Arquivo da tag: Caraça

99 – Costa Cruz – Raimundo, Armando e Antônio Martins da Costa Cruz

Para encerrar a apresentação da família de Joaquim José da Costa Cruz e Ana Joaquina Martins da Costa, o Trem de História aborda os dois últimos filhos do casal.

Raimundo Martins da Costa Cruz é o nono filho do casal Joaquim José e Ana Joaquina. Nasceu[1] em Leopoldina em 1864. Casou-se com Tereza de Souza Lima, filha de João José de Souza Lima e Carlota Raquel de Souza Barroso, em 09.05.1885, em Cataguarino, Cataguases[2].

Em novembro de 1888 Raimundo aparece como proprietário do Engenho Central Raymundo Cruz & Comp. em Leopoldina[3]. Com as pesquisas realizadas até agora não foi possível apurar se tal empresa seria uma das fornecedoras do Engenho Central Aracaty, cujos sócios majoritários eram seu irmão Custódio José e seu cunhado Teófilo Ribeiro.

Raimundo era eleitor em Leopoldina em 1892 e na ata de qualificação é mencionado como lavrador. Em 1897 foi nomeado[4] Capitão da 2ª Cia do 70º Batalhão de Infantaria da Guarda Nacional.

Segundo o pesquisador Luiz Hisse, Raimundo Martins da Costa Cruz teve uma filha de nome Maria Delfim Cruz que foi a segunda esposa de Fernando de Freitas Pacheco, filho de Honório de Freitas Pacheco e Candida Josefina de Avila Meireles. Do casamento de Maria Delfim com Fernando de Freitas Pacheco são os filhos: Jaime, Vicente, Cândida, Teresinha e Eugênia da Cruz Pacheco.

 Em nossas buscas foram encontrados os seguintes filhos de Raimundo Martins da Costa Cruz e Tereza de Souza Lima, todos eles nascidos em Leopoldina: 1 – Guiomar (n.1886)[5], casou-se com seu primo Artur Martins da Costa Cruz. Segundo Joana Capella, o Cel. Arthur era proprietário da fazenda Retiro, em Cataguarino. Arthur era filho de Antonio Martins da Costa Cruz (irmão de Raymundo) e Barbara Rodrigues, filha de Manoel Affonso Rodrigues Junior. Manoel Affonso era de Leopoldina e foi para Cataguarino com o pai e irmãos. Foi dono da fazenda Cachoeira do Funil; 2 – José (n.1888)[6]. Casou-se com Augusta de Souza Pinto. O casal teve pelo menos a filha Josefina, nascida[7] em 1925, em Leopoldina; 3 – Maria José (n.1892)[8]; 4 – Silvio (n.1894) [9[; e, 5 – Custódio (n.1896)[10].

Armando Martins da Costa Cruz é o décimo filho do casal Joaquim José e Ana Joaquina. Nasceu em Leopoldina em janeiro de 1865. Dele não se tem mais notícias.

Antônio Martins da Costa Cruz é o filho caçula do casal Joaquim José e Ana Joaquina. Casou-se com Rita e, em segundas núpcias, com Carlota Rodrigues com quem teve os filhos: 1 – Cornélia, nascida em Cataguases, casou-se [11] com seu primo Joaquim Martins Guerra, filho de João Batista Martins Guerra e Teresa Martins da Costa Cruz, já citados nesta série; 2 – Manoel Olímpio casou-se com Laudelina Martins Guerra, irmã de seu cunhado João Batista. Tiveram dois filhos: Eduardo e Joaquim Martins da Costa Cruz, este nascido em 1898, casado com Lúcia Santos e, conforme Pedro Maciel Vidigal foi prefeito de Cataguases; e, 3 – Artur, casado com sua prima Guiomar de Lima da Costa Cruz, primeira das filhas de seus tios Raimundo Martins da Costa Cruz e Tereza de Souza Lima, citados anteriormente.

