55 – Barroso Júnior: o escritor

Logomarca da coluna Trem de História

João Barroso Pereira Júnior foi professor, empresário, funcionário público, bibliotecário, jornalista, historiador e memorialista.

Nos textos anteriores já se falou sobre algumas de suas funções. Neste serão abordadas as atividades ligadas à escrita. A começar pela notícia de que ele é patrono da cadeira nº 8 da Academia Leopoldinense de Letras e Artes, ocupada por seu sobrinho José Barroso Junqueira e que sua atividade como memorialista o credenciou para ser considerado um dos mais destacados da cidade de Leopoldina.

Como jornalista, Barroso Junior escreveu, dentre muitos outros, um artigo especial para a revista Dom Casmurro, de 01 de novembro de 1941, sob o título “Nirvana da Leopoldina” sobre Augusto dos Anjos onde afirma que o poeta “procurou nas montanhas mineiras novos ares à saúde combalida”. E contou como foram os últimos dias de vida do poeta paraibano em Leopoldina, reproduzindo informações de jornal da cidade. Registrou que “Nos primeiros dias de novembro (1914) o Dr. Augusto não apareceu na diretoria do Grupo Escolar. Mandara dizer à Dona Maria Brígida de Medeiros Castanheira, sua auxiliar de administração, que estava doente. E encerra dizendo que “Desse moço que publicara – um livro amargo – doloroso, extremamente triste, em 1912, ocupou-se toda a imprensa do país, ao ensejo de sua morte”. Para assistir aos funerais do poeta paraibano, toda a Leopoldina saiu de casa.”

Em 1932 escreveu um artigo especial publicado na revista Eu Sei Tudo(1), por conta dos 100 anos do início do povoado que se transformou na cidade de Leopoldina. Aí, em seis páginas, encimada a primeira pelo brasão da cidade, dentre outros fatos, registrou a missa realizada para marcar este centenário, na subida dos Pirineus.

Traslado do Cruzeiro, 1931

No mesmo artigo, publicou um soneto sobre “o alpestre da Pedra do Cruzeiro, na Serra dos Puris”:

Para a Revista Acaiaca(2), edição comemorativa do Centenário de Leopoldina, escreveu longo artigo sobre a história de Leopoldina desde o nascimento do povoado em 1831, num excelente registro de fatos ocorridos e pessoas que viveram no antigo Feijão Cru. E são desse trabalho as informações importantes que até hoje são repetidas por vários historiadores da cidade.

“Chegamos à Praça do Rosário. Foi aqui que a cidade nasceu […]. Em 1831, eleva-se aí a Casa do Rosário. O primeiro centenário achou nesse mesmo local a Igreja da mesma invocação. Buena Flor, que deixou em tantas obras o testemunho de sua arte, fez também o altar-mor, púlpitos e florões ornamentais desse gracioso templo. […] Hoje tem foros de Matriz e nela se sagrou com grande pompa S. Ex. Revma. Dom Aristides de Araújo Porto, seu antigo vigário.”

Em 1943, publicou a sua principal obra, o livro “Leopoldina e seus Primórdios” que na página 10 traz o local onde foi concluída: “Ginásio Rio Branco, Outubro de 1943”.

É desta obra, inclusive, a informação de que Joaquim Antônio de Almeida Gama, estudado nos artigos anteriores do Trem de História, foi o primeiro historiador-memorialista de Leopoldina, sendo provavelmente a fonte para o artigo A Cidade de Leopoldina, publicado(3) em 1886. Uma obra onde beberam e ainda bem, muitos conterrâneos que se dedicaram e se dedicam a remover o pó que recobre o passado da “Cidade Menina”, cantada pelo poeta Átila da Cruz Machado em poema publicado em 1961.

O Trem de História de hoje fica por aqui. Mas voltará no próximo número ainda falando de Barroso Júnior e sua obra, na visão de terceiros. Até lá.


Fontes consultadas:

(1) BARROSO JR. Nossa Terra: O centenário da Cidade de Leopoldina, em Minas Geraes. Revista Eu Sei Tudo, Rio de Janeiro, Cia Editora Americana, nº 179, abril de 1932, 11º do anno XV, p. 11-14.

(2) LEOPOLDINA. Prefeitura Municipal. Revista Acaiaca: Primeiro Centenário de Leopoldina. Belo Horizonte: s.n., 1954., p. 13-36

(3) A Cidade de Leopoldina in: Almanaque de Leopoldina, Leopoldina: s.n., 1886. p.71-81

Luja Machado e Nilza Cantoni – Membros da ALLA

Publicado no jornal Leopoldinense de 16 de agosto de 2016

Personagens Leopoldinenses: série Barroso Júnior

53 – Barroso Júnior: o Cidadão 

54 – Barroso Júnior: a família e as atividades 

56 – Barroso Júnior na visão de terceiros 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Share on Tumblr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *