Arquivo da tag: Freitas

Sobrenome de família leopoldinense.

Fevereiro de 1918

Nascimentos em Leopoldina

1 Fev 1918,

Argemira

pais: Alvaro de Souza Lima e Maria Augusta Guimarães

Lillo Codo

pais: Alfredo Codo e Luiza Teresa Napolitano

Sebastião Cecilio Marinato

pais: Vincenzo Sante Marinato e Maria Francisca de Jesus


2 Fev 1918,

Antonio

pais: Moisés dos Reis Coutinho Filho e Adelaide Ferreira Brito

Junis Botelho Falcão

pais: Luiz Botelho Falcão V e Ernestina Antunes Barbosa


3 Fev 1918, Ribeiro Junqueira,

Manoel

pais: Mário Alcântara e Carolina de Jesus


6 Fev 1918,

João Bonin

pais: Jacinto Bonin e Marcelina Colle

cônjuge: Maria da Conceição Moreira

Anselmo Deiana

pais:

Enrico Deiana e Silvia Basto Fazzolo


9 Fev 1918,

Antonio Cucco

pais: Giuseppino Cucco e Carolina Farinazzo

cônjuge: Ermelinda Sangirolami


18 Fev 1918,

Manoel de Freitas Ramos

pais: José Carlos de Oliveira Ramos e Geraldina de Freitas

cônjuge: Minah Freitas de Oliveira


19 Fev 1918,

Iracema do Vale

pais: João Rodrigues da Silva Vale e Odilia Dutra do Vale

cônjuge: Vicente Dietz de Almeida


27 Fev 1918,

Ruth Garcia

pais: Silvandino Funchal Garcia e Esmenia Ferreira

cônjuge: José Ribamar de Freitas

  • Share on Tumblr

Setembro de 1916

Há 100 anos, nasceram em Leopoldina:

2 set 1916: Otavio   filho de Flavio dos Santos Lisboa e de Antonia Laudelina de Paula

3 set 1916: Irene Ladeira   filha de Jovencio José de Oliveira e de Alice Garcia de Matos

7 set 1916: Herondina Domingues   filha de Rafael Domingues e de Idalina Narcisa Gomes

14 set 1916: Maria Crisafi   filha de Antonio Crisafi e de Constança Serpa

15 set 1916: Antonio   filho de Domenico Zamboni e de Assunta Campana

16 set 1916: Angelina   filha de Virgilio de Souza Nogueira e de Suzana Narcisa de Jesus

17 set 1916: Geraldo   filho de Cornelio Lopes da Rocha e de Joana de Oliveira Ramos

18 set 1916:

Nilo Barbosa de Oliveira   filho de Juvenal Barbosa de Oliveira e de Ermelinda de Freitas Lima;

Noemia Ferreira Souza   filha de Carlos de Souza Guerra e de Alice Ferreira Neto; e,

Dorvina   filha de Carlos José de Souza e de Maria José da Glória.

22 set 1916: Cizete   filha de Luiz Eugênio Botelho e de Cynira Capdeville

29 set 1916: Dinorah   filha de Waldemar Fajardo de Melo e de Rita

30 set 1916:

Luiz Antonelli   filho de Sante Antonelli e de Maria Rosa Richardelli, e

Luiz Samorè   filho de Paolo Samorè e de Carolina Honória de Jesus

  • Share on Tumblr

Junho de 1916

Há 100 anos, nasceram em Leopoldina:

5 jun 1916

Lea

filha de Lauro Teixeira Lopes Guimarães e de Marieta

8 jun 1916

Jacira Gouvêa

filha de Antonio Caetano Gomes e de Leniria Moraes Gouvêa

11 jun 1916

Raimundo Antinarelli

filho de Alfredo Antinarelli e de Carmen Franzone

22 jun 1916

Manoel

filho de Alfredo Gomes da Silva e de Cecília Pimentel

25 jun 1916

Abilio Conti

filho de Giuseppe Conti e de Aristea Regina Meneghelli

27 jun 1916

João Batista de Freitas Lustosa

filho de Custódio de Almeida Lustosa e de Maria das Dores de Freitas

30 jun 1916

Clemente Batista Maragna

filho de Silvio Maragna e de Elisa Fazzolo

  • Share on Tumblr

17 – A Leopoldina

Logomarca da coluna Trem de História

A Leopoldina é o nome do periódico de hoje no Trem de História. Um periódico de existência curta, mas que teve importância em razão dos seus sócios e redatores.

