Arquivos da categoria: Pesquisa em Leopoldina

Aspectos específicos do processo de buscas em variadas fontes, sobre a história de Leopoldina e seus distritos.

76 – Biblioteca Leopoldinense

Hoje não temos uma viagem, mas uma parada do Trem de História na oficina. O objetivo é consertar uma narrativa colocada nos trilhos na viagem de nº 54, em agosto de 2016. Vem contar a história da Biblioteca Pública, recentemente instalada no prédio do antigo fórum, para fazer ajustes ao que se conhece.

A história mais conhecida inicia-se em 1959 quando, a título de cooperação do Ministério da Educação e Cultura(1) para com a administração do Município de Leopoldina, o Ministro Clóvis Salgado designou o professor João Barroso Pereira Junior para proceder a estudos que visavam organizar o Departamento de Cultura na cidade. Nessa mesma época, Barroso Júnior foi nomeado pelo Ministro Clóvis Salgado como primeiro Diretor da Biblioteca Municipal de Leopoldina que foi então instalada em parte do segundo andar do Colégio Estadual Professor Botelho Reis. Sob sua orientação a Biblioteca buscava ir além das estantes de livros para oferecer cultura geral aos usuários através de revistas, jornais, obras de arte e peças antigas.

“Barrosinho”, como a ele se refere carinhosamente Mário de Freitas(2), era professor, bibliotecário, historiador e jornalista. Daí sua grande importância para as áreas de educação e cultura de Leopoldina. Por sua orientação e criação pela Lei Municipal nº 316, de 1959, surgiu o  quadro de funcionários da Biblioteca Pública Municipal com o qual se viabilizou o seu funcionamento, a partir de 29.09.60, na ala esquerda do 2º andar do prédio do Ginásio, ao lado da agência do então Departamento Nacional de Obras Contra a Seca – DNOS.

E sob a coordenação de Ana Eugênia de Azevedo Filha, até 1969 funcionou com a colaboração de Antonio Sérgio Lima Freire (Serginho do Rock, patrono da cadeira nº 9 da Academia Leopoldinense de Letras e Artes), Welsor Machado e Petrina Gomes Machado.

Posteriormente a professora Maria Helena Vieira Campos assumiu a coordenação e entendendo que a Biblioteca tem por finalidade promover a cultura, criou o 1º Concurso de Poesias Augusto dos Anjos cuja 25ª edição ocorreu em 2016.

O nome atual de Bibioteca Pública Municipal Luiz Eugênio Botelho foi determinado pela Lei Municipal nº 1106, de 1975, um mês depois da morte do homenageado, autor de livros de memórias sobre Leopoldina.

Tudo isto é sobejamente conhecido de todos e não há o que se discutir quanto à importância dessas ações para o desenvolvimento cultural da cidade.

Um novo capítulo na história da Biblioteca Municipal

O que poucos leopoldinenses sabem é que a Biblioteca Leopoldinense, organizada e valorizada por Barroso Junior por orientação do Dr. Clóvis Salgado, tem sua fundação mais de meio século antes.

Na página 2 da edição de 23/09/1895 da Gazeta de Leopoldina, encontramos a seguinte notícia:

“A camara municipal, desde o dia 17 do corrente, passou a funcionar no palacete que foi do Dr. Gabriel, adquirido para este fim. Hoje é o Itamaraty da terra. É ocasião apropriada para se dar novo regulamento à biblioteca, o que aliás desde muito é reclamado. Augmentada, em uma sala independente e com um bibliottecario cuidadoso – muito proveito poderá trazer a todos aquelles que queiram se instruir.”

