no Paraíba do Sul, em território hoje pertencente à cidade de Aperibé (RJ). Isto, muito antes da presidência da república ser ocupada por Washington Luís (1926 a 1930), deposto pelo Estado Novo, ter tido como lema de governo o seu célebre “Governar é abrir estradas”.

Porto das Barcas, Aperibé, RJ: neste local funcionava o porto da foz do Rio Pomba no Rio Paraíba do Sul, por onde se escoava a produção do Feijão Cru até 1870.

Entre 1841 e 1880, tais partidas de mercadorias, conforme documentos do Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro(2) relativos à exportação de produtos da região de Leopoldina para a Corte, seguiam estes caminhos. Principalmente as mais antigas, de 1841 e 1842, que passaram pelo Registro de Porto Novo do Cunha, em cujo termo de abertura consta a declaração de que o livro serviria ao registro das guias de remessa dos gêneros sujeitos a imposto.

Vale lembrar que de tais guias constam itens como: açúcar, azeite, café, cavalo, feijão, galinha, polvilho, queijo, toucinho e varas de pano (provavelmente tecido grosseiro de algodão). Mas já para o ano de 1859 só foram encontrados mapas da arrecadação de imposto sobre o café exportado através daquele Porto para a Província do Rio de Janeiro, não sendo possível identificar os exportadores e nem mesmo assegurar quais deles eram da então Villa Leopoldina.

A partir de 1860, num livro do Registro do Porto da Barra do Pomba, de Aperibé (RJ), os registros passam a ser mais precisos e já se consegue identificar a propriedade exportadora e o café como principal produto comercializado.

Da Villa Leopoldina, excluídos seus então distritos Angu, Capivara e Laranjal, naquele ano de 1860 os seguintes produtores exportaram café para o porto de São Fidelis-RJ(3), de onde seria revendido para a Corte e outras províncias: Agostinho Luiz de Menezes; Antonio Bittencourt de Castro; Antonio José Rodrigues; Bento Pereira da Cruz; Caetano Pedro de Matos; Carlos Augusto Cabral; Cesário José dos Reis; Diogo Gonçalves de Medeiros; Felicíssimo Vital de Moraes; Francisco Antonio de Lima; Francisco Pereira da Ponte; Jacinto Monteiro de Barros; João Paulo Coutinho; Joaquim Corrêa; Joaquim José da Costa Cruz; Joaquim Machado Neto; Joaquim Manuel; José Ignacio Couto; José Joaquim Ferreira Monteiro de Barros; José Rodrigues Gomes; José Tavares de Oliveira; José Teixeira Lopes Guimarães; Luiz Manoel de Castro e Silva; Maria Antonia; Maria do Carmo Monteiro de Barros; Mariano Pacheco Couto; Thomaz Furtado Branquinho; e, Vicente Ferreira Monteiro de Barros.

Em 14.10.1864, o capitão Alfredo de Barros e Vasconcellos, Diretor de Obras Públicas da Província de Minas Gerais, e Antonio Rodrigues da Costa, Engenheiro Chefe, cumprindo as ordens de 11 de abril e 6 de maio daquele ano, encaminham à Corte planta e orçamento para o reparo e melhoramento indispensável da estrada que do ponto fronteiro à villa de S. Fidelis segue à Província de Minas Geraes pela margem esquerda dos rios Parahiba e Pomba, passando pela freguesia de Santo Antonio de Padua do mesmo município de S. Fidelis.

Interessante observar que, no mesmo documento, o Capitão Alfredo pondera ser uma obra que excede à verba decretada e informa que na margem fronteira corre paralelamente (até a foz do Pomba) uma outra estrada por planicie soalheira, e que além de dous ramaes que lança para as freguesias de São Sebastião do Alto e Santa Rita do Rio Negro de Cantagallo, por onde desce muito café desta provincia, vai directamente pela margem direita do Parahiba entroncar na estrada de ferro de D. Pedro 2º no Porto Novo do Cunha. Estrada que receberá melhoramentos já orçados a 20 de março de 1862 e que necessariamente teem de ser feitos, podendo ella dispensar a outra.

Chegada a era da Estrada de Ferro, a exportação deixou de ser feita pelo leito dos rios e estradas de acesso a eles e, com isso, os controles ou recebedorias passaram para as estações. A partir daí, no território pertencente a Leopoldina, esse controle passou a ser feito pelas estações inauguradas entre dezembro de 1874 e julho de 1877 – Providência, São Martinho, Santa Isabel (hoje Abaíba), Recreio, Campo Limpo (hoje Ribeiro Junqueira), Vista Alegre e Leopoldina. Na Estação de Campo Limpo, segundo os documentos pesquisados, havia armazém com capacidade para estocar a produção até o momento do embarque. E pelo livro de 1880 dessa estação, o mais antigo existente no Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, observa-se que o café permanecia como principal produto de exportação e os produtores eram dos municípios de Leopoldina, São Paulo do Muriaé e Cataguases, não havendo identificação de cada um deles.

