Arquivo da tag: Dia Nacional do Imigrante Italiano

Pelos 108 anos da Colônia Agrícola da Constança

O interesse inicial pela pesquisa sobre a imigração em Leopoldina surgiu no decorrer de estudo sobre antigas famílias leopoldinenses, quando foi observada, nos livros das paróquias, uma grande incidência de sobrenomes não portugueses entre os noivos, os pais e os padrinhos das crianças. Constatou-se que 10% dos noivos do período de 1890 a 1930 eram imigrantes e, destes, 9% eram italianos. O 1% restante era composto de portugueses, espanhóis, sírios, açorianos, franceses, egípcios e nativos das Ilhas Canárias.

Observou-se que um contingente significativo de habitantes de Leopoldina carecia de um estudo melhor sobre suas vidas e importância para o município. E não se tinha notícia de qualquer movimento permanente no sentido de manter viva a memória daqueles conterrâneos por adoção.

Descobriu-se que os próprios descendentes haviam perdido a lembrança de muitos detalhes sobre a trajetória de seus antepassados, o que demandou um cuidadoso levantamento de fontes que pudessem comprovar ou corrigir o que era senso comum.

Assim, as primeiras informações foram organizadas em 1994 e começaram a ser publicadas cinco anos depois, após documentadas em outras fontes.

E desde então, contar a história do indivíduo para se chegar à da cidade passou a ser o carro de primeira classe deste imaginário Trem de História. Desde o começo das primeiras viagens. Desde o início da pesquisa sobre a imigração em Leopoldina, quando se observou que o esquecimento da história da cidade era favorecido pela falta de elementos que alimentassem a memória coletiva.

Conforme ensina Le Goff, “o que sobrevive não é o conjunto daquilo que existiu no passado”, mas os “materiais de memória”, ou seja, os monumentos e os documentos. Para o autor francês, “monumento é tudo aquilo que pode evocar o passado” e o interesse da memória coletiva que se desloca da história dos grandes homens e dos acontecimentos de impacto geral para aquilo que diz respeito mais de perto à coletividade.

Apreendidos estes ensinamentos, para alimentar a memória dos leopoldinenses, trazendo-lhes de volta a trajetória dos conterrâneos que aqui viveram na época analisada, entendeu-se necessário oferecer-lhes instrumentos adequados. Razão pela qual foi encaminhada em 2008, para a Câmara Municipal de Leopoldina, uma sugestão para nomear como “Caminho do Imigrante” parte do trajeto que eles faziam quando, de seus lotes na Colônia Agrícola da Constança demandavam a Igrejinha de Santo Antônio e a Casa Timbiras. Uma forma simples e de pequeno custo para perpetuar a gratidão a estes bravos. O que finalmente, no dia 10 de outubro de 2017, mereceu aprovação pela Câmara Municipal. Desta forma, mais um Monumento de Memória veio se juntar ao que foi construído a partir de 23.10.99, quando os autores da pesquisa começaram a publicar, na Gazeta de Leopoldina, uma série de artigos sobre a Colônia Agrícola da Constança.

Na verdade a ideia destes artigos havia tomado forma um ano antes, na edição de nov/dez 1998 do jornal Equipe, a primeira tentativa de levar ao conhecimento dos leitores um pouco da história da Colônia Agrícola da Constança e da sua parte que forma hoje o Bairro Boa Sorte. O objetivo era relembrar a importância dos imigrantes italianos para Leopoldina e o grande exemplo deixado por esta iniciativa de distribuição de terras. A partir daí, foram publicados 13 artigos na Gazeta e 79 no Jornal Leopoldinense, formando um grande conjunto de informações sobre os imigrantes que viviam em Leopoldina entre 1880 e 1930.

Da mesma forma, por ocasião das comemorações do Centenário da Colônia Agrícola da Constança e dos 130 anos de Imigração Italiana em Leopoldina, em abril de 2010, falou-se na inclusão, no calendário comemorativo da cidade, do dia 21 de fevereiro, Dia Nacional do Imigrante Italiano, criado pela Lei Federal nº 11.687, de 02.05.2008. Ideia que, ao que parece, não sensibilizou os administradores municipais. Mas este ano foi adotada pela ACIL, com uma bela festa em fevereiro.

Com a inauguração do Centro Cultural Mauro de Almeida Pereira, em julho de 2016, mais um Monumento se concretizou através de coleção de fotografias, obtidas no decorrer da pesquisa, que foram entregues para a Superintendente de Cultura, professora Amanda Almeida, e foram reproduzidas em sala daquele importante equipamento cultural leopoldinense.

