Arquivo da tag: Aracati

96 – Rita, Manoel e Custódio Martins da Costa Cruz

Como se viu no artigo anterior e se verá nos subsequentes, a família Costa Cruz, embora tenha ficado esquecida pelos historiadores, teve destacada participação no desenvolvimento de Leopoldina. Em função disto, continua sendo o assunto deste Trem de História. Agora, trazendo mais alguns filhos do patriarca Joaquim José da Costa Cruz.

Rita Martins da Costa Cruz foi a terceira filha de Joaquim José e Ana Joaquina. Casou-se com Teófilo Domingos Alves Ribeiro, nascido em Aracati-CE em 1843), filho de Domingos Teófilo Alves Ribeiro e Maria Joaquina Mendes.

Teófilo Domingos foi um dos nomes de destaque da família Costa Cruz. Empreendedor, em 1879 foi autorizado a fundar um Engenho Central de Açúcar, na margem do Rio Pomba, em Leopoldina, na situação denominada Aracaty, em sociedade com seu cunhado Custódio José. No ano seguinte era professor do Lyceu Leopoldinense e em 1883 aparece cobrando indenização do Governo Imperial referente à passagens de imigrantes contratados em 1882, que possivelmente passaram pela Hospedaria Jacareacanga, vizinha do Engenho.

Pessoa ativa, Teófilo Domingos foi, ainda, vereador em Leopoldina em 1886 e em 1889 e no ano de 1888 era redator do jornal Irradiação, na mesma cidade, propriedade de suas filhas. Em 1890 ele aparece vendendo o jornal Irradiação e se despedindo dos leitores, dizendo que iria para a capital do estado e nesse mesmo ano, em Ouro Preto, foi eleito presidente da Companhia Vila Rica. Mesmo com a transferência para a capital, permaneceu como Oficial da Guarda Nacional e em 1893 participou da Assembleia de Instalação da Sociedade Anonyma Arcádia Leopoldinense, da qual foi sócio. Mais tarde, em abril de 1907, era Secretário de Finanças do Estado de Minas Gerais.

Rita e Teófilo Ribeiro tiveram, pelo menos, os seguintes filhos:

1 – Teófilo, nascido por volta de 1877 em Leopoldina onde faleceu em 1897; 2 – Ester, (n.1880); 3 – Adalgisa c.c. Ismael Franzen; 4 – Maria Rita c.c. José Pedro Drumond; 5 – Guiomar c.c. Antonio Gomes Monteiro Júnior e segunda vez com Manoel Martins da Costa Cruz, promotor em Leopoldina em 1898, filho de Custódio José e Gabriela Augusta.

Manoel Martins da Costa Cruz, o quinto filho de Joaquim José e Ana Joaquina, foi batizado em Leopoldina em 1858 e dele não se tem outras notícias.

Custódio José Martins da Costa Cruz, o sexto e o mais conhecido dos filhos do casal, foi sócio do seu cunhado Teófilo Domingos no Engenho Central Aracaty, autorizado pelo Decreto nº 7.508, de 27.09.1879, que estabelecia:

“Fica concedida á companhia que Theophilo Domingos Alves Ribeiro e Custodio José da Costa Cruz organizarem para o estabelecimento de um engenho central, destinado ao fabrico de assucar de canna, mediante o emprego de apparelhos e processos modernos os mais aperfeiçoados, á margem do rio Pomba, no municipio de Leopoldina, Provincia de Minas Geraes, na zona comprehendida pela situação denominada Aracaty”.

Custódio José nasceu em Nova Era, MG. Casou-se com Gabriela Augusta de Souza Lima, filha de João José de Souza Lima e Carlota Raquel de Souza Barroso, conforme apurado pela pesquisadora Joana Capella.

Em 1875, assinou como Irmão em ata da Irmandade do Santíssimo Sacramento da Paróquia de São Sebastião da Leopoldina. Três anos depois foi nomeado Delegado de Polícia da cidade e no mesmo ano obteve privilégio para construção de uma ferrovia entre Recreio e São Francisco do Glória. Em dezembro de 1890 requereu ao estado uma autorização para exploração de cobre e outros minerais em Conceição do Serro e Itabira. Em abril de 1891, no Rio de Janeiro, RJ, lançou a Cia. Minas Industrial, com atividades agrícolas, de colonização e construção. Nesta época ele vivia no distrito de Ribeiro Junqueira, Leopoldina, na Fazenda Aracati Velho, divisa do Distrito de Paz Vista Alegre.

