Arquivo da tag: Fernando Sabino

94 – Savino # Sabino – A grafia do sobrenome

De forma proposital, nesta série de artigos o Trem de História inverteu a ordem tradicional de abordagem deste assunto. Embora arriscada, esta foi uma decisão pensada a partir de certos pressupostos que serão explicados a seguir.

Como bem lembrou Mioranza (1), “a onomástica envolve áreas da linguística, da antropologia, da sociologia, da geografia, da história e da psicologia”. E acreditam os autores não ser adequado desconsiderar este caráter multidisciplinar por conta da acepção da própria palavra: onomástica. Que, como se sabe, é um termo grego que se compõe de ónoma (nome) e tékne (arte), significando, então, arte dos nomes. É sabido que toda arte provém de um conjunto de conhecimentos e a onomástica busca suas bases na linguística histórica que reflete o conjunto das práticas de cada momento.

Necessário, ainda, lembrar que o mesmo Mioranza aponta a contribuição inestimável dos tabeliães e escrivães para a fixação das formas dos atuais sobrenomes que, na maioria das vezes, surgiram num momento em que a ausência de normas ortográficas foi suprida pela melhor forma de transcrever informações orais. Razão pela qual são encontradas variações de grafia contemporâneas, não sendo possível determinar-lhes a prevalência.

Mas o sobrenome é como um símbolo ou etiqueta de um tronco familiar. E como tal, se a ideia é considerar as relações familiares num estudo, faz-se mister agrupar todos os personagens sob uma só etiqueta. Assim, como metodologia de trabalho fez-se a opção pela grafia encontrada em fontes relativas ao genearca do grupo.

Tal decisão metodológica se fundamenta, também, em duas razões práticas. A primeira, porque o uso de variações ortográficas praticamente invalida a indexação automática e a busca no sistema de processamento de dados. A outra razão é que a forma utilizada no país de origem permite identificar rapidamente a procedência do imigrante. A família objeto deste estudo é um exemplo clássico: em Leopoldina existem os Sabino, procedentes do centro de Minas e os Savino, de origem italiana.

Para esclarecer a origem do sobrenome Savino tomou-se por base, inicialmente, outra obra de Mioranza na qual ele informa que Savino origina-se do latim Savinus ou Sabinus, “termo étnico pertencente ao povo dos sabinos, estabelecido nos arredores de Roma” quando de sua fundação.

Segundo Devoto & Oli, o sobrenome Savino vem de um povo antigo da Itália central, cuja tradição linguística é classificada como osco-umbra, denominação de uma das três subfamílias linguísticas do território italiano.

Para Fischer, o dialeto sabínico sobreviveu por mais tempo ao contato com as outras subfamílias – picena e latina, sendo esta a origem da forma Savino. Devoto & Oli acrescentam que o povo Sabini vivia no território compreendido entre Tevere, Nera, Aterno e Aniene, ou seja, na região setentrional do Lazio, a noroeste da Campania. Entretanto, Orlandini indica a Campania como origem do povo Savini que posteriormente migrou para o Lazio.

Assim como há divergência entre o ponto de origem e de dispersão do povo antigo por parte dos estudiosos, também a grafia adotada como sobrenome, séculos depois, não é unívoca. Nos livros de registros civis do século XIX, encontra-se a forma Sabino na Puglia e na Sicilia. Na Campania e no Lazio, a grafia é Savino. Mas especificamente para a família estudada, todas as fontes italianas a que se teve acesso trazem a forma SAVINO, razão porque foi adotada para os que de lá migraram para Leopoldina.

Com estas explicações fica, então, concluída a apresentação da família italiana do escritor Fernando Sabino. Na próxima edição iniciaremos nova viagem do Trem de História. Até lá!


Bibliografia Consultada:

1 – MIORANZA, Ciro. Filius Quondam. 2.ed. São Paulo: Larousse, 2009 e Dicionário dos Sobrenomes Italianos v.1 São Paulo: Escala, 1977

2 – DEVOTO, Giacomo e OLI, Gian Carlo. Il Dizionario della Lingua Italiana. Firenze-TO: Le Monnier, 2000.

3 – FISCHER, Steven Roger. Uma breve história da linguagem. Osasco-SP, Novo Século, 2009.