Sua primeira edição data de 16.02.1893, embora Xavier da Veiga, em Efemérides Mineiras, informe que este jornal teria sido lançado em 1892.

Dele, no Arquivo Público Mineiro não foram encontradas edições. Já no acervo da Biblioteca Nacional existem dois exemplares, sendo um deles o de número 1, onde se constata a data de lançamento.

Era propriedade de Galdino & Coura e seus redatores eram os sócios: Galdino Vieira de Freitas e Jorge Rodrigues Coura. Suas oficinas localizavam-se na Rua Cotegipe nº 13 e as edições eram lançadas nas quintas-feiras.

Diferentemente de outros jornais da época, este não trazia subtítulo e não indicava valor de número avulso. Só informava o preço da assinatura anual, do que se depreende ser o valor cobrado de moradores de Leopoldina. Não se sabe se havia assinantes de fora da cidade.

Sobre seus sócios e redatores, apurou-se que ocupavam cargo de Escrivão desde 1891 e os dois provinham de Rio Pomba-MG. Galdino Vieira de Freitas casou-se em Leopoldina, em 1886, com Elisa Delfim Gama, filha de Francisco Joaquim de Almeida Gama e Guilhermina Rosa Delfim. Viúvo, contraiu segundas núpcias aos 31 de março de 1894, com Luiza Fernandes que residia na casa onde o Imperador Pedro II almoçou quando esteve em Leopoldina em 1881. Era filha de Francisco de Paula P. Fernandes e Luiza Amélia Cerqueira. Luiza era irmã de Adelaide casada com Alberto Moretzshon Monteiro de Barros e de Maria Leonor casada com Paulino Delfim da Gama e Silva.

Importante lembrar que Alberto Moretzshon era advogado, cujos anúncios em jornal indicam como endereço a Rua Octavio Otoni mas provavelmente o endereço era rua Teófilo Otoni, atual Lucas Augusto. Este advogado foi redator e proprietário do jornal O Mediador e teria lançado o Correio de Leopoldina em 1895, segundo Luiz Eugênio Botelho em “Leopoldina de Outrora”, Entretanto, esta última informação não parece adequada porque o redator e proprietário do Correio de Leopoldina, lançado em 1894 e não 1895, foi Henrique Cancio.

O segundo redator de “A Leopoldina” era Jorge Rodrigues Coura, que foi editor e proprietário do jornal O Bocayú lançado em Rio Pomba no ano de 1882. Curiosamente, este jornal contava com um colaborador que escrevia para diversos jornais mineiros, entre eles o Liberal Mineiro, A Província de Minas e Correio de Leopoldina, chamado Jacobino Freire. Jacobino era poeta, jornalista e professor do Atheneu Leopoldinense. Um literato cuja trajetória confirma as palavras de Nélson Sodré a respeito da carreira jornalística de nomes da literatura nacional. Teria sido, também, um dos redatores de um jornal leopoldinense de nome A República, órgão do partido republicano, ao lado de Theophilo Domingos Alves Ribeiro, Américo Lobo Leite Pereira e Werneck de Lacerda.

No editorial da primeira edição de A Leopoldina, em 16 de fevereiro de 1893, está a informação de que “o marasmo que a epidemia produziu” teve como reação “as múltiplas iniciativas que por todos os lados despontam” e que entre estas iniciativas estava o desejo dos editores de lançar um jornal “moderno, variado, tanto quanto possível noticioso, estranho à politicagem, acima de grupos e de personalidades”.

Na verdade, quase o mesmo tom utilizado por Coura no lançamento do jornal de Rio Pomba, apenas com a referência à epidemia de febre amarela que causou muitas perdas humanas em Leopoldina no ano anterior, sendo determinante para a mudança temporária da administração municipal para Tebas.

A outra edição de A Leopoldina a que se teve acesso foi a de número 10, datada de 21 de abril do mesmo ano de 1893, toda ela em homenagem ao “mártir da Independência”, com textos de diversos autores, incluindo poema. Mas esta não teria sido a derradeira porque O Leopoldinense, edição 28 de 25.11.1894, página 2, publicou uma reclamação de Manoel Joaquim Taveira Júnior contra o jornal A Leopoldina que, na edição de 16 daquele mês, teria atribuído ao Pastor Becker intenções e atos indignos.