Custódio José e Gabriela Augusta tiveram, pelo menos, os seguintes filhos: 1 – Manoel Martins da Costa Cruz, casado com sua prima Guiomar Ribeiro, filha de Teófilo Domingos e Rita; 2 – Henrique c/c Francisca Delfim Silva, filha de Camilo Delfim e Silva e Euzébia de Souza Lima; 3 – Maria Carmen c/c João José Vieira Júnior, filho de João José Vieira e Clara Pereira Nunes; 4 – Dilermando Martins da Costa Cruz, do qual se vai falar na próxima edição; 5 – Custódio Filho, nascido em 1880, editor do Correio da Tarde de Juiz de Fora; 6 – Carlos, nascido em 1881 e em 1928 era médico em Leopoldina, c.c Mercedes Paranhos de Souza com quem teve os filhos Carlos, Haroldo, Caio e Áureo; 7 – Afonso c.c. Alzira Neto;  8 – Tereza, conhecida como Zizinha Cruz, c.c. Emilio Gonçalves Júnior, editor do jornal Cidade de Barbacena; e, 9 – Cecília, citada por Pedro Maciel Vidigal, de quem não se tem outras notícias.

Muito ainda existe sobre a família Costa Cruz. Mas por hoje o Trem de História fica por aqui. No próximo número ele trará vida e obra de Dilermando Martins da Costa Cruz. Até lá.


Fontes Consultadas:

Arquivo da Diocese de Leopoldina, lv 01 bat fls 35 termo 184; lv 02 bat fls 35v termo 329, fls 64v termo 612 e 613.

Cemitério Nossa Senhora do Carmo, Leopoldina, MG, lv 1 1896-1903 fls 13 reg 11583 sep 1333 3º plano.

Diário Oficial da União, 10 out 1898, ed 1266, pag 2.

Lei Mineira nr 2452 de 18 out 1878; Decreto 7808 de 27 de setembro de 1879 e Decreto 406 de 6 março 1891

Jornais: A Actualidade (Ouro Preto), 30 abr 1878, ed 17 pag 3; A Província de Minas (Ouro Preto), 2 out 1880, ed 14 pag 4 e 19 ago 1886, ed 380 p.2; Gazeta de Leopoldina 26 jun1898 ed 11 pag 3; Gazeta de Leste (Leopoldina, MG), 5 out 1890, ed 1 pag 1 e 1 nov 1890 ed 5 pag 2; Irradiação (Leopoldina), 14 nov 1888 ed 39, 11 abr 1889 ed 60 p.1; 21 maio 1890 ed 117 pag 2; Minas Geraes (Belo Horizonte), 5 out 1893, ed 269 fls 5 a 7; O Liberal Mineiro (Ouro Preto), 26 out1883, ed 137, pag 3 e O Pharol (Juiz de Fora), 3 dez 1890 ed 296 pag 2, idem, 14 abril 1891 ed 87 pag 2.10 abril 1907, ed. 84, pag. 1, 17 nov 1907, ed. 273, pag. 1

FREITAS, Mário de. Leopoldina do Meu Tempo. Belo Horizonte: Página, 1985. p.41

VIDIGAL, Pedro Maciel, Os Antepassados. Belo Horizonte, Imprensa Oficial, 1979 e 1980. v 2 tomo 2 1ª parte p 910, 933 e 932.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 349 no jornal Leopoldinense de 16 de fevereiro de 2018

  • Share on Tumblr

Sesquicentenário de Nascimento

No dia 1 de dezembro de 1867 nasceu em Leopoldina mais uma descendente do “comendador” Manoel Antonio de Almeida: Marieta Rodrigues de Almeida, filha de Francisco Martins de Almeida e Rita Garcia da Natividade.