Mas ao que tudo indica essa biblioteca não deve ter tido a ampliação sugerida e, possivelmente foi abandonada, uma vez que dez anos depois ela retorna ao noticiário em matéria publicada pelo Jornal O Pharol de 27.09.1905, edição 228 p. 2, conforme aqui se reproduz:

“Devido aos ingentes esforços do dr. Custodio Lustosa, integro juiz de direito de nossa comarca, a Bibliotheca Leopoldinense torna-se uma realidade pois, o que hontem não passava de uma idéa, hoje é um facto. A creação da bibliotheca é de utilidade palpitante, e isto, graças a Deus, vae sendo comprehendido por todos os bons leopoldinenses, que estão sempre promptos a trabalhar, luctar, desde que desse trabalho e lucta, possa brotar uma scentelha de progresso para esta velha e legendaria Leopoldina. A bibliotheca já tem recebido quarenta e muitos livros e vários jornaes.Têm feito offertas de livros os seguintes cidadãos: drs Custodio Lustosa, Randolpho Chagas, Rodrigues Campos, Pessoa Lins, Costa Cruz, Nunes Pinheiro, solicitadores Sylva Junio, Ricardo Martins, Arthur Leão, e o sr. Juvenal Carneiro. É de esperar que todos os nossos municipes concorram para o engrandecimento da Bibliotheca Leopoldinense.”

Curioso observar que, mesmo nesta nova fase, a Biblioteca Leopoldinense é anterior à criação do Ginásio Leopoldinense, considerado um marco do desenvolvimento cultural da cidade.

Importante ressaltar, também, o relativo esquecimento a que foi deixado este seu fundador, o Juiz de Direito Dr. Custódio de Almeida Lustosa, que durante 23 anos, de 1904 a 1927, esteve à frente da Comarca de Leopoldina.

Dr. Custódio Lustosa, segundo sua autobiografia, além dos trabalhos de Juiz, lecionou português, história universal e psicologia no Ginásio Leopoldinense e tomou parte nas bancas examinadoras de latim e grego. É da sua época na cidade a construção do Fórum na Praça Félix Martins (hoje, Centro Cultural Mauro de Almeida Pereira), da Santa Casa (Casa de Caridade Leopoldinense), do cinema (Cine Brasil que existiu na esquina das atuais ruas João Lamarca e Custódio Junqueira), além da fundação do Colégio Imaculada Conceição e de outros benefícios que reanimaram a cidade.

Chama a atenção, também, o esquecimento dos nomes citados na matéria publicada no jornal O Pharol como doadores das primeiras obras que formaram o acervo da Biblioteca Leopoldinense. E uma curiosidade: quem fizer uma visitinha à Biblioteca observará que, entre as obras raras, há vários títulos da área do Direito. Talvez alguns deles remontem ao tempo em que os bacharéis capitaneados por Custódio Lustosa doaram seus livros para engrandecer o patrimônio cultural de Leopoldina. Nem todos eram leopoldinenses de nascimento, mas adotaram a cidade quando para cá vieram exercer suas funções. E não eram só advogados os que compunham o grupo: Nunes Pinheiro era médico, Ricardo Martins era jornalista e Juvenal Carneiro era guarda-livros. A maioria deles foi professor no então Colégio Leopoldinense fundado em 1906.

E pela atualidade do assunto, para encerrar esta parada nas oficinas do Trem de História, vale lembrar trecho da sua autobiografia em que Custódio Lustosa registra: “Quando lá cheguei (em Leopoldina, em 1904) ainda se faziam sentir os efeitos da FEBRE AMARELA que estava aniquilando o Brasil. Bendito Osvaldo Cruz!”.

A mesma Febre Amarela para qual a Fundação Oswaldo Cruz hoje, 113 anos depois, fabrica milhões de doses de vacina para combater um novo surto que ameaça a todos. Bendito Osvaldo Cruz, repetimos.


Fontes consultadas:

1 – Diário Oficial da União (DOU) • 13/03/1959• Seção 1 • p. 25. Portaria 97 de 05/03/1959. Disponível em <http://zip.net/bbs7xl>. Acesso em 30 nov. 14.

2 – FREITAS, Mário de. Leopoldina do Meu Tempo. Belo Horizonte: Página, 1985. p.236 e 244

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 330 no jornal Leopoldinense de 27 de abril  de 2017

  • Share on Tumblr

75 – O Feijão Cru: antes de ser Villa Leopoldina

O Trem de História agora inicia uma viagem por tempos mais antigos. Lança dormentes e trilhos nas primeiras clareiras abertas na Mata Mineira para a formação do povoado do Feijão Cru. E começa no ano de 1847, quando foi produzida a “Carta topographica dos seus (Municipios) e Termos do Presídio, Pomba e São João Nepomuceno cum noticias do Paiz que delles segue até o mar pela costa oriental”, por João José da Silva Teodoro. Parte desse documento que é, até aqui, a mais antiga representação conhecida da região a incluir o então Distrito do Feijão Cru, uma importante informação sobre o processo de ocupação do lugar.

Como se sabe, na divisão eclesiástica a localidade de São Sebastião do Feijão Cru pertenceu oficialmente ao Bispado do Rio de Janeiro até 1897. Fato que dificulta enormemente a localização de fontes daqueles primeiros tempos porque nada é encontrado em Mariana e nos centros de documentação do Rio há apenas pistas esparsas que até hoje não conduzem aos instrumentos legais que criaram não só o povoado como a freguesia e o distrito civil do Feijão Cru. Assim, são poucas as informações sobre o estágio em que se encontrava o Feijão Cru quando de sua emancipação político administrativa.

Sabe-se, por exemplo, que a primeira contagem populacional, antes mesmo da existência do distrito, encontrou 62 ‘fogos’ em 1831, ou seja, 62 unidades habitacionais com 589 moradores no território que mais tarde viria a formar o Curato de São Sebastião do Feijão Cru. E que em 1835, quando o povoado passou a Distrito de São Sebastião do Feijão Cru, Termo da Vila do Pomba, o censo encontrou 135 unidades habitacionais ocupadas por 1.294 moradores. Em 1843, dois anos depois da elevação da povoação de São João Nepomuceno a Vila, abrangendo entre outros o distrito do Feijão Cru, aqui existiam 213 fogos com 2.171 moradores.

Importante esclarecer que tais ‘fogos’ estavam espalhadas por todo o grande território do distrito e, pelo mapa de Teodoro, observa-se que o Feijão Cru se estendia da margem direita do Rio Novo até a Serra Bonita e da margem direita do Rio Pomba até a margem esquerda do Paraíba do Sul.

A representatividade da população do Feijão Cru pode ser medida, também, pelo número de eleitores. Mas para melhor situar o tema é preciso lembrar que o Curato de Nossa Senhora das Mercês do Kágado (Mar de Espanha) era filial do Curato de São José da Parahyba (Além Paraíba) desde julho de 1832. Quando se deu a emancipação de São João Nepomuceno, o Kágado e São José do Parahyba foram incorporados à nova vila, assim como Conceição do Rio Novo, Santíssima Trindade do Descoberto, Bom Jesus do Rio Pardo (Argirita), Espírito Santo (Guarará), Madre de Deus do Angu (Angustura), Porto de Santo Antonio (Astolfo Dutra) e o Feijão Cru.

Ainda no final daquela década de 1840, forças políticas lutavam para emancipar o distrito do Kágado e um alistamento eleitoral, realizado entre junho de 1850 e fevereiro de 1851, serviria como argumento para preservar São João Nepomuceno com autonomia, abrangendo os distritos de Rio Novo, Descoberto, Astolfo Dutra, Feijão Cru e Rio Pardo. Nesse alistamento foram qualificados 1071 eleitores assim distribuídos: 357 eram moradores do Feijão Cru, 247 em Rio Novo, 171 em São João Nepomuceno, 164 no Rio Pardo, 80 em Descoberto e 52 no Porto de Santo Antonio. Mas São João Nepomuceno perdeu a batalha e em setembro de 1851 a sede da Vila foi transferida para o Arraial do Kágado, com a denominação de Villa do Mar de Hespanha, e, no mês seguinte, foi suprimida a Freguesia de São João Nepomuceno. Naquele momento, como se vê, o Feijão Cru era a maior unidade em território e população entre as que foram incorporadas ao Kágado.