4 – ORLANDINI, Attilio Zuccagni. Corografia fisica, storica e statistica dell’Italia e sue Isole. v.2 Firenze-TO: s.nº.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 347 no jornal Leopoldinense de 16 de janeiro de 20183

  • Share on Tumblr

93 – Savino # Sabino – Segundo casamento de Nicola Savino

Seguindo os passos de Nicola Savino, hoje o Trem de História conta mais um capítulo: o do segundo casamento dele.

Algum tempo depois da morte da primeira esposa, em 1891, Nicola viajou para a Itália. Não se sabe se levou os filhos. Mas é certo que eles tiveram seus batismos transcritos em livro de registros de Ispani em 1893.

Também não foi possível apurar se ele se casou pela segunda vez na Itália ou somente ao retornar ao Brasil. O que se sabe é que Nicola teve outros sete filhos, em Leopoldina, com Rosa Ana Giudice, filha dos italianos Rocco Giudice e Angela Savino. E não há notícia de que os pais de Rosa tenham viajado para o Brasil.

Mas considerando que Nicola estava de volta a Leopoldina em agosto de 1895, e que o filho mais velho dele com Rosa Ana nasceu em 1901, é de se supor que o segundo casamento tenha sido realizado no Brasil.

Registre-se, por oportuno, que em Casaleto Spartano, comune próximo a Ispani, foram encontrados vários usuários do sobrenome Giudice, incluindo alguns de nome Rocco. Por esta razão, foram feitas algumas buscas naquela localidade, sem sucesso.

Por outro lado, pouco se sabe sobre os filhos de Nicola e Rosa. Segundo informações orais, após a morte dele em 1914, a esposa teria se transferido com os filhos para o Rio de Janeiro ou Belo Horizonte. Uma mudança que pode ter sido estimulada por Domingos, o filho mais velho de Nicola, porque naquela época era comum que ao falecer o patriarca, o primogênito assumisse seu lugar. De todo modo, pelo menos um dos filhos ainda permanecia em Leopoldina na década de 1930.

Existem, ainda, divergências entre datas de nascimento informadas por familiares e as encontradas em fontes de Leopoldina. Em alguns casos, o registro civil mencionado por parentes indica data de nascimento posterior à data de batismo. Mas tais registros não foram localizados em Leopoldina e, por não se saber onde e quando foram feitos, não foi possível consultá-los. Sendo assim, pode-se apenas informar que:

7) José nasceu a 03 de março de 1901 em Leopoldina, onde foi batizado no dia 30 de setembro do mesmo ano;

8) Brígida teria nascido dia 02 de fevereiro de 1902 em Leopoldina, onde teria falecido solteira no dia 06 de outubro de 1967, conforme informações e datas fornecidas por parentes e não localizadas nos respectivos livros;

9) Angela teria nascido aos 15 de maio de 1903 em Leopoldina, onde não foi encontrado seu batismo nem o registro civil;

10) Umberto nasceu no dia 01 de junho de 1907 em Leopoldina, onde foi batizado no dia 13 de setembro do mesmo ano;

Sobre este filho há uma curiosidade. Seus padrinhos de batismo foram seu irmão João Batista, então com 20 anos e a futura sogra dele, Filomena Vargas. Ocorre que um irmão de Filomena, de nome Olímpio Vargas Corrêa, migrou para Manhuaçu na primeira década dos novecentos, estabelecendo-se na atual reserva particular Monte Alverne que permanece como propriedade de seus descendentes. Mais tarde Olímpio teria atraído outros parentes para a região, incluindo um jovem de sobrenome Sabino que seria seu afilhado e nascido em Leopoldina. Este mesmo jovem é referido por descendentes de outro irmão de Filomena que migrou para Faria Lemos. Nenhum dos informantes, no entanto, soube dizer o nome. Seria Umberto?

11) Nicolau Cataldo nasceu no dia 10 de março de 1908 em Leopoldina, onde foi batizado no dia 02 de janeiro de 1909, embora em seu registro civil conste que seu nascimento ocorreu no dia 11 de maio de 1905. Casou-se aos 06 de fevereiro de 1932, em Leopoldina, com Antonieta Andebert, natural de Paraíba do Sul, RJ, filha de Domingos Pinto Rezende e Gabriela Andebert;

12) Maria do Carmo teria nascido em Leopoldina em 1908, segundo informações de parentes;

13) Eugenio nasceu dia 05 de setembro de 1911 em Leopoldina, onde foi batizado no dia 20 de setembro do mesmo ano.