Mais tarde seus pais transferiram residência para o distrito de Aracati, em Cataguases, onde Francisco Martins faleceu em dezembro de 1915. Em 1873 ele havia adquirido um pequeno lote da Fazenda Monte Redondo que, segundo a pesquisadora Joana Capela, localizava-se em Santana de Cataguases.

Além de Marieta, Francisco e Rita Garcia foram pais de outros treze filhos, todos com grande descendência. Alguns destes filhos também fixaram residência na margem esquerda do Rio Pomba, seja em Aracati ou em Vista Alegre, ambos distritos de Cataguases.

Os avós paternos de Marieta foram Maria Constança de Jesus e Antonio de Almeida Ramos, filho de Manoel Antonio de Almeida e Rita Esméria de Jesus. Os avós maternos foram José Joaquim Pereira Garcia e Mariana Esméria da Natividade, ambos provenientes de famílias da Serra da Ibitipoca.

Marieta casou-se com Honório Rodrigues de Lacerda, filho de Generosa Teodora de Jesus e de Ezaú Antonio de Lacerda, neto paterno de José Ferreira Brito e Mariana Paz de Lacerda. O casal teve, pelo menos, outros dez filhos,  alguns deles nascidos e batizados em Leopoldina.

 

  • Share on Tumblr

Do quartel do Porto dos Diamantes a Cataguases: Uma cronologia histórica

Comemoramos, neste ano de 2011, os 136 anos de criação do município de Cataguases, de acordo com a Lei Provincial n. 2.180, de 25 de novembro de 1875, tendo o mesmo sido oficialmente instalado em 07 de setembro de 1877.

Município de Cataguases na década de 1920

A ocupação, pelo homem branco, do território que pertenceria ao futuro município, ocorreu no início anos 1800 com a concessão de sesmarias distribuídas pelo Governo Imperial. Neste período, as sesmarias mediam meia légua em quadra, área então equivalente a 1.068 hectares ou 225 alqueires mineiros.

Os primeiros sesmeiros receberam suas terras situadas, sobretudo, às margens dos rios, ribeirões e córregos, assim como ao longo da estrada que ligava São João Batista do Presídio (hoje Visconde do Rio Branco) a Campos dos Goitacazes, no estado do Rio de Janeiro, concluída em 1812. Vinda do Passa Cinco, a estrada passava, num percurso atualizado, pela Rua Alferes Henrique de Azevedo, Praça Santa Rita, ruas Coronel Vieira e Professor Alcântara, seguindo sempre pela margem esquerda do rio Pomba.

Cumprindo a política governamental de Civilização e Catequese dos Índios, foram criadas as 7 Divisões Militares, comandadas, a partir de 1826, por Guido Thomaz Marlière. Até então, Guido era o Diretor Geral dos Índios da Pomba, cargo assumido em 1813.

Pertencente ao município de Mariana, a área do futuro arraial de Porto dos Diamantes fez parte das Freguesias do Mártir São Manoel da Pomba e Peixe dos Índios Croatos e Cropós (atual Rio Pomba, criada em 1765, e, posteriormente, da de São João Batista do Presídio, criada em 1810.

A seguir, a evolução do primitivo aldeamento, o Curato, a Freguesia, a Paróquia – instâncias administrativas e eclesiásticas – até a criação do município, com alguns fatos históricos do período.

23.05.1817 – Concessão de uma sesmaria a João Antonio da Cruz, no ribeirão Passa Cinco, no sertão do Caminho que se abriu para os Campos.

17.12.1817 – Concessão de uma sesmaria a Lucindo Pereira Passos, nas cabeceiras do ribeirão Meia Pataca, na nova estrada para Campos dos Goitacazes.

07.04.1818 – Concessão de uma sesmaria a Manoel Barbosa Coura, no ribeirão Passa Cinco, na nova estrada para Campos dos Goitacazes.

01.07.1818 – Concessão de uma sesmaria a Joaquim de Freitas Ferreira, no ribeirão Passa Cinco, na nova estrada para Campos dos Goitacazes.

15.02.1819 – Concessão de uma sesmaria a Ana Teresa de Jesus, no lugar chamado Porto dos Diamantes.

20.09.1822 – Criação do Aldeamento de Meia Pataca pelo Diretor Geral dos Índios.