Estação ferroviária em Ribeiro Junqueira, Leopoldina, MG

Mas exportação através da linha férrea já é uma outra história para uma futura viagem. Por hoje o Trem de História fica por aqui.


Fontes do consulta:

1 – CASTRO, José Augusto de. Exportação – Aspectos Práticos. 4. ed. São Paulo: Aduaneiras, 2001

2 – Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro. Registro do Porto Novo do Cunha 1841-1842 e 1859; Registro da Barra do Pomba, 1860; Fundo Presidência da Provincia do Rio de Janeiro, Notação 439, 1864;  Registro do Campo Limpo, 1880

3 – São Fidelis (RJ) era a cidade de destino do memorialista Francisco de Paula Ferreira Rezende, autor de Minhas Recordações, quando, em 1861, chegou a Leopoldina.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 354 no jornal Leopoldinense de 27 de abril de 2018

  • Share on Tumblr

21 – Mais um pouco de opinião e política

Logo da coluna Trem de História no jornal Leopoldinense

Conforme o prometido no artigo anterior, o Trem de História preencherá o vagão de hoje com o que resta na plataforma de opinião e política.

Para começo do trabalho, busca a edição de nº 3 do Arame, publicada em 11.12.1898, que bem representa o que foi este periódico. Nela se encontram matérias que descortinam vários assuntos daquele momento, numa clara demonstração de que este pequeno jornal praticava realmente a crítica assumida em seu subtítulo.

Um dos temas é uma “disputa de lavadeiras” entre a Gazeta de Leopoldina e O Leopoldinense, denunciada na primeira página. Conselho do articulista: que O Leopoldinense dê o exemplo de comedimento, calando-se, e deixe a Gazeta “gritar [porque] ela tem força é mesmo na língua”.

Logo depois, vem uma mensagem aparentemente cifrada: “as cabras preservam os outros animais da epizootia”, razão pela qual “o Zezé tomou o Mingote”.

Traduzindo-se por comparação com outras matérias d’O Arame, esta frase poderia significar que os jornais leopoldinenses deveriam agir como as cabras, defendendo-se da enfermidade contagiosa (epizootia) representada pelo Mingote (Ribeiro Junqueira).

E assim, sucessivamente as quatro páginas do periódico traziam também notícias como a do lançamento de um jornal em distrito da cidade, ao lado de reclamações por maus serviços públicos, bem como notas sociais. Na seção literária, inicialmente foram publicados poemas ou frases de Voltaire e José Alencar, além de máximas do escritor e teatrólogo francês Edmond de Goncourt que, na época, saíam em jornais parisienses e nacionais. Mais tarde esta seção, que inicialmente chamou-se “Pensamentos” e localizava-se na terceira página, passou para a primeira e publicou ensaios literários de autores sem fama conhecida.

Vale registrar que em todos os periódicos leopoldinenses analisados foi encontrado, de forma mais ou menos frequente, material produzido em ou sobre localidades distantes e até mesmo vindas do exterior. Num primeiro momento pensou-se na hipótese de serem republicações de outros jornais a que os editores tinham acesso. Contudo, informações sobre a trajetória profissional de Ricardo José de Oliveira Martins encaminharam as sondagens em outra direção.

Nascido em Leopoldina no dia 03.04.1879, aos 20 anos Ricardo Martins era encarregado da composição de tipos na Gazeta de Leopoldina, portanto empregado de Ribeiro Junqueira que o nomeou para o cargo de Agente do Correio. Através de acusações e cartas de defesa publicadas nas páginas d’O Leopoldinense e da Gazeta, entre dezembro de 1898 e abril de 1899 envolvendo Ricardo Martins, entende-se que houve problemas com a entrega de telegramas que trariam informações importantes para os jornais concorrentes.

Diga-se, a propósito, que antes da inauguração da Estrada de Ferro Leopoldina a população contava com um único meio de receber correspondência: as cartas vinham pelo Correio que, segundo A. Assis Martins e J. Marques Oliveira, no Almanak Administrativo, Civil e Industrial da Província de Minas Geraes para o ano de 1865, deveriam chegar a Leopoldina às 18 horas dos dias ímpares de todos os meses do ano. Depois da ferrovia, conforme ensina Joseph D. Straubhaar e Robert La Rose, em “Comunicação, Mídia e Tecnologia” “a estrada de ferro e o telégrafo se integraram e se complementaram” e o interior teve acesso a um novo meio de comunicação. A partir daí, segundo os mesmos autores “o desenvolvimento do telégrafo […] levou a uma revolução na distribuição das notícias”. Opinião corroborada por Nelson Werneck Sodré para quem, até 1874, as notícias chegavam ao interior por carta e telégrafo que, ao agilizar o acesso, estimulou até mesmo a criação de página dedicada a notícias internacionais.

