Os primeiros moradores da Colônia Agrícola da Constança

Conforme temos dito em várias oportunidades, a Colônia Constança não acolheu apenas imigrantes italianos. Ao transferimos para este novo endereço os textos publicados no final da década passada, voltamos a receber consultas sobre a presença de outras nacionalidades naquele núcleo colonial. Por esta razão, republicamos algumas informações que obtivemos nos Relatórios da Diretoria de Terras e Colonização de Minas Gerais.

No decorrer do ano de 1909, iniciaram-se os trabalhos de preparo dos lotes do núcleo que acolheria imigrantes em Leopoldina. A 12 de abril de 1910 foi assinado o Decreto 280 criando a Colônia Agrícola da Constança. O primeiro morador foi o Sr. João Baptista de Almeida Paula, que passou a residir naquele núcleo a 01.07.1909. Nos meses de novembro e dezembro de 1909, a Colônia recebeu as famílias de Mathias Hensul, Franz Ketterer, August Krauger, August Schill, Wilhelm Zessin, Augusto Mesquita, Franz Negedlo, Karl Thier e Fritz Zessin, mencionados nesta ordem de chegada no relatório do administrador da Colônia. Em janeiro de 1910, foram instaladas as famílias de Herman Krause, Ernest Lang, Franz Schaden, Bruno Troche e Manoel da Cruz Cartacho.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Share on Tumblr

2 thoughts on “Os primeiros moradores da Colônia Agrícola da Constança

  1. Wilson Henrique Thier

    O que chamou-me a atenção nesta página foi o nome de Karl Thier.
    Eu, Wilson Henrique Thier, sou bisneto de Henrique Thier que imigrou da Alemanha para o Brasil
    no ano de 1859, vindo ao Rio Grande do Sul, indo morar em Ferraz, na época era distrito de Santa Cruz do Sul, e hoje faz parte de Vera Cruz, e até agora nunca soube de outro Thier, o que me deixou
    curioso. Se existe algum descendente de Karl Thier, gostaria que fizesse contato comigo.

  2. cantoni Autor do post

    Olá Wilson: a família Thier que morou em Leopoldina chegou ao Brasil em novembro de 1909. Conseguiram financiamento para adquirir um lote na Constança mas desistiram dois anos depois. Não sabemos que destino tomaram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.