Agora, com o sentido de aprimorar o conhecimento adquirido, a pesquisa sobre os imigrantes continua em outro patamar. E para alegria dos autores, n’alguns pontos da cidade notam-se embrionários movimentos familiares e sociais no sentido de se valorizar o tema “imigração italiana”, dando a devida importância aos descendentes e preservando o pouco da lembrança que ainda resta dos primeiros que chegaram ao município.

E é muito bom que seja assim, para que mais adiante se possa continuar a contar a história deles e, por via de consequência a de Leopoldina que, entende-se melhor agora, não é apenas a lenda do caldeirão de Feijão Cru.

No mais, parabéns descendentes dos Imigrantes que ajudam a construir uma Leopoldina cada vez melhor para todos.


Referência bibliográfica:

LE GOFF, Jacques. História e Memória. 5 ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2003. p.525-541

RODRIGUES, José Luiz Machado e CANTONI, Nilza. Leopoldina: 2010. Disponível em <http://cantoni.pro.br/blog/2010/04/imigracao-em-leopoldina/>

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 353 no jornal Leopoldinense de 16 de abril de 2018

  • Share on Tumblr

Festa do Imigrante Italiano em Leopoldina

Festa do Imigrante Italiano em Leopoldina1
  • Share on Tumblr

Festa do Imigrante Italiano em Leopoldina

 

Entre os dias 21 e 25 de fevereiro de 2018, a Associação Comercial, Industrial, Agropecuária e Serviços de Leopoldina – ACIL, com o apio da Secretaria Municipal de Cultura de Leopoldina, promoverá a Festa do Imigrante Italiano.

Iniciando no Dia Nacional do Imigrante Italiano, a festa se estenderá com diversas atividades, incluindo palestra de José Luiz Machado Rodrigues sobre a Imigração Italiana e a Colônia Agrícola da Constança, que recebeu grande parte deles em seus lotes.

No domingo haverá uma caminhada pelo trajeto que os imigrantes faziam entre a Colônia e o centro da cidade.

  • Share on Tumblr

Dia Nacional do Imigrante Italiano

Projeto de Lei do Senado (PLS) 340/99, de autoria do senador Gerson Camata (PMDB-ES), instituiu o Dia Nacional do Imigrante Italiano, a ser celebrado em 21 de fevereiro. Nessa data, em 1874, chegaram ao Porto de Vitória (ES), a bordo do navio Sofia, as primeiras 380 famílias italianas para se estabelecerem no estado.Italianos em Leopoldina, MG

Em homenagem às famílias de imigrantes italianos que se estabeleceram em Leopoldina, MG,  lembramos aqui os seus sobrenomes.

Abolis, Agus, Albertoni, Amadio, Ambri, Ambrosi, Andreata, Andreoni, Andreschi, Anselmo, Antinarelli, Antonelli, Antonin, Anzolin, Apolinari, Apova, Apprata, Arleo, Aroche, Artuzo

Bagetti, Balbi, Balbini, Baldan, Baldasi, Baldini, Baldiseroto, Baldo, Baqueca, Barbaglio, Barboni, Barra, Bartoli, Basto, Battisaco, Beatrici, Beccari, Bedin, Bellan, Benetti, Bergamasso, Berlandi, Bernardi, Bertini, Bertoldi, Bertulli, Bertuzi, Bestton, Betti, Bighelli, Bigleiro, Bisciaio, Bogonhe, Boller, Bolzoni, Bonini, Bordin, Borella, Bovolin, Brandi, Brando, Breschiliaro, Bresolino, Bronzato, Bruni, Bugghaletti, Bullado, Buschetti

Cadeddu, Cagliari, Caiana, Calloni, Caloi, Calza, Calzavara, Campagna, Campana, Cancelliero, Canova, Capetto, Cappai, Cappi, Capusce, Carboni, Carmelim, Carminasi, Carminatti, Carrara, Carraro, Casadio, Casalboni, Casella, Cassagni, Castagna, Castillago, Cataldi, Catrini, Cavallieri, Cazzarini, Cearia, Ceoldo, Cereja, Cesarini, Chiafromi, Chiappetta, Chiata, Chinelatta, Chintina, Ciovonelli, Cobucci, Codo, Colle, Columbarini, Contena, Conti, Corali, Corradi, Corradin, Cosenza, Cosini, Costa, Costantini, Crema, Cucco

Dal Canton, Dalassim, Dalecci, Dalla Benelta, Danuchi, Darglia, De Angelis, De Vitto, Deios, Donato, Dorigo, Duana