Dois anos e sete meses depois, a 27 de abril de 1854, quando Mar de Espanha ainda nem tinha conseguido instalar toda a burocracia de seu novo status, foi a vez do Feijão Cru emancipar-se pela lei nº 666, com o nome de Vila Leopoldina, levando consigo os distritos da Piedade, do Rio Pardo, de Madre de Deus, de São José do Parahyba, de Conceição da Boa Vista, da Capivara, de Laranjal e do Meia Pataca.

Dois pontos fora da curva na história de Leopoldina

Diante destas afirmações cabe comentar dois pontos que se considera fora da curva da verdadeira história da cidade. Versões repetidas com certa frequência. Trechos da história contada por dois autores sobejamente conhecidos e que, de certa forma, acabaram por distorcer o estágio em que Leopoldina se encontrava na segunda metade do século XIX.

O primeiro deles é Francisco de Paula Ferreira de Rezende, um dos mais citados memorialistas da cidade que desconsiderou as reais condições econômicas e de desenvolvimento da região para dizer que Leopoldina, em 1861, encontrava-se “em um ponto de atraso extraordinário”, que o “Angu e S. José […] como em tudo o mais estavam mil furos adiante de Leopoldina” e que Leopoldina “deveria ter umas setenta ou oitenta casas”.  Informações estas que não espelham a realidade trazida pelos documentos compulsados.

Pode-se imaginar que ele tenha escrito isto por falta de informação ou porque, como se pode deduzir da sua obra, aqui chegara aborrecido por não ter conseguido ser reconduzido ao cargo de Juiz Municipal e de Órfãos de Queluz (Conselheiro Lafaiete), para o qual houvera sido indicado por políticos, mas que para mantê-lo precisava do apoio dos votantes locais. Ainda assim, não se deve descartar suas posições. Antes, deve-se aprofundar a pesquisa para confrontar as informações e estabelecer um panorama sustentado nas fontes ainda existentes.

O outro autor que cometeu deslizes foi Alfredo Moreira Pinto, em “Apontamentos para o Dicionário Geográfico do Brasil”. No verbete Feijão Cru, declara que se baseou em informações do vigário, embora não informe o nome desse religioso. Uma rápida consulta aos livros paroquiais foi o bastante para verificar que o Vigário era o Padre José Francisco dos Santos Durães, chegado a Leopoldina provavelmente em 1879 e que desde 1881 era também inspetor de ensino. Possivelmente foi o criador da lenda do Feijão Cru, que veio a público inicialmente pelo Almanaque de Leopoldina de 1886 e foi quase integralmente copiada pelo autor dos Apontamentos.

Depois de sua morte, uma segunda obra de Alfredo Moreira Pinto foi publicada por seu filho Justiniano Moreira Pinto, com o título Supplemento aos Apontamentos para o Diccionario Geographico do Brazil. Nela o autor manifesta opinião pessoal de uma visita a Leopoldina que talvez não tenha durado mais que um dia. Segundo se apurou, durante o período em que escreveu seus livros, Moreira Pinto viajava de trem e descia nas estações que lhe agradavam para colher os informes. E por este método pouco ortodoxo conclui ele que os povoadores de Leopoldina “foram infelicíssimos” na escolha do local onde estabeleceram a sede do município e que “seus prédios, em número de 450, são antigos e de feia aparência”. Embora declare que o comércio movimentava “avultado capital”, que a cidade contava, dentre outras atividades, com cinco médicos, cinco hotéis, dois engenhos de beneficiar café, duas tipografias, quatro escolas estaduais, uma escola municipal, dois colégios particulares e um curso noturno subsidiado pela Câmara. Informou, também, que Leopoldina era abastecida por água de boa qualidade e servida por rede de esgotos, contando com cerca de três mil moradores na área urbana.