Aqui se encerra a história dos SAVINO # SABINO, da família do escritor Fernando Sabino, descendente de imigrantes italianos que residiram em Leopoldina. Mas para fechar o assunto, mais um artigo se faz necessário e ele virá na próxima edição do Jornal, para explicar a grafia do sobrenome e a razão pela qual foram adotadas as duas formas SAVINO e SABINO nos títulos desta série de artigos. Aguardem!


Fontes consultadas:

Arquivo da Diocese de Leopoldina, lv 09 bat fls 47v termo 391; lv 11 bat fls 79 termo 253; lv 12 bat fls 26 termo 2; lv 16 bat fls 2 termo 463 e lv 7 cas fls 22 termo 7.

Gazeta de Leopoldina 29.08.1895 ed 19 p.2.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 346 no jornal Leopoldinense de 1 de janeiro de 2018

  • Share on Tumblr

91 – Savino # Sabino – Savino em Leopoldina

Nicola Carmelo Rosario Savino foi um dos imigrantes italianos pioneiros da fase da Grande Imigração em Leopoldina, tendo chegado ao município antes de 1880. Era natural de Ispani, província de Salerno, região da Campania.

Ele nasceu(1) no dia 03 de outubro de 1852 em Ispani, filho de Domenico Savino e Brigida Petrola. Era neto paterno de Giovanni Battista Savino e Angela Giudice e neto materno de Rosanna Pagano e Nicola Felice Petrola, sendo este filho de Rocco Petrola e Brigida Teula, todos residentes em Ispani na época do nascimento de Nicola.

Domenico Savino e Brigida Petrola se casaram(2) em Ispani no dia 06 de julho de 1843 e tiveram, pelo menos, mais quatro filhos: Giovanni Battista Salvatore Carmelo nascido(3) em 1844, Rosanna Angela Nicolina nascida(4) em 1849, Carmine(5) nascido em 1856 e Rosana Filomena nascida em 1859.

Nicola Savino exerceu a profissão de sapateiro e em Leopoldina tornou-se sócio ou proprietário de alguns empreendimentos. Casou-se a primeira vez com Angela Maria Grazia Appratto, filha de Vincenzo Appratto e Antonia Pagano. Em segundas núpcias com Rosa Ana Giudice, filha dos italianos Rocco Giudice e Angela Savino.

Por entrelaçamentos familiares e negociais, sua história está ligada a alguns outros imigrantes italianos que chegaram ao Brasil em 1877. Um deles, Nicola Pagano, então com 30 anos de idade, que viajou no mesmo vapor em que vieram Giuseppe Tambasco e Domenico Pagano.

Registre-se que este Giuseppe era parente de Antonio, Sebastiano e Giovanni Tambasco, três irmãos que se estabeleceram em Recreio, distrito de Leopoldina na época.

Nicola Pagano, que era irmão de Antonia Pagano mãe de Nicola Savino, casou-se com a cunhada deste último e com ele realizou negócios em Leopoldina. Nicola Pagano foi sócio, também, de seu irmão Giuseppe Biaggio Pagano, na firma Braz Pagano & Irmão.

Noutra empresa que envolve estes imigrantes, denominada N. Petrola & Pagano, não se sabe qual dos Pagano foi sócio de Nicola Petrola, negociante em Bom Jesus do Rio Pardo (6) – atual município de Argirita, antigo distrito de Leopoldina – do final da década de 1870 até 1898.

A filha de Nicola Petrola e Margherita Cazzolino, Silvia Micaela Bianca Petrola, nascida por volta de 1893, casou-se em 27.06.1914 com o filho de Nicola Savino, Vicente Miguel.

Como se vê, não é muito simples rastrear os vínculos entre estes imigrantes. Além dos casamentos deles próprios e de seus filhos. Nos batismos é possível comprovar o compadrio que parece ter surgido também das relações comerciais entre eles.