Conforme se verifica, a história de um periódico de Leopoldina sempre traz à tona outros órgãos da imprensa local, deixando claro que além das interligações havia um constante movimento em prol da disseminação das informações, fossem elas de qualquer corrente.

O Trem de História de hoje dedicou espaço a um jornal com nome da sede do município, Leopoldina. Como naquela época, provisoriamente, esta sede se transferiu para o distrito de Tebas, no próximo número se dará vez ao periódico chamado A Voz de Thebas. Até lá.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA
Publicado no jornal Leopoldinense de 01 de fevereiro de 2015

Parte XIII de A Imprensa em Leopoldina (MG) entre 1879 e 1899

  • Share on Tumblr

Há 100 anos

Leopoldinenses nascidos em 1914

José 8-set filho de Antonio José Ferreira e de Maria Madalena Noronha
Jonas 11-set filho de Sebastião Damasceno Neto e de Maria José Ferreira
Maria Octavia Gottardo 12-set filha de Michele Arcangelo Gottardo e de Vitalina Duana
Elpidio 14-set filho de Antonio Rodrigues d Oliveira e de Delfina de Moraes Machado
Vicente 15-set filho de José Carlos de Oliveira Ramos e de Geraldina de Freitas
Artur Maragna 24-set filho de Artur Maragna e de Idalina Perillo
Maria Lammoglia 26-set filha de Antonio Lammoglia e de Margaretha Lorenzetto
  • Share on Tumblr

Antigos Professores de Leopoldina

Continuando com o assunto de hoje – a Educação em Leopoldina – queremos pedir a colaboração dos leitores que possam nos ajudar com informações sobre os professores que trabalharam em Leopoldina no século XIX.

Segundo Roberto Capri, no livro Minas Gerais e seus Municípios, publicado em 1916,

“Leopoldina se pode considerar a Athenas da Zona da Matta. A instrucção publica, principal propulsor da civilisação d’um povo é aqui largamente administrada, como attestam os seus estabelecimentos de ensino e a grande frequencia dos seus alumnos.”

Pois bem: a seguir apresentamos a relação dos antigos professores mencionados na documentação disponível, como livros de matrículas, relatórios provinciais, livros da Câmara Municipal e notícias em periódicos. Ao lado de cada nome indicamos o ano mais remoto em que é citado.