Mas apesar de todas as farpas perpetradas, assim como foi dito sobre o Ferreira Rezende, reiteramos que nem por isto se pode desconsiderar Moreira Pinto. Até porque, são dele informações que não se encontram em outras fontes, como a existência de cinco cemitérios, “três dos quais extintos”: “o do Aterrado, para os lados de Cataguazes, o do morro da Forca e o da Matriz”. Dos ainda existentes na época, indicou a localização de apenas um deles: “no extremo da cidade, na ponta do morro que limita a chácara denominada do João Neto com a de José Alves”.

Mas isto pode ser assunto para um futuro Trem de História, porque o de hoje ficará por aqui. Até o próximo Jornal.


Fontes consultadas:

Arquivo Público Mineiro. Mapa da População de Além Paraíba – 1831CX 07 DOC 07; Mapa da População do Feijão Cru, 1835 e 1843 CX 03 DOC 06 e CX 03 DOC 04; Alistamento Eleitoral de São João Nepomuceno PP 11 cx 36 pacote 29.

Decreto Imperial de 14 de julho de 1832.

Leis Mineiras nr. 202, 01 abril 1841; nr. 514, 10 setembro 1851; nr. 542, 9 outubro 1851; nr. 666 27 abril 1854.

PINTO, Alfredo Moreira. Apontamentos para o Diccionario Geographico do Brazil. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1899.

_______, Suplemento aos Apontamentos para o Diccionario Geographico do Brazil. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1935.

REZENDE, Francisco de Paula Ferreira de. Minhas Recordações. Rio de Janeiro: José Olympio, 1944.

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado na edição 330 no jornal Leopoldinense de 27 de abril  de 2017

  • Share on Tumblr

Abaíba, Leopoldina, MG

Cartografia e imagens do distrito inicialmente denominado Santa Izabel.

Mapa do distrito de Abaíba

 

Antiga Escola de Abaíba

 

Estação Ferroviária de Santa Izabel

 

Ponte na estrada de Abaíba - Pirapetinga

  • Share on Tumblr

Providência, Leopoldina, Minas Gerais

A representação cartográfica do distrito.

Providência, distrito de Leopoldina, MG

  • Share on Tumblr

Distrito de Tebas, Leopoldina, MG

Tebas, distrito de Leopoldina, MG

Em destaque na cartografia, o antigo distrito de Santo Antônio dos Thebas.

  • Share on Tumblr

Grafia de nomes e sobrenomes estrangeiros.

Continuamos recebendo mensagens de visitantes do site e do blog sobre a grafia dos nomes de seus antepassados. A mais recente foi sobre as famílias Bronzato e Sangalli que o visitante procurou como Bronssato e Zangali. Sugerimos a leitura de nossa postagem Alterações em Nomes e Sobrenomes e reiteramos o pedido para que nos escrevam relatando as discrepâncias, uma vez que tais informações são importantes para ampliarmos as versões em nosso banco de dados e, desta forma, conhecermos um pouco mais sobre as antigas famílias de Leopoldina.

