Arquivo da tag: Educação

Processo de ensinar e aprender; escolarização.

Maria Augusta de Freitas Malta

Relembrando os mais antigos professores de Leopoldina, informamos que Maria Auigusta de Freitas Malta é citada como professora pública já em 1869. Conforme pode ser lido na matéria a seguir, em 1874 ela foi convocada para prestar exames de qualificação.

Professora Maria Augusta de Freitas Malta

No ano seguinte é mencionada no Almanaque Administrativo, Civil e Industrial da Província de Minas Gerais (Ouro Preto: s.n., 1875 fls 451) e continuou a exercer a função por mais alguns anos. É o que declara Wander José Neder, em sua obra Primeiro Centenário da Visita do Imperador a Leopoldina, edição particular de 1981. Na página 5 de seu livro, Neder informa que Maria Augusta era a professora do Colégio Nossa Senhora do Amparo que foi visitado pelo Imperador Pedro II.

No Diário do Imperador, cuja visita a Leopoldina está transcrita neste site, encontramos a seguinte declaração: “Colégio de meninas que não me pareceu mau, tendo a mestra fisionomia inteligente.”

Outras notícias sobre a professora Maria Augusta podem ser lidas nos seguintes textos:

Antigos Professores de Leopoldina

Escolas para o Sexo Feminino

A professora Maria Augusta foi mais um personagem da história de Leopoldina que contribuiu para que a cidade viesse a ser chamada de Atenas da Zona da Mata.

 

  • Share on Tumblr

1898: Escola de Campo Limpo

Segundo a notícia abaixo, em 27 de dezembro de 1898 foi assinado um decreto suspendendo o funcionamento da escola do sexo feminino do distrito de Campo Limpo, atual Ribeiro Junqueira. O jornal que publicou a notícia ficou de apurar o fato mas não voltou ao assunto.

Entretanto, informações orais sobre a professora Castorina de Rezende Montes  dão conta de que ela passou a morar no distrito ao se casar com Caetano Alves de Novaes, fato ocorrido aos 4 de janeiro de 1890. Segundo familiares, logo depois começou a dar aulas e continuou sendo professora em Campo Limpo até por volta de 1910.

  • Share on Tumblr

Resultados escolares publicados em jornal

No final do século XIX os resultados dos exames escolares eram publicados em jornais.

Neste anúncio do dia 17 de dezembro de 1882 fica-se sabendo que o Colégio de Nossa Senhora do Amparo realizou os exames anuais dois dias antes e publica-se o resultado obtido no dia 9 do mesmo mês pelos alunos do Externato Santo Antônio. Era realizada uma verdadeira festa, com medalhas e a presença das autoridades locais.

  • Share on Tumblr

Escolas em Argirita

Há 132 anos o jornal O Leopoldinense publicava anúncio de um internato para meninas no então distrito de Rio Pardo:

Outras escolas funcionaram no antigo distrito de Leopoldina, incluindo-se as Aulas Públicas que estiveram a cargo do professor José Maria Tesson, nomeado interinamente para o cargo em abril de 1895:

Ao final daquele ano o professor Tesson continuava à frente da escola, conforme indica a Ata dos Exames publicada n’O Leopoldinense de 22 de dezembro:

  • Share on Tumblr

Escola Pública em Tebas

Em 1881, junto com a nota sobre a visita que o delegado literário Antônio Carlos da Costa Carvalho havia feito às escolas do município, o jornal O Leopoldinense informou sobre o pedido de criação de uma escola em Tebas:

Somente em 1895 voltamos a encontrar notícias em jornal sobre o assunto. Na edição d’O Leopoldinense de 12 de maio daquele ano verifica-se que o distrito de Tebas contava com Aulas Públicas a cargo da professora Alda Ramos da Fonseca, esposa de Francisco Fortes de Bustamante Sá Filho, escrivão.

Mas segundo outra notícia do mesmo jornal, em 26 de dezembro daquele ano foi nomeada outra professora para a “cadeira estadual” de Tebas, a senhora Maria da Trindade, esposa do professor Antonino de Moura Freitas:

Tudo indica que estas duas professoras trabalharam nas salas de aulas femininas, sendo que a segunda pode ter dividido a escola com o marido que trabalharia com os meninos.