Adolfo Gustavo Guilherme Hufnagel – 1881

Alberto Jackson – 1895

Alda Ramos da Fonseca [ou de Bustamante] – 1895

Américo Lobo Leite Preira – 1881

Ângelo de Souza Nogueira – 1885

Ângelo Lopes dos Reis – 1869

Antônia Carolina Pereira Pinto – 1880

Antônio Alves Cordeiro – 1882

Antônio Carlos da Costa Carvalho – 1881

Antônio de Moura Freitas – 1896

Antônio Diogo Vieira – 1883

Antônio Felício de Miranda – 1855

Antônio Maximiano de Oliveira Leite – 1864

Bento Bernardes Castanheira – 1892

Carlos Ribeiro Franco – 1895

Castorina de Rezende Montes – 1898

Clara Sofia Adolphina Gaëde de Carvalho – 1882

Dilermando Martins da Costa Cruz – 1899

Eduardo Magalhães – 1881

Estevam José Cardoso de Oliveira – 1877

Fortunato Serafim Pereira Gomes – 1881

Francisco Raimundo – 1899

Francisco Xavier Vieira – 1900

Gustavo Augusto Pereira Pinto – 1895

Idalina Feu de Carvalho – 1883

Ismael Otaviano Cardoso – 1895

Izabel Augusta Guedes – 1895

João Afonso Viana – 1881

João Alves de Souza Machado – 1882

João Ferreira de Carvalho – 1895

João Xavier Lopes – 1895

José de Souza Duarte – 1880

José de Souza Soares Filho – 1881                         

José Maria Tesson – 1895

Lino Montes – 1899

Luiz Teixeira de Carvalho – 1896

Maria Augusta de Freitas Malta – 1869

Maria Brígida de Medeiros [ou Castanheira] – 1896

Maria Carlota da Gama – 1864

Maria da Trindade Freitas – 1896

Mathilde Marguerite de Barros – 1881

Miguel Teixeira Júnior [ou Taveira] – 1899

Olímpio Clementino de Paula Corrêa – 1880

Pedro Frutuoso da Silva Pires – 1895

Sebastião Fernandes de Andrade Silva – 1896

Sinfrônio Mauricio Cardoso – 1882

Teófilo Ribeiro – 1881

Zeneida Keb Kab – 1898

Zulmira Jackson – 1895


  • Share on Tumblr

Há 100 anos

Leopoldinenses nascidos em dezembro de 1913

Dia 1

Arminda filha de Manoel Ferreira do Couto e de Maria Carolina de Jesus

Ana Maria filha de Antonio Carlos de Almeida Ramos e de Etelvina de Freitas

Dia 6

Mario filho de Honorio Luiz da Silva e de Leonor Ferreira

Dia 9

Maria Aparecida filha de João Pacheco de Carvalho e de Emilia Vasconcelos Pereira

Dia 17

Francisca Antonia Panza filha de Francesco Panza e de Maria Lammoglia

Dia 20

Luiz filho de João do Carmo Ribeiro e de Sofia Capdeville

Paulina filha de Francisco Marques Dideco e de Amelia Rezende Viveiros

Dia 25

Tereza Barbosa filha de Abílio José Barbosa e de Maria Augusta Matos

Dia 28

Maria Luzia Moroni filha de Raffaele Moroni e de Santina Lupatini

Dia 30

Geraldo filho de Manoel Rodrigues de Oliveira e de Rosa Rodrigues Vale

  • Share on Tumblr

Leopoldinenses nascidos em novembro de 1913

Dia 3

Maria Aparecida Barbosa filha de Juvenal Barbosa de Oliveira e de Ermelinda de Freitas Lima

Dia 4

Maria Fofano filha de Carlo Batista Fofano e de Amabile Stefani

Dia 6

João Batista Gottardo filho de Giovanni Battista Gottardo e de Costantina Meneghetti

Dia 9

Francisco filho de Firmino Gonçalves Neto e de Maria Cecília da Silva

Luiz Augusto Rodrigues filho de Paulino Augusto Rodrigues e de Umbelina Cândida Gouvêa

Dia 18

João Batista Carraro filho de Emilio Carraro e de Maria Farinazzo

Dia 24

Geraldo filho de José de Sales Nogueira e de Júlia de Vargas Ferreira Brito

  • Share on Tumblr

Leopoldinenses nascidos em janeiro de 1912

NASCIMENTO
PAI
MÃE
Liberalina
12 Janeiro
Francisco Marques Dideco
Amelia Rezende Viveiros
Nicoleta
15 Janeiro
José Antonio Ferreira
Olivia Ormezinda Vieira
Eugenia Maimeri
28 Janeiro
Luigi Maimeri
Carolina Rancan
Milton
31 Janeiro
Antonio Carlos de Almeida Ramos
Etelvina de Freitas
  • Share on Tumblr

Celia Lima e João Locci: centenário de nascimento

No dia 14 de outubro de 1910, nasceram em Leopoldina:
Célia, filha de Custódio de Freitas Lima e Teresa Martins Vargas
João Locci, filho dos italianos Luigi Locci e Vicencia Deios
A identificação das duas crianças foi dificultada pela mesma causa comum a tantos outros casos: o livro original de batismos foi transcrito pelo Padre Aristides na década de 1920, sem que tenha sido realizada uma conferência. O original foi descartado.
No caso de Celia, a identificação foi um pouco mais fácil porque sua mãe descendia de vários povoadores e o trabalho de Mauro de Almeida Pereira ofereceu pistas que permitiram ampliar o conhecimento da família. Teresa Martins Vargas era bisneta de Antonio Rodrigues Gomes, Bento Rodrigues Gomes e Francisco de Vargas, sendo terceira neta, por parte de pai e mãe, de Manoel Antônio de Almeida.
Já a identificação de João Locci foi bem mais complicada, em virtude do sobrenome ter sofrido alterações e no município de Leopoldina terem vivido as famílias Sotti ou Zotti e Locci, cujos registros foram muitas vezes realizados com a mesma ortografia, levando-nos a acreditar que se tratava da mesma família. Entretanto, ao analisar a imigração da família Locci, procedente de San Vito, Cagliari, foi possível observar que não havia relação direta de parentesco com os Sotti. Todavia, é possível que em tempos remotos os Sotti e os Locci fizessem parte do mesmo tronco.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Share on Tumblr