Por hoje o Trem de História fica por aqui. No próximo ele volta com outro assunto.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA
Publicado no jornal Leopoldinense de 1 de abril de 2015

Parte XVI de A Imprensa em Leopoldina (MG) entre 1879 e 1899

  • Share on Tumblr

6 – Literatura, Jornalismo e Política

Logomarca da coluna Trem de História no jornal Leopoldinense

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA
Publicado no jornal Leopoldinense de 1 de setembro de 2014

Continuação do trabalho A Imprensa em Leopoldina (MG) entre 1879 e 1899

Ficou dito na coluna anterior que as últimas décadas do século XIX não foram apenas uma grande época política, mas também literária. E é Nelson Werneck Sodré, no livro “A História da Imprensa no Brasil”, quem lembra que, para Silvio Romero, “no Brasil […] a literatura conduz ao jornalismo e este à política”. O mesmo autor declara que “os homens de letras faziam imprensa e faziam teatro” e menciona a trajetória de literatos como José de Alencar e Machado de Assis.

O Trem de História de hoje lembra que em Leopoldina existiram dois exemplos clássicos de literatos que seguiram este caminho.

O primeiro foi o poeta Dilermando Martins da Costa Cruz, aqui nascido aos 15.09.1879. Tipógrafo dos primeiros anos da Gazeta de Leopoldina publicou vários de seus poemas neste jornal de cujas oficinas saiu também, em 1899, seu segundo livro de poesias – Diaphanas. Em janeiro daquele ano fundou um externato na cidade, conforme a Gazeta de Leopoldina de 22.01.1899. Em 1902 lançou o jornal Folha do Leste, em Leopoldina, do qual era o redator, conforme nota de O Pharol, de Juiz de Fora, 15.11.1904. Segundo ainda O Pharol, (edição de 13.09.1901, pag. 2), em 1901 era promotor de justiça da Comarca de Leopoldina e permanecia como redator da Folha do Leste em março de 1905, conforme noticiou o periódico juizforano na edição de 28 daquele mês. Na edição de 10.06.1905 o mesmo jornal informou que Dilermando Cruz atuava no Echo de Leopoldina. Em 16.05.1906, na primeira página d’O Pharol saiu a notícia de que Dilermando  estava cuidando da fundação de um diário na cidade de Juiz de Fora, o qual estaria nas ruas no final daquele mês, notícia confirmada na edição de 14 de junho seguinte já com o nome do periódico: Correio da Tarde. Tendo, então, transferido residência para Juiz de Fora, no ano seguinte ali nasceu o filho homônimo do poeta que viria a ser prefeito daquela cidade. Em junho de 1907, segundo O Pharol, estava concluído o terceiro livro do poeta Dilermando que seria enviado aos editores Garnier, de Paris. Informação que encontra maior relevância na declaração de Nelson Sodré para quem a Garnier “enobrecia os autores que lançava”.

O segundo exemplo de literato é o de Estevam José Cardoso de Oliveira, nascido em Piraí, RJ, no dia 28.01.1853. Estevam mudou-se para Cataguases em 1865, onde foi alfabetizado. Mais tarde ele se tornou professor de primeiras letras em Campo Limpo (atual Ribeiro Junqueira) onde fundou o jornal O Povo em 1885. Após residir por quase quinze anos em Leopoldina, retornou a Cataguases para onde transferiu o seu jornal. No mesmo ano lançou-se candidato ao Congresso Mineiro e, em 1894, transferiu-se para Juiz de Fora onde fundou o jornal Correio de Minas. Juntamente com Dilermando Cruz cuidou da organização da Liga Literária, semente da Academia Mineira de Letras, fundada em Juiz de Fora aos 25.12.1909, e de cuja primeira diretoria os dois faziam parte.

Não resta dúvida que a atuação política de Dilermando Cruz transparece desde o início de sua carreira jornalística, em Leopoldina, assim como a de Estevam de Oliveira. E esta atuação teve um ponto alto em julho de 1907, conforme nota na edição 171 d’O Pharol, quando os dois escritores levantaram, em seus respectivos jornais Correio da Tarde e Correio de Minas, a candidatura à reeleição como presidente da Câmara do Dr. Duarte de Abreu, tomando posição contrária ao poder vigente numa clara demonstração da atividade político partidária de dois representantes da imprensa leopoldinense dos primeiros tempos.

Aliás, Estevam de Oliveira publicou “Notas e Epístolas: Páginas Esparsas da Campanha Civilista pela Tipografia Brasil”, de Juiz de Fora, em 1911, obra na qual demonstrou, como já fizera Dilermando Cruz na edição número 258 d’O Pharol, em 29.10.1905, o desprezo que sentia pela atuação política do então Senador Ribeiro Junqueira, também natural de Leopoldina e um dos sócios do primeiro jornal em que trabalhou Dilermando Cruz, a Gazeta de Leopoldina.

A carga do vagão de hoje está completa. Restou na plataforma, um pouco de política e mais uma parte de literatura. Mas isto será embarcado na próxima viagem do Trem de História, no próximo Jornal.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Share on Tumblr