Além dos nomes acima mencionados, sabe-se que Tebas contou também com professor João Alves de Souza Machado, conforme consta no livro da Escola Distrital de Tebas de Julho de 1896, encontrado no Arquivo da Câmara Municipal de Leopoldina:

  • Share on Tumblr

1882: educação em Leopoldina

Os exames realizados há 130 anos no Colégio Nossa Senhora do Amparo e no Externato Santo Antônio, de Leopoldina, foram noticiados no jornal O Leopoldinense do dia 17 de dezembro de 1882. O Externato fez publicar a relação dos alunos que receberam medalhas:

  • Abilio Antonio de Almeida Pinho,
  • Arnaldo Antônio da Silva Lessa,
  • Carlos José de Almeida,
  • Eduardo Agnello Pestana de Aguiar,
  • Emilio Balduino,
  • Eugênio do Rosário Gaëde,
  • João Luiz Lopes,
  • José Augusto Monteiro de Barros,
  • José Eugênio Monteiro de Castro,
  • José Martins Bastos,
  • Luiz Lopes Gomes,
  • Manoel Tavares de Lacerda,
  • Melciades de Almeida Vasconcelos,
  • Teofilo Domingos Seve,
  • Waldir Casimiro da Costa.

  • Share on Tumblr

Há 130 anos

No dia 10 de dezembro de 1882 o jornal O Leopoldinense publicava notícia sobre mais uma instituição educacional que seria aberta na cidade. Tratava-se de uma filial do Colégio Venerando, estabelecido na Corte, dirigido pelo Padre José Venancio da Graça e pelo Dr. Venancio Nogueira da Silva. Os preparativos para a instalação ficaram a cargo dos doutores Chagas Lobato, Pinheiro Tavares e Pestana de Aguiar, residentes em Leopoldina. Na divulgação consta que o objetivo do colégio seria preparar alunos para as academias do Império, como o Colégio Pedro II e a Academia de Comércio.

  • Share on Tumblr

Recreio, MG: Professores

O professor Antônio Maximiano de Oliveira Leite, citado no post anterior por ser professor em Conceição da Boa Vista em 1875, era filho do fazendeiro de café Maximiano de Oliveira Leite e de Maria Eugênia Galvão de São Martinho, sendo neto materno de Pedro Afonso Galvão de São Martinho, o oficial encarregado das duas diligências pelos Sertões do Leste em 1784 e 1786. Assim como seu pai, o professor Antônio era eleitor do distrito de Conceição da Boa Vista em 1886.

Casou-se com Luiza Constantina, filha de Luiza e José Constantino Cherques, proprietários de uma fazenda na Grota. A esposa do professor tinha uma irmã de nome Melania, residente em Cantagalo. Em 1874, a sogra e a cunhada de Antônio Maximiano de Oliveira Leite venderam a Ignacio Ferreira Brito a parte da herança que lhes coube. Consta que o professor continuou morando nas terras herdadas de seu sogro, pertencentes ao futuro distrito de Recreio.

Pode ser que Antônio Maximiano tenha deixado a função de ensinar depois de casar-se, porque João Batista Nunes Junior foi nomeado, no dia 13 de janeiro de 1885, para as aulas públicas do sexo masculino em Conceição da Boa Vista. Este novo professor veio juntar-se a Maria da Glória Fonseca da Cruz, nomeada a 10 de setembro de 1883 para as aulas públicas de sexo feminino.

Temos, portanto, três personagens que circulavam pela comunidade na época em que o destino do distrito estava sendo articulado. Embora não seja possível identificar todos aqueles que participaram da divisão, acreditamos ser importante lembrar dos antigos mestres. Além de sua função precípua, qual seja a de ensinar as primeiras letras, certamente estes professores colaboraram na formação do ideal de cada um que freqüentava suas salas de aula.

  • Share on Tumblr

Arte Sequencial em Leopoldina

Dia 31 de março acontecerá, em Leopoldina, o I Fórum Nacional de Pesquisadores em Arte Sequencial.

Faça sua inscrição aqui.

  • Share on Tumblr

Arquivo e Educação

No texto O arquivo dentro do novo paradigma informacional: o da educação, Leandra Nascimento Fonseca apresenta informações interessantes para o III Simpósito Baiano de Arquivologia que se realiza entre 26 e 28 de outubro em Salvador, Bahia.
Creio ser interessante para os leopoldinenses refletirem sobre a seguinte afirmação:
“Desta forma o gestor não se vê voltado para o público que é a sociedade em geral, apesar de recomendações para inclusão das unidades de arquivo de acesso público ao repertório de instrumentos auxiliares do ensino, apesar do fato de alguns proeminentes pensadores de nossa área já terem atentado para o fato de que, desde que o patrimônio nacional e de manifestações da cultura passaram do âmbito privado para o público, se torna um dever de gestor público disponibilizar esse acervo para o público, visando assim à difusão desse conhecimento, a serviço do bem público.”
Quando teremos o Arquivo Público Municipal de Leopoldina?
Para ler o arquivo completo, acesse o link
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Share on Tumblr