Veja-se, por exemplo, os entrelaçamentos seguintes: a mãe de Nicola Savino chamava-se Brigida Petrola e não há dúvida de que seja familiar de Nicola Petrola; a sogra de Nicola Savino, Antonia Pagano, era irmã e também sogra de Nicola Pagano. E comadre nas famílias Eboli, Conte, Pagano e Brando.

Outro aspecto que chama a atenção é que, deste grupo de imigrantes alguns viajaram à Itália pelo menos uma vez, aparentemente para realizar negócios. Fato que os distingue de outros que vieram inicialmente com as famílias e com elas voltaram para a Itália e mais tarde resolveram retornar ao Brasil.

Quanto a Nicola Savino, sabe-se ainda que além da profissão de sapateiro (7), auxiliado pelos filhos mantinha um bar bem frequentado, onde a sociedade leopoldinense se reunia.

Sobre este bar, conta o seu neto Fernando Sabino (8):

“Meu avô Nicolau, italiano de nascença, era dono do Salão Recreio, um bar com pitoresco caramanchão na antiga rua 1° de Março, local também conhecido como praça do Ginásio, com uma tabuleta à entrada em que, para não vender fiado, ele se valia da célebre advertência de Dante: Lasciate ogni speranza voi ch’entrate.”(9)

O neto informa, também, que Nicola Savino importava barris de vinho Chianti da Itália e que vendia sorvete. Ao falar de seu pai, Fernando Sabino declara:

“E meu pai, seu Domingos, (antes de casar-se com a suave dona Odette), inspirado mais pelo vinho que pelo sorvete, juntou-se a um farmacêutico de nome João Teixeira e abriu uma fábrica de Soda e de Água de Selters – precursora, portanto, da alka-seltzer. Dos dois feitos muito me orgulho.”

Registre-se, por fim, que nos manifestos de vapores disponíveis no Arquivo Nacional foram encontrados alguns usuários do sobrenome. Entre eles há um Nicolau Sabino que desembarcou (10) do vapor Paulista no porto do Rio de Janeiro no dia 21 de fevereiro de 1872, proveniente de Santos. Mas por falta de outros dados, não se pode afirmar que seja o personagem do qual se falou aqui e se ocupará no próximo artigo, tratando do seu primeiro casamento. Até lá.


Fontes Consultadas:

1 – Archivio di Stato di Salerno, 1852 Atto di nascita nº 23.

2 – Archivio di Stato di Salerno, lv. 3 de matrimonio, 1843 p. 19 termo 3.

3 – Archivio di Stato di Salerno, Atto di nascita nº 33.

4 – Archivio di Stato di Salerno, Atto di nascita nº 7.

5 – Archivio di Stato di Salerno, Atto di nascita 1856 nr 1.

6 – Gazeta de Leopoldina. (Leopoldina, MG) 08.04.1898 ed 52 p.2.

7 – Na transcrição dos registros de nascimento dos filhos feita em outubro de 1893 em Ispani, Nicola declarou-se sapateiro.

8 – SABINO, Fernando. O Grande Mentecapto. 54.ed. Rio de Janeiro: Record, 2002.

9 – Interpretação livre: perca as esperanças de consumo se entrou aqui sem dinheiro.

10 – Jornal do Commercio (Rio de Janeiro) 22.02.1872, edição 53 p.1.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 344 no jornal Leopoldinense de 1 de dezembro de 2017

  • Share on Tumblr

89 – Savino # Sabino – De Ispani para o Brasil – Parte I

Seguindo a viagem em busca dos antepassados do escritor Fernando Sabino, o Trem de História de hoje começa com a informação estatística divulgada por Carpi (1) indicando que no ano de 1871 a população italiana totalizava 25.985.421 habitantes, dos quais 101.815 requereram passaporte para saírem do país, sendo que destes, 2.014 viviam na província de Salerno, aí não computados outros 113 que emigraram clandestinamente.

Segundo este mesmo autor, os moradores de Salerno que se dirigiam ao exterior em 1871 tinham como principal objetivo fazer fortuna como seus conterrâneos que haviam retornado ao país pouco antes, ou aqueles que enviavam grandes somas em dinheiro para os parentes que haviam permanecido na localidade de origem.