Eboli, Ermini, Estopazzale, Fabiani, Faccin, Faccina, Fachini, Falabella, Falavigna, Fannci, Fanni, Farinazzo, Fazolato, Fazzolo, Federici, Fermadi, Ferrari, Ferreti, Ferri, Fichetta, Filipoli, Filoti, Finamori, Finense, Finotti, Fioghetti, Fiorato, Fofano, Fois, Fontanella, Formacciari, Formenton, Fovorini, Franchi, Franzone, Fucci, Fuim

Galasso, Gallito, Gallo, Gambarini, Gambato, Gasparini, Gattis, Gazoni, Gazziero, Gentilini, Geraldi, Geraldini, Gessa, Gesualdi, Ghidini, Giacomelle, Giamacci, Gigli, Gismondi, Giudici, Giuliani, Gobbi, Gorbi, Gottardo, Grace, Graci, Grandi, Griffoni, Grilloni, Gripp, Gronda, Gruppi, Guarda, Guardi, Guelfi, Guerra, Guersoni, Guidotti

Iborazzati, Iennaco

La Rosa, Lai, Lamarca, La mi, Lammoglia, Lazzarin, Lazzaroni, Leoli, Lingordo, Locatelli, Locci, Loffi, Longo, Lorenzetto, Lorenzi, Lucchi, Lupatini

Macchina, Maciello, Magnanini, Maiello, Maimeri, Malacchini, Mamedi, ancastroppa, Mantuani, Manza, Maragna, Marangoni, Marassi, Marcatto, Marchesini,Marchetti, Marda, Marinato, Mariotti, Marsola, Martinelli, Marzilio, Marzocchi, Matola, Matuzzi,  Mauro, Mazzini, Meccariello, Melido, Meloni, Melugno, Menegazzi, Meneghelli, Meneghetti, Mercadante, Mescoli, Meurra, Miani, Minelli, Minicucci, Misalulli, Mona, Monducci, Montagna, Montovani, Montracci, Morciri, Morelli, Moroni, Morotti

Nacav, Naia, Nani, Netorella, Nicolini, Nocori

Pacara, Pachiega, Padovan, Paganini, Pagano, Paggi, Panza, Pasianot, Passi, Pavanelli, Pazzaglia, Pedrini, Pedroni, Pegassa, Pelludi, Perdonelli, Perigolo, Pesarini, Petrolla, Pezza, Piatonzi, Picci, Piccoli, Pierotti, Pighi, Pinzoni, Piovesan, Pittano, Pivoto, Piza, Porcenti, Porcu, Pradal, Prete, Previata, Principole, Properdi

Rafaelli, Raimondi, Ramalli, Ramanzi, Ramiro, Rancan, Ranieri, Rapponi, Ravellini, Reggiane, Richardelli, Righetto, Righi, Rinaldi, Rizochi, Rizzo, Rossi

Sabino, Saggioro, Sallai, Saloto, Samori, Sampieri, Sangalli, Sangiorgio, Santi, Sardi, Scantabulo, Scarelli, Schettini, Sedas, Sellani, Simionato, Sparanno, Spigapollo, Spoladore, Steapucio, Stefani, Stefanini, Stora

Taidei, Tambasco, Tartaglia, Tazzari, Tedes, Testa, Tichili, Toccafondo, Todaro, Togni, Tonelli, Tosa, Traidona, Trimichetta, Tripoli, Trombini

Valente, Vargiolo, Varoti, Vavassovi, Vechi, Venturi, Verona, Veronese, Vigarò, Vigeti, Viola, Vitoi

Zaccaroni, Zachini, Zaffani, Zamagna, Zamboni, Zamime, Zanetti, Zaninello, Zannon, Zecchini, Zenobi, Ziller, Zini, Zotti

  • Share on Tumblr

Dia Nacional do Imigrante Italiano

A Lei federal nº 11.687, de 02.06.2008, instituiu o dia 21 de Fevereiro como Dia Nacional do Imigrante Italiano. Leopoldina é uma cidade com forte presença de descendentes daqueles imigrantes que, chegados ao município no último quartel do século XIX, aqui se estabeleceram e contribuíram para o nosso desenvolvimento econômico e social. Apesar disso, não temos notícia de qualquer movimento permanente no sentido de manter viva a memória destes nossos conterrâneos por adoção.

Onde está a proposta encaminhada por José Luiz Machado Rodrigues à Câmara Municipal de Leopoldina, há mais de quatro anos, propondo nomear como Caminho do Imigrante o trajeto que eles faziam quando de seus lotes na Colônia Constança demandavam a cidade?

Para reavivar a memória ou informar aqueles que porventura não tenham participado do movimento que fizemos em 2010, comemorando o Centenário da Colônia Agrícola da Constança e os 130 anos de Imigração Italiana em Leopoldina, republicamos nosso Resumo Histórico.