  • Share on Tumblr

Nossas Ruas, Nossa Gente: Logradouros Públicos de Leopoldina

Nossas Ruas, Nossa Gente: Logradouros Públicos de Leopoldina

  • Share on Tumblr

Pesquisando Antepassados

POSTAGEM REPUBLICADA

A metodologia de pesquisa é uma das colocações mais recorrentes entre os leitores deste blog. Na maioria das vezes nós recebemos perguntas sobre a maneira de localizar informações de propriedades, atividades profissionais e locais de moradia de antepassados. Se fizermos uma tabulação e categorizarmos os comentários por temas, provavelmente concluiremos que o interesse pela história de Recreio nasce no momento em que se descobre um ascendente que viveu no município.
Uma pequena parcela de nossos leitores demonstra ter expectativa de encontrar todas as respostas na rede mundial de computadores. Um outro grupo pede indicação de literatura publicada onde encontrem “tudo sobre fulano de tal”. Aos primeiros nossa resposta é que a internet é um veículo muito novo e que pouca coisa já está disponível na rede. Para os outros temos tentado explicar que autores constróem textos a partir da própria visão de mundo e que nem tudo já foi estudado ou compilado. E sempre deixamos o convite para fazerem a própria pesquisa.
Para os que nos pedem indicações de como fazer, reiteramos que todas as fontes podem ser úteis desde que tenhamos um projeto bem delineado. Isto evita que nos percamos no meio do caminho. É fundamental termos bem claro o objetivo da busca, bem como nos informarmos sobre o tema através da literatura disponível. É muito difícil, por exemplo, tentar localizar uma fazenda pelo nome que o avô mencionou, sem conhecermos os dados básicos sobre o município onde tal propriedade se localizava.
Muitas vezes não será possível prosseguir sem visitar centros de documentação da região. E quando se trata de localizar informações sobre pessoas nascidas antes de 1930, a sugestão é fazer um levantamento minucioso dos assentos paroquiais relativos ao período de interesse. Assim, além de anotar datas, locais, padrinhos e grafias, vamos nos aproximando das redes de afinidade do personagem de nosso interesse e conhecendo um pouco da sociedade na qual esteve inserido.
A distância impede a pesquisa? Nem sempre ou não integralmente. Sabendo exatamente o que se quer, é possível pedir cópias de documentos telefonando para o órgão competente. Donde voltamos ao segundo parágrafo deste texto para informar que a internet e os livros publicados são extremamente úteis para nos aproximarmos do objeto de estudo. E até mesmo para sabermos se é possível atingir o objetivo planejado.
  • Share on Tumblr

Incompatibilidade em registros de nascimento

Conforme pode ser observado na postagem anterior, em que foram listadas as pessoas nascidas em Recreio no ano de 1912, o casal Olimpio Augusto de Lacerda – Rita Ferreira Brito aparece com duas filhas no mesmo ano: Nair, nascida no dia 29 de janeiro e Abigail no dia 12 de abril. Quando encontrei estes assentamentos, imaginei que seriam dois casais homônimos, situação não muito rara na região. Mais tarde, porém, verifiquei que era o mesmo casal. Então, onde está o erro?

A resposta pode ser a mesma para diversos casos de incompatibilidade de datas de nascimento ou casamento, bem como os diferentes nomes para uma só pessoa: registro civil diferente do religioso e/ou realizado muito tempo depois do evento, contando apenas com a memória.

No caso aqui observado temos uma situação mais complexa. No livro 15 de batismos que se encontra arquivado na secretaria paroquial da Igreja Menino Deus em Recreio, na folha 107 verso consta o batismo de Nair no dia 17 de março de 1912 e a informação de que nasceu no dia 29 de janeiro do mesmo ano. Já no livro 4 de nascimentos do Cartório de Registro Civil de Recreio, na folha 122 verso consta o registro de nascimento de Abigail, nascida no dia 12 de abril de 1912. Não foi encontrado o batismo de Abigail nem o registro civil de nascimento de Nair.

Algumas hipóteses possíveis:

a) as crianças nasceram em diferentes anos e houve erro por parte do padre ou do escrivão; ou

b) uma criança nasceu em janeiro e foi batizada em março com o nome de Nair, sendo o registro civil feito no mês seguinte, com o nome de Abigail; ou

c) a criança batizada em março era afilhada e não filha do casal.

Este é apenas um dos muitos casos que encontramos na pesquisa sobre as antigas famílias de Leopoldina. Assim como os outros, serviu de base para afirmarmos que o conceito de fonte primária deve ser olhado com reservas quando se refira a registros civis e assentos paroquiais. Preferimos classificar como fonte original, e não primária, aquela que tenha sido produzida em data mais remota, tendo o cuidado de confirmar se o que se tem em mãos é o original e não uma transcrição.

  • Share on Tumblr

Procuração de Imigrantes

Aqui está mais um documento do Arquivo da Câmara Municipal de Leopoldina, que infelizmente ainda não se encontra disponível para consulta. Trata-se de uma procuração passada no Cartório de Notas de Pirapetinga, MG por Giuseppe Vincernzo Mercadante e sua mulher Marina Dause.

Leia a transcrição do documento neste endereço.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Share on Tumblr