Percebe-se, nas palavras deste analista da emigração italiana da época, referência ao sonho de fare l’america que povoava a imaginação de muitos italianos que chegavam ao Brasil. Mas o autor ressalta que a saída de Salerno vinha diminuindo, se comparada com a década anterior.

Outro quadro interessante indica as profissões dos emigrados de Salerno: 1301 camponeses, 78 comerciantes, 473 artesãos, 31 proprietários rurais, 38 marinheiros e 93 profissionais diversos. Quanto ao destino, pouco mais de uma centena dirigiu-se para a América, em 1871, sendo apenas 40 para o Brasil. Já no ano de 1872, para um total de 4.499 emigrantes de Salerno, 4.081 dirigiram-se para o continente americano. E no ano de 1873, dos 4.947 emigrantes daquela província, 4.814 vieram para as Américas.

Nos relatórios consulares incluídos no volume dois da obra de Carpi, uma análise sobre os emigrantes italianos que viviam no Brasil entre os anos de 1869 e 1872 indica que a maioria era pobre, sem instrução nem capacidade para o exercício de funções que pudessem lhes proporcionar um bom rendimento. Assim despreparados, se obrigavam a aceitar qualquer trabalho ou a viver da caridade alheia. Mas, acrescenta o autor do relatório, no Brasil vivia um grande número de artistas de teatro e músicos italianos; em quase todas as cidades do Império existia um restaurante italiano; e, as atividades mais comuns para os demais era o comércio ambulante, a construção de estradas, funilaria e trabalho de garçom.

 

Zuleika Alvim (2) aborda a expectativa otimista que sustentava a decisão dos europeus pobres de emigrarem para um país chamado Brasil. Segundo ela, pregadores poloneses divulgavam a imagem de um país onde não faltavam alimentos; italianos cantavam que iriam para a terra da prosperidade, deixando o trabalho com a enxada para seus ricos senhores; a cantiga alemã ressaltava que partiriam com toda a família para a terra prometida, onde “se encontra ouro como areia”. Esta era, segundo a autora, a imagem que faziam do Brasil os imigrantes que começaram a chegar a partir de 1870. Que não foi, ressalta Alvim, imagem criada pelos agenciadores de mão-de-obra, mas introduzida na Europa pelos relatos de viajantes desde o século XVI.

Assim como outros analistas do processo, também Alvim se refere à passagem do sistema feudal para o de produção capitalista, com a concentração da terra nas mãos de poucos e os altos impostos transformando os pequenos proprietários em mão-de-obra para a nascente indústria. Em alguns países, a industrialização tardia não teve como absorver o excedente de trabalhadores que, além disso, paulatinamente tiveram algumas de suas tarefas absorvidas por máquinas.

A fome e a miséria tornaram-se ameaça constante, preocupando os dirigentes que temiam revoltas populares incontroláveis. Emigrar foi, portanto, a solução encontrada do lado de lá do Atlântico e, do lado de cá, países em desenvolvimento como Brasil e Argentina começaram a atrair imigrantes para ocupar suas terras. Segundo Alvim, “mais de 50 milhões de europeus deixaram o continente entre 1830 e 1930”, sendo que 22% deles vieram para a América Latina e os italianos eram 38% dos imigrantes que se fizeram ao mar. Na Itália, lembra a mesma autora, “o verbo buscar ganhou destaque. Buscou-se trabalho primeiramente nas cidades, e em seguida nos países vizinhos, estabelecendo-se uma migração sazonal”.

Sobre esta imigração ainda será o artigo que ocupará este espaço na próxima edição do Jornal. Aguardem.


Fontes Consultadas:

1 – CARPI, Leone. Delle Colonie e dell’Emigrazione d’Italiani all’Estero sotto l’Aspetto dell’Industria, Commercio ed Agricoltura e com Trattazione d’Importanti Questioni Sociali. Milano: Lombarda, 1874. v.1

2 – ALVIM, Zuleika. Imigrantes: a vida privada dos pobres do campo. In: SEVCENKO, Nicolau (org.) História da vida privada. v.3. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 342 no jornal Leopoldinense de 1 de novembro de 2017

  • Share on Tumblr

I Seminário Mineiro de Genealogia

A família ítalo-leopoldinense do escritor Fernando Sabino é o tema da palestra de Nilza Cantoni

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Share on Tumblr