Registre-se que no livro de matrículas do Colégio Caraça de 1900 consta um Joaquim Martins da Costa Cruz, filho de Antonio Martins da Costa Cruz, matriculado no dia 09 de fevereiro sob nº 3163, que poderia ser, então, o quarto filho do casal Antonio e Rita. Mas surge uma dúvida porque tal aluno residiria na Estação Dona Euzébia e, segundo o pesquisador Luiz Hisse, já citado noutro ponto deste trabalho sobre a família Costa Cruz, teria existido um outro Arthur Martins da Costa Cruz. Este, filho de Dino Costa Cruz, proprietário da fazenda Retiro, na serra da Onça, localizada entre Dona Euzébia e Guidoval, MG.

Diante disto torna-se necessário o aprofundamento das pesquisas para que se esclareça em definitivo a verdadeira paternidade do aluno do Colégio Caraça. Mas esta missão de deslindar o “mistério” ficará para outra oportunidade ou, para outro pesquisador. Porque, com este artigo, o Trem de História encerrará a série sobre a família Costa Cruz.

Em Leopoldina, a família foi iniciada com Joaquim José da Costa Cruz, nascido por volta de 1816 e falecido em 24.06.1881, em Leopoldina. Casado com Ana Joaquina Martins da Costa, filha de Manoel Martins da Costa Neto e Teresa Maria de Jesus. Neta paterna de Manoel Martins da Costa Filho e Maria do Carmo Ferreira Cabral.

A família Costa Cruz deu origem ao notável jornalista, escritor e poeta brilhante, Dilermando Martins da Costa Cruz, nascido em Leopoldina em 1879 e falecido em Juiz de Fora em 1935. Dilermando foi um dos fundadores da Academia Mineira de Letras e é patrono da cadeira nº 15 da Academia Leopoldinense de Letras e Artes – ALLA, hoje ocupada por Natania Nogueira.

No próximo Jornal outro assunto ou personagem será içado do passado para os dias atuais. Até lá!


Fontes Consultadas:

[1] Arquivo da Diocese de Leopoldina, lv 01 bat fls 118 termo 628.

[2] Pesquisa de Joana Capella nos livros paroquiais da Igreja de Santa Rita, Cataguases.

[3] Irradiação (Leopoldina, MG, 14 nov 1888, ed 39 p 4.

[4] Diário Oficial da União, 10 dez 1897 seção 1 p 4.

[5] Arquivo da Diocese de Leopoldina, lv 02 bat fls 157v termo 1501.

[6] idem, lv 03 bat fls 58 termo ordem 555.

[7] idem, lv 21 bat fls 71v termo 278

[8] idem, lv 04 bat fls 79v termo 938

[9] idem, lv 05 bat fls 43 termo 106

[10] idem, lv 06 bat fls 100 termo 37

[11] Gazeta de Leopoldina, 6 nov 1898 ed 60 p 1

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 352 no jornal Leopoldinense de 01 de abril de 2018

  • Share on Tumblr

86 – Romão Pinheiro Corrêa de Lacerda: descendentes do segundo casamento – Parte II

Para encerrar a família de Romão Pinheiro Corrêa de Lacerda, o Trem de História se ocupa hoje dos quatro filhos restantes.

f) HELIODORA PINHEIRO CORRÊA DE LACERDA nasceu a 07.01.1858 em Leopoldina. Algumas publicações informam erradamente que Heliodora seria filha de Francisco Pinheiro Corrêa de Lacerda, irmão de seu pai que faleceu cerca de dezesseis anos antes do nascimento da sobrinha. Pesquisa no livro de batismo, no entanto, deixa clara a paternidade de Heliodora, ao informar que era filha do casamento de Romão Pinheiro Corrêa de Lacerda com Maria de Nazareth Pereira.

Heliodora se casou com Felix Martins Ferreira, que dá nome à praça principal de Leopoldina, filho de Joaquim Martins Ferreira e Maria Esméria de Carvalho Leite, nascido por volta de 1852 em Providência, Leopoldina e falecido em data próxima a fevereiro 1901, em Conselheiro Lafaiete (MG). Félix Martins foi proprietário da fazenda Araribá, na divisa de Leopoldina com Angustura, delegado de polícia, vereador na cidade e acionista do Banco de Leopoldina. Eles tiveram seis filhos: Rafael Felix, Jorge Martins, Maria Magdalena Martins, Georgina Martins, Joaquim Martins e Lafayette Martins.

Sobre esta família o Trem de História trouxe informações quando, em sete artigos publicados no Leopoldinense entre dezembro de 2016 e março de 2017, falou sobre o escritor modernista leopoldinense, Francisco MARTINS DE ALMEIDA, um dos netos de Heliodora e Félix Martins.

g) SOFIA CÂNDIDA DE LACERDA nasceu a 09.05.1860 em Leopoldina. Casou-se com João Caetano Almeida Gama, filho de Joaquim Antonio de Almeida e Gama e Maria Josefina Cândida de Jesus. Eles tiveram oito filhos: Américo de Lacerda Gama (1877); Otávio (1878); Adalgisa (1880); Raul (1883 – 1903); Vasco da Gama (1884 – 1885); Maria (1886 – 1887); Vasco (1888); João (1889 – 1891). Esta família foi abordada em artigo do Trem de História publicado em 16 de junho de 2016.

h) LUIZ ANTONIO CORRÊA DE LACERDA nasceu a 12.04.1863 em Leopoldina, onde era eleitor em 1892 e fundou o Centro Espírita Beneficiente em 1904. Assim como seus irmãos, Luiz Antonio também estudou no Colégio Caraça. Foi professor de português e latim do Ginásio Leopoldinense. Em 1886 foi citado entre os proprietários rurais e de escravos em Leopoldina. Casou-se com Isabel Maria de Lacerda Werneck, filha de Luiz Boaventura Peixoto de Lacerda Werneck e Isabel Augusta de Lacerda Werneck, sendo neta paterna do Barão do Pati de Alferes Francisco Peixoto de Lacerda Werneck. Isabel nasceu na Suíça, na época em que seu pai era Consul Brasileiro naquele país. Luiz Antonio e Isabel tiveram nove filhos nascidos em Leopoldina: Izabel (1885 – 1887); Maria Francisca (1887); Mario Vito (1889); Pedro das Chagas (1891); Paulo (1894); Luis Pio (1897); Romão (1900); Maria Nazareth (1902 – 1909); e, Maria da Glória Werneck (1904 – 1909).

O sétimo filho do casal chamou-se Romão Pinheiro Corrêa de Lacerda em homenagem ao avô paterno. Casou-se com Maria José de Lacerda Werneck, filha de José Ignacio de Lacerda Werneck e Sophia Selma Güenter. José Ignacio era natural de Pati do Alferes e se casou em Leopoldina em 1893. Em 1896 ele inaugurou “à rua do Tiradentes um novo estabelecimento de fazendas, armarinho roupas feitas e calçados”, conforme noticiou o jornal O Mediador de 6 de setembro daquele ano.

Romão Neto e Maria José tiveram, pelo menos, quatro filhos: Selma Izabel, José Luiz, Maria Aparecida e Paulo Antônio Werneck de Lacerda.

Conclui-se, aqui, o relato sobre filhos e netos de Romão Pinheiro Corrêa de Lacerda que, conforme registrado no texto nr 82 que iniciou esta série, era filho de Ana e Álvaro Pinheiro Corrêa de Lacerda. Sua mãe faleceu antes de fevereiro de 1797, quando seu pai se casou pela segunda vez com Ângela Maria do Livramento. Mas Álvaro morreu pouco mais de cinco anos depois e, ao que tudo indica, Ângela ficou como tutora de todos os filhos dele, transferindo-se para o Feijão Cru por volta de 1931, na companhia de Romão.