26.05.1828 – Doação do terreno para constituir o patrimônio da Capela de Santa Rita, ao Comandante Guido Thomaz Marlière, feita pelo Sargento de Ordenanças Henrique José de Azevedo, no Quartel General de Porto dos Diamantes. Assinam como testemunhas José Gomes de Barros, Joaquim de Souza Lima, Antonio Roiz. de Mello, Manoel Carlos de Almeida, José Antonio Roiz., Antonio Borges e Joaquim José da Silva.

15.07.1828 – Comunicação de Guido ao governo de Minas Gerais, informando a criação do novo arraial de Santa Rita do Porto dos Diamantes, com 38 fogos (casas), por onde atravessava a Estrada Nova ( estrada Presídio – Campos),  filial da Freguesia de São João Batista do Presídio.

13.10.1831, Decreto sem número – Criação da Vila de São Manoel da Pomba, cujo território abrangia todo o curso do rio Pomba até sua foz, no rio Paraíba.

19.11.1831 – A primeira Lista de Habitantes foi encaminhada ao Governo pelo Juiz de Paz Henrique José de Azevedo. No território de Santa Rita de Meia Pataca havia 112 fogos (casas) e 753 habitantes.

21.01.1839 – A segunda Lista de Habitantes foi encaminhada ao Governo pelo Juiz de Paz Antonio Vicente da Silva Viana. Na área do distrito de Santa Rita do Meia Pataca havia 120 fogos (casas).

23.03.1839, Lei n.134 – Elevação da Freguesia de São João Batista do Presídio à categoria de Vila, à qual fica pertencendo Santa Rita de Meia Pataca.

07.04.1841, Lei 209 – Eleva a Paróquia o Curato de São Januário do Ubá, desmembrado da Paróquia  do Presídio, compreendendo a Capela de Santa Rita do Meia  Pataca.

10.10.1851, Lei n. 534 – Elevação do Curato de Santa Rita do Meia Pataca a Freguesia, compreendendo os curatos de São Francisco de Assis do Capivara e de N. Sra. da Conceição do Laranjal.

A Lei n. 533, da mesma data, estabeleceu que sua área seria composta do território situado às margens do Chopotó até sua foz, no rio Pomba, e, por este abaixo, até o córrego São Joaquim, afluente do mesmo rio.

17.06.1853, Lei n. 654 – Elevação da Paróquia de São Januário de Ubá a Vila, suprimindo a Vila de Presídio.

27.04.1854, Lei n. 666 – Elevação da Freguesia de São Sebastião do Feijão Cru (atual Leopoldina) à categoria de Vila, sendo a ela incorporado o distrito de Santa Rita de Meia Pataca, desmembrado da Vila de Ubá.

25.04.1855 – Iniciado o Registro de Terras da Freguesia de Santa Rita de Meia Pataca, que  no Livro 1 traz 197 registros. A menor propriedade tem 1 alqueire e a maior, 2.100 alqueires.

25.11.1875, Lei n. 2.180 – Criação o município de Cataguases, composto das freguesias de Meia Pataca, Laranjal e Empoçado (hoje Cataguarino), desmembradas do município de Leopoldina; da de Santo Antonio do Muriaé, desmembrada de Ubá; e da de Capivara, também desmembrada de Muriaé.  Fica anexado à nova vila o território da margem esquerda do rio Novo e o da fazenda de Manoel Fortunato Ribeiro, desmembrado do curato da Piedade.

Hoje o município de Cataguases é composto dos distritos da Sede (cidade), Cataguarino, Glória, Sereno, Vista Alegre e Aracati.

As alterações no território, a criação, incorporação e emancipação de distritos dando origem a diversos municípios, e outros fatos históricos ocorridos a partir de 1875, merecem ser tratados oportunamente.

Joana Capella

Cataguases, 12 de novembro de 2011.

——————————-

Texto elaborado a partir de pesquisas no Catálogo de Sesmarias, Coleção das Leis Mineiras, Registro de Terras de Meia Pataca e Correspondência de Guido Marlière, disponíveis no Arquivo Público Mineiro.

Este texto foi publicado na edição de 25 de novembro de 2011 no jornal Cataguases, página 2.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Share on Tumblr