100 anos da Colônia Agrícola da Constança by nilzacantoni

  • Share on Tumblr

Dia do Imigrante Italiano

Para marcar a data tão cara aos leopoldinenses, descendentes ou não de imigrantes italianos, convidamos para rever esta apresentação.Anderemo in Mèrica in Tel Bel Brasil
  • Share on Tumblr

Encontro de Historiadores pelo Dia Nacional do Imigrante Italiano

Dia 20 de fevereiro, pela Rádio Jornal AM de Leopoldina, o Programa Faz recebeu historiadores de Pequeri, Cataguases, Astolfo Dutra e Leopoldina para marcar o dia Nacional do Imigrante Italiano e conversarem sobre o Centenário da Colônia Agrícola da Constança em abril de 2010.

  • Share on Tumblr

Historiadores comemoram o Dia Nacional do Imigrante Italiano

No sábado, dia 20 de fevereiro de 2010, a Rádio Jornal de Leopoldina recebeu pesquisadores de história da imigração na zona da mata mineira. O Programa Faz, apresentado por Arnaldo Spíndola, neste dia contou com a colaboração do jornalista Luiz Otavio Meneghetti. Estiveram presentes:
– Júlio César Vanni, com diversos livros publicados sobre a imigração italiana, especialmente em sua cidade natal, Pequeri;
– Rosalina Pinto Moreira, autora de Imigrantes… Reverência!, sobre a Colônia Santa Maria de Astolfo Dutra;
– Joana Capella, autora de Exma. Família Abritta sobre seus antepassados italianos e pesquisadora da Colônia Major Vieira, de Cataguases;
– Luja Machado e Nilza Cantoni, pesquisadores da Colônia Agrícola da Constança, de Leopoldina.
Na imagem acima, Luja Machado, Arnaldo Spíndola ao fundo e Julio Vanni.
Compareceram ainda os secretários municipais Valéria Benatti e Gilberto Togni, anunciando o projeto que estão preparando para as comemorações do Centenário da Colônia Agrícola da Constança. Tão logo nos enviem a programação, informaremos aos nossos leitores.
  • Share on Tumblr

Dia do Imigrante Italiano

Será no próximo sábado, dia 20, no programa Faz da Rádio Jornal, das 10 ao meio dia, a homenagem ao Imigrante Italiano.

A Lei federal nº 11.687, de 02.06.2008, instituiu o dia 21 de Fevereiro como Dia Nacional do Imigrante Italiano. Para marcar a data, quatro historiadores da zona da mata mineira serão recebidos por Arnaldo Spíndola e José Geraldo (Gué) em seu programa semanal. Julio Vanni, de Pequeri, Rosalina Pinto Moreira, de Astolfo Dutra, Luja Machado e Nilza Cantoni conversarão com os ouvintes sobre a história daqueles bravos colonos que mudaram a face da região.

O programa da Rádio Jornal AM 1560 pode ser acompanhado também pela internet.

  • Share on Tumblr

21 de Fevereiro – Dia Nacional do Imigrante Italiano

A Lei federal nº 11.687, de 02.06.2008, instituiu o dia 21 de Fevereiro como data nacional para lembrar a imigração italiana. Parece que não estão dando muita atenção para esta lei em Leopoldina.

Nós, como historiadores empenhados em estudar e divulgar a presença do imigrante italiano em nossa região, decidimos marcar a data em 2010 com um programa na Rádio Jornal, dia 20 de fevereiro, sábado, entre 10 e 12 horas. Seremos recebidos pelos apresentadores do programa Faz, Arnaldo Spíndola e José Geraldo (Gué).

Júlio Vanni, jornalista, historiador de Pequeri-MG onde foi Prefeito, ex aluno do Ginásio Leopoldinense, com diversos livros publicados sobre a imigração italiana e um dos artífices da festa anual realizada naquela cidade em homenagem aos imigrantes que ali viveram.

Rosalina Pinto Moreira, professora, historiadora, autora de Imigrantes… Reverência, sobre a Colônia Santa Maria, da cidade de Astolfo Dutra, atualmente concluindo outra obra sobre a história do município.

Luja Machado e Nilza Cantoni, historiadores, membros da Academia Leopoldinense de Letras e Artes, autores de coluna sobre a Colônia Agrícola da Constança no jornal Leopoldinense.

Convidamos a todos para ouvirem o programa da Rádio Jornal AM 1560, que pode ser acompanhado pela internet.

Dia 20 de fevereiro, sábado, 10 horas.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Share on Tumblr