A próxima viagem do Trem de História abordará esta transferência, cuja origem está no “Registro Civil do Feijão Cru”, em dois documentos emitidos há 200 anos, nos dias 13 e 14 de outubro, a favor de dois tios paternos de Romão: Fernando e Jerônimo Corrêa de Lacerda.

Até lá!

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 340 no jornal Leopoldinense de 1 de outubro de 2017

  • Share on Tumblr

83 – Romão Pinheiro Corrêa de Lacerda – Américo, o filho mais velho

Único filho do primeiro casamento de Romão, Américo Antônio de Castro Lacerda ficou órfão de mãe aos sete anos de idade.

Seu avô materno, Mateus Alberto de Souza Oliveira e Castro, faleceu em Ouro Preto antes de 1831, onde trabalhava na Contadoria da Província. A avó materna, Feliciana Cândida Esméria da Fonseca, continuou residindo em Ouro Preto. Ao que se sabe, dois irmãos de Ana Severina de Oliveira e Castro, a mãe de Américo, casaram-se com pessoas ligadas a antigas famílias de Leopoldina (Monteiro de Barros e Moretzshon). Mas o menino só deve ter tido contato esporádico com parentes maternos.

Os avós paternos de Américo faleceram bem antes de seu nascimento. Um irmão de Romão, que morou por algum tempo no Feijão Cru, migrou para a província fluminense antes de Américo nascer. Portanto, da família de seu pai ele teria convivido apenas com a família de Albina Joaquina de Lacerda, meia irmã de Romão que chegou a Leopoldina por volta de 1846.

Assim, pelo que se apurou até aqui, é de se supor que Américo tenha tido um convívio familiar mais estreito com o próprio pai e os parentes do segundo casamento dele.

Por outro lado, as referências localizadas indicam que Américo teve atuação destacada em Leopoldina. Em 1865 foi citado no Almanaque Laemmert como Fazendeiro de Café. E entre outros fatos de sua vida pública, foi eleito Juiz de Paz em 1868 e 1872. Em 1877 colaborou com a Comissão de Socorro às vítimas das inundações em Portugal, assim como outros proprietários rurais de Leopoldina, provavelmente estimulados por Comissários de Café com quem tinham negócios no Rio de Janeiro. Em 1887 foi eleito vereador. Participou da Instalação do Banco de Leopoldina, em 1891, com 50 ações. Em 1897 foi nomeado Tenente da 1ª Cia do 70º Batalhão de Infantaria da Guarda Nacional e do qual era Oficial em 1898.

Sendo filho único, foi herdeiro majoritário dos bens de seu pai. Segundo descendente de um de seus meio irmãos, teria permanecido na administração da Fazenda Memória, onde sempre viveu.

Américo se casou com Filomena Josefina Cândida da Gama, filha de Joaquim Antonio de Almeida e Gama e Maria Josefina Cândida de Jesus , de quem já se falou no Trem de História nº 51, publicado na edição nº 307, de 01.07.16, do Jornal O Leopoldinense. Destaque-se que Joaquim Antonio formou a Fazenda Floresta que fazia divisa com a Fazenda Memória, formada pelo pai de Américo.

Filomena nasceu a 28 Dez 1847 e faleceu a 4 Jan 1916 em Leopoldina, MG. No batismo de uma de suas filhas, Filomena aparece com o nome de Prudenciana Josefina da Gama Lacerda.

Américo e Filomena tiveram os dez filhos, dos quais pelo menos dois estudaram no Colégio Caraça, antiga instituição situada no atual Parque Natural do Caraça, em Santa Bárbara, MG. O colégio foi construído por volta de 1820 e funcionou por mais de um século, recebendo alunos de várias regiões, muitos deles nomes de destaque na história de Minas Gerais. Na primeira década dos anos novecentos foi transformado em Seminário. Após um incêndio em 1968, que destruiu grande parte de sua memorável biblioteca, foi parcialmente restaurado e desde 1991 funciona como hotel turístico.

O Trem de História precisa dar uma parada, não sem antes mencionar as fontes  consultadas para o estudo dos descendentes de Romão Pinheiro Corrêa de Lacerda que continua nas próximas edições.


Fontes:

Almanack do Arrebol. Leopoldina: 1984-1985. ano 2, nº 6, p. 6.

Almanak Laemmert. Rio de Janeiro. 1911 p. 3127 e 1915. v. 2, p. 3150

Almanaque de Leopoldina. Leopoldina: s/nº, 1886. p. 18.

Arquivo da Câmara Municipal de Leopoldina- Livros do século XIX de Alistamento Eleitoral, Atas de Eleição de Juizes de Paz e Vereadores, Juramento e Posse de autoridades diversas

Arquivo da Diocese de Leopoldina livros 1 a 18 de batismos e 1 a 6 de casamentos.

Arquivo do Fórum de Mar de Espanha, ano 1846, inventário de Ana Severina de Oliveira Castro, cx 1.

Arquivo Público Mineiro cx 03 doc 04, 1843, Mapa da População do Feijão Cru fam 156

BROTERO, Frederico de Barros. A Família Monteiro de Barros. São Paulo: s/nº, 1951. cap 24 p. 466 e 467.

Cartório da 4ª circunscrição do Rio de Janeiro, lv 126, termo 29768 fls 245-v

Cartório de Registro Civil de Belo Horizonte, MG, 3º subdistrito, 1963, lv 4 óbitos fls 45.

Cartório de Registro Civil de Leopoldina, MG, lv 2 nasc fls 139v termo 175

Cartório de Registro Civil de Providência, Leopoldina, MG, lv 2 cas fls 117.

Cartório de Registro Civil de Recreio, MG, lv 1 nasc fls 106/112 e 162.

Cemitério Nossa Senhora do Carmo, Leopoldina , lv 1880-1887, lv 1904-1920,  lv 1963-1975, lv 1975-1977, lápides em túmulos

Colégio do Caraça. Livro de matrículas 1885.

Diário Oficial da União, 11 nov 1893 seção1 p. 6; 10 dez 1897 seção 1 p. 2 e 4; 08 jul 1935 seção p. 36.

FREITAS, Mário de. Leopoldina do Meu Tempo. Belo Horizonte: Página, 1985. p. 62.

Gazeta de Leopoldina, 21 abril 1917 e 26 maio 1979.

Igreja Madre de Deus do Angu, Angustura, Além Paraíba, MG, lv 1 bt fls 66.

Legislação Federal. Decretos nº 10442 de 18 setembro de 1913 e nº 10.947, de 24 de junho de 1914, com respectivas Atas de Assembleias.

MARTINS, Antonio de Assis. Almanaque Administrativo, Civil e Industrial da Província de Minas Gerais. Ouro Preto: s/nº, 1875. p. 438 e 451.

O Estado de Minas Geraes (Ouro Preto, MG;), 11 abr 1891 ed 145 p. 4.

O Globo – jornal do século XIX (Rio de Janeiro), 5 jan 1877, ed 5, p. 3 e 8 jan 1877, ed 8 p. 4.

O Leopoldinense, edições nº 322, de 01.01.17 à nº 328, de 01.04.17, Coluna Trem de História, p.2.

O Mediador (Leopoldina, MG), 24 mai 1896, ed 32, p. 2.

O Paiz (Rio de Janeiro) 18 novembro 1912, ed 10270, p. 7; 22 set 1913, ed 10577 p. 6; 9 fev 1901, p.5.

O Pharol (Juiz de Fora), 4 jan 1916 ed 3 p. 2

PAMPLONA, Nelson V. A Família Werneck. Rio de Janeiro: particular, 2010.

PEREIRA, Mauro de Almeida. Anotações Históricas de Leopoldina. Leopoldina, MG: s.d.t

RODRIGUES, José Luiz Machado e CANTONI, Nilza. Nossas Ruas, Nossa Gente. Rio de Janeiro: particular, 2004.

 

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 337 no jornal Leopoldinense de 16 de agosto de 2017

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Share on Tumblr